Pra ficar no Top 5

bandeira paralímpica 7001 Pra ficar no Top 5

Olá galera.

Está chegando a Paralimpíada do Rio de Janeiro. Dia sete de setembro teremos a abertura oficial. Em 2012, em Londres, o Brasil ficou na sétima posição no quadro de medalhas. A intenção agora é alcançar pelo menos a quinta colocação.

Na última edição conseguimos conquistar a boa marca de 43 medalhas (21 ouros, 14 pratas, 8 bronzes). Edilson Rocha, que é chefe da missão brasileira nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, disse que teremos a maior e mais preparada delegação da história do nosso país.

No total serão 287 atletas representando o Brasil. Alguns resultados mostram nossa evolução. No goalball masculino, fomos derrotados pela Finlândia na final, nos Jogos de Londres. Dois anos mais tarde devolvemos o revés, na final do Mundial.

No vôlei sentado também podemos destacar o vice-campeonato mundial no ano de 2014, depois de ficar em quinto lugar nas Paralimpíadas de 2012. Além dos esportes coletivos, temos destaques individuais da nova geração que podem brilhar na Rio 2016.

Nomes como Verônica Hipólito e Petrúcio Ferreira, no atletismo, e Talisson Glock, na natação, estão preparados pra brilhar. Há ainda o fator casa, que costuma pesar a favor. Com o apoio da torcida, a meta de ficar entre os cinco melhores fica bem mais fácil.

beijim

Mylena

O esporte não para!

fonteles O esporte não para!

Olá galera.

O primeiro fim de semana após as Olimpíadas teve alguns destaques importantes do esporte. Em Paris, tivemos etapa da Liga Diamante de Atletismo. Sem a presença de Thiago Braz, o francês Renaud Lavillenie venceu a prova do salto com vara. Thiago voltará a competir apenas na próxima etapa, em Zurique.

Ruth Jebet, fundista do Bahrein, mostrou porque foi campeã olímpica dos 3000m com obstáculos. Apenas doze dias após subir ao pódio no Engenhão, ela voltou a conquistar outra medalha de ouro. Dessa vez, além de vencer, bateu o recorde mundial da prova.

O único representante brasileiro em Paris foi Darlan Romani. Na Rio 2016 ele ficou em quinto lugar no arremesso de peso, com a marca de 21,02 (a melhor de sua carreira). Na Liga Diamante ele não obteve desempenho tão bom e acabou na décima posição, alcançando 19,45 metros.

Falando de futebol, Tite comandará hoje pela primeira vez o treinamento da Seleção Brasileira. Nesta semana o Brasil enfrentará o Equador e tentará manter o embalo do ouro olímpico, pra continuar vencendo e assim melhorar a colocação nas Eliminatórias para a Copa de 2018.

O novo técnico terá apenas três dias pra observar e montar a equipe. Além do tempo curto, a altitude de Quito, de aproximadamente 2.850 metros, preocupa bastante. O Brasil não vence lá desde 1983, quando derrotou os donos da casa por um a zero, gol de Roberto Dinamite.

Daqui a nove dias a Cidade Maravilhosa será palco de mais um grande evento esportivo. Dia sete de setembro começará as Paralimpíadas do Rio de Janeiro. Vamos aproveitar a oportunidade de apoiar esses heróis, principalmente nossos atletas, pra que eles consigam muitas medalhas para o nosso país.

beijim

Mylena

Pensando em 2020

japao Pensando em 2020

Olá galera.

As Olimpíadas do Rio de Janeiro acabaram a menos de uma semana, mas já tem gente pensando na próxima, em 2020. Como Tóquio será a cidade sede dos próximos Jogos Olímpicos, os japoneses querem continuar subindo no quadro de medalhas.

Em Londres, o Japão terminou na décima primeira posição. Aqui no Rio de Janeiro eles conseguiram alcançar a sexta colocação. No total, pularam apenas de trinta e oito para quarenta e uma medalhas. Mas a quantidade de ouros é que fez toda a diferença.

Em 2012, foram sete pódios dourados. Na Rio 2016, conseguiram doze. Seiko Hashimoto, que é chefe de delegação e diretora de Alto Rendimento do Comitê Olímpico Japonês, disse que terá um orçamento bem maior pra apoiar os atletas de seu país, inclusive os que residem fora.

