Posts com a tag: Corinthians

Corinthians tenta culpar Jadson por sua ida à China. Tite perde uma peça fundamental na Libertadores. E que renderá apenas R$ 4,8 milhões. Tudo muito estranho. Amador demais…

1agenciaestado1 Corinthians tenta culpar Jadson por sua ida à China. Tite perde uma peça fundamental na Libertadores. E que renderá apenas R$ 4,8 milhões. Tudo muito estranho. Amador demais...
Coube ao próprio presidente Roberto de Andrade procurar Tite ontem. E desmentir o que havia mandado garantir ao técnico logo após o empate contra o Ituano, no domingo. O técnico terá de se virar. Jadson vai embora para o Jiangsu Sainty. Os chineses resolveram bancar a multa de cinco milhões de euros, cerca de R$ 16,3 milhões. E exigiram o embarque imediato do meia. A partir daí, a decisão ficou nas mãos do jogador.

"A multa é o limite contratual de qualquer atleta e ele mostrou interesse de sair. Não tem contraproposta. Vou fazer o que? Comprar o atleta de novo? Não dá. Se o jogador fala 'não quero jogar na China' a multa não tem valor, mas se o atleta tem vontade não tem jeito. E eles pagaram a multa", disse o presidente corintiano à emissora Fox Sports.

Ele repetiu o que disse a Tite. Jadson e seus procuradores decidiram que o melhor era ir embora. Para atuar na China, seus salários eram de R$ 350 mil. O meia teria ficado irritado pelo fato de a direção do Corinthians já estar tratando com os chineses há mais de duas semanas. Seus representantes o convenceram que o clube não teve consideração por ele. Não se preocuparam em chamá-lo para oferecer um aumento para tornar a multa muito mais cara.

O meia é um atleta muito emotivo. Gosta de atuar onde é considerado fundamental. Costuma se abater quando é questionado, subestimado. Foi assim no São Paulo. Quando Muricy passou a deixá-lo na reserva, não reagiu. Pelo contrário, se entregou. Perdeu a motivação, o ímpeto. Assim que surgiu a chance da atuar no Corinthians, foi sem olhar para trás.

Mas o destino colocou na sua direção Mano Menezes. O treinador também logo se cansou de sua instabilidade. E virou reserva do reserva. Ao voltar Tite, a primeira coisa que ouviu do técnico foi incentivo. Mas com o carinho veio o aviso que Lodeiro seria sua primeira opção.

Só que o uruguaio foi mal demais nos treinos e nos jogos nos Estados Unidos. Tanto que o Corinthians não pensou duas vezes ao despachá-lo para o Boca Juniors. A posição era de Jadson. Sem concorrentes diretos e com todo o apoio de Tite, ele passou a jogar ótimo futebol.

Por coincidência, os representantes do Jiangsu Sainty observavam o meia há tempos. E buscaram a sua compra no Parque São Jorge. A multa é considerada baixa no mercado internacional. Foi uma exigência dos agentes de Jadson. Assim como a sua porcentagem pular de 50% em 2014 para 70% este ano. Empresários podem pedir o que quiserem. Inacreditável foi a antiga diretoria corintiana, presidida por Mario Gobbi, aceitar. Ou seja, para abrir mão de uma atleta importantíssimo na Libertadores, entrarão para os cofres apenas 30% da transação, ou seja: cerca de R$ 4,8 milhões. Valor irrisório.

1reproducao22 Corinthians tenta culpar Jadson por sua ida à China. Tite perde uma peça fundamental na Libertadores. E que renderá apenas R$ 4,8 milhões. Tudo muito estranho. Amador demais...

Tite sabia do assédio chinês no seu jogador. Mas acreditou na palavra de Roberto de Andrade. O presidente sabia muito bem o quanto o Corinthians precisava do seu meia. Só que não contava com a mágoa de Jadson. Conselheiros espalham que ele aceitará porque receberá cerca de R$ 1 milhão mensalmente no Oriente.

Mas a ansiedade de Jadson por dinheiro é muito relativa. Ele passou sete anos atuando na Ucrânia, no Shakhtar Donetsk. Foi cinco vezes campeão nacional e ainda ganhou a Copa da Uefa, atual Liga Europa. Ele recebia muito bem por lá. A vida financeira do meia já está decidida.

Jadson não buscava só dinheiro no Corinthians. Importava para o meia muito mais reconhecimento, se sentir importante no clube. Quando no começo do ano sentiu que isso não acontecia, quase foi parar no Flamengo. Com a saída de Lodeiro, o Corinthians o segurou. Mas agora abriu as portas para o clube chinês. E em plena Libertadores.

Roberto de Andrade, tenta aliviar a revolta de conselheiros, dirigentes e do próprio Tite. A saída de Jadson está para acontecer logo após uma excelente atuação contra o São Paulo pela Libertadores. Em Itu, o novo diretor de futebol, Sergio Janikian, garantiu ao treinador que nem Jadson nem Gil sairiam antes do final da competição sul-americana.

O dirigente se apressa em dizer que usará o dinheiro como parte do pagamento da renovação de Guerrero. Mas não ameniza o clima de decepção no Parque São Jorge. 24 horas depois da garantia dada a Tite, o clube fecha a transação com os chineses.

Repassar a culpa a Jadson é muito fácil. O que precisa ser verificado é como toda a decisão da transação ficou com o jogador. Erro absurdo em plena disputa da Libertadores. Com o meia mostrando excelente futebol. Com R$ 4,8 milhões, que entrarão nos cofres, o Corinthians não consegue nem chegar perto de um meia talentoso para a reposição.

Pior para Tite que está perdendo uma peça importantíssima. E mais, o constrangimento que passa com a negociação. Domingo, ele avisava jornalistas em Itu que o elenco estava fechado para a Libertadores. Não contrataria mais ninguém. O mais importante, não perderia ninguém. Mera ilusão...
3ae9 Corinthians tenta culpar Jadson por sua ida à China. Tite perde uma peça fundamental na Libertadores. E que renderá apenas R$ 4,8 milhões. Tudo muito estranho. Amador demais...

Com Segurança Pública falida em São Paulo, Federação Paulista recua diante de ameaça de processo do Ministério Público. Só haverá torcida do Palmeiras no clássico contra o Corinthians….

1flick Com Segurança Pública falida em São Paulo, Federação Paulista recua diante de ameaça de processo do Ministério Público. Só haverá torcida do Palmeiras no clássico contra o Corinthians....
O Ministério Público, a Polícia Militar e alguns presidentes de clubes de São Paulo estão chegando a uma conclusão. Diante da violência sem fim das organizadas, todos querem torcida única nos clássicos. Seria a solução mais lógica. Menos soldados deixariam de servir a comunidade para trabalhar em jogos de futebol. As novas arenas seriam preservadas. Os confrontos entre torcedores rivais nos metrôs, nos terminais de ônibus, as brigas marcadas pela Internet, diminuiriam muito.

Só que a FPF é contrária à medida. Não quer esvaziado seus clássicos. Se fizer disso uma norma, quando o time mandante estiver mal no Campeonato Paulista, o estádio poderá estar vazio. O que seria péssimo para a imagem do torneio. Muito ruim para Globo e Bandeirantes que transmitem a competição.

Assim, centenas de policiais a mais deverão trabalhar por causa de 1.600 corintianos que deverão ir ao clássico no Palestra. Quase todos membros das várias facções corintianas. Os palmeirenses deverão chegar perto dos 40 mil. Se houvesse uma torcida única, tudo seria mais fácil de controlar. Menos soldados seriam deslocados para o jogo.

A direção corintiana, muito ligada às suas organizadas, já mandou avisar que não aceita. Quer seu torcedor em todos as partidas do clube. Essa postura é mais para agradar seus facções do que fruto de uma análise profunda sobre a violência.

As diretorias de Santos e São Paulo não têm a mesma preocupação que o Palmeiras. Vila Belmiro e Morumbi são estádios velhos. Estão longe de ser novas arenas com instalações modernas. E não há a preocupação em preservá-los a todo custo. Não são tão veemente contra duas torcidas. Não há medo com o que as organizadas rivais possam fazer nas suas arquibancadas. Também não existe preocupação a flor da pela dos seus presidentes sobre o que acontece nos metrôs, nas estações de ônibus e trens quando suas organizadas se confrontam com adversárias.

Vale lembrar que Marco Polo del Nero e os presidentes de clubes só vão a estádios cercados de seguranças. Muitos deles armados. Ou seja, eles estão bem protegidos até de um ataque do Estado Islâmico.

1ae6 Com Segurança Pública falida em São Paulo, Federação Paulista recua diante de ameaça de processo do Ministério Público. Só haverá torcida do Palmeiras no clássico contra o Corinthians....

Paulo Nobre também acredita que isso é um problema da sociedade. E que as autoridades deveriam agir. Mas sua prioridade agora é preservar o novo estádio. Ele pediu abertamente para o presidente Marco Polo del Nero. Queria, de qualquer maneira, só a torcida do Palmeiras no clássico de domingo, contra o Corinthians.

Nobre sabe que as organizadas corintianas vão se vingar. No clássico no ano passado, em julho, no Itaquerão, vândalos infiltrados na torcida palmeirense quebraram 258 cadeiras. O Palmeiras teve de pagar R$ 45 mil ao Corinthians. A atitude dos rivais estimulou a diretoria corintiana a tomar uma atitude enérgica. Tirou as cadeiras dos setores das organizadas adversárias. E também das suas. Em todo jogo havia cadeiras quebradas por corintianos no seu estádio.

