Palmeiras teme perder Felipe Melo para o resto da Libertadores. Quer ajuda do presidente da CBF e conselheiro vitalício Marco Polo del Nero. O clube vai alegar racismo. Jogadores do Peñarol o chamaram de macaco antes da pancadaria...

O Palmeiras decidiu a linha de defesa de Felipe Melo e de seus jogadores pela briga de ontem no Uruguai. Vai tentar repassar a culpa toda para o Peñarol. A alegação apresentada para a Conmebol será racismo. O fato de os atletas uruguaios passarem grande parte do jogo chamando os jogadores brasileiros, principalmente Felipe Melo, de macaco.

Além, é óbvio, de denunciar a tocaia que a delegação enfrentou. Com os funcionários do Peñarol trancando o portão de acesso ao vestiário palmeirense, após o jogo. Alertar que a estratégia foi articulada antecipadamente. Em caso de derrota, como aconteceu ontem, os uruguaios não teriam mais nada a perder. Já estão praticamente eliminados. Assim, sobraria a satisfação de espancar os brasileiros. Principalmente o experiente volante.

Conselheiros importantes já conversaram com o presidente Mauricio Galiotte. E tentam convencê-lo a acionar Marco Polo del Nero. O presidente da CBF é conselheiro vitalício palmeirense. Querem que Galiotte faça com que Del Nero pressione a Conmebol o mais rápido possível, antes que o Tribunal de Disciplina determine a pena para Felipe Melo e para o Palmeiras.

Ao contrário do show que os tribunais esportivos brasileiros costumam dar, o Tribunal de Disciplina decide de forma discreta, quase secreta, as penas que envolvem a Libertadores. Os clubes envolvidos nos conflitos mandam suas defesas por escrito. E elas são analisadas pelos auditores. Muitas vezes não há nem o encontro pessoal. As decisões são tomadas em videoconferências ou até por telefone.

A pena para os clubes podem ir de multa até interdição do estádio.

E as suspensões dos jogadores a até 24 partidas.

A tese de racismo contra Felipe Melo será a base da defesa palmeirense.

As decisões estão longe de levar em conta apenas o que realmente aconteceu. A pressão das federações, no caso do Brasil, confederação, é fundamental. As resoluções muitas vezes são injustas porque o critério é político. O grande exemplo de que nem os dirigentes confiam na isenção da Conmebol está na escolha do presidente. Ele não pode ser brasileiro ou argentino, para não desequilibrar o futebol sul-americano. Há a desconfiança que ele tiver nascido em um desses países, o outro será prejudicado. Daí, a leva de presidentes paraguaios.

Alejandro Dominguez é paraguaio. E jurou recentemente que não tolerá violência, conflito, briga em campo. Tudo o que aconteceu ontem em Montevidéu. Se ele tiver um pingo de vergonha na cara, as punições de brasileiros e uruguaios serão pesadas. Principalmente em cima de Felipe Melo, acusado pelo Peñarol e imprensa de Montevidéu como o pivô do conflito.

Esse é o maior medo do Palmeiras.2reproducao7 Palmeiras teme perder Felipe Melo para o resto da Libertadores. Quer ajuda do presidente da CBF e conselheiro vitalício Marco Polo del Nero. O clube vai alegar racismo. Jogadores do Peñarol o chamaram de macaco antes da pancadaria...

"O Felipe Melo não é só porrada, é técnica também. Isso que me fez ficar na Europa 12 anos. Se tiver que dar porrada, vou dar porrada. Se tiver que dar tapa na cara de uruguaio, vou dar. Pode ter certeza que se vier mano a mano e eu tiver que dar porrada, vou dar porrada para defender as cores do Palmeiras.

Ao tentar fazer sua média com a torcida do Palmeiras e justificar a fama de 'Pitbull', o volante de 33 anos agiu como um juvenil. Ganhou todas as manchetes dos portais, tevês, rádios, jornais. Mas comprou uma briga boba, infantil com os uruguaios.

Ele foi apresentado no dia 17 de janeiro. O sorteio dos grupos da Libertadores de 2017 aconteceu no dia 22 de dezembro de 2016. Ou seja, Felipe Melo sabia muito bem que o Peñarol estava no grupo 5 e jogaria com o Palmeiras. Não escolheu a figura de linguagem por acaso. Quis ser realista.

Lógico que sua declaração chegou como uma declaração de guerra aos uruguaios. O Peñarol tem uma história maravilhosa. Ganhou cinco vezes a Libertadores. Foi campeão mundial três. Mas sua situação financeira é deplorável. Não há condição para montar grandes times. O clube esteve envolvido na construção do seu estádio, o "Campeão do Século", onde aconteceu a partida de ontem. Os R$ 130 milhões gastos atrapalharam a vida da tradicional equipe.

