1ae17 Para poder governar, Bandeira de Mello decide. Flamengo aumentará em 66% o dinheiro para contratações em 2016. Guerrero não estará mais sozinho. E Muricy terá paz para modernizar o clube...
Muricy Ramalho poderia bater o quanto quisesse nas veias dos seus braços. E gritar com o sotaque paulista: "aqui é trabalho, meu filho". Há um preço a ser pago para ter tranquilidade e reestruturar todo o futebol do Flamengo. Com direito a Centro de Treinamento, departamento de Fisiologia, Fisioterapia.

Não é subjetivo. Serão R$ 32 milhões. R$ 22 milhões para contratações e mais R$ 10 milhões para o Centro de Treinamento. Ou seja, Eduardo Bandeira de Mello percebeu que só sendo responsável, economizando ao máximo para tentar diminuir a absurda dívida do Flamengo, não iria a lugar algum.

Em vez de merecer uma estátua, por reduzir a dívida de R$ 750 milhões para R$ 561 milhões, no primeiro mandato, Bandeira de Mello quase é despejado da Gávea. A mentalidade que impera segue simples. O Flamengo é futebol. Tem a maior torcida do país. Se não houver resultados no futebol, pouco importa a redução de 25% da dívida.

Muricy quer modernizar o clube. Mas sabe que tudo que viu no Barcelona e no São Paulo, quando era organizado, depende do resultado no gramado. E para isso, de nada adianta um treinador trabalhador, tetracampeão brasileiro. Se não houver jogadores talentosos, tudo seguirá estagnado.

"Os torcedores querem o time campeão. Não interessa como. E eles têm razão. Nós somos os administradores do clube. E é missão nossa conciliar pagar a dívida, modernizar o clube e ganhar títulos. Não adianta ficar comemorando o quanto o nosso balanço melhorou", repetia ontem Eduardo Bandeira de Mello na reunião do Conselho Administrativo.

E foi assim que conseguiu o aumento de 66% do dinheiro a ser investido no time. Nas contratações do Flamengo para 2016. A meta é obter, de qualquer maneira, a vaga para a Libertadores de 2017.

Paolo Guerrero ficou muito desgostoso e se queixou com Sheik do fraco time flamenguista deste ano. A quem credita grande parte do jejum vergonhoso que enfrentou. Nunca iria assumir publicamente o arrependimento de ter trocado o Parque São Jorge pela Gávea. Por causa do excelente contrato que assinou. Mas os dirigentes prometem acabar com seu abatimento.

O elenco será reformulado. Pelo menos duas peças importantes chegarão, entre vários jogadores competitivos. Muricy quer montar uma equipe moderna, competitiva, que preencha os espaços. E, principalmente, seja o oposto da apática que disputou o Brasileiro.

4ae17 Para poder governar, Bandeira de Mello decide. Flamengo aumentará em 66% o dinheiro para contratações em 2016. Guerrero não estará mais sozinho. E Muricy terá paz para modernizar o clube...

Juan será o responsável pelo sistema defensivo. O zagueiro volta à Gávea depois de 13 anos fora. E aos 36 anos deverá assumir a liderança que o time tanto sentiu falta no ano passado. Willian Arão, melhor jogador do Botafogo na campanha na Segunda Divisão, será um dos volantes no meio de campo. Sem grande barulho, o lateral direito Rodinei saiu da Ponte Preta para a Gávea. Se não se intimidar e mostrar o que fazia em Campinas, poderá ser um jogador muito interessante. O lateral esquerdo Chiquinho que estava no Santos já está apalavrado com o Flamengo. É instável. Alterna ótimas e péssimas partidas.

O clube finaliza a contratação de Antônio Carlos, do Avaí. Aposta ousada. Até demais. Ele foi o melhor zagueiro da defesa mais vazada do Brasileiro. De um time rebaixado. Zagueiro pertence ao empresário Eduardo Uram. Está registrado no Tombense de Minas Gerais. De apenas 22 anos e muita vibração, poderia ajudar com sua juventude, Juan. Tudo está muito bem encaminhado.

Mas há a esperança na Gávea é que os dirigentes consigam resgatar Cléber, ex-zagueiro do Corinthians, que está no Hamburgo. Muricy aprovou seu nome. Há dois meses, antes mesmo de sua contratação, o clube carioca tenta o jogador. Seu empresário é Fernando Garcia.

1getty Para poder governar, Bandeira de Mello decide. Flamengo aumentará em 66% o dinheiro para contratações em 2016. Guerrero não estará mais sozinho. E Muricy terá paz para modernizar o clube...

Jogadores estrangeiros estão sendo oferecidos por empresários. Também no Hamburgo, o volante chileno Marcelo Diaz se torna uma boa opção. E não tão caro. Porque não é titular da equipe alemã. Um empréstimo é considerado viável. Lucas Romero é uma revelação argentina, atua no Vélez Sársfield. Volante que atua também como meia. Agentes tentam vendê-lo. O clube carioca segue tentando o empréstimo.

Muricy já disse a Bandeira de Mello que Maicon, no Grêmio, é uma opção barata e que seria muito útil. Se não houver acerto entre o São Paulo e o Grêmio, o Flamengo tentará contratá-lo.

A direção do Flamengo quer pelo menos um grande nome para dividir as atenções com Guerrero. Sondou o argentino Lavezzi, do PSG. Caro demais. Kaká, sugerido por Muricy, também se mostrou inviável. Há quem defenda tentativas por Robinho, ex-Santos e que está no Guangzhou Evergrande, e até do ex-palmeirense, Valdivia, no Al-Whada.

Bandeira de Mello disse a Muricy que o mais difícil já conseguiu. A liberação para gastar R$ 22 milhões com contratações. O valor é 66% maior do que o que foi investido neste ano. O dinheiro chega da televisão. Haverá um aumento de R$ 70 milhões no dinheiro vindo da televisão. Chegará a R$ 182 milhões. Fora o que poderá render a Copa Sul-Minas-Rio. Se ela se tornar realidade.

1reproducao Para poder governar, Bandeira de Mello decide. Flamengo aumentará em 66% o dinheiro para contratações em 2016. Guerrero não estará mais sozinho. E Muricy terá paz para modernizar o clube...

O presidente insiste com o treinador que não é preciso uma correria absurda na montagem do time. Porque segue firme na decisão de disputar o Campeonato Carioca de 2016 com equipe sub-23. Foi o pacto que fez com a cúpula do Fluminense, para desvalorizar a competição organizada pelo presidente da Federação Carioca, Rubens Lopes.

E o dirigente deixa calmo os conselheiros. Garante que, além de modernizar o departamento de futebol e montar uma equipe competitivo, continuará em duas frentes. A primeira, seguir diminuindo a dívida. E a segunda, tentar assumir a administração do Maracanã com o Fluminense. Com o auxílio do governo carioca. O consórcio Maracanã S/A publicou balanço com prejuízo em 2013, R$ 48 milhões, e R$ 77 milhões, em 2014. O consórcio estaria disposto a devolver o controle do estádio ao governo. E ele seria repassado aos dois clubes. A negociação continua.

Mas para que tudo siga caminhando tranquilo, Bandeira de Mello aprendeu.

"O futebol do Flamengo precisa estar bem", repete, como um mantra...
2reproducaoextra Para poder governar, Bandeira de Mello decide. Flamengo aumentará em 66% o dinheiro para contratações em 2016. Guerrero não estará mais sozinho. E Muricy terá paz para modernizar o clube...

http://r7.com/m5u9