A melhor saída foi divulgar que as próprias organizadas pediram para assistir aos jogos em pé. É um atraso. A vitória da ignorância. A tendência do mundo moderno é dar conforto aos torcedores. Mas no Itaquerão isso não pode acontecer. Até porque a Polícia Militar mandou avisar que não colocaria soldados para proteger as cadeiras, diante do vandalismo dos próprios corintianos.

No novo Palestra Itália, a WTorre não vai retirar as cadeiras. Mesmo sabendo que haverá a revanche. A vingança. É esperado que membros das organizadas corintianas vão quebrar seus assentos no domingo. A polícia sabe. O Ministério Público sabe. A Federação Paulista sabe. Até a ex-presidente da Petrobrás, Maria Graça Foster, a tudo desconhece, pelo menos da quebradeira programada para domingo ela sabe.

Marco Polo del Nero disse não ao pedido de Paulo Nobre. Mandou avisar que se abrisse o precedente e colocasse torcida única no Palestra Itália, teria de fazer o mesmo em todos os clássicos. E os outros presidentes de clubes não querem. O presidente da FPF não quer.

 Com Segurança Pública falida em São Paulo, Federação Paulista recua diante de ameaça de processo do Ministério Público. Só haverá torcida do Palmeiras no clássico contra o Corinthians....

A saída encontrada por Nobre foi financeira. Ele aumentou o preço dos ingressos do setor onde ficarão as organizadas. Tanto do Palmeiras como do Corinthians. Contra o Audax, o setor Norte custava R$ 60,00. Diante da Ponte, hoje, vale R$ 80,00 a entrada. E no domingo, R$ 200,00. O dirigente queria até mais caro. A sua esperança é que o preço espante pelo menos os vândalos mais pobres.

O Palmeiras reforçará a sua segurança no setor. Pedirá o auxílio da PM para que soldados também fiquem de olho e prendam em flagrante os corintianos que quebrarem as cadeiras. Por um acordo de reciprocidade, Mario Gobbi já mandou avisar Nobre. Retribuirá o que o presidente palmeirense fez em julho, pagando as cadeiras do Itaquerão quebradas por vândalos palmeirenses.

A preocupação do Ministério Público e da Polícia Militar vai muito além das cadeiras no domingo. O medo é que corintianos resolvam vingar a morte de Felipe Augusto Oliveira. Ele foi morto na madrugada do dia 26 de janeiro. Estava em uma festa das organizadas corintianas no Anhembi. Foi capturado por cerca de 20 membros de facções palmeirenses. Foi espancado até morrer.

A morte de Felipe seria uma retaliação das mortes de Guilherme Vinícius Jovanelli Moreira, 19 anos, André Alves Lezo, 21 anos mortos a tiros por corintianos em 2012. E do professor Gilberto Torres Pereira, assassinado a pauladas, por membros de organizadas também do Corinthians.

Mas de nada adiantou o apelo do Ministério Público e da Polícia Militar paulista. Palmeiras e Corinthians no domingo terá as duas torcidas. Só hoje será definido como as organizadas corintianas chegarão ao Palestra Itália. O esquema não tem como proteger torcedores desavisados que resolvam ir sozinhos para o jogo. Eles são as vítimas prediletas de covarde vândalos infiltrados nas organizadas. O novo estádio palmeirense é cercado por terminais de ônibus e estação de metrô.

Resta o apelo do blog para que os torcedores dos dois times que forem para o clássico, principalmente os que vão sozinhos, não usem camisas de seus clubes. Elas os identificam. Os tornam alvos em potencial para criminosos travestidos de torcedores.

A Polícia Militar e o Ministério Público assumem. Não têm como proteger o cidadão que for assistir a um jogo de futebol em São Paulo, cidade mais rica da América Latina. Então, cada um que cuide de si.

O pai que deixar seu filho sair com a camisa do Palmeiras ou do Corinthians, ou de suas torcidas, no clássico de domingo é mais do que omisso. É cúmplice por tudo de ruim que vier a acontecer. Não só estádio. Principalmente, na ida e na volta até o Palestra. Depois não vá chorar, colocar a culpa no acaso.

Em 2014 houve 309.948 crimes na capital paulista. Um aumento de 20,5% em relação a 2013. Dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública, admitindo que inúmeros de roubos, furtos, sequestros latrocínios e até mesmo assassinatos não foram registrados. Está cada vez mais perigoso andar pelas ruas. A Segurança Pública de São Paulo faliu há muito tempo...

(E a Federação Paulista acaba de ceder às ameaças do Ministério Público. Não quis ser processada e responsabilizada pelo que pudesse acontecer com os torcedores e policiais. O clássico entre Palmeiras e Corinthians só terá a torcida palmeirense. Houve bom senso. A decisão abre um precedente em São Paulo. Daqui por diante, os jogos entre times grandes talvez só tenham torcida da casa. E centenas de policiais a mais possam trabalhar nas ruas de São Paulo. Em vez de cuidar de membros de torcidas organizadas.

Diante da derrota da sociedade em proteger seus cidadãos, a decisão de hoje na sede da FPF foi mais do que acertada. Seria maravilhoso que os clássicos tivessem as duas torcidas. Nem divididas. Misturadas. Mas isso é para país civilizado. O que não é o caso ainda do Brasil. Aqui, nem duas torcidas separadas. Uma só. E está muito bom...)
1sigmapress Com Segurança Pública falida em São Paulo, Federação Paulista recua diante de ameaça de processo do Ministério Público. Só haverá torcida do Palmeiras no clássico contra o Corinthians....

Tite não deixará o Corinthians entrar na empolgação da torcida. O fantasma do Tolima o obrigou a montar um time firme, seguro para enfrentar o Once Caldas. Sabe que é um dos jogos mais importantes de 2015…

1agenciacorinthians Tite não deixará o Corinthians entrar na empolgação da torcida. O fantasma do Tolima o obrigou a montar um time firme, seguro para enfrentar o Once Caldas. Sabe que é um dos jogos mais importantes de 2015...
Tite foi dispensado do Corinthians no final de 2013. Não aceitou convites de Internacional, Grêmio, Fluminense, Flamengo. E sondagens do Palmeiras. Queria herdar a Seleção de Felipão. Acreditava piamente que seu currículo seria levado a sério por Marco Polo e Marin. Só que o escolhido foi Dunga. Não foi nem levado em consideração pela cúpula da CBF, por sua ligação com Andrés Sanchez.

Teria uma compensação com essa negativa. Roberto de Andrade, candidato da situação e favorito a suceder Mario Gobbi, vinha mantendo contatos frequentes com Tite. E, em outubro, avisou que o queria de volta ao Corinthians. O treinador aceitou. Seria a volta por cima. Sentiu-se injustiçado com a dispensa. E retomou o lugar que Mano ficou por um ano.

Nos 13 meses que ficou longe do Parque São Jorge, o técnico fez viagens. Foi assistir e comentou a final da Champions League. Acompanhou cada partida das principais seleções na Copa do Mundo dos 7 a 1. Avisou que mergulhou fundo, 'na alma do futebol' e que seus conceitos se ampliaram.

É o que ele tem a obrigação de mostrar hoje, a partir das 22h. Na aguardada primeira partida do que vulgarmente se apelidou de Pré-Libertadores. Na verdade, são duas partidas que valem a classificação para a fase de grupos. O Corinthians terá pela frente, no Itaquerão, o Once Caldas. Com a obrigação não só de vencer, como golear. Para jogar tranquilo na Colômbia, em Manizales.

Mas Tite voltou convencional. É como se o tempo tivesse parado. Ele tem uma equipe muito mais forte do que a colombiana. Com a torcida empolgada, com a Libertadores pela primeira vez na moderna arena. Só que Tite treinou, preparou exaustivamente a equipe de maneira tática para evitar surpresas, passar medo. Ter calafrios, passar vergonha, como em 2011, quando o também colombiano Tolima eliminou o Corinthians da 'Pré-Libertadores'.

Nada de 4-2-3-1, 3-4-3, como algumas várias equipes europeias atuam. Nem mesmo o 4-4-2 tradicional. Tite quer eliminar o Once Caldas no que entende ser mais firme, menos arriscado. No 4-1-4-1. Sim, compactação. Para evitar contragolpes em velocidade, proteção constante no ponto assumidamente fraco do time, o zagueiro Felipe.

Cássio, Fagner, Gil, Felipe e Fábio Santos; Ralf; Jadson, Elias, Renato Augusto e Sheik; Guerrero.

Não é uma formação ofensiva. E nem defensiva. É equilibrada. Teoricamente protegida e com poder de ganhar o meio de campo, envolver aos poucos, e com paciência, os colombianos. Capaz de ter dois ou até três corintianos na mesma bola. Liberar os dois laterais esforçados, mas limitados, Fagner e Fábio Santos. Liberar Elias para ser o clone de Paulinho, jogador que faz Tite chorar de saudade.

1ae5 Tite não deixará o Corinthians entrar na empolgação da torcida. O fantasma do Tolima o obrigou a montar um time firme, seguro para enfrentar o Once Caldas. Sabe que é um dos jogos mais importantes de 2015...

Não depender da armação do irregular Jadson. Nem na alternância física de Renato Augusto. Ou ainda em Sheik, que perdeu muito fôlego nos últimos três anos. Guerrero, irritado, sem renovação de contrato como esperava. Nem propostas da Europa.

Ralf ficará postado na frente da zaga. Para ajudar Gil a passar confiança a Felipe. O maior risco individual nesta partida. Ele se mostra inseguro até nos treinamentos. Só vai jogar porque a diretoria não contava, de forma amadora, com a volta de Anderson Martins ao Qatar. E também porque demorou para fechar com Edu Dracena. O veterano zagueiro santista ainda está fora de forma. E ficará no banco de reservas.

