Se Del Nero for banido da CFB, conselheiros prometem lutar por sua expulsão do Palmeiras
Por enquanto, o movimento é tímido. Silencioso. Mas está crescendo, firme. Já é real a possibilidade de o Palmeiras expulsar o presidente afastado da CBF, Marco Polo del Nero, do seu Conselho Deliberativo.

O presidente do Conselho Deliberativo, Seraphim del Grande, e o presidente do Conselho de Orientação Fiscal, Carlos Afonso Della Monica, têm ouvido pedidos de conselheiros para que Marco Polo del Nero seja expulso do clube.

Os motivos são as graves acusações feitas a ele no julgamento do ex-presidente da CBF, José Maria Marin, nos Estados Unidos. Del Nero é acusado nos EUA de sete crimes: três de fraude, três de lavagem de dinheiro e um por formar uma organização criminosa

O afastamento exigido da CBF, pelo Comitê de Ética da Fifa por 90 dias, foi o estopim para que Del Grande e Della Monica comecem a ser pressionados. Conselheiros repetem que as denúncias são gravíssimas e comprometem a imagem do Palmeiras.

Advogado, del Nero tem uma longa jornada no clube. Em 1971, foi nomeado diretor da Comissão de Sindicância do clube. Além disso, exerceu funções de diretor jurídico, diretor de Futebol e secretário do COF do Palmeiras, até ser indicado como benemérito e conselheiro vitalício.

Em 1985, Del Nero passou a integrar o Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paulista de Futebol, e foi presidente do TJD de 1988 a 2002. Lá fortaleceu seus laços com o então presidente da Federação Paulista de Futebol, Eduardo José Farah. Assumiu o cargo em 2003. Mandou no futebol paulista até 2014. Em abril daquele ano foi eleito presidente da CBF, cargo que assumiu no dia 16 de abril de 2015.

Desde a devassa que o FBI e o Departamento de Justiça fizeram na cúpula da Fifa, prendendo vários dirigentes por corrupção, entre eles José Maria Marin, no dia 27 de maio, o prestígio de Marco Polo del Nero despencou no Palmeiras.

Ainda sendo investigado formalmente pelas autoridades norte-americanas, Del Nero deixou de viajar, sair do Brasil. Por recomendação dos seus advogados. O medo é que seja preso.

217 1024x647 Se Del Nero for banido da CFB, conselheiros prometem lutar por sua expulsão do Palmeiras

"Por que o presidente Marco Polo não viaja? Porque o modelo americano [de investigação] policia o mundo. Qualquer denúncia, prende-se e depois aguarda uma delação. [...] Presidente Marco Polo não viaja porque o sistema de funcionamento de tentativa de delação por parte dos que têm alguma denúncia, mesmo sendo inconsistentes, é assim", defende o secretário-geral da CBF, Walter Feldman.

Nenhum brasileiro pode ser extraditado do Brasil, mesmo que tenha mandado de prisão decretado em países com os quais o Brasil tem acordo de extradição. Esses acordos só valem para o caso de um estrangeiro procurado estar em território brasileiro e ser encontrado pelas autoridades nacionais.

Depois da queda de Marin e as várias acusações feitas a Marco Polo, seu prestígio no Palmeiras caiu violentamente. O principal atingido foi seu filho. Ele não teve força política para eleger conselheiro vitalício Marco Polo del Nero Filho, duas vezes. A primeira em março de 2016 e a segunda, em setembro, há três meses. Foram duas derrotas pesadas. E que mostraram o descontentamento dos conselheiros com o presidente da CBF.

Del Nero que já aparecia raramente no clube, sumiu de vez.

A suspensão de 90 dias do cargo de presidente da CBF, pelo Comitê de Ética da Fifa, já foi algo muito incômodo nas alamedas do Palestra Itália. Caso a Fifa siga o caminho mais provável, o do banimento, os conselheiros contra ele prometem formalizar uma campanha para que seja expulso também do clube.

Não é tarefa fácil.

O caso exemplar no futebol paulista foi do ex-presidente do São Paulo, José Eduardo Mesquita Pimenta. Ele foi bicampeão mundial. Mas ele foi gravado pedindo propina em uma eventual venda de Mario Tilico ao Logroñes, ao empresário Francisco Monteiro, conhecido como Todé. Acabou expulso do quadro de sócios. Só que um laudo da Unicamp mostrou que houve cortes na fita apresentada pelo empresário. E o laudo bastou para que fosse readmitido. E inclusive voltar a concorrer à presidência do clube.

O presidente Mauricio Galiotte repete o que fez Paulo Nobre. Não toca publicamente nas acusações feitas a Marco Polo del Nero. Não se manifesta, mesmo ele sendo conselheiro vitalício palmeirense. Só que Galiotte não tem como evitar a oficialização de um eventual pedido de expulsão de Del Nero por conselheiros.

412 Se Del Nero for banido da CFB, conselheiros prometem lutar por sua expulsão do Palmeiras

No clube, a situação é transparente.

Basta a Fifa formalizar o banimento do futebol de Marco Polo del Nero, ou mesmo ele pedir a renuncia da CBF, terá de enfrentar o pedido de expulsão no Palmeiras. Cada vez mais, ele perde apoio de antigos aliados. Deixou de ser convidado para festas, reuniões, confraternizações.

Perdeu quase todo prestígio que acumulava desde 1971.

O movimento segue tímido, sem estardalhaço.

Mas firme.

Inclusive o próprio Del Nero já está sabendo...
716 1024x577 Se Del Nero for banido da CFB, conselheiros prometem lutar por sua expulsão do Palmeiras

http://r7.com/Q659