divulgação28 Renato Gaúcho trouxe a confiança que me faltava no Grêmio. Exclusiva com Jonas, artilheiro do Brasileiro. Que um dia foi emprestado de graça à Portuguesa...
Rio de Janeiro

Nem mesmo ele imaginava que poderia dar uma reviravolta tão grande na sua carreira.

De jogador desacreditado, dispensável, emprestado de graça à Portuguesa...

Atacante capaz de perder gols incríveis...

A ídolo, artilheiro do Campeonato Brasileiro, cobiçado por times europeus...

2010 revolucionou a carreira de Jonas.

Em meio à entrega da premiação dos melhores do País, ele deu uma entrevista exclusiva ao blog.

Jonas, o que aconteceu com você?

Que mudança foi essa na sua carreira?

Foi a prova do que pode acontecer quando as pessoas confiam em você.

Eu sempre soube do meu potencial como atacante.

E fazia meus gols, mas havia sempre uma certa dúvida no ar.

Isso porque as pessoas não percebiam que muitas vezes o Grêmio não jogava no ataque.

Priorizava apenas a marcação.

E poucas bolas chegavam na frente.

Com o Renato Gaúcho tudo mudou.

No meu time e na minha carreira.

Como assim?

A primeira coisa que ele falou quando me viu foi me dizer que me entendia, que confiava em mim.

E que sabia que eu era um definidor.

Alguém para dar o último toque, colocar a bola na rede.

Não para jogar na intermediária marcando o adversário, armando.

Sou atacante.

Meu lugar é dentro da área adversária.

Mas muitos treinadores não entendiam isso.

Eu tinha de correr por um espaço muito maior, desnecessário.

Agora, não.

Meia é meia e atacante é atacante no Grêmio.

A reação do time gaúcho foi fantástica no Brasileiro.

De ameaçado de rebaixamento a quarto colocado, torcendo contra o Goiás para chegar à Libertadores.

Se o Renato Gaúcho tivesse chegado antes, o time poderia ter sido campeão do Brasil?

Não tenho a menor dúvida disso.

A equipe se encaixou.

Passou a jogar para a frente, com coragem.

Com uma pegada forte na intermediária e muita habilidade no meio de campo com o Douglas, que é craque.

E velocidade no ataque.

Não tenho dúvidas que poderíamos, sim, ter chegado bem mais longe.

Brigar de verdade para ser campeões.

Você surgiu no Guarani, foi para o Santos e está no Grêmio desde 2007.

Só três anos depois conseguiu se firmar...

Chegou até a ser emprestado de graça para a Portuguesa...

De graça...

Eu sofri muitas contusões graves que me atrapalharam.

Faltou apoio.

Fazia meus gols, mas não havia confiança.

Eu percebia que poucos de verdade acreditavam em mim.

Mas a Portuguesa me ajudou muito nesta reviravolta.

Sou muito grato pelo período que passei por lá.

Foi o que fiz no Canindé que me deu moral para voltar ao Olímpico.

E mesmo pressionado, fui marcando os meus gols.

Tanto fiz que hoje tenho 75 gols pelo Grêmio.

Acabei de passar o "'meu chefe", o Renato Gaúcho.

Pedi até desculpas para ele.

Já sou o quinto artilheiro da história gremista.

Isso não é para qualquer um.

A impressão que eu tenho é que começaram a prestar atenção em mim de verdade agora, em 2010...

Seu contrato terminava no final do ano e foi um parto para prorrogá-lo até o final de 2011.

Há vários clubes europeus e até brasileiros interessados em contratá-lo.

Como é que está a situação?

Eu não quero sair do Grêmio agora, não.

Sei que o time não será desmanchado.

Tenho certeza de que 2011 será um ano muito especial para todos nós.

Esse é o nosso sentimento.

É como se os jogadores tivessem combinado sabendo que o que nos espera será muito bom.

Ouço falar muita coisa, algumas situações chegaram ao meu irmão (seu empresário).

Mas não vou cortar tudo de bom que está acontecendo no Grêmio por dinheiro.

Meu contrato termina no final de 2011 e lá verei que rumo tomar.

Você pensa em uma chance real na Seleção Brasileira?

O Brasil tem ótimos atacantes, mas eu tenho de sonhar.

Ter uma meta, mostrar do que sou capaz.

Acho que a Seleção é um estímulo para todo jogador.

Por que não seria para mim?

Ter sido o artilheiro do Brasileiro de 2010 foi uma meta que eu tive e alcancei.

E jogando para o time, não para mim.

Gosto de deixar bem claro isso.

O Grêmio vai disputar a Libertadores de 2011?

Eu sinto muito ter de torcer para um time argentino contra um brasileiro.

Mas acredito muito no Independiente contra o Goiás.

Sou obrigado a torcer como nunca.

O Grêmio está pronto para disputar uma ótima Libertadores.

O clima está propício.

Vou secar, rezar, fazer o que puder diante da televisão na quarta-feira.

Se o Grêmio ficar com essa vaga, vai brigar pelo título da Libertadores.

Escreva o que estou dizendo...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

http://r7.com/s5Uc