Tite quer e estimula o clima de entusiasmo, confiança no Corinthians. Elogia seus jogadores. Mas quer ganhar a partida fundamental de hoje no esquema tático. Trocar a suposta possibilidade de espetáculo pelo preenchimento de espaço. Pela segurança. Ele finge que esqueceu o maior vexame de sua carreira, o Tolima.

E não quer repetir o que aconteceu em 2011. Ele colocou o time de Ronaldo e Roberto Carlos para golear os colombianos no Pacaembu. O tempo foi passando, o nervosismo dominou torcida e time. Ao final, 0 a 0. Em Ibagué, o Tolima foi empurrado por sua torcida. Enquanto o Corinthians mostrava suas falhas defensivas. Perdeu por 2 a 0. Tite esteve à porta da demissão. Mas foi salvo por André Sanchez, que não quis pagar sua multa rescisória.

"Tudo o que eu não quero é os meus jogadores com 300 quilos nas costas. Não. É para todos encararem com alegria, como uma partida importante, sim. Mas atuando confiante, sabedores do seu potencial. Temos um plano de jogo e é o que iremos fazer. A torcida é fundamental. Mas o que valerá será o nosso trabalho, o nosso planejamento", garante Tite.

3ae3 Tite não deixará o Corinthians entrar na empolgação da torcida. O fantasma do Tolima o obrigou a montar um time firme, seguro para enfrentar o Once Caldas. Sabe que é um dos jogos mais importantes de 2015...

As observações do ex-jogador Mauro, que assistiu na Colômbia a alguns jogos do Once Caldas, e mais os vídeos do rival, foram importantes. Tite sabe que o time adversário é novo. Mais de dez atletas foram contratados para esta temporada. Não há entrosamento. Flabio Torres montou um time leve, basicamente de contragolpe. Muito fechado na intermediária. E que utiliza a correria de Balanta pela direita e Arango pela esquerda.

O Once Caldas precisa do Corinthians aberto, desarrumado para surpreender. Por isso, Tite quer a vitória segura. Mesmo se o Corinthians, por questão de cuidado, tiver de impor um ritmo mais lento, é o que fará.

As jogadas aéreas foram treinadas à exaustão. Escanteios e faltas nas laterais do campo estarão a cargo de Jadson, que bate muito bem na bola. Só nestes momentos Gil e até Felipe estarão liberados, buscando as cabeçadas. Mas sempre com a cobertura de Ralf, Elias, Renato Augusto e um dos laterais, prontos para matar os contragolpes com faltas.

A torcida e grande parte da imprensa estão acreditando que o Corinthians entrará francamente ofensivo. Buscando uma goleada histórica no Itaquerão. Ela pode até vir em decorrência da fragilidade técnica dos colombianos. Mas não faz parte dos planos de Tite. O treinador precisa da vitória, mas de maneira segura. Tática. Com o controle do jogo nas mãos. Essa foi a maior lição que aprendeu no seu ano forçadamente sabático.

Ou seja, por Tite, o Corinthians chegará muito mais consciente do que entusiasmado para a partida importantíssima de hoje. Seu time vai vibrar, dar o sangue, lutar por cada bola, cada centímetro. Não prestando atenção aos gritos dos apaixonados torcedores. Seguirá o que foi treinado, combinado. Sem o desespero ou a arrogância tática que sabotaram o clube em 2011. É isso que exige o calculista Adenor...
4ae1 Tite não deixará o Corinthians entrar na empolgação da torcida. O fantasma do Tolima o obrigou a montar um time firme, seguro para enfrentar o Once Caldas. Sabe que é um dos jogos mais importantes de 2015...

Ibope, Datafolha e pay-per-view mostram que Flamengo e Corinthians merecem receber a mais. O sonho de redistribuição do dinheiro da Globo está morrendo. Para profunda raiva de Eurico Miranda…

2reproducao1 Ibope, Datafolha e pay per view mostram que Flamengo e Corinthians merecem receber a mais. O sonho de redistribuição do dinheiro da Globo está morrendo. Para profunda raiva de Eurico Miranda...
As diretorias de Flamengo e Corinthians ganharam um enorme presente hoje. Com o vazamento de como será a distribuição das cotas de pay-per-view. Os R$ 300 milhões que a Globo dividirá pelos jogos mostrados em 2014 nos seus canais a cabo.

Os clubes mais populares do país foram os tiveram suas partidas mais assistidas. Os dados se basearam em pesquisas feito pelo Datafolha e Ibope. Foram ouvidas mais de dez mil pessoas. E a opção pelos dois se manteve firme à frente. O Flamengo com 15,2% enquanto o Corinthians ficou com 12,8% das preferências. O time carioca garantiu mais R$ 45,4 milhões nos seus cofres. E o paulista, R$ 38,4 milhões. A divulgação aconteceu no site da também tevê a cabo, ESPN-Brasil.

Mais do que o dinheiro, os dados desarmam a articulação de Eurico Miranda. Ele jurou publicamente ao voltar para a presidência vascaína que alteraria a distribuição das cotas de tevê. Na aberta, que paga muito mais. Acabaria com o privilégio flamenguistas e corintianos. Iria matar a 'espanholização' na raiz. Só que as pesquisas continuam mostrando que os dois clubes são os que despertam o maior interesse dos torcedores. Seus dirigentes já avisaram várias vezes à Globo que exigem continuar ganhando muito a mais.

Flamengo e Corinthians recebem pelo Brasileiro, na aberta, R$ 110 milhões. A partir de janeiro de 2016, receberão R$ 170 milhões cada uma. O São Paulo recebe hoje, R$ 80 milhões. Passará a ganhar R$ 110 milhões. O Vasco de Eurico Miranda e o Palmeiras, embolsam R$ 70 milhões. Passaram a ganhar R$ 100 milhões. O Santos saltará de R$ 60 milhões para R$ 80 milhões.

Atlético, Cruzeiro, Grêmio, Internacional, Fluminense e Botafogo recebem R$ 45 milhões e ganharão R$ 60 milhões. Os demais clubes ganharão entre R$ 27 milhões e R$ 35 milhões.

A diferença para Flamengo e Corinthians ficará gritante. Lembrando que quanto mais dinheiro da tevê, mais jogos mostrados. O que atrai patrocínios maiores. Mais torcedores. Mais sócios-torcedores.

3ae1 Ibope, Datafolha e pay per view mostram que Flamengo e Corinthians merecem receber a mais. O sonho de redistribuição do dinheiro da Globo está morrendo. Para profunda raiva de Eurico Miranda...

O ranking de pay-per-view está baseado nas informações do assinante. Só os dois clubes são responsável por 29% da audiência. São números fortes demais, consolidados.

A briga de Eurico para tentar reverter esse quadro terá de ser política. Sem embasamento numérico. Por uma questão de justiça, os dois clubes mais populares do país precisam sim ganhar mais. A questão é se a diferença financeira é grande demais ou não.

A audiência do pay-per-view de 2014 teve a potência de um soco no queixo de Eurico Miranda, presidente do Vasco, nas diretorias do Grêmio, do Santos, do Palmeiras, do São Paulo. Esses clubes estavam sonhando com uma oportunidade para obrigar a Globo a redistribuir. de maneira mais igual, o dinheiro que investe. Perderam hoje um enorme argumento.

A esmagadora maioria entre dez mil pessoas revelou ao Ibope e ao Datafolha. 29% paga para ver Flamengo e Corinthians em campo. Os 71% restantes se dividem em 16 equipes...
1reproducao3 Ibope, Datafolha e pay per view mostram que Flamengo e Corinthians merecem receber a mais. O sonho de redistribuição do dinheiro da Globo está morrendo. Para profunda raiva de Eurico Miranda...

Empolgação no Corinthians. Os R$ 8 milhões que o Boca pagará por Lodeiro têm endereço certo. Deverão servir para a renovação de Guerrero. Para alegria de Tite…

4ae 1024x512 Empolgação no Corinthians. Os R$ 8 milhões que o Boca pagará por Lodeiro têm endereço certo. Deverão servir para a renovação de Guerrero. Para alegria de Tite...

A conta é simples, tosca até. Pegar R$ 8 milhões que o Corinthians receberá do Boca Juniors por Lodeiro e repassá-los para Guerrero. E desembolsar os restantes R$ 10 milhões que ele pede como luvas em suaves prestações. Pagar R$ 520 mil mensais pelos próximos três anos. E acertar de vez a renovação de contrato do principal ídolo do clube, para que dispute a Libertadores com a cabeça tranquila.

Não há medo em reforçar o clube argentino, que poderá ser até rival do próprio Corinthians. A necessidade de dinheiro fala mais alto. O River Plate, por exemplo, não quis negociar o zagueiro Balanta com o São Paulo. A alegação é que não deixaria um provável adversário na Libertadores mais forte.

Roberto de Andrade e Andrés Sanchez estão por trás da engenharia financeira. Os dois já conversam com os agentes do jogador desde o final de 2014, quando acertaram a contratação de Dudu. Mario Gobbi se sentiu traído por ser o último a saber e implodiu a negociação com o atacante. Ele foi parar no Palmeiras.

Os agentes de Guerrero fizeram questão de dizer. Não rompiam com o Corinthians, muito menos com o ex-presidente Andrés ou o candidato favorito à eleição presidencial, Roberto de Andrade. Mas queriam distância de Gobbi. Nem ver a figura do atual presidente, cujo mandato termina no próximo sábado, dia 7 de fevereiro.

Talvez não por coincidência, Gobbi avisou que não pagaria os R$ 18 milhões de luvas e mais R$ 520 mil para a renovação de contrato do atacante peruano. Não havia dinheiro em caixa. Além da necessidade de pagar o Itaquerão. Andrés e Roberto de Andrade já acham uma loucura tudo não ter sido fechado até o dia 15 de janeiro. Desde dessa data, o jogador pode assinar um pré-contrato com qualquer outra equipe. E ir embora sem render um centavo ao Corinthians. Inclusive o Palmeiras, que mostrou interesse.