O Japão já tem um Centro Nacional de Treinamento funcionando 24 horas, todos os dias, sem folga. Além disso, contam também com um Centro Nacional de Ciência Esportiva. A meta para 2020 é ambiciosa. Eles pretendem duplicar o número de medalhas conquistadas nos Jogos da Cidade Maravilhosa.

O país que sedia uma Olimpíada ganha o direito de inscrever mais atletas e costuma contar com orçamento maior, o que já é uma grande ajuda pra aumentar o número de medalhas. Mas com todo a estrutura que contarão nesse ciclo olímpico, provavelmente veremos muitos japoneses subindo ao pódio, em 2020.

beijim

Mylena

Adeus….

murer Adeus....

Olá galera.

Com a não participação da bicampeã olímpica no salto com vara Yelena Isinbayeva, houve grande expectativa pela possibilidade de Fabiana Murer conquistar a medalha de ouro, nas Olimpíadas do Rio de Janeiro. A russa, que seria favorita ao lugar mais alto do pódio, não pôde competir.

Atrapalhada por uma hérnia cervical, a brasileira não conseguiu um bom desempenho na Rio 2016. Campeã mundial em 2011, Murer anunciou ontem que não competirá mais. A lesão acabou mudando seus planos, já que ela disputaria algumas competições, ainda este ano.

Ela agora assumirá a função de Manager Institucional, no São Caetano, clube de São Paulo. Seu brilhante desempenho durante a carreira foi muito importante para o desenvolvimento da modalidade no Brasil. Basta ver que conseguimos uma medalha de ouro com Thiago Braz, justamente no salto com vara.

Além do Mundial em 2011, ela foi medalha de ouro no Mundial Indoor, de Doha, em 2010, e bicampeã da Diamond League, terminando a temporada de 2014 com as três melhores marcas do planeta. Também foi ouro no Pan-Americano do Rio de Janeiro, em 2007. Esses foram alguns dos muitos feitos da nossa saltadora.

Parabéns Fabiana Murer, por tudo que fez pelo esporte brasileiro. Infelizmente não deu pra ir bem nos Jogos, como você queria e merecia. Boa sorte na nova carreira. Seu conhecimento pode ser bastante importante pra que surjam novos campeões no nosso atletismo.

beijim

Mylena

Fica ou sai?

bernard9 Fica ou sai?

Olá galera.

Mesmo não sendo a principal candidata a conquistar a medalha de ouro nas Olimpíadas, a Seleção Brasileira Masculina de Vôlei contava em seu elenco com jogadores bastante talentosos, além de um treinador muito competente no comando do time. Mas depois da euforia do título, agora fica a expectativa pela permanência de Bernardinho como técnico da equipe.

Nenhum outro treinador ganhou mais medalhas em Olimpíadas que Bernardinho. Vale lembrar que como jogador ele fez parte da geração de prata nos Jogos de Los Angeles, em 1984. Com a conquista do último domingo, ele chegou a impressionante marca de seis pódios em seis participações olímpicas, como técnico. Caso ele resolva não continuar, será uma tarefa bastante difícil substituí-lo.

Com as meninas ele esteve nas Olimpíadas de Atlanta em 1996, e em Sidney, no ano de 2000. Nas duas ocasiões a Seleção ficou com o bronze. Com os homens foram quatro finais consecutivas. Ouro em Atenas (2004), prata em Pequim (2008), prata em Londres (2012), além do ouro na Rio 2016. Bernardinho também é treinador da equipe feminina do Rio de Janeiro, e deverá escolher apenas um trabalho pra continuar.

Ele, que no momento está descansando com a família, deverá decidir seu futuro nas próximas semanas. Até seu filho Bruno, levantador do Brasil, prefere que o pai escolha apenas um dos trabalhos pra permanecer. Que ele seja feliz em sua escolha. Caso decida não ser mais o técnico do Brasil, vamos torcer pra que seu substituto ajude a continuar essa bela trajetória de conquistas da nossa Seleção.

beijim

Mylena