Assombra%C3%A7%C3%A3o Incrível, o Corinthians é o melhor do Paulista

Asseguro que estou vivo, e inteiraço. Ou, com termos divertidamente inventados pelo mestre Mino Carta, cá me reapresento incorbúvel e imbafefe. Apenas, no começo da semana, eu fui assolado por uma assombração, um raio num poste da rua, o fim da energia elétrica da casa, o apagamento do meu micro – que, ao ressuscitar, ficou com a tela de cabeça para baixo. Demorei até este sábado para recuperar a digitação. 

E, via TV, rumei a ao Norte do Estado, a 453 quilômetros da capital, de modo a acompanhar, no Estádio José Maria de Campos Maia, 15.000 lugares, um simpático duelo entre, acredite, o melhor time do Paulista de 2017, o Mirassol de Moisés Egert, único invicto, 13 pontos em 15 possíveis, e o segundo na tabela geral, o Corinthians de Fábio Carille, 12/15, inexplicavelmente todo em azul. Ao menos, detalhe hilariante, com hashtags às costas. Por exemplo: #30eusoumaicon e #5eusougabriel. Inspirada ironização da lambança cometida, na quarta, por Thiago Duarte Peixoto, no clássico diante do Palmeiras, que se estrepou grotescamente e expulsou o atleta errado.

 Incrível, o Corinthians é o melhor do Paulista

Cotejo mais do que simpático, movimentadíssimo, apesar da calorama de 35 graus. Coube a Zé Roberto, do elenco da casa, inaugurar o marcador, aos 28’, um tiro de vinte metros, entra quatro atrasados alvinegros. E coube a Vágner, o acrobático arqueiro do Leão Dourado, evitar a igualdade do alvinegro até os 38’, um desfrute de Pablo e um desvio de Kazim, numa confusão na entrada da área pequena do clube do Interior. Melhor pro Timão, aos 43, Kazim fracassou numa bicicleta porém Maicon saboreou a bola escapada com um petardo lindo, inapelável. 

Uma chuvarada providencial refrescou os adversários e a platéia na etapa derradeira. Mas, outra lambança, detonou os equipamentos de comunicação entre Vinícius Furlan, o inseguro mediador, e os seus auxiliares. Também se acalmou o ritmo do prélio. Cada vez mais se sucederam os tombos e os escorregões. O Mirassol se esforçou para pressionar no toque. A retaguarda do Corinthians, porém, se mostrou inabalável. O Corinthians, por sua vez, lutava nas contra-ofensivas em velocidade. A pelota, no entanto, rolava em demasia. Tanto que, aos 79’, com a meta vazia, Kazim atirou no lixo a garantia dos 3 X 1. Castigão. Logo aos 81, Xuxa empatou numa cobrança de infração. 

Mosqueteiro, de todo modo, conhece muitíssimo bem o empunhamento da espada. E, aos 84, num vacilo enorme de Vágner, da elevação do seu 1m88 Pedro Henrique testou os 3 X 2. Quem imaginaria, o Corinthians como o líder absoluto do certame de 2017. 

Gostou? Clique em “Compartilhar”, em “Tuitar”, ou deixe a sua opinião em “Comentários”. Obrigado. E um abração.

 

http://r7.com/llbt