Mas os empresários de Guerrero são fiéis. Têm a promessa que Roberto de Andrade cuidará com carinho da renovação, se eleito. Enquanto isso, o atacante não esconde sua irritação. E não perdeu oportunidade, em rádio espanhola, dizer que, além do Corinthians, nutre uma vontade de voltar para a Europa.

2ae Empolgação no Corinthians. Os R$ 8 milhões que o Boca pagará por Lodeiro têm endereço certo. Deverão servir para a renovação de Guerrero. Para alegria de Tite...

Tudo caminhava em passo de tartaruga, até que surgiu um novo elemento. Os empresários de Lodeiro tinham uma proposta muito tentadora para o Corinthians. A direção do Boca Junior queria pagar 2,5 milhões de dólares, cerca de R$ 6,7 milhões por 50% dos direitos de Lodeiro. Já era um ótimo negócio, já que o clube paulista pagou R$ 4,5 milhões pela metade do uruguaio junto ao Botafogo, em julho de 2014. Mas Gobbi exigiu 3 milhões de dólares. Os argentinos enrolaram, titubearam, mas aceitaram pagar. São R$ 8 milhões em caixa que o clube não previa.

Gobbi mandou perguntar a Tite se Lodeiro seria fundamental ao clube na Libertadores. O treinador observava de fora o uruguaio. Acreditava que ele poderia ter um desempenho mais efetivo no meio de campo corintiano. Achava um exagero o que fez Mano. Autorizou sua contratação e depois o esqueceu no elenco.

Ao reassumir o cargo no Corinthians, Tite todas as chances para o meia na pré-temporada nos Estados Unidos. Foi uma lástima. Intimidado, inseguro. Jadson mostrava ao menos muita vontade de ficar no Parque São Jorge. E melhorava seu futebol. Como também os reservas Danilo e Petros. Mandou avisar que a direção poderia sim negociar o uruguaio.

Na sexta-feira, Tite deixo escapar, antecipou que algo poderia acontecer neste final de semana. "O elenco do Corinthians é ótimo. Só acredito que esteva um pouco desequilibrado. Há setores onde há jogadores demais." Foi a senha.

A resposta definitiva do Boca Juniors chegou ontem de manhã. Aceitava pagar R$ 8 milhões por metade de Lodeiro. O clube vai disputar a Libertadores. Tinha pressa para fechar com o uruguaio. Ele estava escalado para enfrentar o Marília. Foi tirado da partida. E Jadson assumiu seu lugar na fácil vitória diante do Marília por 3 a 0.

Tite tem excepcional relacionamento com Roberto de Andrade. E sabe muito bem que, com apenas mais cinco dias no cargo, Mario Gobbi não terá coragem de tocar em um centavo nestes R$ 8 milhões que chegarão do Boca Juniors. Este dinheiro não irá para o Itaquerão. Roberto ganhando a eleição, pegará esses milhões e os destinará a Guerrero.

1ae Empolgação no Corinthians. Os R$ 8 milhões que o Boca pagará por Lodeiro têm endereço certo. Deverão servir para a renovação de Guerrero. Para alegria de Tite...

O candidato de Andrés acredita que o atacante precisa disputar a Libertadores com o foco no Corinthians. Não o quer jogando sem contrato renovado. Pretende impedir qualquer possibilidade de saída do Parque São Jorge. Na partida de ontem, os torcedores já faziam coro exigindo sua permanência.

Roberto de Andrade tem acalmado os agentes de Guerrero. Insiste que não abrirá mão do jogador se eleito. O candidato da oposição quer a permanência do peruano. Só que deseja pagar muito menos do que está pedindo. Ele não tem relacionamento algum com os donos da Thinkball, empresa que administra a carreira do atacante. Os empresários e o próprio jogador já sabem dos milhões que estão chegando ao Parque São Jorge da Argentina.

Tite estava muito aliviado depois da vitória por 3 a 0 diante do Marília. Seus sorrisos não tinham a ver com o jogo. Mas com o aumento enorme da possibilidade de ter seu atacante predileto na Libertadores. E com o foco total no Corinthians. Graças ao dinheiro conseguido com o inseguro Lodeiro. Assim terminava a noite de domingo, promissora no Parque São Jorge.

Com a certeza de que nem Mario Gobbi poderá sabotar a renovação de contrato do seu jogador mais desejado. Não há mais como ele dizer que não há dinheiro no Corinthians. Não depois da partida de Lodeiro...
3ae Empolgação no Corinthians. Os R$ 8 milhões que o Boca pagará por Lodeiro têm endereço certo. Deverão servir para a renovação de Guerrero. Para alegria de Tite...

Os milhões e a badalação que o Corinthians e a Nike desperdiçaram com Pato. Essa a grande motivação de Paolo Guerrero não baixar um centavo no pedido de sua renovação. Ou recebe ou vai embora…

3ae7 Os milhões e a badalação que o Corinthians e a Nike desperdiçaram com Pato. Essa a grande motivação de Paolo Guerrero não baixar um centavo no pedido de sua renovação. Ou recebe ou vai embora...
Demorou. Foram exatos dois anos, mas finalmente Pablo Guerrero teve a oportunidade. Trouxe a público de maneira cifrada, o que só os jogadores que estavam no Corinthians em janeiro de 2013 sabiam. O grande motivador para que não baixe a sua proposta de R$ 18,6 milhões em luvas e R$ 520 mil mensais. Para renovar por três anos.

"Vou ser claro. O que estou pedindo está dentro das possibilidades do Corinthians. Não quero falar de outros jogadores que chegaram e, infelizmente, não jogaram. O Corinthians pagou um monte de dinheiro por eles. E não jogaram", repete, firme, irritado.

Quem alimenta a firmeza e a ira do peruano, sem sequer imaginar, está no Morumbi. E atende pelo nome de Alexandre Pato. Atual reserva de Luís Fabiano, veterano jogador de 34 anos. Podendo ficar na reserva do reserva Jonathan Cafu, que tem empolgado Muricy.

A raiva de Guerrero tem a cumplicidade em vários jogadores que estavam no Parque São Jorge já dois anos. O time havia acabado de conquistar o título mundial de clubes. Já tinha vencido pela primeira a Libertadores da América em 2012. A campanha havia sido fantástica.

Mas a patrocinadora Nike via uma falha insuperável no elenco. Para os executivos da empresa, faltava uma grande estrela internacional. Capaz de vender muitas camisetas. E divulgar ainda mais o nome do Corinthians no Exterior. Principalmente na Europa, Estados Unidos e mercado asiático. Havia um atleta "Nike" que estava à mão.

Alexandre Pato estava disposto a deixar o Milan. Assim como o clube italiano, como se descobriu depois, a se livrar do seu inconstante atacante. Se acreditava na época que o grande problema do jogador eram suas contusões musculares. Teve 16 delas nos cinco anos que jogou pelo Milan.

O atacante tinha o sonho de disputar a Copa do Mundo de 2014. Tinha certeza que em um clube com grande apoio popular no Brasil, seria uma facilidade. Além disso, o potencial da equipe o 'carregaria nas costas'. Ser garoto propagada era com ele mesmo. Faria todas as campanhas sem problema algum.

A transação foi a maior da história no Brasil. Nenhum clube nacional havia pago tanto, 15 milhões de euros, na época, R$ 43 milhões, por um jogador. O acordo foi selado por quatro anos. Pato receberia R$ 800 mil mensais. Mais R$ 40 mil de auxílio moradia. E as luvas foram 40% dos direitos que passaram a ser do atacante. Ou seja, R$ 16 milhões.

A contratação de Pato arruinou o ambiente no Corinthians. Primeiro porque Tite não pediu o jogador. Muito pelo contrário, não o queria. Tinha certeza que seu problema maior como jogador não estava nas contusões. E sim na bola. Analisando jogos do atacante pelo Milan, viu sua dificuldade extrema em dominar, tabelar, se infiltrar. E mesmo finalizar. Não tinha o potencial finalizador que precisava. Avisou a diretoria. Mas a contratação estava consumada. O clube não iria brigar com quem tem contrato até 2025, recebendo R$ 30 milhões até 2022 e R$ 40 milhões nos três últimos anos. Aceitou o atleta.

 Os milhões e a badalação que o Corinthians e a Nike desperdiçaram com Pato. Essa a grande motivação de Paolo Guerrero não baixar um centavo no pedido de sua renovação. Ou recebe ou vai embora...

Alexandre Pato já chegou ganhando mais do que todos. A começar por Tite. Ele recebia R$ 500 mil. Mas foi entre os jogadores, a revolta. Afinal, eles haviam acabado de se tornarem campeões mundiais e só se falava no jogador que chegava do Milan. A raiva iria aumentar quando souberam quanto dinheiro iria para o seu bolso.

No Morumbi, Alexandre Pato não escondeu que nem pensa em voltar ao Parque São Jorge. Nunca teve bom ambiente com os atletas corintianos. Nem mesmo com Tite. O atleta sabia que ele não o queria. Assim como a torcida. Não esquece o coro ameaçador de torcedores na invasão ao CT em 2014, prometendo que se o achassem, quebrariam suas pernas. Essa atitude foi a motivadora de sua troca de clube.

Emerson Sheik já foi citado por Pato em várias conversas na concentração são paulo. Foi quem mais o rejeitou. O veterano atacante recebia, na época, R$ 350 mil, nem a metade do recém-chegado. Mas não era só ele quem ganhava esse dinheiro. E estava ressentido com a valorização do ex-jogador do Milan. Paolo Guerrero embolsa, revoltado, até hoje R$ 350 mil. O atacante que marcou os gols que deram o título mundial ao Corinthians. E que se manteve titular desde que foi contratado.

