1reuters20 Victor salva o Atlético Mineiro. O Tijuana travou Ronaldinho, todo o time de Cuca e o Independência. A vaga para a semifinal da Libertadores veio da alma. Foi inesquecível...
As máscaras da torcida foram uma excelente escolha.

Só que quem viveu uma noite de pânico foi o Atlético Mineiro.

O time foi travado pelo Tijuana em pleno Independência.

Os mexicanos anularam aos brasileiros.

Desesperaram os torcedores mineiros.

Graças à duas defesas milagrosas de Victor não venceram.

E não roubaram a vaga para a semifinal da Libertadores.

A última, inesquecível.

Com script de filme de terror.

"Nunca vi nada parecido em toda a minha carreira."

Desabafou Ronaldinho Gaúcho.

Não era para menos.

A partida estava empatada em 1 a 1.

46 minutos do segundo tempo.

Leonardo Silva foi tirar a bola da área do Atlético.

Só que Aguillar conseguiu ser mais rápido.

Olhando apenas para a bola, o zagueiro não o percebeu.

E ao tentar tirar o perigo, acabou por acertar o mexicano.

Pênalti que o juiz Patricio Polic marcou com convicção.

Houve vários torcedores atleticanos que começaram a chorar.

Era a velha síndrome derrotista.

O sonho parecia mesmo acabado.

Cuca passava a mão na sua camiseta do rosto de Nossa Senhora.

Riascos foi convicto para a cobrança.

Victor havia estudado suas cobranças.

Foi com convicção para o canto direito.

Só que no trajeto, percebeu que a bola iria no meio gol.

E acabou por acertá-la com o pé esquerdo.

Foi uma festa absurda dos torcedores, dos jogadores, dos dirigentes.

Por pura ironia, o time mais devastador da Libertadores foi salvo.

Justo por seu goleiro.

"Não jogamos bem contra o Tijuana.

Não nos encaixamos.

Pelo que aconteceu, o resultado foi ótimo.

A mão de Deus nos salvou", disse Tardelli.

Até chegar aquele epílogo, o Tijuana dominou os brasileiros.

Time bem montado pelo argentino Antonio Mohamed.

Sua equipe precisava vencer depois do 2 a 2 no México.

Ele tratou de estruturar seu time de forma compacta.

Preenchendo os espaços no meio de campo.

Quebrou a coluna de sustentação atleticana.

Ronaldinho foi muito bem marcado.

Ficou evidente o quanto Bernard não estava bem.

Nem fisicamente muito menos psicologicamente.

A tarde de ontem foi repleta de histórias sobre sua possível venda.

Ele não conseguia se movimentar.

Estava travado, parecia com medo de se machucar.

Um desperdício em campo.

Ronaldinho perdia seu melhor companheiro.

A marcação sobre ele era redobrada.

A bola mal chegava em Tardelli e Jô.

Os mexicanos pressionavam desde o início.

E saíram na frente.

Aos 25 minutos, Riascos completou com talento cruzamento.

E tocou sem chances para Victor.

Os torcedores mascarados do Independência se olharam.

Não acreditavam no que viam.

1 a 0 Tijuana.

Os mexicanos continuaram bem.

Muita concentração na marcação das intermediárias.

Ronaldinho ficou travado entre duas linhas de quatro.

1efe10 Victor salva o Atlético Mineiro. O Tijuana travou Ronaldinho, todo o time de Cuca e o Independência. A vaga para a semifinal da Libertadores veio da alma. Foi inesquecível...

Bernard ontem não tinha condições físicas de ser o companheiro ideal.

A sorte é que os mexicanos apelavam para muitas faltas.

Em uma delas, aos 40 minutos, Ronaldinho bateu com precisão.

E a bola chegou aos pés de Rever que completou para as redes.

1 a 1 injusto como Tijuana.

O segundo tempo foi um lá e cá alucinante.

Mas o Atlético não era nem sombra do time que encantou o continente.

Os mexicanos pisaram no Independência muito bem treinados.

E psicologicamente também estavam ótimos.

Pressionaram o Atlético no seu campo.

Acertaram o travessão de Victor em cobrança de falta.

Luan melhorou os brasileiros.

Em um contragolpe fulminante, Ronaldinho teve a chance.

Mas tocou a bola para Luan.

Livre, ele chutou fraco.

Facilitou a defesa de Salcedo.

O lance foi aos 44 minutos do segundo tempo.

Em seguida veio o pênalti infantil de Leonardo Silva.

E Victor se consagrando na defesa brilhante em chute de Riascos.

A defesa foi feita aos 47 do segundo tempo.

Em seguida o árbitro Patricio Polic encerrou o jogo.

Ainda deu tempo para expulsar Réver por palavrões, reclamações.

O Atlético Mineiro sobreviveu com as calças nas mãos.

Está nas semifinal da Libertadores.

Cuca precisa ter outras opções dentro do elenco.

Quando o time for muito bem marcado há necessidade de variações táticas.

Esfregar a mão na camiseta, rezar, nada adianta.

Ele precisa é ser criativo.

Porque o Newell's Old Boys é melhor ainda do que o Tijuana.

Os mexicanos saem da Libertadores com muito orgulho.

Deram um sufoco incrível no rival, em seus domínios.

Quanto ao Atlético, resta comemorar.

Chegar à semifinal é muito animador.

Mas Cuca terá muito o que corrigir.

Ontem a sorte esteve ao lado do Atlético.

De Victor.

E quando não estiver?

O Independência não faz milagres.

Nem a torcida joga sozinha...
2reuters5 Victor salva o Atlético Mineiro. O Tijuana travou Ronaldinho, todo o time de Cuca e o Independência. A vaga para a semifinal da Libertadores veio da alma. Foi inesquecível...

http://r7.com/5cWA