Maior medalhista, Phelps tem 116 vezes menos ouro que Nuzman

Presidente do COB e do Comitê Rio 2016 foi preso acusado de corrupção

Nadador Michael Phelps coleciona 23 ouros na história dos Jogos Olímpicos
Nadador Michael Phelps coleciona 23 ouros na história dos Jogos Olímpicos Luciano Belford/Frame Photo/Folhapress

Ao longo da sua carreira de maior atleta da história dos Jogos Olímpicos, Michael Phelps conquistou 23 medalhas de ouro. O número antes inimaginável tornou-se ínfimo, nesta quinta-feira (5), depois de revelados, pelo Ministério Público Federal, os 16 quilos de barras de ouro que Carlos Arthur Nuzman mantinha na Suíça.

Se levada em conta a quantidade exata de ouro em cada medalha, o nadador norte-americano tem 116 vezes menos ouro que o presidente do COB (Comitê Olímpico do Brasil) e do Comitê Rio 2016.

EsportesR7 também no YouTube. Inscreva-se

Nuzman foi preso provisoriamente no Rio, acusado de intermediar a compra de votos de membros do COI para eleição da Cidade Maravilhosa como sede das Olimpíadas. Além do dirigente, Leonardo Gryner, ex-diretor de operações, também foi preso por determinação do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal. A Unfair Play Segundo Tempo é um desdobramento da Lava-Jato.

Carlos Nuzman está há 22 anos na presidência do COB
Carlos Nuzman está há 22 anos na presidência do COB Onofre Veras/Photo Premium/Folhapress

As últimas medalhas de ouro olímpicas, por determinação do COI (Comitê Olímpico Internacional), continham 6 gramas do metal nobre independentemente do seu peso total.

As medalhas da Rio 2016 foram as mais pesadas das Olimpíadas com 500 gramas — 100 gramas a mais que Londres 2012 justamente pela imponência que se queria criar no evento. Pequim 2008 e Atenas 2004 foram mais modestas na celebração e confeccionaram peças de 150 e 135 gramas respectivamente.

Dono de 23 ouros olímpicos (cinco no Rio, quatro em Londres, oito em Pequim e seis em Atenas), Phelps tem aproximadamente 1,185 kg no total, mas em ouro mesmo são ‘apenas’ 138 gramas. Em entrevista coletiva, o MPF revelou que Nuzman tentou regularizar junto à Receita Federal os 16 quilos de ouro que estariam guardados em um cofre fora do País. O dirigente, que está há 22 anos no COB tentou fazer a retificação do imposto de renda logo após a primeira fase da Unfair Play.

O pedido de prisão apresentado pelo MPF também aponta para um aumento de patrimônio de Nuzman de mais de 457% entre os anos de 2006 e 2016, auge da carreira de Phelps.

"Enquanto os atletas corriam e lutavam em busca de medalhas de ouro, nossos dirigentes olímpicos ocultavam patrimônio em barras de ouro em contas na Suíça", criticou a procuradora Fabiana Schneider.

Nuzman ficará detido por cinco dias na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na zona norte do Rio. O pedido pode ter o prazo estendido por mais cinco ou transformado em prisão preventiva.

As barras, ou lingotes de ouro, podem ter diversos tamanhos e são utilizadas em geral por investidores considerados conservadores. Um quilo do brilho que não se apaga estaria valendo aproximadamente R$ 128 mil. As barras de ouro que Nuzman tentou retificar na Receita Federal são de um quilo cada, o que daria mais de R$ 2 milhões. Na primeira fase da operação, o dirigente também teve apreendido em sua mansão R$ 480 mil em dinheiro vivo, em cinco espécies diferentes.

Além dos 23 ouros, Phelps ainda soma três medalhas de prata (duas em Londres e uma no Rio) e duas de bronze (em Atenas 2004). O nadador norte-americano sempre levantou suspeitas por doping, mas nunca teve nada comprovado. Em 2014, foi condenado a um ano de prisão por dirigir embriagado, mas escapou da cadeia.