O peruano tem um ego gigantesco. Ele é a maior estrela do futebol peruano. Ele é perseguido por paparazzi em Lima. As televisões de lá imploram para que participe de programas durante suas férias. É garantia de audiência. Completamente tatuado, adora se expor em fotos. Namora artistas.

Mesmo jogando mal demais, Pato estava em todas as campanhas publicitárias do Corinthians. O que só irritava a todos. Eles não se conformavam. Haviam conquistado a desejada Libertadores e o Mundial. Mas os méritos acabaram caindo no colo de quem não chutou uma bola pelo clube em 2012.

1agenciacorinthians4 Os milhões e a badalação que o Corinthians e a Nike desperdiçaram com Pato. Essa a grande motivação de Paolo Guerrero não baixar um centavo no pedido de sua renovação. Ou recebe ou vai embora...

Sheik conseguiu renovar seu contrato e teve o aumento que pretendia. Passou a ganhar R$ 500 mil mensais. Guerrero ousou pedir um reajuste. Ouviu um sonoro não. Diante da dura negativa de Gobbi, disse que iria esperar. Enquanto aguardava, teve o seu pescoço apertado por um integrante da torcida organizada corintiana, na famosa invasão ao CT no ano passado. Invasão filmada, com os invasores identificados. E ninguém foi preso. Nem o 'estrangulador' do peruano.

Guerrero esperou. E agora, junto com seus representantes, está tratando o Corinthians de maneira profissional. Do mesmo jeito que foi tratado. Ele quer ser valorizado. Tendo como parâmetro os R$ 43 milhões que o clube pagou por Alexandre Pato. Mais os 40% de luvas, correspondente a R$ 16 milhões. O salário de R$ 800 mil que, mesmo no São Paulo, obriga a diretoria a desembolsar a metade, R$ 400 mil para atuar no rival. E ainda pagar R$ 40 mil como auxílio-moradia.

Por isso que o peruano não cede. Não quis nem saber da proposta de quatro milhões de dólares, cerca de R$ 10,6 milhões. Não se alterou quando ela passou a cinco milhões de dólares, R$ 13,3 milhões. Ele quer R$ 18,6 milhões. E mais R$ 520 mil a cada trinta dias nos próximos três anos.

Mario Gobbi que recusou o aumento já pedido no ano passado, disse que não negocia mais com Guerrero. Se dependesse do atual presidente, o atacante poderia ir embora em julho. Roberto de Andrade, candidato de Andrés Sanchez, e favorito à sucessão de Gobbi não concorda. Quer segurar o peruano alegando que ele é o maior ídolo corintiano.

4ae7 Os milhões e a badalação que o Corinthians e a Nike desperdiçaram com Pato. Essa a grande motivação de Paolo Guerrero não baixar um centavo no pedido de sua renovação. Ou recebe ou vai embora...

Nunca ficou claro aos dirigentes e aos torcedores porque Guerrero era tão firme na pedido. O seu desejo vai além de querer ter um final de carreira confortável. Ele também está se vingando por ter sido tão desvalorizado quando havia acabado de ser campeão mundial. Feito os gols que deram as vitórias corintianas no Japão contra o Al Ahly e o Chelsea.

Engoliu em seco ser passado para trás por Alexandre Pato. O viu fazer todas as campanhas publicitárias possíveis. E ganhar mais do que o dobro do seu salário. Mas o tempo passou. A hora é sua. De cobrar juros e correção monetária da raiva, do ressentimento que passou.

Por isso sua retórica e lógica são simplórias. Se o Corinthians pagou, e paga, tanto por um atacante que nada fez, ele quer ser valorizado. Por isso não aceita reduzir sua pedida. Sabe muito bem que há clubes e rivais do Corinthians que podem pagar o que está pedindo.

A partir de 15 de julho, estará livre. Para sair do Parque São Jorge sem render um centavo. Com a possibilidade de atuar até de verde, no Palestra Itália. O Corinthians e a Nike que fiquem com o seu 'querido' Alexandre Pato, com quem tem contrato até dezembro de 2016. E o obriguem a jogar no time que ele jurou não atuar nunca mais...
1ap9 Os milhões e a badalação que o Corinthians e a Nike desperdiçaram com Pato. Essa a grande motivação de Paolo Guerrero não baixar um centavo no pedido de sua renovação. Ou recebe ou vai embora...

Enorme decepção no Corinthians. Tite e a diretoria não esperavam as juras de amor de Guerrero à Europa. Sua palavras à uma rádio espanhola podem fazer o clube desistir do peruano…

1ae24 Enorme decepção no Corinthians. Tite e a diretoria não esperavam as juras de amor de Guerrero à Europa. Sua palavras à uma rádio espanhola podem fazer o clube desistir do peruano...
"Eu quero continuar no Corinthians. Já falei isso mais de mil vezes. Está na mão da diretoria decidir. Por mim eu fico. Me sinto muito bem aqui."

"Minha intenção agora é voltar para a Europa. Minha intenção era ir depois do Mundial de Clubes (em 2012). Vim para ganhar e voltar para a Europa. Vieram opções, mas o Corinthians fechou as portas para todos."

Qual é o verdeiro Guerreiro? O que realmente o atacante peruano deseja? Onde está o foco do jogador: na Libertadores ou no seu retorno ao continente europeu? Será que disputará sem medo os aguerridos jogos da Pré-Libertadores contra o Once Caldas? Seus empresários já estão negociando com um clube europeu para que ele vá embora 'de graça' no meio do ano?

Estas são as perguntas que dominam o Corinthians. A revolta já começou na sala presidencial de Mario Gobbi. Ele é brigado com os empresários do jogador: Marcelo Goldfarb, Bruno Paiva e Marcelo Robalinho, sócios da Thinkball. O desgaste aconteceu na negociação envolvendo Dudu. Os agentes deixaram acertados salários e luvas do jogador com o ex-presidente Andrés Sanchez e o candidato Roberto de Andrade. Mas se sentindo desprestigiado, Gobbi recusou a transação. E o atacante foi parar no Palmeiras.

A Thinkball publicou uma nota em repúdio à postura do presidente corintiano. "Apenas desejamos ao Corinthians, em nome de sua grandeza e tradição, que o dia 7 de fevereiro (dia da eleição do novo presidente) chegue depressa ante ao processo latente de apequenamento que se dá dia após dia. Aguardamos a entrada da nova diretoria para podermos voltar a sentar à mesa e lembrar que estamos lidando com um clube glorioso e centenário."

A convivência ficou impossível. Gobbi quis saber, no ano passado, quanto Guerrero queria para renovar. Seu contrato termina em julho. A partir do dia 15 deste mês ele já pode acertar um pré-contrato com qualquer equipe. E o Corinthians não receberá um centavo. Se for para a Europa, Gobbi não precisa nem ser notificado.

Os empresários de Guerrero afirmaram que ele desejava luvas de 7 milhões de dólares, cerca de R$ 18 milhões. Mais salários de R$ 520 mil por um contrato de três anos. O Corinthians concordava com o salário e tempo de contrato. Só que aceitaria pagar, no máximo, cinco milhões de dólares, R$ 12,9 milhões.

2ap7 Enorme decepção no Corinthians. Tite e a diretoria não esperavam as juras de amor de Guerrero à Europa. Sua palavras à uma rádio espanhola podem fazer o clube desistir do peruano...

Com o desgaste envolvendo Dudu, as conversas ficaram suspensas. Gobbi não quer nem ver o rosto dos empresários do jogador. E orientado por eles, o atacante peruano não negocia sozinho com os dirigentes corintianos. A ordem dos seus agentes é esperar a eleição no clube, dia 7 de fevereiro. E negociar com Roberto de Andrade, favorito à vitória, e muito próximo dos empresários. Há uma certa rejeição a Roque Citani, candidato da oposição.

Aos trancos e barrancos, a situação estava sendo suportada. Até porque, nas curtas entrevistas que dava para a imprensa brasileira, Guerrero jurava que desejava seguir no Corinthians. Não aventava a possibilidade de voltar à Europa. Sua fidelidade era exemplar. O que só aumentava a pressão dos conselheiros e membros da diretoria para a renovação.

A revelação da entrevista à rádio espanhola pegou todos de surpresa. O constrangimento é geral. Não há como o atacante dizer que foi mal interpretado. Colocar o culpa no jornalista que o entrevistou. Tudo foi gravado. E divulgado.

Pior, o atacante deu essa entrevista depois que vazaram rumores que o Hamburgo, sua ex-equipe, estaria interessada na sua volta para disputar a próxima temporada. Ele e seus agentes estariam costurando o retorno para lá.

"Paolo Guerrero tem contato com clubes do futebol alemão. Ele quer voltar para lá. Seu contrato termina no meio do ano e há possibilidades de assinar o Hamburgo", disse o ex-jogador Thomas Vogel à revista Bild. Vogel garantiu que trabalha junto com os empresários do atacante. O que foi, a princípio, negado pelos agentes brasileiros.

Os jornais do Peru insistem no retorno do jogador à Europa desde a semana passada. Nos últimos dias, o tom de certeza vem aumentando. Enquanto isso, no Corinthians, os boatos de que o clube estaria buscando um substituto para o artilheiro crescem. Nomes são lançados ao ar todos os dias. Vão desde Hernani até Vagner Love.

Tudo está muito estranho. Fazendo jogo de cena ou não, o ex-presidente e mentor de Roberto de Andrade, Andrés Sanchez, deu entrevista à rádio Bandeirantes em dezembro. E confirmou que, na opinião dele, Guerrero teria de abaixar sua proposta. Ou então seria melhor liberá-lo.

