Maradona faz sua obrigação. Messi, o melhor do mundo, realmente ‘não estuprou e nem matou ninguém’. Só não tem culpa dos fracos companheiros e treinadores da Seleção Argentina…

1ap7 Maradona faz sua obrigação. Messi, o melhor do mundo, realmente não estuprou e nem matou ninguém. Só não tem culpa dos fracos companheiros e treinadores da Seleção Argentina...
Zico, Sócrates, Toninho Cerezo, Júnior, Falcão sabiam que seriam marcados. Embora tenham sido jogadores excelentes terminaram suas carreiras sem conquistar o título mundial com a Seleção Brasileira. Platini, Cruiff, Di Stéfano, Puskas, Euzébio também.

Foi a mesma coisa. Mas foram menos massacrados por causa das redes sociais. Elas não existiam. Por que a Internet ainda estava para ser concebida, desenvolvida.

Agora, a situação é completamente diferente. Em tempo real, bilhões de pessoas expõem suas opiniões. Críticas, elogios, incentivos, perseguições. Tudo é possível. Basta ter um computador. Ou nem isso. Basta um telefone celular.

E o povo argentino não perdoa Lionel Messi. Age bem ao contrário dos portugueses. Eles já se conformaram. Sabe que é impossível exigir de Cristiano Ronaldo títulos com o selecionado. Não há como manter o nível de atuação no Real Madrid. Seus companheiros são muito abaixo. Então, aceitam o que o país consegue. Sabe que CR7 é uma grata exceção na atual geração lusa.

Já o mesmo não acontece com o país bicampeão mundial, nosso vizinho. Como ter o melhor do mundo e não ter o prazer de comemorar não só uma Copa, mas nem mesmo uma mísera Copa América? Serviria então uma Copa das Confederações. Mas nada. Com Messi profissional, nenhuma competição adulta, profissional.

Mas como acontece em todo país deste mundo, grande parte da população argentina reflete a opinião da imprensa. E os jornalistas estão cansados, decepcionados com os títulos escapando pelos dedos. Não importa se Gonzalo Higuain teve a coragem de perder gols feitos nas finais da Copa do Mundo, contra a Alemanha, e diante do Chinal, na decisão da Copa América. Bom é bater em Messi.

O camisa 10 do Barcelona não é de se desmanchar em entrevistas. Pelo contrário, até. Costuma fugir delas. Mesmo quando está acumulando conquistas. Nas derrotas, então é certo sumir. Essa atitude é a normal em atletas que se julgam celebridades. Só mostra falta de personalidade, infelizmente.

1reproducao19 1024x853 Maradona faz sua obrigação. Messi, o melhor do mundo, realmente não estuprou e nem matou ninguém. Só não tem culpa dos fracos companheiros e treinadores da Seleção Argentina...

Diante da aparente falta de tristeza, envolvimento de Messi com a Seleção, jornais noticiaram que ele estaria cansado das críticas. E gostaria de ficar algumas partidas das Eliminatórias de fora. Só se concentrar no que dá certo na sua carreira: o Barcelona, com seus companheiros talentosos, na visão dos jornalistas argentinos.

Uma grande injustiça. Messi se desdobra também com a camisa do seu país. Tenta jogar por ele e por seus parceiros não é fácil. Mas mesmo assim é massacrado.

Hoje veio em seu socorro, Maradona. E foi no coração da questão.

"Messi deve ser tratado como qualquer jogador que veste a camisa da Seleção. Mas vejo que Messi não matou ou estuprou. Não façamos uma novela."

"Se o criticam para que ele melhore, perfeito. Agora, isso de fazer votação para ver se ele tem de jogar na Seleção ou não, estamos fugindo do tema. Já queremos mudar o presidente (da federação argenitna). Não temos de ser extremistas, mas também não podemos nos acostumar a ficar em segundo lugar sempre.

"O Chile foi superior, teve mais atitude enquanto alguns jogadores da Argentina caminhavam em campo, e não falo de Messi. Ele continua sendo um fenômeno. O que a Argentina fez foi atacar. Temos uma equipe que ataca, mas, se você é atacado, precisa ter um plano B."

As palavras de Maradona tem o peso de ter sido um dos maiores jogadores de todos os tempos. Assim como Messi. Mas com a grande diferenção que, no seu currículo, há a conquista da Copa de 1986.

Sua história daria vários romance, espetaculares filmes. Eles ainda serão escritos, filmados. Suas atuações foram fantásticas, estupendas. Messi, não. Uma contradição. Embora muito mais midiático, sua vida não é a de um boêmio. Não se viciou em cocaína. Não se dopou. Não é dados a declarações teatrais. Não troca de mulheres. Sua existência fora dos gramados é monótona, desinteressante. Lionel é um atleta. 'Apenas' o melhor do mundo.

2ap3 Maradona faz sua obrigação. Messi, o melhor do mundo, realmente não estuprou e nem matou ninguém. Só não tem culpa dos fracos companheiros e treinadores da Seleção Argentina...

A comparação de títulos é irreal. Maradona foi campeão metropolitano com o Boca. Ganhou a Copa do Rei, a Supercopa da Espanha e a Copa da Liga Espanhola com o Barcelona. Venceu dois Campeonatos Italianos, uma Copa da Itália, uma Copa da Uefa, uma Supercopa da Itália com o Napoli.

Com a Seleção Argentina: Campeonato Mundial sub-20, em 1979; troféu do 75º Aniversário da Copa da Fifa. E o título dos títulos: Copa do Mundo de 1986, no México. Foi escolhido melhor jogador do mundo pela Fifa em 2006.

Já Messi, com apenas 28 anos já tem três salas repletas de troféus. Foram quatro Champions League. Dois Mundiais de Clubes. Sete Campeonatos Espanhóis. Foram três Copas do Rei. Seis Supercopas da Espanha. Duas Supercopas da UEFA. Uma Copa Audi. Sete troféus Joan Gamper. Cinco Copas Catalunha.

Com a Seleção Argentina ganhou o Mundial sub-20, em 2005. E conquistou a medalha olímpica em 2008, considerada pela imprensa internacional uma conquista 'amadora'.

Ganhou quatro vezes a Bola de Ouro da Fifa, como melhor jogador do mundo.

2ap4 Maradona faz sua obrigação. Messi, o melhor do mundo, realmente não estuprou e nem matou ninguém. Só não tem culpa dos fracos companheiros e treinadores da Seleção Argentina...

Messi foi vice campeão da Copa do Mundo de 2014. E duas vezes segundo colocado na Copa América.

Não há comparação no currículo de Maradona e Messi. Só que a Copa do Mundo desequilibra a relação. E o fato de a Argentina não conquistar nada há 22 anos, torna seu melhor jogador um alvo fácil. Em vez de cobrar treinadores que tomam decisões absurdas, com a de Tata Martino, deixando Tevez no banco, o mais fácil é massacrar Messi.

Maradona já fez e disse muita estupidez. Talvez o suficiente para dez encarnações. Só que hoje a defesa do melhor jogador do mundo chega em ótima hora. Não tem cabimento esse massacre em praça pública. O constrangimento.

Com a camisa 10 da Argentina, o rendimento de Messi não é o mesmo com a 10 do Barcelona. Motivos óbvios para isso. Falta de companheiros comprados a peso em ouro, como Neymar, Suárez e tantos outros. Fora o entrosamento de uma equipe que treina, concentra e joga junta por anos.

3ap2 Maradona faz sua obrigação. Messi, o melhor do mundo, realmente não estuprou e nem matou ninguém. Só não tem culpa dos fracos companheiros e treinadores da Seleção Argentina...

Não enxerga quem não quer ver. Essa perseguição da imprensa e da torcida argentina a Messi é bizarra. Se sofrem com ele, basta imaginar sem ele.

Maradona está certo. Messi não matou ou estuprou alguém. Ele apenas paga o preço de não ter companhia e técnicos à altura. Carlo Bilardo é muito desprezado pelo esquema quem montou em 1986. Teve a sapiência de fazer a Argentina jogar para Maradona. Os treinadores recentes argentinos não conseguiram dar esse presente a Messi.

Os argentinos estão frustrados com a perda da Copa América, seguida da derrota na decisão da Copa do Mundo de 2014. E por isso massacram injustamente o melhor jogador do mundo. Se sentem infelizes com a geração de jogadores que possuem.

Ah, se dessem uma olhada para o Brasil.

Iriam construir bustos e mais bustos para Messi.

Desde 2002, a frustração escolheu aqui sua moradia...

Por R$ 400 mil, Londrina se transforma em Arapiraca. Aberração com a cumplicidade da CBF. Palmeiras é o beneficiado da vez. Venda de mandos desequilibra qualquer competição…

1ae17 1024x576 Por R$ 400 mil, Londrina se transforma em Arapiraca. Aberração com a cumplicidade da CBF. Palmeiras é o beneficiado da vez. Venda de mandos desequilibra qualquer competição...
A CBF é cúmplice. Ela autoriza que suas competições mais importantes sejam burladas. A igualdade de condições seja ferida. Não só fecha o olho. Como estimula a criminosa venda de mandos de jogos.

Empresas de marketing esportivo se aproveitam de administrações irresponsáveis dos clubes brasileiros. E da bandalheira que foi a construção das arenas para a Copa do Mundo. Principalmente as que são assumidamente elefantes brancos.

E junta a fome com a vontade de comer. Cruzeiro, Santos, Vasco, Ponte Preta, Flamengo e tantos outros já fizeram e estão liberados para repetir a indecência. Facilitam partidas que seriam difíceis nos seus domínios para torná-las neutras em campos com os quais não têm qualquer ligação.

Ou os transforma em presentes para os adversários, onde os torcedores rivais os esperam. E é como se atuassem duas vezes fora de casa.

Essa atitude desequilibra artificialmente as competições.

Um exemplo vergonhoso acontecerá nesta quarta-feira. O ASA conseguiu empatar com o Palmeiras na sua novíssima arena. Segurou o 0 a 0 com determinação e firmeza impecáveis. Fez a torcida alviverde se lembrar de 2002, quando o time alagoano eliminou o grande paulista mesma Copa do Brasil.

Se o time conseguiu segurar o 0 a 0 em São Paulo, o que não faria no Fumeirão, no seu estádio de 17 mil pessoas, que lotado, é um caldeirão? A chance de repetir um dos grandes feitos de sua história seria imenso. Seria.

É aí que surge a Roni7. A empresa se apresenta como consultoria esportiva. As palavras estão no seu site oficial.

"A empresa Roni7 foi fundada em 2012 pelo ex-atacante Roni que jogou em grandes clubes do futebol brasileiro (Fluminense, Flamengo, Cruzeiro, Atlético MG, Santos, Goiás e Vila Nova-GO) e mundial (Al Hilal/Arábia Saudita, Yokohama Marinos e Gamba Osaka/Japão, Rubin Kazan/Russia) també serviu a seleção Brasileira.

Nosso objetivo é gerenciar a carreira e assessorar atletas jovens e profissionais. O foco é dar atendimento diferenciado aos nossos clientes e conseguir excelentes oportunidades.

2reproducao7 Por R$ 400 mil, Londrina se transforma em Arapiraca. Aberração com a cumplicidade da CBF. Palmeiras é o beneficiado da vez. Venda de mandos desequilibra qualquer competição...

"Estaremos sempre ao lado dos nossos atletas, mesmo nos momentos mais difíceis. Deus no comando e nós na retaguarda protegendo e lutando por nossos atletas."

Mas ela faz mais do que isso. Negocia jogos. Foi ela quem levou a Ponte Preta a jogar contra o próprio Palmeiras na Arena Pantanal. Tirou a partida do terrível, para os adversários, Moisés Lucarelli. No elefante branco construído em Cuiabá, o time de Marcelo Oliveira teve toda a torcida ao seu lado e venceu por 2 a 0. Privilégio que outros adversários da Ponte Preta não ganharão. E burla a competitividade do Brasileiro. Os campineiros receberam R$ 1 milhão pela venda do mando.

Agora chega a vez do ASA. De novo o Palmeiras ganha um enorme presente. Em vez de ir para Arapiraca, vai para Londrina, cidade com enorme reduto de torcedores do clube paulista. Um absurdo que a CBF referendou.

"A negociação do mando de campo se deu com a empresa Roni7. A quantia determinada foi de R$ 400 mil em dinheiro, além de todas as despesas da delegação alvinegra (passagens áreas, hospedagem, alimentação e transporte). A quantia de R$ 400 mil será destinada inteiramente para manutenção do elenco e do clube na temporada, e possibilitará o pagamento de duas folhas de salários com os recursos já disponíveis."

Essa foi a desculpa dada pela diretoria do ASA. O clube não tem dinheiro e vendeu, sem dor na consciência, o mando de jogo. A possibilidade de seguir na Copa do Brasil. Fazer história novamente.

Um dos grandes prejudicados, o técnico Vica, concordou publicamente. Ou teve de concordar.

"Se clubes grandes estão em crise financeira, imagine o ASA. O escândalo da Fifa e a situação econômica do país têm prejudicado muito o futebol. Poucos querem investir e há compromissos. Tem que entender a diretoria,"

A equipe alagoana estava com 15 dias de salários atrasados quando a oferta chegou. A princípio, tentou ganhar R$ 1 milhão. Mas teve de se contentar com R$ 400 mil mesmo. A empresa ameaçou retirar a proposta.

O que a Roni7 e os clubes fazem não pode ser criticado.

A indecência é da CBF em aceitar essa mercantilização do grande ganho técnico que é o mando dos jogos.

Marco Polo del Nero precisa justificar seu cargo.

Se ele luta tanto para sobreviver como presidente da entidade.

Ser conselheiro vitalício do Palmeiras tornaria obrigação vetar.

Mas o presidente da CBF fecha os olhos, lava as mãos mais uma vez.

A desculpa das dificuldades financeiras dos clubes é inaceitável.

Ou o clube que vender um, vende todos seus mandos, ou é injusto.

Desequilibra qualquer competição.

Simples assim.

Ver o ASA contra o Palmeiras no Paraná é uma aberração.

Arapiraca e Londrina estão 2.650 quilômetros distantes.

Vergonha.

O futebol brasileiro só estimula a incompetência.

Vexame que todos fecham os olhos.

E assim a credibilidade do futebol escorre pelo ralo...
1reproducao18 Por R$ 400 mil, Londrina se transforma em Arapiraca. Aberração com a cumplicidade da CBF. Palmeiras é o beneficiado da vez. Venda de mandos desequilibra qualquer competição...

Revoltada com o Real Madrid, Mari Carmen desanca o Porto. Envergonhada, se desculpa. Lurdes enfrenta a polícia pelo seu rebento, embriagado e escondido. Seus filhos Casillas e Jobson são tão diferentes. Mas elas, iguais. São mães…

1ap6 Revoltada com o Real Madrid, Mari Carmen desanca o Porto. Envergonhada, se desculpa. Lurdes enfrenta a polícia pelo seu rebento, embriagado e escondido. Seus filhos Casillas e Jobson são tão diferentes. Mas elas, iguais. São mães...
“O Porto? Por amor de Deus. Quando saiu a notícia de que estava a procurar casa em Roma telefonei e perguntei ‘o que vai fazer? Não vai’. Agora imaginem para o Porto. É uma equipe da Terceira Divisão para alguém da categoria do Iker. Um campeão do mundo não pode acabar no Porto. Podia ter acabado onde quisesse, e não me importava que tivesse ido para o Barcelona."

"O que fizeram com o meu filho foi um absurdo. Invadiram a nossa casa colocando a mão na cara dele. Quebraram o nariz dele e o deixaram com diversos hematomas pelo corpo. O Jobson errou ao ter bebido e dirigido, mas nada justifica o que fizeram. Machucaram a minha outra filha e o meu pai, de 76 anos."

Mari Carmen Fernandéz e Lurdes de Oliveira. As duas têm em comum o desespero. O motivo são seus filhos. Por eles são capazes de tudo. Principalmente enfrentar, de sua maneira, o mundo.

Mari se acostumou com Iker sendo o orgulho da família. Nasceu nas categorias de base do Real Madrid. Muito talentoso e de ótima índole, logo ganhou espaço. Conquistou tudo o que era possível no clube e na Seleção. Ganhou, como capitão, a Copa do Mundo de 2010. Duas Eurocopas. Mundial sub-20. Campeonatos Europeus sub-15 e sub-17.

Foi o goleiro mais jovem do mundo a participar de uma Champions League. E foi campeão, com 19 anos. Ainda venceu mais duas Champions, dois Mundiais de Clubes, cinco Campeonatos Espanhóis. Mais inúmeros prêmios individuais. Foram nove anos nas categorias de base e mais 16 como profissional. Dos 34 anos que completou em maio, 25 anos passou no Real Madrid.

Só que Casillas cometeu um pecado mortal. Envelheceu. Não é mais o goleiro prodígio, de excepcionais reflexos. Sua explosão muscular não é mais a mesma. No clube e na seleção. Passou a ser contestado nos dois lugares. A torcida e a diretoria do clube sonham com De Gea do Manchester United. Iker sabia muito bem disso ao fazer seu discurso de despedida do Real Madrid. Chorando muito, ele falou.

"Quero me dirigir a todos os madridistas. Após 25 anos defendendo o escudo da maior equipe do mundo, chega um dia difícil em minha vida esportiva: dizer adeus a uma instituição que me deu tudo. Aos nove anos, vesti pela primeira vez a camisa do Real Madrid e vi cumprido meu sonho. Durante todo esse tempo, sofremos, rimos, choramos, disfrutamos juntos. Senti-me abraçado e muito querido, tanto nos bons, quanto maus momentos."

Foi com a emoção do seu filho milionário chorando que Mari Carmen transferiu a raiva pela saída do Real Madrid. E desancou o Porto, que não tinha nada a ver com a situação. Pelo contrário, ofereceu um contrato de dois anos, com a possibilidade de um terceiro, ao goleiro que está desacreditado na Espanha.

1ae16 1024x576 Revoltada com o Real Madrid, Mari Carmen desanca o Porto. Envergonhada, se desculpa. Lurdes enfrenta a polícia pelo seu rebento, embriagado e escondido. Seus filhos Casillas e Jobson são tão diferentes. Mas elas, iguais. São mães...

A cena muda radicalmente de lugar. Deixa de ser a luxuosa sala de coletivas do Real Madrid. Passa a ser a uma casa simples de Conceição do Araguaia. Policiais batem furiosamente na porta. Querem saber de Jobson.

Bastava citar seu nome e o sorriso iluminava o rosto de Lurdes de Oliveira. O talento do seu filho com a bola nos pés iria mudar o destino da família humilde, da cidade pequena do sul do Pará. Ele mandava notícias de Brasílias, tinha vencido. Era jogador do Brasiliense. Tinha 19 anos.

2reproducao6 Revoltada com o Real Madrid, Mari Carmen desanca o Porto. Envergonhada, se desculpa. Lurdes enfrenta a polícia pelo seu rebento, embriagado e escondido. Seus filhos Casillas e Jobson são tão diferentes. Mas elas, iguais. São mães...

Mas ele contava apenas metade da história. No gramado mostrava velocidade e faro de gols. Mas fora, só confusões, bebedeiras, farras, e fugas esporádicas para Conceição do Araguaia. Dizia que estava liberado pelo clube. Mas a verdade é que sentia saudades dos amigos, das pescarias, das conversas madrugadas a dentro.

Foi emprestado para o Jeju United da Coreia do Sul. E quase 'morreu de saudade' do Brasil, dos pais. Era um talento bruto, mas sem o menor trabalho psicológico. Não houve interesse em prepará-lo como atleta. Mesmo assim, foi parar no Botafogo. Houve uma festa inesquecível na casa de dona Lurdes com a transferência. Ele seria o Garrincha que daria certo.

Seu bom futebol encaminhou sua ida para o Cruzeiro. Só que a transação foi cancelada. Exames antidoping ainda no Botafogo revelaram o uso de cocaína. Ele confessou ter usado pedras de crack. Dona Lurdes ficou envergonhada, mas deu todo o apoio ao filho. De acordo com ela foram as 'más companhias' no Rio de Janeiro.

Sua pena seria de dois anos. Mas foi reduzida para seis meses. O Botafogo resolveu assumir o jogador e o contratou por cinco anos. Nova festa em Conceição do Araguaia. Novas decepções. Jobson alternava ótimas partidas, com desempenhos bizarros. Suas farras noturnas não terminavam. Foi emprestado para o Atlético Mineiro, Bahia, Barueri, São Caetano.

1reproducao17 Revoltada com o Real Madrid, Mari Carmen desanca o Porto. Envergonhada, se desculpa. Lurdes enfrenta a polícia pelo seu rebento, embriagado e escondido. Seus filhos Casillas e Jobson são tão diferentes. Mas elas, iguais. São mães...

Até que o Al-Ittihad da Arábia Saudita o levou emprestado por um ano, em 2013. Não se adapta às rígidas exigências morais. Acaba afastado do time. Briga com a diretoria. Seu passaporte foi retido. Não podia voltar ao Brasil. Foi quando surgiu a denúncia que ele havia se recusado a fazer exame antidoping. Ele negou, disse que era vingança dos dirigentes. O Botafogo o aceitou novamente. Tinha ainda um ano e meio de contrato.

Em uma partida contra o Figueirense em novembro do ano passado, não obedeceu Vagner Mancini e desperdiçou um pênalti para o Botafogo. Cobrou mal demais e a bola foi alta, longe. O time catarinense venceu a partida. E os torcedores botafoguenses exigiam que a diretoria fizesse exame antidoping em Jobson. Desmoralização pública.

Mas o pior viria. A Fifa decidiu suspendê-lo por quatro anos por ter fugido do exame antidoping quando atuava no Al-Ittihad. Seu contrato com o Botafogo acabou. Aos 27 anos, sua carreira parece que também.

Há 11 dias, andava no seu carro em Conceição do Araguaia. Policiais tentaram parar o carro. Ele se recusou a parar. Perseguido pela polícia, foi para casa. Entrou correndo e se escondeu.

Policiais batem furiosamente na porta. Querem saber de Jobson. Dona Lurdes abre e diz que ele não está. Enfrenta a truculência dos soldados, mas é empurrada para o lado. O avô de 76 anos tenta ajudar, mas também é empurrado. Assim como a tia do jogador. Ele é encontrado. Embaixo da cama, atrás do armário, no forro do teto. As versões são cada vez mais constrangedoras. Um soldado cortou a mão. Há que diga que foi mordido por Lurdes.

4reproducao1 Revoltada com o Real Madrid, Mari Carmen desanca o Porto. Envergonhada, se desculpa. Lurdes enfrenta a polícia pelo seu rebento, embriagado e escondido. Seus filhos Casillas e Jobson são tão diferentes. Mas elas, iguais. São mães...

A polícia confirma a embriaguez. Jobson acaba detido dois dias na delegacia. Sua imagem sentado sem camisa, algemado, corre o Brasil. A família teve de fazer uma 'vaquinha' para arrecadar R$ 7.780,00 o dinheiro da fiança. Jobson não tem mais contrato com qualquer clube. Não há mais fonte de renda. Ninguém sabe como estão suas condições financeiras.

Há outro problema enorme. Ele foi acusado de agredir a esposa quando estava no São Caetano. O Botafogo é quem bancava seu advogado de defesa. O processo não se encerrou.

"Temos a certeza que ele voltará a jogar. Não pensamos em outra coisa que não seja isso. O Jobson só sabe jogar futebol e foi Deus que o colocou nos campos", diz a esperançosa Lurdes.

Quanto a Mari Carmen, ela fez questão de dar entrevista às rádios portuguesas. E admitiu que errou.

"Estou muito agradecida ao Porto por ter acolhido meu filho. As minhas desculpas estão apresentadas, peço mil perdões, e espero que o meu filho possa triunfar tanto no Porto como no clube que até agora foi a sua casa. Quero a contratação do meu filho e espero que ele possa corresponder com o seu trabalho e dar muitos títulos a esse enorme clube que é o Porto", disse ontem. O goleiro se apresentará amanhã.

Lurdes e Mari Carmen. Mulheres que são capazes de tudo por seus filhos. Tenham eles o potencial, o talento, o comportamento que tiverem. Elas os defenderão com unhas e dentes.

Darão, se preciso, a vida por Casillas e Jobson.

Embora tão diferentes, tão iguais.

São mães...
3reproducao4 Revoltada com o Real Madrid, Mari Carmen desanca o Porto. Envergonhada, se desculpa. Lurdes enfrenta a polícia pelo seu rebento, embriagado e escondido. Seus filhos Casillas e Jobson são tão diferentes. Mas elas, iguais. São mães...

O empate entre Sport e Palmeiras, 2 a 2. Foi um dos melhores jogos de futebol neste país em 2015. Os pernambucanos mereciam ter vencido. Fernando Prass não deixou…

1reproducao16  O empate entre Sport e Palmeiras, 2 a 2. Foi um dos melhores jogos de futebol neste país em 2015. Os pernambucanos mereciam ter vencido. Fernando Prass não deixou...
Foi um dos melhores jogos do Campeonato Brasileiro. Os times dignificaram o futebol neste país. Chances de lado a lado. A equipe milionária montada pelo Palmeiras, nos contragolpes, contra a mais bem organizada, mais moderna, pressionando o tempo todo: o Sport de Eduardo Baptista. No final de uma partida sensacional, 2 a 2 em Pernambuco.

Jogo que mereceu todas as palmas dos torcedores que foram à arena e fizeram questão de aplaudir em pé o espetáculo. Sabiam que, se havia um time que merecia sair vitorioso era o Sport.

Fernando Prass fez pelo menos seis sensacionais defesas. O goleiro de 37 anos garantiu o importantíssimo ponto conquistado na Arena Pernambuco. O veterano goleiro reconheceu.

"A gente tomou um sufoco no fim do jogo. Tomamos um gol de bola parada, o Arouca salvou outra na mesma situação... E a gente tem uma situação armada de contra-ataque, mas a gente tem que ser inteligente, tem que saber usar melhor isso. No meio do jogo, a gente tem que mudar a estratégia. As mudanças na defesa não atrapalharam. O Sport é muito forte em casa e por um detalhe a gente não saiu com a vitória", resumia, Fernando Prass.

Com o resultado, o Sport se recupera da derrota para o Atlético Mineiro e fica na sexta colocação no Brasileiro. E o Palmeiras interrompe sua sequência de quatro vitórias seguidas. Mas alcança o sétimo lugar na tabela. Está claro que esses dois times têm tudo para brigar por uma vaga na Libertadores. E até podem ousar sonhar com algo ainda melhor.

O Sport dominou o jogo todo. Explorou sua postura 'europeia'. Atuando no 4-1-4-1. Com intensidade, preenchimento de espaços e movimentação dos jogadores do início ao final da partida. O ritmo não parece brasileiro. Tivesse jogadores mais talentosos, seria ainda pior para os adversários.

O Palmeiras de Marcelo Oliveira ainda é uma equipe em formação e teve três desfalques importantíssimos. Três na defesa, Victor Ramos, Vitor Hugo e Egídio. As entradas de Jackson, Leandro Almeida e João Pedro pesaram. Principalmente no entrosamento. O que ajudou, e muito, o ataque pernambucano.

O Sport ditou o ritmo do jogo do início ao fim. Marcou primeiro. Diego Souza cobrou escanteio na cabeça de Matheus Ferraz. Os pernambucanos seguiram pressionando. Mas o Palmeiras, de forma injusta, conseguiu virar o jogo. Leandro Pereira se aproveitou da lentidão da reação da dupla Durval e Matheus Ferraz. Marcou dois gols de oportunismo.

Fernando Prass já havia feito seis espetaculares defesas. Parecia que a injustiça iria prevalecer. O Palmeiras tinha suas linhas duas linhas de quatro atropeladas pelo Sport. A marcação pernambucana na saída de bola foi implacável. Até que a justiça se fez aos 43 minutos do segundo tempo.

André se aproveitou de bobeada inaceitável de Lucas. O lateral não saiu e deu condições legais para o jogador que estava na frente de Jackson e Leandro Almeida. O dois não esperavam que Lucas tirasse o impedimento do atacante. Livre, ele deu um chute fortíssimo para vencer o alucinado Fernando Prass.

"Hoje é um jogo que o Prass garantiu o empate. Resultado injusto, brigamos, batalhamos, ele fez grandes defesas. Perder era muita maldade." A definição do filósofo André foi perfeita.

O que valeu neste empate sensacional foi a qualidade do espetáculo. Sorte de quem pôde assistir. O que Eduardo Baptista está fazendo com o Sport merece toda a atenção do país. Assim como a garra e a malícia que Marcelo Oliveira levou ao Palmeiras. Montando o time em plena competição. Jogo digno para uma população que ama esse tal de futebol...
2pernambucopress 1024x667  O empate entre Sport e Palmeiras, 2 a 2. Foi um dos melhores jogos de futebol neste país em 2015. Os pernambucanos mereciam ter vencido. Fernando Prass não deixou...

Corinthians ganhou a partida de hoje, no Maracanã, em maio. Quando garantiu que Guerrero e Emerson não jogariam. 3 a 0 foi até pouco contra o pobre Flamengo, sem organização ou alma….

1ae14 Corinthians ganhou a partida de hoje, no Maracanã, em maio. Quando garantiu que Guerrero e Emerson não jogariam. 3 a 0 foi até pouco contra o pobre Flamengo, sem organização ou alma....
O Corinthians ganhou o jogo contra o Flamengo no dia 25 de maio. Foi a data quando acertou a liberação de Guerrero para a Gávea. E exigiu que o peruano e Sheik não entrasse em campo hoje no Maracanã. Pronto. Ficou claro o quanto o elenco de Cristóvão Borges é fraco. Bastou Tite armar seu time para os contragolpes e veio a goleada. 3 a 0 no Maracanã foi até pouco. Irritada, a torcida flamenguista xingava e gritava olé, quando os paulistas tocavam a bola. Vexame.

O Corinthians voltou a vencer no Maracanã depois de oito anos. E chegou à terceira colocação na classificação geral do Brasileiro.

Cristóvão foi vaiado o segundo tempo inteiro, quando seus jogadores pareciam um grupo de amigos que se encontrou em Copacabana, desarrumado. Um bando, não um time. O técnico pode ser demitido. Mas a culpa pelo fracasso constrangedor de hoje foi toda de Eduardo Bandeira de Mello. Ele deveria ter sido muito mais firme, pago mais dinheiro ao Corinthians. Mas o Flamengo não poderia ter entrado em campo sem sua alma, representada por Guerrero e Emerson.

A decepção foi imensa do lado carioca. Os flamenguistas sentiram toda a empolgação de ter o melhor atacante no território brasileiro. Contra o Internacional, em Porto Alegre, Guerrero mostrou o que pode fazer. Além de marcar um gol, dar assistência para o outro, na vitória por 2 a 1. Teve uma excelente atuação, escudado por Sheik.

A sequência seria fantástica. O Corinthians pela frente no Maracanã. Mas o acordo entre os clubes tirou Guerrero e Sheik do jogo. Bandeira de Mello foi submisso demais. Deveria ao menos tentar reverter a situação.

Cruzou os braços por causa da aliança dentre os times mais populares do Brasil. E que precisam estar unidos já que os demais clubes querem que a Globo não pague tanto a mais aos dois nos Brasileiros até 2018. Se conseguisse reverter a situação, o presidente flamenguista garantiria o Maracanã lotado. Mas ele preferiu a omissão.

Sem seus dois principais jogadores, o Flamengo foi uma presa fácil. Com um time fraquíssimo, de nada adiantou atuar em casa, diante de seus torcedores. Foi até pior.

Cristóvão Borges sabia o quanto estava pressionado. A vitória contra o Internacional foi toda repassada a Guerrero. O treinador já seguia seriamente pressionado antes do jogo de Porto Alegre. De repente, tudo piorou. Ele tinha de mostrar que não poderia depender apenas do atacante peruano. E fez exatamente o que Tite desejava, abriu sua equipe tentando vencer.

Era o que o Corinthians mais desejava. O fraco Flamengo aberto. Com três atacantes: Marcelo Cirino, Everton e Gabriel. E apenas três jogadores no meio de campo: Cáceres, Jonas e Canteros. Com os fracos Ayrton e Jorge abertos, adiantados.

Foi cruel. O Corinthians foi armado para explorar o desespero de Cristóvão. Ter um time fraco tentando vencer o jogo, pressionado pela torcida e imprensa de seu estado, faz Tite vibrar. Ele tratou de congestionar o meio de campo. E buscar contragolpes em velocidades, com muita troca de bola e movimentação dos seus meio campistas e atacantes.

Cada roubada de bola na intermediária flamenguista, os corintianos pareciam que disparavam para um prova de cem metros. Quatro ou até cinco jogadores coordenados, atacavam ao mesmo tempo. O contragolpe veloz e com inúmeras opções de jogadas, que Tite decorou vendo o Real Madrid, quando pertencia a Ancelotti.

Tivesse o Corinthians um atacante artilheiro de verdade e não Vagner Love, o resultado poderia ser histórico. 5 ou 6 a 0. Inacreditável a péssima atuação do jogador. Por mais que ele seja flamenguista, seu péssimo futebol tem muito mais a ver com insegurança, falta de qualidade nos arremates, nas tabelas. Foi insuportável ver Love atrapalhar vários contragolpes que deveriam ser mortais.

21 Corinthians ganhou a partida de hoje, no Maracanã, em maio. Quando garantiu que Guerrero e Emerson não jogariam. 3 a 0 foi até pouco contra o pobre Flamengo, sem organização ou alma....

Elias e Jadson tiveram atuações excelentes. Por sinal, dois jogadores que quase foram contratados pelo Flamengo neste ano. Foram dos seus pés que saíram as principais jogadas de ataque do Corinthians. Como no primeiro gol. Depois de péssima tentativa de virada de jogo, Everton colocou a bola nos pés de Jadson. Ele tocou para Elias. O volante deixou Vagner Love cara a cara com César. O chute foi ridículo, o goleiro defendeu com os pés. Mas a bola voltou e encontrou o volante corintiano. Elias encobriu o goleiro flamenguista, marcando um golaço. Não comemorou em respeito ao time que foi campeão da Copa do Brasil de 2013.

O gol aos 25 minutos destruiu psicologicamente o Flamengo. No subconsciente coletivo dos jogadores cariocas, ele perceberam que estavam perdidos. Não tinham técnica para superar o adversário superior. Atacar seria suicídio. Mas não havia nada o que fazer. Foi o que treinaram com Cristóvão.

Foi constrangedor. Tite continuou com seu maléfico plano. Recuava seu meio de campo. Atraía o fraco adversário. E dá-lhe contragolpes. Foi uma lição de como explorar as deficiências adversárias. As laterais eram passarelas abertas. Fagner e, principalmente, Uendel desfrutavam à vontade. Não eram acompanhados quanto faziam triangulações com Jadson e Renato Augusto, como tanto gostam. Até os vendedores de picolé flamenguista no Maracanã sabiam que o time carioca seria goleado.

O único senão foi Cássio. O goleiro tinha muitas dores nas coxas e também se sentiu mal pelo calor do Rio de Janeiro. Mas Tite o deixou em campo por dez minutos, com problemas. Decisão incompreensível, que demonstrou total falta de confiança em Walter. No intervalo fez a óbvia substituição.

Mas aí o Corinthians já vencia por 2 a 0. Uendel tabelou como quis com Renato Augusto. E, livre de marcação, ampliou a vantagem, aos 46 minutos do primeiro tempo.

A segunda etapa foi só a confirmação do time paulista. Antes houve um único susto, quando Marcelo Cirino chutou e Walter espalmou a bola que bateu no travessão. O troco veio rápido. O Corinthians se recompôs e nove minutos. Renato Augusto deixou Malcom livre. O chute foi forte, na trave.

Cinco minutos depois, a confirmação da goleada. Elias tomou a bola de Jonas. Ele serviu Jadson. O meia não teve dificuldades e, frio, marcou 3 a 0. Com a vitória garantida, Tite fez trocas para preservar jogadores fundamentais para o próximo jogo, contra o líder do Brasileiro, o Atlético Mineiro. Tirou Jadson e Renato Augusto. E comemorou muito os três pontos.

Já o Flamengo tem os mesmos 13 pontos do Santos, que está na zona do rebaixamento. Terá de aproveitar ao máximo a liberação definitiva de Guerreiro e Sheik. Mas antes de seguir na batalha para neste Brasileiro, deverá definir se fica ou não com o desgastado Cristóvão. A pressão está perto do insuportável...

1reproducao15 Corinthians ganhou a partida de hoje, no Maracanã, em maio. Quando garantiu que Guerrero e Emerson não jogariam. 3 a 0 foi até pouco contra o pobre Flamengo, sem organização ou alma....

Fluminense quer provar que está vivo sem a Unimed. Por isso resolveu bancar uma das apostas mais perigosas do futebol mundial. Ronaldinho Gaúcho. Além do gênio, chega o rei das baladas…

1ae13 Fluminense quer provar que está vivo sem a Unimed. Por isso resolveu bancar uma das apostas mais perigosas do futebol mundial. Ronaldinho Gaúcho. Além do gênio, chega o rei das baladas...

O Grêmio chegou a levar alto-falantes para o gramado do estádio Olímpico para a festa. O Palmeiras tinha reservado a lendária camisa 10, que seria entregue por Ademir da Guia.

Eurico Miranda foi o último a passar vexame, antecipando a conselheiros importantes que havia acertado a sua chegada a São Januário no mês passado.

Mas se tudo der certo e Assis não receber uma proposta melhor do Afeganistão ou de Madagascar, Ronaldinho Gaúcho deverá fechar contrato com o Fluminense. Os valores já foram até divulgados. Seriam R$ 600 mil, com a possibilidade de chegar a R$ 800 mil, dependendo de quantas partidas ele atuar.

Podendo usar e abusar de sua imagem, os patrocinadores Frescatto e Voxx bancariam metade dos salários.

O presidente Peter Siemsen já tem tudo apalavrado com Assis. O irmão e empresário do jogador só precisa conter o DNA de leiloeiro que tornou a carreira de Ronaldinho Gaúcho instável. Imprevisível. Com o estigma de jogador de aluguel.

Mas nada disso interessa para Siemsen. Ele quer é mostrar para o país que o clube tricolor pode andar com as próprias pernas. Mostrar que já está recuperado do seu rompimento com a Unimed. Foram 15 anos financiados pela assistência médica.

Contratar um ídolo conhecido no mundo todo às Laranjeiras tem tirado noites e noites de sono do presidente do Fluminense. Foi ele quem vislumbrou a possibilidade.

Quando soube que Assis havia conversado com Eurico Miranda e o Vasco, imediatamente ele quis saber detalhes da negociação. Soube que não seria nada impossível.

Ainda mais que Marlone, Vagner e Martinuccio foram embora. E os patrocinadores resolveram rachar a conta.

Houve uma reunião importante ontem à noite na casa do jogador, no Rio. Nela, Siemsen, o vice de futebol, Mário Bittencourt, e o diretor Fernando Simone. Os três deixaram todos os detalhes acertados com Ronaldinho e Assis.

Ele e Fred deverão ser os impulsionadores dos sócios-torcedores. Atualmente, o Fluminense ocupa apenas a décima colocação, com 25 mil torcedores. Siemsen tem certeza que tudo mudará com a chegada de Ronaldinho. O presidente, inclusive, que fazer eventos com o novo camisa 10 e Fred por estados brasileiros.

Resta apenas saber como Ronaldinho está jogando. No México, jogando pelo Querétaro, ele foi uma enorme decepção. Ainda apaixonado por baladas, não teve preparo físico para manter como titular do time. Isso afugentou empresários chineses, árabes e norte-americanos.

2ap2 Fluminense quer provar que está vivo sem a Unimed. Por isso resolveu bancar uma das apostas mais perigosas do futebol mundial. Ronaldinho Gaúcho. Além do gênio, chega o rei das baladas...

O mesmo se passava no Atlético Mineiro. O treinador Levir Culpi foi claro com o ex-presidente Alexandre Kalil. Ronaldinho Gaúcho precisava ir embora para o clube seguir adiante. Além dele não conseguir render como em 2013, suas festas estavam tirando o foco dos companheiros.

Irritado com o policiamento em Belo Horizonte, chegou até a gravar uma música com um singelo e irônico refrão. "Joga o copo pro alto e vamos beber". Inacreditável para a atleta que já duas vezes melhor do mundo, recebendo a Bola do Ouro da Fifa.

Ninguém irá tirar sua técnica, nunca. Mesmo com 50 anos, ele será capaz de um drible desconsertante, parar a bola na nuca, olhar para um lado e dar passe espetacular ao outro. Só que cada vez será mais fácil marcá-lo. Suas farras lhe roubaram a explosão muscular, a resistência. Acrescentaram taxa de gordura. Infelizmente, ele é de carne e osso como todos nós.

Aos 35 anos, por R$ 800 mil mensais, pode trazer ao Fluminense maior internacionalização. Mais mídia. Mais torcedores. Mais jogos mostrados pela Globo.

Só que nada disso é novidade. Ele já alertou grandes partidas, lances espetaculares pelo Flamengo e Atlético Mineiro. Com um período cada vez mais frequente de jejum. Não só de gols, mas de boas atuações.

Vale para Siemsen quebrar a história de que o Fluminense sem a Unimed não vive. Ele deseja mostrar que, não só vive, como contrata Ronaldinho Gaúcho.

O jogador adora o Rio de Janeiro. Já disse a amigos que suas farras mais inesquecíveis aconteceram na Cidade Maravilhosa. Voltar para ela não será nada desagradável.

1re Fluminense quer provar que está vivo sem a Unimed. Por isso resolveu bancar uma das apostas mais perigosas do futebol mundial. Ronaldinho Gaúcho. Além do gênio, chega o rei das baladas...

Para o carente futebol brasileiro seria interessante. Mas fica o alerta ao dirigente carioca. Espere a assinatura para comemorar. Qualquer dúvida, ligue ao Grêmio, Palmeiras ou Vasco...

(Ele assinou. Agora é só ver o que Ronaldinho resolverá fazer com o Fluminense....)

Sem o apoio da CBF ficou impossível. O Corinthians não tem como processar Amarilla ou a Conmebol. Mesmo com os áudios de Grondona. Na América do Sul, as coisas são assim…

1ae12 Sem o apoio da CBF ficou impossível. O Corinthians não tem como processar Amarilla ou a Conmebol. Mesmo com os áudios de Grondona. Na América do Sul, as coisas são assim...
Duraram 18 'longos' dias a punição de Carlos Amarilla. Dele e dos bandeiras Rodney Aquino e Carlos Cáceres. O trio que trabalhou no jogo Corinthians e Boca Júniors nas oitavas de final da Libertadores de 2013. Na partida que decidiu a vaga para os argentinos, houve dois gols mal anulados e dois impedimentos absurdamente marcados.

A arbitragem polêmica de Amarilla nunca foi aceita pelo Corinthians. E por quem tenha assistido aquela partida. Algo muito estranho se passou. O juiz paraguaio e seus bandeiras tiveram erros vergonhosos. Inacreditáveis, inaceitáveis.

Tudo voltou à tona no mês passado, quando vazaram áudios de ligações de Julio Grondona, presidente da Associação do Futebol Argentino. Ele comandou a AFA por 35 anos. Morreu no ano passado. Em conversas telefêonicas gravadas, ele apontava Amarilla como 'o maior reforço do Boca no ano'. Seu interlocutor é Abel Gnecco, representante da comissão de árbitros argentina, que diz ter trabalhado pela escalação de Amarilla: 'escolhi e tudo saiu ótimo', diz Gnecco.

Depois de muito escândalo no Brasil e na Argentina, a Comissão de Árbitros da Associação Paraguaia de Futebol resolveu suspendê-los. Não trabalhariam mais até que tudo fosse esclarecido.

Amarilla ficou revoltado. E disse que não havia base nenhuma para a acusação. Se defendeu alegando ser uma pessoa honrada. E que seu nome foi usado por dirigentes corruptos. Tinha certeza que estaria liberado e logo. Até porque precisa. Este é o ano em que deixará de apitar pela Fifa. Completará 45 anos, no dia 26 de outubro.

A diretoria do Corinthians ficou revoltada com as gravações. Roberto de Andrade se reuniu com seu departamento jurídico. Foram horas de conversa. A vontade era processar a Conmebol, Amarilla, os bandeiras. Houve diretor sonhando com R$ 30 milhões, R$ 20 milhões de indenização.

1gazeta1 Sem o apoio da CBF ficou impossível. O Corinthians não tem como processar Amarilla ou a Conmebol. Mesmo com os áudios de Grondona. Na América do Sul, as coisas são assim...

A esperança estavam nos 5 milhões de Euros, cerca de R$ 17,6 milhões que a Fifa deu para a Irlanda como compensação pela eliminação da Copa de 2010 pela França. Henry levou a bola com a mão no gol que eliminou os irlandeses. Com o vazamento da notícia, Blatter disse que havia emprestado o dinheiro para a construção de um estádio. A Federação de Futebol da Irlanda o desmentiu, dizendo que houve mesmo foi a compensação pelo país ficar fora da Copa.

Só que a situação do Corinthians é muito mais complicada. Há algo que inviabiliza o processo à Conmebol. A falta total de apoio da CBF. O presidente Marco Polo del Nero odeia o ex-presidente e deputado federal pelo PT, Andrés Sanchez. Os dois não se falam. O Corinthians não participa das reuniões importantes na CBF. Não há proximidade alguma. Apenas uma enorme ojeriza dos dois lados.

Sem o apoio formal da CBF, o Corinthians não tem o menor respaldo para conseguir sucesso em qualquer processo contra a Conmebol. Nem a Federação Paulista, comandada por Reinaldo Carneiro Bastos, apoiaria o clube. Reinaldo é muito ligado a Marco Polo.

Sem o respaldo da CBF há um enorme medo dos dirigentes corintianos. Processar a Conmebol exigindo ressarcimento pela eliminação. E perder na Justiça. E aí poderia haver a vingança da entidade nas próximas Libertadores. Por isso, a falta de ânimo para processar.

Por mais que sejam comprometedoras as conversas de Grondona, faltam provas contra Amarilla. O árbitro se apressou em abrir mão do seu sigilo bancário, de suas contas de telefone para a Associação de Futebol Paraguaia. E para a Conmebol. Nada foi encontrado.

2gazeta1 Sem o apoio da CBF ficou impossível. O Corinthians não tem como processar Amarilla ou a Conmebol. Mesmo com os áudios de Grondona. Na América do Sul, as coisas são assim...

Por isso ele e seus auxiliares foram liberados para trabalhar. Não só no Paraguai. Mas poderá até ser escalado pela Conmebol.

"A Associação Paraguaia de Futebol e a Comissão de Árbitros reitera a confiança na honorabilidade e na trajetória dos árbitros mencionados, dignidade e prestígio que não foram afetados pela determinação administrativa anterior."

Esse foi o comunicado divulgado ontem pela APF. O trio está liberado. Acabou a suspensão preventiva.

Vários advogados que trabalham no futebol têm a certeza. Foi o golpe final em qualquer pretensão corintiana. Não há caminho para qualquer ressarcimento.

Em compensação, Carlos Amarilla disse ter havido justiça na sua liberação.

"Quem nada deve, nada teme. E todos me conhecem. Tenho o caráter forte e mesmo no meio de coisa negativas, busco o lado positivo. Muitas pessoas me deram seu apoio. Meus amigos, minha família. Isso me ajuda, me reconforta

"Não vou processar ninguém porque isso só iria prolongar uma situação que não existe. Nunca entrei em campo para prejudicar ou ajudar clube algum.

"Eu levo a arbitragem no coração. E o mais importante é que tudo foi resolvido."

Amarilla falou à rádio paraguaia Deportiva.

13 735x1024 Sem o apoio da CBF ficou impossível. O Corinthians não tem como processar Amarilla ou a Conmebol. Mesmo com os áudios de Grondona. Na América do Sul, as coisas são assim...

Abel Gnecco, disse que toda a conversa com Grondona foi mal interpretada. Inclusive a parte que Amarilla era o grande reforço do Boca contra o Corinthians.

"Ele disse isso porque não queriam o Amarilla aqui. E falou com ironia que terminou sendo um reforço do Boca. Ele falou sem má-fé, foi um comentário de boleiro. Mas depois começou aqui essa bagunça toda."

"Eu já enviei uma nota à Conmebol e à Associação de árbitros do Paraguai deixando claro que eu não conhecia o Amarilla pessoalmente."

"Eu gostava do Amarilla porque se parecia comigo quando eu apitava, sempre com cara séria, duro, de poucas palavras com os jogadores."

Em 18 dias o que parecia ser um enorme escândalo, acabou sendo abafado. Não há provas. As pessoas vivam desmentem. Quem deu a declaração mais pesada está morto.

Mais um caso que vai para debaixo do tapete. Uma das arbitragens mais suspeitas da Libertadores. Mas sem provas concretas, Amarilla não pode ser punido.

A CBF não comprou a briga do Corinthians. E sozinho, o clube nada conseguirá contra a Conmebol. Muito menos contra Amarilla. Embora revoltados, os dirigentes sabem que não o que fazer. A falta de apoio de Marco Polo del Nero foi fundamental para o caso não dar em nada concreto.

Repare na foto abaixo.

Amizades sinceras duram para sempre...
4ae7 Sem o apoio da CBF ficou impossível. O Corinthians não tem como processar Amarilla ou a Conmebol. Mesmo com os áudios de Grondona. Na América do Sul, as coisas são assim...

Flamengo não briga com Corinthians para escalar Guerrero e Sheik. Diretorias nunca estiveram tão unidas. O motivo é manter o privilégio nas cotas que recebem da Globo, em relação aos demais clubes. Até 2018…

1ae11 1024x576 Flamengo não briga com Corinthians para escalar Guerrero e Sheik. Diretorias nunca estiveram tão unidas. O motivo é manter o privilégio nas cotas que recebem da Globo, em relação aos demais clubes. Até 2018...
Sheik percebeu na prática. Nem ele e Guerrero juntos são capazes de abalar a aliança entre as diretorias do Corinthians e Flamengo. Os dois jogadores não atuarão na partida de domingo, no Maracanã e ponto final. Emerson tentou, conversou, insistiu com os dirigentes. Queria de qualquer maneira atuar contra seu ex-clube.

Mas não houve jeito. O presidente Bandeira de Mello confirmou para Cristóvão Borges e à sua diretoria. Uma multa de R$ 5 milhões impede a escalação da dupla.

O clima na Gávea é de muita decepção. Principalmente pelo clima de otimismo com a chegada de Guerrero. A sua participação contra o Internacional foi excelente. Não só pelo gol e pela assistência, na vitória em Porto Alegre, por 2 a 1. Mas pela injeção de ânimo que trouxe ao grupo.

Havia a certeza de uma excelente arrecadação no domingo, caso Guerrero jogasse no Maracanã contra o Corinthians. A sua estreia, quarta-feira, proporcionou a maior audiência na Globo no Campeonato Brasileiro este ano. Isso para os jogos mostrados às quartas, sábados e domingos.

Só que Bandeira de Mello não vai enfrentar Roberto de Andrade. Por um motivo que vai além de meros jogadores. O pacto para que impedir que seja mantida a diferença de cotas pagas pela Globo. Corinthians e Flamengo são os clubes privilegiados no país. Recebem muito mais do que os concorrentes. Ainda mais quando, em 2016, o aumento será de 60% para todos.

A diferença para os dois clubes mais populares será maior do que já é. E tanto Bandeira quanto Roberto de Andrade querem que continue assim.

A Globo passará a gastar em vez de R$ 1 bilhão com o Brasileiro, investirá R$ 1,6 bilhão. Os privilegiados não têm do que reclamar. O aumento vale até 2018.

1. Flamengo e Corinthians - De R$ 110 milhões passarão a receber R$ 170 milhões.

2. São Paulo - De R$ 80 milhões para R$ 110 milhões.

3. Vasco e Palmeiras - De R$ 70 milhões para R$ 100 milhões.

4. Santos - De R$ 60 milhões para R$ 80 milhões.

5. Atlético-MG, Cruzeiro, Grêmio, Internacional, Fluminense e Botafogo - De R$ 45 milhões para R$ 60 milhões.

6. Outros integrantes da Série A - De R$ 27 milhões para R$ 35 milhões.

A diferença é gritante. Os clubes já articulam uma virada de mesa. Vasco, São Paulo, Cruzeiro, Internacional, Fluminense Grêmio, Atlético Mineiro não aceitam essa discrepância.

Fora a emissora que detém o monopólio do futebol no país mostrar muito mais jogos dos dois do que os demais. O que garantem patrocínio mais fortes. Estímulo à torcida. É uma bola de neve favorável à dupla. O que muitos já chamam de espanholização, a comparação com o que a tevê espanhola faz com Real Madrid e Barcelona.

Por isso, os corintianos e flamenguistas estão cada vez mais unidos.

Vão até simular uma guerrinha de provocações na Internet para chamar a atenção para o jogo. É uma saída para compensar a ausência de Sheik e Guerrero no Flamengo. O peruano já foi liberado e tratará de problemas particulares neste final de semana.

A proibição da dupla entrar em campo só vale para o primeiro turno. No segundo, dia 25 de outubro, no Itaquerão, os dois terão o prazer de enfrentar o Corinthians.

As diretorias dos clubes mais populares do Brasil nunca estiveram tão unidas.

Por uma ótima causa.

Dinheiro e privilégios oferecidos pela Globo...
2ae13 Flamengo não briga com Corinthians para escalar Guerrero e Sheik. Diretorias nunca estiveram tão unidas. O motivo é manter o privilégio nas cotas que recebem da Globo, em relação aos demais clubes. Até 2018...

Nem o futebol brasileiro valoriza mais os treinadores nacionais. A decadência tática alcançou a financeira. Acabou a lenda. Paramos de nos enganar. