114 Tite começa a faturar como técnico da Seleção. Fez seu primeiro comercial. Da faculdade de bilionário brasileiro. Que tenha bom senso e não se exponha como Felipão. Para não se arrepender depois...
"Uma carreira vencedora não se constrói da noite para o dia.

Tem de ser bom em decisões.

Escolher a melhor formação.

Porque o mercado de trabalho é tão competitivo quanto o jogo de futebol.

Na Uninassal você pode escolher entre ensino à distância...

Ou presencial.

Em qualquer opção você se prepara para ter uma carreira de sucesso.

Venha para o time da Uninassal.

E tenha uma formação de qualidade.

Ensino à distância ou presencial é na Uninassal.

Formando vencedores..."

Desde o domingo à noite, Tite entrou para o time dos treinadores da Seleção Brasileira que aproveitaram a visibilidade para ganhar um bom dinheiro. De maneira discreta, foi veiculada a propaganda que ele fez para Uninassal.

A Faculdade Maurício de Nassau é uma instituição privada de ensino superior mantida pelo Grupo Ser Educacional com 23 unidades em funcionamento no Norte e Nordeste do País. São mais de 50 opções de cursos de graduação, pós-graduação (especialização) e técnicos.

Com o apoio do fundo norte-americano Cartesian Capital Group, o empresário José Janguiê Bezerra Diniz, nascido no Mato Grosso do Sul, está bilionário. De acordo com a revista Forbes, seu patrimônio já em 2014 era de R$ 1,2 bilhão. Ele resolveu dar visibilidade nacional para sua universidade e escolheu Tite.

316 1024x683 Tite começa a faturar como técnico da Seleção. Fez seu primeiro comercial. Da faculdade de bilionário brasileiro. Que tenha bom senso e não se exponha como Felipão. Para não se arrepender depois...

Na publicidade de 30 segundos, divulgada em todo o país, Tite sai do vestiário e entra no gramado de um estádio. Surge com blazer preto e camisa cinza. Mas o verde e amarelo está presente no estádio virtual 'lotado' de torcedores com camisas amarelas, evidente referência à Seleção Brasileira.

A princípio, Tite promete ser criterioso. Respeitar o cargo de técnico da Seleção. E não fazer publicidade de bebidas alcoólicas. E nem aceitar propagandas que o exponham ao ridículo.

Com a Libertadores e o Mundial, o Corinthians usou como pôde a imagem de técnico.

Fez publicidades internas para eventos no clube.

Bastaram nove jogos comandando a Seleção e o assédio a Tite na CBF já começou. Como os outros treinadores que passaram pela Seleção, Tite tem plena liberdade para fazer as propagandas que quiser. O dinheiro é seu. A CBF não tem o menor controle.

O maior exemplo foi em 2014. Felipão só apareceu menos em propagandas do que Neymar. Só em março daquele ano, esteve em 318 comerciais na tevê aberta. Uma overdose milionária. Ele exigia nos contratos que assinou que seu cachê não fosse divulgado. De maneira alguma. A Gilette, a Sadia, a Vivo, a Ambev, a Peugeot e Walmart aceitaram.

Scolari chegou até a 'cultivar cevada' na Granja Comary.

Para uma cerveja 'especial'.

Com o fracasso de 2014, Felipão foi banido do ar.

Todos os contratos acabaram com a Copa e não foram renovados.

O que aconteceu com Telê, Zagallo, Dunga, Parreira, Lazaroni.

Até Mano Menezes, de rápida passagem, faturou com cerveja.

E depois foi esquecido.

"Ficamos entregues na mão de uma pessoa que não foi responsável, fez 500 comerciais e não treinou sua equipe", resumiu o ex-jogador e comentarista, Edmundo, sobre Felipão na Copa de 2014.

Esse é exatamente o risco da superexposição.

Tite revelou a pessoas próximas que será cuidadoso.

Deixará o brilho para os jogadores na Copa.

Ou seja, não seguirá o caminho de Felipão.

Mas o assédio começou.

E é tentador.

As grandes marcas pagam muito bem.

Na propaganda que Dunga fez para a Oi, em 2010, rendeu R$ 1,6 milhão.

Publicitários sabem.

O cargo de treinador da Seleção é supervalorizado.

Ainda mais quando o caminho parece ser o da vitória.

Como era o de Felipão depois da Copa das Confederações.

E agora parece ser o de Tite.

Em Pernambuco, se especula: ele não ganhou menos do que R$ 2 milhões.

Dinheiro não falta ao bilionário dono da Uninassal.

Scolari recebeu mais do que do que isso de cada marca que representou.

Foram seis durante a Copa.

Ou seja, os telespectadores podem esperar.

Surgirão novas propagandas do atual treinador da Seleção.

Tite que tenha bom senso.

Para não se arrepender depois.

E ficar marcado para sempre...

http://r7.com/CmVD