divulgação23 Roger, um príncipe nórdico contrariado no Cruzeiro...
Que jogador do Brasil tem cacife para aparecer como galã em novela da TV Globo?

Teve inúmeras modelos, Adriana Galisteu e casou com Deborah Secco?

Que pessoa não ficaria afetada sendo tratada como um príncipe desde que resolveu jogar futebol?

No país que mantém seu racismo debaixo do tapete...

Um filho da classe média, loiro, olhos claros, todos os dentes na boca seria invejado por onde pisasse...

Ainda mais tendo uma habilidade fora do comum com a bola nos pés...

Essa paparicação dos dirigentes e das mulheres com quem cruzou foi o que travou a carreira de Roger...

Ele poderia ter ido muito mais longe.

Se não fosse tratado como um semideus nos clubes e nos braços femininos...

Fiz uma longa entrevista com ele quando atuava no Corinthians...

E ele me contou que sua mãe era aeromoça e se separou do seu pai muito cedo...

A mãe foi uma heroína...

Trabalhou o quanto pôde para lhe dar os melhores colégios, a melhor saúde, a melhor alimentação, a melhor roupa...

Na escola o seu talento no futebol apareceu e logo clubes brigavam por ele...

Assim como as meninas que o disputavam como namorado...

Roger cresceu mimado pelos dirigentes e pelo sexo feminino...

Ele vê a vida assim, nesta gostosa combinação...

E não admite que sua vida seja diferente...

A primeira consequência ruim foi a rejeição a todo tipo de cobrança...

Preparadores físicos tiveram suas bocas caladas por dirigentes...

Quando cobravam que Roger desse mais uma volta, fizesse mais um exercício, a resposta era não...

Quando ele se cansava, descansava...

Não admitia questionamentos, já que seu talento o garantia...

Mas essa postura impediu que ele se transformasse em um atleta...

Foi tratado como o Príncipe de Gales no Fluminense...

E a boa vida com as garotas continuou...

Fugia das comunidades...

Não precisava ir na eleição da Garota da Laje de Nilópolis...

Seu destino com o melhor carro sempre foi a Barra, a Zona Sul...

E ele foi trocando de clubes e de mulheres...

Com a mesma frequência...

Ficou bem perto da Seleção Brasileira, mas sua falta de preparo físico pesou...

Assim como a sua personalidade egocêntrica...

Inesquecível a cabeçada que ele tomou do truculento Lúcio quando o Brasil perdeu para Camarões em 2000...

No machista mundo do futebol, Roger foi ferido de morte por não reagir...

Ganhou uma marca, uma cicatriz, uma tatuagem de homem sem fibra...

Pouco importa se Lúcio era muito mais forte do que ele...

Que pegasse suas chuteiras e as atirasse no rosto do zagueiro que tem o apelido de Cavalo...

E saísse correndo depois...

Mas cadê preparo físico?

Roger perambulou pelo mundo do futebol...

Ficou rico...

E acabou no Cruzeiro...

Encontrou Montillo, Gilberto e Cuca...

Resolveu que 2011 seria um ano diferente...

Não se contentaria com a reserva...

E em vez de falar primeiro com Cuca, escolheu a imprensa...

Comprou a briga...

Neurônios de sobra ele tem para antever o que iria acontecer...

Cuca nunca foi um técnico ditador, briguento...

Pelo contrário, até...

Mas foi pressionado pela direção do Cruzeiro...

Tinha de tomar uma atitude contra Roger...

E além de deixá-lo na reserva, barrou o jogador até do treinamento..

Avisou quem manda...

Mas por outro lado...

Abriu a porta de saída do clube, de Minas Gerais...

O futebol brasileiro sabe que ele está à disposição...

Quem quiser um meia talentoso, com pinta de galã, de 32 anos, casado com Deborah Secco...

Mas que não pode ser contrariado...

E pensa que é um príncipe nórdico perdido em um paraíso tropical...

Repleto de dirigentes paternalistas e mulheres apaixonadas...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

http://r7.com/A1Ht