O desespero argentino

Incrível como a Argentina não vem conseguindo jogar nestas eliminatórias.

Mesmo trocando de técnico e tendo no comando a experiência do Jorge Sampaoli, o time não ganha de jeito nenhum.

O empate diante do Uruguai, fora de casa, nem pode ser considerado um desastre.

Estava jogando contra uma seleção de tradição, que tem Suarez e Cavani lá na frente, e que é o vice-líder das eliminatórias.

Agora, empatar em casa contra a lanterna Venezuela, pode ser vista como uma tragédia.

E olha que a Argentina começou atrás no placar, num gol de contra-ataque.

Logo depois, a equipe empatou, com a participação de Icardi, que fez o primeiro gol dele na seleção principal. Se bem que o juiz anotou gol contra na jogada.

Vale dizer que praticamente era um jogo de ataque contra defesa, com os hermanos atacando o tempo inteiro e pressionando no campo do adversário.

Mas eles pecaram nas finalizações e esbarraram na grande atuação do jovem goleiro venezuelano Fariñez, de 19 anos, que já vem brilhando nas categorias de base do país, tendo conquistado o vice-campeonato mundial sub-20.

Mesmo com esta grande atuação, era pra Argentina atropelar a Venezuela.

Um time que tem Messi, Dybala, Di María e companhia, não pode sofrer desse jeito contra uma Venezuela já eliminada das eliminatórias.

Sorte deles que os outros resultados não foram tão ruins. O Chile conseguiu perder pra Bolívia, fora de casa, enquanto que o Paraguai perdeu em casa para o Uruguai.

O único placar que não foi bom, foi a vitória do Peru sobre o Equador, em Quito. Foi a terceira vitória seguida do time peruano, que segue sua recuperação nas eliminatórias.

Mas, por sorte, o Peru será exatamente o próximo adversário dos argentinos, que mais uma vez jogará em casa.

Praticamente uma decisão para os comandados do Sampaoli, que depois de duas partidas, ainda não perdeu, mas também não ganhou.

Com os dois pontos conquistados na última semana, a Argentina se mantém na quinta posição, o que lhe daria o direito de ir pra repescagem contra a Nova Zelândia.

Um calvário que parece não ter fim. Pra piorar ainda mais a cobrança da torcida, o Brasil está dez pontos na frente do segundo colocado e nadando de braçada na competição.

Quanta coisa mudou nos últimos anos hein...