Na minha meninice, quando algum adulto me repreendia e eu reagia à admoestação, a santa Vovó Adelaide me recolocava no paraíso dos calmos com uma frasezinha em francês: “Fermez la bouche, il n’y a pas de mouche...” Simplificadamente: “Em... Continue lendo