2ae11 Enorme decepção no Corinthians. Tite e a diretoria não esperavam as juras de amor de Guerrero à Europa. Sua palavras à uma rádio espanhola podem fazer o clube desistir do peruano...

Tite e Roberto de Andrade são os grandes defensores da permanência do atacante no Corinthians. Pelo menos até ficarem sabendo da entrevista à rádio espanhola. O peruano falou algo completamente diferente do que vem repetindo desde novembro de 2014. E mais: constrangeu o clube quando garantiu que o Corinthians fechou todas as portas para sua volta à Europa.

Guerrero foi ainda mais direto em outro trecho da entrevista à rádio europeia. Perguntado se poderia atuar na Espanha e não na Alemanha onde já atuou, o atacante se mostrou muito oferecido. Estaria disposto a jogar em qualquer país europeu. "Qualquer uma dessas ligas são tentadoras. Ainda estou em pré-temporada, estou tranquilo. Há possibilidades. Para mim, é sempre tentador estar em uma liga competitiva."

Para os poucos adeptos de Mario Gobbi no Corinthians, a máscara caiu. Para eles ficou claro que Guerrero não tem amor algum ao clube. Pelo contrário. Ele está interessado é em voltar à Europa. Disse com todas as letras que ficou no Parque São Jorge forçado por seu contrato.

A entrevista também pegou mal para Roberto de Andrade, Andrés e Tite. Roque Citadini nunca foi apaixonado pelo atacante. Ele terá de se explicar. Ou então assumir que deseja ir mesmo embora do Corinthians. O amor incondicional, de muita gente no Parque São Jorge, ao peruano acabou hoje. Suas palavras podem fazer com que o clube desista até de tentar a renovação de contrato.

Afinal ninguém sabe afirmar. Qual é a verdadeira vontade de Guerreiro? Por que ele fala uma coisa para repórteres brasileiros e outra, completamente diferente, aos europeus?
1ap8 Enorme decepção no Corinthians. Tite e a diretoria não esperavam as juras de amor de Guerrero à Europa. Sua palavras à uma rádio espanhola podem fazer o clube desistir do peruano...

O polêmico Gabriel Vasconcelos terá de mudar sua atitude. Ou não terá chance no Corinthians de Tite. O técnico ficou indignado com o desrespeito do garoto com a torcida do São Paulo…

1reproducaotv2 O polêmico Gabriel Vasconcelos terá de mudar sua atitude. Ou não terá chance no Corinthians de Tite. O técnico ficou indignado com o desrespeito do garoto com a torcida do São Paulo...
"Precisamos melhorar as pessoas, a nossa sociedade em um todo, e o futebol faz parte disso. Ele precisa repensar, pedir desculpa, isso cabe, todo ser humano pode pedir desculpa. Elas serão aceitas. Mas nossa preocupação é formar bom cidadão também. Aqui no São Paulo temos essa preocupação e coibimos qualquer desrespeito com outras pessoas. É triste, sempre tentamos formar atletas bons, respeitando o torcedor. Futebol é um espetáculo e o torcedor merece respeito."

A declaração do treinador dos juniores do São Paulo, Menta, foi dura. Criticou como um educador Gabriel Vasconcelos. O atacante marcou o terceiro gol na semifinal da Copa São Paulo, na vitória por 3 a 0 do Corinthians. O garoto cruzou as mãos, gesto característico da torcida organizada Independente. Mas esticando os dedos médios, obscenos, debochados. Imitando o que fez o volante Cristian em 2009, ao marcar em clássico contra o rival.

O técnico do Corinthians, Osmar Loss, não esperava aquela comemoração. E, assustado, tentou impedir que seu jogador falasse com os jornalistas. Ele conhece bem o gênio do garoto. Mas o atacante não iria perder a oportunidade de terminar o que havia começado conscientemente. Queria chamar a atenção e conseguiu.

"Eu faria de novo. Não estava incentivando a violência. A provocação faz parte do futebol", dizia, sorridente, orgulhoso.

Gabriel havia avisado aos companheiros de time. Se fizesse um gol contra o São Paulo repetiria Cristian. Iria encarar os torcedores do São Paulo. E 'dar os dedos' sem medo. Foi o que fez. Mesmo sabendo do clima bélico entre as organizadas dos dois times. Não quis nem saber. O momento era dele.

1ae17 1024x576 O polêmico Gabriel Vasconcelos terá de mudar sua atitude. Ou não terá chance no Corinthians de Tite. O técnico ficou indignado com o desrespeito do garoto com a torcida do São Paulo...

E ele conseguiu o que queria. Virou manchete de vários portais, jornais, televisões. No time muito bom, montado pelo Corinthians, ele não é o principal destaque técnico. Matheus Vargas e Matheus Cassini são as apostas no clube. Inclusive seus nomes chegaram aos ouvidos de Tite. Mas o atacante roubou a cena.

Nascido em Rondônia, ele saiu de casa com 13 anos. E foi para o Fluminense. Sua maior qualidade é o oportunismo. Chegou até a jogar na Seleção Brasileira de base. Campeão sul-americano sub-15. O irmão Sérgio Vasconcelos é seu empresário. E ele não acertou salários para a renovação nas Laranjeiras. Indicado para o Parque São Jorge, o Corinthians fez um acordo e ficou com 50% dos seus direitos. A outra metade ficou com investidores. Assinou contrato por três anos.

1fluminense O polêmico Gabriel Vasconcelos terá de mudar sua atitude. Ou não terá chance no Corinthians de Tite. O técnico ficou indignado com o desrespeito do garoto com a torcida do São Paulo...

Gabriel chegou em setembro do ano passado. Com o aval de Mano Menezes e de seu empresário Carlos Leite. Ambos tinham boas referências do atacante.

Embora tenha começado a Copa São Paulo na reserva, já marcou sete gols no torneio. Está a um da artilharia. Virou titular absoluto. E grande esperança do nono título corintiano, na decisão de amanhã, contra o Botafogo de Ribeirão Preto, no Pacaembu.

A grande questão é a ética. O gesto obsceno de um menino de 18 anos lhe garantiu popularidade, espaço em todas as mídias. Notoriedade. A Copa São Paulo de 2015 e seus absurdos 104 clubes virou dos 'dedos médios' de Gabriel. Sua provocação poderia ter terminado muito mal. Só deixou mais raivosos os membros das organizadas são paulinos. A PM precisou apelar para bombas de efeito moral, gás de pimenta e balas de borracha para conter a torcida. Ela desejava o confronto com as organizadas corintianas. A provocação do artilheiro conseguiu deixar os vândalos mais irritados.

A Federação Paulista de Futebol, organizadora do torneio, nem pensa em punir o corintiano. Pelo contrário. Ele é a grande atração na final de amanhã. Ainda mais às vésperas da despedida de Marco Polo del Nero da presidência da entidade, antes de assumir a CBF, ele quer é mais divulgação da sua competição. Como é que iria tirar da decisão o jogador que virou a maior estrela?

Assim virou o atual futebol brasileiro. Ser talentoso, técnico, artilheiro apenas não são garantia de espaço. Quanto mais polêmico o jogador for, melhor. Gabriel Vasconcelos ensinou o caminho. Não só para seus companheiros de Corinthians. Mas dos outros times e mesmo meninos ainda mais novos. Como Cristian o influenciou, agora ele deixa a lição. Torta, mas que funciona.

1agenciacorinthians2 O polêmico Gabriel Vasconcelos terá de mudar sua atitude. Ou não terá chance no Corinthians de Tite. O técnico ficou indignado com o desrespeito do garoto com a torcida do São Paulo...

A mídia consome novidades. Um jogador profissional, vivido, encarar a torcida adversária em um clássico e mostrar os dedos já é algo fora do normal. Cristian tomou essa atitude em 2009. Há seis anos. E até hoje ele vive dela. Tanto que quando acertou seu retorno ao Parque São Jorge fez questão de repetir a pose em uma foto com Dentinho.

Agora Gabriel Vasconcelos faz o mesmo. Está orgulhoso, com seu irmão colecionando matérias e mais matérias sobre sua atitude. Mas ele deveria conversar um pouquinho com Nunes. Ele era atacante do Santo André. Na decisão da Copa São Paulo de 2003, contra o Palmeiras, ele marcou um gol. E imitou um porco. Ganhou toda a atenção da mídia até porque mais uma vez os palmeirenses não conseguiram o título. Ficou marcado por toda a carreira pela atitude.

Atacante truculento, mas oportunista, Nunes esteve na mira do próprio Palmeiras duas vezes. Mas não foi contratado pela imitação de porco. Perambulou em vários clubes. Foram mais de vinte. Não vingou como jogador importante. Agora irá disputar a Segunda Divisão do Campeonato Paulista pelo Guarani. Se arrependeu do que fez. Mas agora é muito tarde.

Tite é muito rígido em relação a desrespeito aos adversários. Assim que acabar a Taça São Paulo, aproveitará os principais atletas corintianos. É bom se preparar. Além de precisar jogar muito bem, Gabriel precisará mudar profundamente sua atitude. O treinador detestou a provocação do menino. Ficou chocado com a atitude do garoto. E comentou com várias pessoas no clube. Ele não aceitará essa postura desrespeitosa com os adversários.

Gabriel que aproveite para fazer suas molecagens nos juniores. No profissional do Corinthians, Tite já deixou claro. Ou ele se enquadra ou terá de procurar outro clube para mostrar seus dedos médios. Por mais promissor que possa ser. Polêmica nem sempre é a garantia de uma carreira concreta. Nunes, no empobrecido Guarani, que o diga...
1reproducaomuriloborges O polêmico Gabriel Vasconcelos terá de mudar sua atitude. Ou não terá chance no Corinthians de Tite. O técnico ficou indignado com o desrespeito do garoto com a torcida do São Paulo...