Felipe Melo já causou inúmeras confusões na sua carreira. A principal delas foi em novembro de 2013, quando jogava na Turquia, defendia o Galatasaray. Disputava o clássico contra o Besiktas, fora de casa. Os clubes e as torcidas são inimigos mortais. A história registra conflitos sangrentos entre as organizadas.

O volante sabia disso. Mas, ao ser expulso nos minutos finais do confronto, não teve dúvidas. Mostrou sua camisa para as organizadas do Besiktas. Foi a senha para uma incrível revolta. O Galatasaray estava vencendo o jogo por 2 a 1. Felipe Melo deu a desculpa para que vândalos invadissem o campo disposto a espancá-lo. Por sorte, o policiamento conseguiu protegê-lo. A revolta atingiu as arquibancadas e centenas de cadeiras foram quebradas. Um caos.

Felipe Melo em janeiro deu a desculpa ideal para o Peñarol desviar o foco do fraquíssimo time que montou. E que faz campanha vexatória. Em quatro partidas, venceu apenas uma. E perdeu três. Está em último no grupo 5. Atrás do Palmeiras, com 10 pontos, Jorge Wilstermann com seis e Atlético Tucumán com quatro.

1reproducao28 1024x576 Palmeiras teme perder Felipe Melo para o resto da Libertadores. Quer ajuda do presidente da CBF e conselheiro vitalício Marco Polo del Nero. O clube vai alegar racismo. Jogadores do Peñarol o chamaram de macaco antes da pancadaria...

Na primeira partida contra o Peñarol já havia ironizado ter sido chamado de macaco por Gastón Rodrígues. "O cara que entrou (no segundo tempo) e fez o (segundo) gol deles estava me chamando de macaco durante muito tempo. Macaco pra lá, macaco pra cá. Sou preto mesmo. Ele deve ter algum problema. A mulher dele já deve ter traído ele com algum negão.

"Se fosse o Felipe de algum tempo atrás, já teria virado um socão. Mas hoje tenho controlado muito mais meu ânimo", disse, acirrando ainda mais os ânimos. Sua cabeça ficou a prêmio no elenco uruguaio.

Mal acabou o jogo com a virada palmeirense por 3 a 2 e veio a pancadaria. A briga desviou o foco da deprimente virada que o time sofreu.

Os socos que Felipe Melo deu no reserva Mier estão sendo divulgados incessantemente nas tevês uruguaias. E estão nas páginas de portas e capas de jornais. Mostram o brasileiro com o responsável pela selvageria de ontem à noite. Detalham as confusões que aprontou pelo mundo. Suas várias expulsões pelos clubes que defendeu. E até na Copa do Mundo de 2010, pisando e chutando Robben, na derrota do Brasil para a Holanda.

Até o sorveteiro mais ingênuo do estádio sabia que haveria confusão com Felipe Melo. Eduardo Baptista poderia tê-lo substituído faltando alguns minutos para acabar o jogo. E poderia evitar toda a confusão. É nesta hora que a falta de experiência pesa.

"Tem que acabar com essa história que Libertadores é isso. É um campeonato profissional, que paga muito. O que foi feito aqui foi uma tocaia. Sabíamos disso, por isso trouxemos 20 seguranças. Fica aqui até o agradecimento à equipe. Sei que vão mostrar o Felipe se defendendo, mas se ele não se protege virando a mão ali ia acontecer uma tragédia. Eles acharam que era MMA e virou essa palhaçada. Esse presidente da Conmebol parece ser um cara muito sério, e a gente pede para ele acabar esse tipo de situação. Falei para os jogadores: "acabou o jogo, se estiver ganhando, sai logo". Mas o portão estava fechado", dizia Alexandre Mattos.

Mas ele e Galiotte sabem que terão missão dificílima.

Evitar uma pena muita pesada para Felipe Melo.

Não será surpresa até que tome suspensão de três partidas para cima.

Talvez até fique fora do resto da Libertadores.

Seria um prejuízo terrível para o Palmeiras.

O Peñarol está empobrecido, mas segue forte nos bastidores.

Por isso, conselheiros insistem.

Querem Del Nero e a CBF pressionando a Conmebol.

Insistindo na questão do racismo.

A verdade é que Felipe Melo preparou a própria armadilha.

E agora terá de arcar com as consequências...
1fotoarena2 Palmeiras teme perder Felipe Melo para o resto da Libertadores. Quer ajuda do presidente da CBF e conselheiro vitalício Marco Polo del Nero. O clube vai alegar racismo. Jogadores do Peñarol o chamaram de macaco antes da pancadaria...

http://r7.com/Efg6