Presidente do Palmeiras toma Hulk e Marcelo como ídolos emprestados. Pensa brincar, mas na verdade desrespeita o passado. O Palestra Itália nunca precisou de ídolos de outros clubes. Tinha os seus. Mas eram outros presidentes...
Paulo Nobre feliz, sorridente.

Posando com Hulk e Marcelo com a camisa do Palmeiras.

Foi o que conseguiu como chefe da delegação do Brasil contra a Itália e Rússia.

O que é diversão para o presidente do clube é uma provocação.

Um despropósito.

O Zenit pagou R$ 153 milhões por Hulk.

O Real Madria não o vende, mas Marcelo vale R$ 100 milhões.

O Palmeiras teve de abrir mão do seu melhor atacante nos últimos 10 anos.

Por não ter como bancar R$ 500 mil mensais a Barcos.

Nobre disse que iria revolucionar o marketing palmeirense.

Deixou nas mãos de Paulo Gregoraci, sócio de Washington Olivetto.

Ele tem de arrumar patrocínio para o clube.

A Kia paga um terço do que pagava.

Dá apenas R$ 500 mil pelo patrocínio master da camisa do time.

E avisou que vai embora no final do mês.

Não quer ter sua imagem relacionada a um clube rebaixado.

Nobre estava tentando buscar a Caixa Econômica Federal.

Mas a confusão com o Corinthians travou o interesse do banco estatal.

O clube vai tentar imitar o rival do Parque São Jorge.

E focar nos torcedores.

Tem dez mil sócios-torcedores.

Quer quadruplicar esse número aproveitando o sofrimento da Segunda Divisão.

A Série B será um testa para a fidelidade do palmeirense.

Como foi para os corintianos, vascaínos, gremistas, atleticanos etc.

Mas Gilson Kleina implora por reforços.

Fernando Prass; Weldinho, André Luiz, Mauricio Ramos e Juninho (Marcelo Oliveira);

Márcio Araújo, Léo Gago, Charles (Rondinelly) e Wesley;

Leandro e Caio (Vinícius)

Esse é o time que empatou com o Santos no Pacaembu.

Nobre já avisou para o treinador não esperar grandes contratações.

Confirmou que Adriano ligou tentando jogar no clube.

O Palmeiras se interessou.

A ligação foi em janeiro.

E desde então, o jogador sumiu.

O clube paulista quer insistir um pouco.

Chegar à conclusão que o problema do jogador é 'para psiquiatra' como disse Paulo Pelaipe.

O homem do futebol da Gávea garantiu que não vai perder tempo com Adriano.

Não é essa a postura palmeirense.

Se ele demonstrar interesse e a mínima chance de voltar a jogar, interessa.

Até porque não está dando certo toda a pressão em Marcelo Moreno.

O boliviano foi envolvido na troca por Barcos.

Envolvido sem saber.

Quando soube, ficou revoltado.

a6 Presidente do Palmeiras toma Hulk e Marcelo como ídolos emprestados. Pensa brincar, mas na verdade desrespeita o passado. O Palestra Itália nunca precisou de ídolos de outros clubes. Tinha os seus. Mas eram outros presidentes...
Ele e seu pai recusaram o Palmeiras.

"Clube para só onde vai fracassado", na definição do pai do atleta.

Marcelo queria ficar no Grêmio.

Só que Fábio Koff havia garantido a Nobre que o atacante iria para o Palmeiras.

Luxemburgo decidiu não só afastá-lo do time titular, como do grupo que disputa a Libertadores.

Manobra para quebrar a resistência do boliviano em relação ao clube paulista.

Só que Moreno se mostra firme.

E treinando no time C.

Não está parado, quer tentar voltar ao Exterior.

Ou jogar no Cruzeiro, onde teve ótima passagem.

Já conversou com o Santos e com o Botafogo.

Não quer o Palmeiras e sua Segunda Divisão.

José Carlos Bruno tem recebido recados de vários empresários.

Tem contatos que trouxe do Audax, time do Pão de Açúcar onde trabalhava.

Busca revelações baratas, talentosas e jovens nos clubes do Interior e fora do estado.

Se não conseguir, o clube batalhará por contratações baratas.

Jogadores que não estiverem sendo utilizados por rivais.

Como foi Weldinho no Corinthians.

A situação é bem complicada.

Os conselheiros não gostaram nada da foto com Hulk e Marcelo.

Mesmo os da situação consideraram uma piada sem graça, sem propósito.

Como a que Barcos fez quando pediu para Messi posar com a camisa verde.

A história do Palmeiras prova que não precisa de ídolos emprestados.

Teve os seus: Ademir da Guia, Marcos, Evair, Rivaldo, Luís Pereira...

Leivinha, Altafini, Leão, Cafu, Djalma Santos, Djalma Dias...

Edmundo, Jorge Mendonça, Servílio e tantos outros.

Não precisa de presidente pedindo para jogador de Seleção tirar foto.

Nobre foi além de Hulk e Marcelo.

Falou com Neymar.

Disse que sabia que ele foi palmeirense na infância.

Só faltou levar uma camisa para o grande ídolo santista.

E pedir para que posasse com ela.

Só faltou isso na sua aventura como chefe de delegação.

6reproducao Presidente do Palmeiras toma Hulk e Marcelo como ídolos emprestados. Pensa brincar, mas na verdade desrespeita o passado. O Palestra Itália nunca precisou de ídolos de outros clubes. Tinha os seus. Mas eram outros presidentes...

O dirigente deveria respeitar mais o cargo que ocupa.

O clube que representa.

Levar a camisa para Hulk e dar a da Valdivia para Marcelo é ato de torcedor.

Só embaraça os palmeirenses de verdade.

Principalmente porque analisam o time atual.

E são obrigados a ver seu presidente posando com jogadores que não tem condição de comprar.

Imatura atitude.

Esse tipo de marketing não é revolucionário.

Muito ao contrário.

É suicida.

Só desvaloriza o clube com cerca de R$ 200 milhões em dívidas.

E irrita a sua torcida.

Que Paulo Nobre esqueça logo seus tempos de Inferno Verde.

Hoje ele é presidente da Sociedade Esportiva Palmeiras.

E ídolo no Palestra Itália nunca faltou.

Nunca precisou pegar emprestado...
1reproducao2 Presidente do Palmeiras toma Hulk e Marcelo como ídolos emprestados. Pensa brincar, mas na verdade desrespeita o passado. O Palestra Itália nunca precisou de ídolos de outros clubes. Tinha os seus. Mas eram outros presidentes...

http://r7.com/EDuu