Gobbi virou o maior aliado do São Paulo no leilão por Dudu. Cansado de ser apontado como responsável pelas dívidas corintianas, não quer gastar com o atacante. Está implodindo uma negociação praticamente fechada…

1ae5 1024x576 Gobbi virou o maior aliado do São Paulo no leilão por Dudu. Cansado de ser apontado como responsável pelas dívidas corintianas, não quer gastar com o atacante. Está implodindo uma negociação praticamente fechada...
Se Cinara Maturana não for ciumenta, Carlos Miguel Aidar precisa dar um beijo estalado na bochechas de Mario Gobbi. O presidente do Corinthians virou seu maior aliado no leilão por Dudu. O dirigente resolveu se vingar no final de seu mandato. Cansou de ser humilhado, sabotado. Acusado de ser mau gestor. Até agosto do ano passado, o clube acumulava R$ 261 milhões em dívidas. A suspeita é que 2014 acabou com quase R$ 300 milhões em débitos. Lembrando que a primeira parcela de R$ 100 milhões pelo Itaquerão precisa ser paga no meio do ano...

Só que há situações humilhantes para a atual diretoria no meio de tantas dívidas. Uma interessante lista de 18 nomes chegou às mãos de vários jornalistas em 2014. Nela constavam os jogadores que recebiam do Parque São Jorge atuando em outras equipes, com sua autorização.

Sheik, Botafogo, R$ 520 mil; Pato, São Paulo, R$ 400 mil salários e mais R$ 40 mil de auxílio moradia; Júlio César, Náutico, R$ 180 mil; Douglas, Vasco, R$ 150 mil (até julho, quando rescindiu); Ramirez, Botafogo, R$ 130 mil, Vitor Júnior, Figueirense, R$ 120 mil, Rena, Bragantino, R$ 75 mil; Elton, Flamengo, R$ 75 mil; André Vinícius, União da Madeira (Portugal), R$ 35 mil; Igor, Sport, R$ 35 mil, Zé Paulo, Atlético Paranaense, R$ 30 mil, Willian Arão, Atlético Goianiense, R$ 25 mil, Paulinho, América Potiguar, R$ 20 mil; Yago, Bragantino, R$ 18 mil. Mais de R$ 1,8 milhões.

Não bastasse isso, outro estranho vazamento no final do ano. E muito, muito mais grave. O empresário de Mano Menezes, Carlos Leite, emprestou R$ 2 milhões para Gobbi pagar o 13º dos funcionários e jogadores do Corinthians. Sem juros, correção monetária. Algo que banco algum faria.

Ronaldo Ximenez, que passou de secretário de Gobbi, a diretor de futebol do Corinthians, foi quem achou inacreditável os dados serem divulgados. Eram tratados como sigilosos no clube. E só situacionistas teriam acesso a essas informações. Ele detectou o que batizou de 'fogo amigo'.

Gobbi apoia Roberto de Andrade à sua sucessão porque é obrigado. Os dois têm sérios problemas de relacionamento. Praticamente não se falam. Roberto era vice de futebol, mas se desligou no ano passado. Não aceitava as ingerências do presidente. Principalmente a sua decisão de mandar Tite embora. Gobbi manteve o apoio a Roberto porque diz é uma questão de lealdade ao grupo que levou Andrés Sanchez ao poder. Não engoliu ter de dispensar seu amigo Mano Menezes.

2ae4 Gobbi virou o maior aliado do São Paulo no leilão por Dudu. Cansado de ser apontado como responsável pelas dívidas corintianas, não quer gastar com o atacante. Está implodindo uma negociação praticamente fechada...

Só que Andrés também não suporta mais Mario Gobbi. Depois de dois mandatos no Parque São Jorge, se ele quisesse, nomearia Joelma do Calypso como sua sucessora. Preferiu dar o cargo a Gobbi, seu pupilo. Disse que se tornar o 'prefeito' do Itaquerão. Assumiria a responsabilidade de tocar a obra e buscar naming rights. Andrés não dá ponto sem nó. Tinha a certeza que teria os holofotes da mídia.

E teve, até quando não desejava. Nas tristes mortes dos operários na construção do estádio. No endividamento absurdo da obra que passou do bilhão de reais. Do atraso inacreditável que obrigou a Fifa a promover a estreia da Copa sem um jogo-teste com a arena lotada, como deveria acontecer. A abertura do Mundial aconteceu em um estádio sem total cobertura. Porque Andrés vetou os vidros brancos que, ao refletir o sol, ganhavam um tom esverdeado.

Foi além: autorizou o vice Luiz Paulo Rosenberg a consultar a Fifa, pedindo para que o gramado fosse pintado artificialmente de preto. "Verde é a cor do rival Palmeiras", bradava Rosenberg. Lógico que o pedido não foi nem levado em consideração.

Mas Andrés deixou as dívidas para serem pagas à Odebrecht. A primeira parcela de R$ 100 milhões precisa ser quitada no meio do ano. O Corinthians tendo de economizar e pagando R$ 1,8 milhão para atletas atuarem em outras equipes. Pegando emprestado dinheiro do empresário de Mano Menezes, a quem Gobbi queria manter no Corinthians a todo custo.

Os vazamentos desnortearam Gobbi. Ele se diz 'enojado' com a política do clube. Revela estar estafado, 12 quilos mais gordo, tenso. E jura que, quando terminar o seu mandato, no próximo mês, vai sumir do Corinthians. Mas faz questão de posar como o homem que conquistou a inédita Libertadores da América e o Mundial no Japão. Sabe que ninguém o tirará da história corintiana por causa desses títulos. Muito mais importantes que o Brasileiro e a Copa do Brasil que Andrés ostenta.

Gobbi e Ximenez se revoltaram de vez nas últimas semanas. O vazamento das dívidas, do desperdício do dinheiro, do empréstimo de Carlos Leite já foram graves. Mas, quando souberam que o gerente Edu Gaspar estava se reportando a Roberto de Andrade e Andrés em relação às novas contratações, surtaram.

1agenciacorinthians Gobbi virou o maior aliado do São Paulo no leilão por Dudu. Cansado de ser apontado como responsável pelas dívidas corintianas, não quer gastar com o atacante. Está implodindo uma negociação praticamente fechada...

Decidiram mostrar autoridade. Foram dois casos simbólicos. Dudu e Conca. Os dois souberam pela imprensa que Andrade e Andrés instruíram Gaspar e até telefonaram para a Unimed. Agiam como se fossem dirigentes com poder no Corinthians. Foi quando Gobbi resolveu comprar talvez a sua última briga política no Parque São Jorge. Contra Andrés, o mentor que deve estar arrependido de lhe ter dado o cargo, em vez de nomear Joelma do Calypso.

Gobbi repetiu o mestre. Quando dirigentes e conselheiros exigiram a demissão de Tite após a derrota do Corinthians para o Tolima, na eliminação da Pré-Libertadores de 2011, Andrés foi direto. "Quem quer a saída do Tite, assine o cheque da rescisão. E pronto. Ele está na rua." Ninguém quis pagar do bolso a multa que batia nos R$ 2 milhões. O técnico ficou e foi campeão da Libertadores e do Mundial.

Gobbi mandou avisar a Andrés. Não há dinheiro agora para pagar a primeira parcela que o Dinamo está exigindo para ceder Dudu, R$ 4,8 milhões. Se ele e Roberto de Andrade conseguirem os milhões ou adiar o recebimento para maio, tudo certo. O mesmo vale para Conca. Se a dupla conseguir convencer a Unimed a aceitar R$ 12 milhões parcelados e a entrada for para maio, excelente. Não vetará. Mas por que maio? Porque Gobbi não será mais o presidente corintiano. O problema não será mais dele e, provavelmente, de Roberto - favoritíssimo na eleição.

1reproducao3 Gobbi virou o maior aliado do São Paulo no leilão por Dudu. Cansado de ser apontado como responsável pelas dívidas corintianas, não quer gastar com o atacante. Está implodindo uma negociação praticamente fechada...

Andrés não esperava o confronto aberto. O que reverteu uma situação ganha. Dudu e seu empresário Bruno Garcia já haviam acertado salários e tempo de contrato com Edu Gaspar. O que encorajou o jogador a assumir abertamente preferir o Corinthians ao São Paulo. Carlos Miguel já se conformava com a derrota. Foi quando a direção do clube ucraniano avisou. Recusara a proposta corintiana. Se Aidar confirmar o pagamento da primeira parcela à vista, terá o jogador. Dudu tenta resistir, não quer ir para o Morumbi. Teme a rejeição da torcida. Ainda deseja o Corinthians.

Bruno Garcia empresaria também Guerrero. E irritou profundamente Gobbi. Ele e o atacante não cedem. Querem 7 milhões de dólares como luvas, cerca de R$ 18,7 milhões como luvas. E mais R$ 570 mil mensais por três anos de contrato. O contrato de Guerrero vence no meio de julho deste ano. A partir de fevereiro, se não renovar, já poderá assinar pré-contrato com quem quiser. E sair do Parque São Jorge no sétimo mês deste ano. Sem render um centavo para os cofres corintianos.

A ideia de Andrés, Roberto de Andrade e Garcia com problemas, depois de negociarem com o Dinamo e com a Unimed, é muito atraente para os aliados de Gobbi. Há o gostoso sabor de vingança misturado no café servido na luxuosa sala da presidência no Parque São Jorge.

Quem perde com tudo isso é Tite e o próprio Corinthians. A pré-Libertadores contra o Once Caldas começará no dia 4 de fevereiro, no Itaquerão. O jogo de volta será no dia 11, na Colômbia. O treinador não sabe se poderá organizar um esquema com Dudu ou não. O atacante chegou a ter sua reserva feita para a pré-temporada nos Estados Unidos. E depois cancelada.

O São Paulo será adversário do Corinthians no grupo da Morte da Libertadores. Desde que o time de Tite elimine o Once Caldas. San Lorenzo, atual campeão, e o Danubio do Uruguai são os outros 'companheiros do Grupo 2. Só duas equipes ficarão com duas vagas.

De camarote, tomando champanhe com Cinara, o romântico Carlos Miguel acompanha a anarquia tomando conta do Parque São Jorge. E manda o seu departamento de marketing agir. Preparar uma desculpa que amenize a rejeição da torcida, em caso de Dudu ter de atuar no Morumbi e não no sonhado Corinthians. Gobbi que prepare as bochechas...
1reproducaoglamurama Gobbi virou o maior aliado do São Paulo no leilão por Dudu. Cansado de ser apontado como responsável pelas dívidas corintianas, não quer gastar com o atacante. Está implodindo uma negociação praticamente fechada...

O novo estádio do Palmeiras é mais confortável, mais versátil e custou quase a metade do que o Itaquerão, do Corinthians. A melhor notícia, não tem dinheiro público envolvido…

1ae15 1024x576 O novo estádio do Palmeiras é mais confortável, mais versátil e custou quase a metade do que o Itaquerão, do Corinthians. A melhor notícia, não tem dinheiro público envolvido...
Finalmente o Palmeiras inaugurará seu novo estádio amanhã. É a última arena moderna erguida no País neste ano de Copa do Mundo. Um absurdo de modernidade, comparado ao primeiro campo do antigo Parque Antárctica em 1922. E como não poderia deixar de ser, devido à rivalidade, a ressurreição do Palestra Itália está sendo comparada ao Itaquerão, do Corinthians. E há diferenças enormes.

A mais significativa está no uso de dinheiro privado. O Palmeiras não se beneficiou do dinheiro público, que jorrou fácil para o Mundial. Não teve acesso a incentivo fiscal especial e juros abaixo do mercado para a Copa. Ao contrário do estádio corintiano de mais de R$ 1,1 bilhão. Esse dinheiro deverá ser pago pelo Corinthians em 161 meses, 13 anos para quitar sua dívida com a Odebrecht. A arrecadação dos jogos no Itaquerão vai para um fundo imobiliário que administra a dívida do clube. E em junho de 2015 a primeira parcela deverá ser paga: R$ 100 milhões. Há sérias dúvidas se o dinheiro das rendas atingirá esse patamar.

A WTorre investiu R$ 660 milhões no estádio para 43 mil pessoas. O clube não pagará nada. A construtora usufruirá dos maiores lucros por 30 anos. Mas o Palmeiras terá direito à bilheteria dos jogos. 20% do aluguel do estádio para para shows. Mas o percentual vai aumentando progressivamente com o passar dos anos. Há a pendência na justiça por 35 mil cadeiras. Os camarotes são da construtora.

Já houve a venda do naming rights. São R$ 300 milhões por 20 anos. 80% desse dinheiro é da construtora. Ao Palmeiras sobrará 20%. Mas que também crescerá paulatinamente, ano a ano. O Palmeiras receberá R$ 750 mil nos três primeiros anos. R$ 1,5 milhão do quarto ao oitavo ano. R$ 2,250 milhões do nono ao 13 ano. R$ 3 milhões do 14º ao 18º ano. E finalmente R$ 3.750 milhões nos dois últimos anos. O contrato poderá ser renovado se a Allianz quiser. Por mais dez anos. E a proporção continuará a mesma: 80% a 20%.

Quando o anúncio foi feito, no ano passado, houve até uma discreta comemoração no Parque São Jorge. Os valores eram muito inferiores ao que o Corinthians deveria conseguir. O ex-presidente Andrés Sanchez falava desde 2011 em R$ 400 milhões por dez anos para o Itaquerão. A Emirates era a empresa mais mencionadas. O clube chegou a gastar R$ 350 mil em viagens de Andrés e outras pessoas ligadas ao Corinthians. Foram para a Arábia, China, Estados Unidos, Europa. E nada.

O pior é que, com o passar dos anos, Itaquerão já se firmou como nome do estádio. Como Mineirão, Morumbi, Maracanã. Está cada vez mais inviável qualquer negociação com o Exterior.

1fotoarena1 O novo estádio do Palmeiras é mais confortável, mais versátil e custou quase a metade do que o Itaquerão, do Corinthians. A melhor notícia, não tem dinheiro público envolvido...

Em compensação, uma grande derrota da Allianz. A empresa europeia de seguros acreditou que todos os veículos de comunicação citariam o seu nome ao se referir ao novo estádio. Só que a dona do direito de transmissão no Brasil, a Globo, já decidiu que, daqui para a frente, será Arena Palmeiras. O que é um golpe com efeito colateral no próprio Itaquerão. Atrapalha ainda mais a complicadíssima venda do nome do estádio.

O acesso é uma grande vantagem dos palmeirenses. O estádio fica na zona Oeste da Capital Paulista, na Água Branca. Perto do centro da capital. Fica mais perto o acesso de qualquer ponto da cidade. Há metrô e inúmeros ônibus por perto. Além da marginal Tietê. Itaquera fica distante do centro de São Paulo, no extremo da Zona Leste. Embora tenha metrô, as opções de ônibus são mais escassas.

Isso reflete nos shows. Não há nenhum de grande porte programado para o Itaquerão. Aliás, desde a sua abertura, não recebeu nenhum. O estádio do Palmeiras terá o de Paul MacCartney nos dias 25 e 26 deste mês. Rolling Stones já estão confirmados em 2015. Uma das maiores empresas de espetáculos do mundo, a EAG administrará os eventos. Bon Jovi, Beyoncé, Madonna e muitos outros artistas fazem parte do seu cardápio. O lucro de cada show deverá chegar a R$ 2 milhões.

O grande questionamento é no alvará do novo estádio palmeirense. Nele consta reforma. As taxas ficaram mais baratas. A WTorre só deixou um lance do antigo Palestra Itália. Foi pura hipocrisia, esperteza. Porque foi construída nova arena.

2ae8 O novo estádio do Palmeiras é mais confortável, mais versátil e custou quase a metade do que o Itaquerão, do Corinthians. A melhor notícia, não tem dinheiro público envolvido...

O portal espanhol El Gol Digital pediu a arquitetos renomados do mundo todo que escolhessem as fachadas dos estádios mais bonitos do mundo. A avaliação chegou a apenas dez. O do Palmeiras foi o eleito como o mais espetacular de todos. O Itaquerão ficou em oitavo. Aqui a lista divulgada no ano passado.

1 - Allianz Parque, do Palmeiras - São Paulo, Brasil
2 - Stade Velodrome, do Olympique Marseille - Marselha, França
3 - Stade des Lumières, do Lyon - Lyon, França
4 - Nou Mestalla, do Valencia - Valência, Espanha
5 - Beira-Rio, do Inter - Porto Alegre, Brasil
6 - Stadion Spartak, do Spartak Moscou - Moscou, Rússia
7- Arena Pantanal, de propriedade estatal - Cuiabá, Brasil
8 - Arena Corinthians, do Corinthians - São Paulo, Brasil
9 - CSKA Moscou Stadium, do CSKA - Moscou, Rússia
10 - Vodafone Arena, do Besiktas - Istambul, Turquia

As diferenças entre os dois estádios são grandes. A capacidade do estádio palmeirense será de 43 mil pessoas. Para amanhã, foram liberados 39 mil lugares. O Itaquerão comporta 48 mil torcedores. Mas a arena que será inaugurada amanhã terá todos os seus lugares cobertos. Nem na Copa do Mundo, o Corinthians conseguiu oferecer esse conforto.

Outra diferença gritante: o preço de cada assento dos palmeirenses é de R$ 12 mil. O dos corintianos chega a R$ 23 mil. Esses números são a divisão do que foi gasto para a construção dos estádios pelo número de lugares. Logo se percebe que o do Corinthians saiu por quase o dobro do seu rival.

O tamanho do gramado também é diferente. O do Palmeiras é maior: 115 metro de cumprimento por 78 de largura e o do Corinthians chega a 105 metros por 68 metros. Significativa diferença quando o adversário tenta se defender. O efeito pressão da torcida é maior no Itaquerão. Os corintianos ficam a apenas sete metros do gramado. Já os palmeirenses mais próximos do jogo ficarão a oito metros e trinta centímetros. A acústica no Palestra Itália garantirá maior ressonância aos gritos. Como também às vaias.

Por enquanto, o Palmeiras promete manter as cadeiras para os setores das organizadas. Tanto as suas como as dos times adversários. Cansada de pagar por cadeiras quebradas pelos torcedores, a diretoria de Mario Gobbi decidiu: no Itaquerão torcedor organizado assiste aos jogos em pé. Sejam adversários ou corintianos. Se a selvageria se repetir na Água Branca, os dirigentes palmeirenses farão a mesma coisa. A WTorre construiu 160 camarotes, onde pretende faturar muito dinheiro nos shows. No Itaquerão são apenas 89, voltados especificamente para o futebol.

No balanço geral, o novo estádio leva vantagem em relação ao do rival na Zona Leste. O grande problema está no time dos donos da nova casa. O Palmeiras já fará sua estreia pressionado, lutando contra o rebaixamento para a Segunda Divisão. Já o Corinthians com o seu Itaquerão luta pela Libertadores...
3reproducao4 O novo estádio do Palmeiras é mais confortável, mais versátil e custou quase a metade do que o Itaquerão, do Corinthians. A melhor notícia, não tem dinheiro público envolvido...

Página 1 de 2812345...Último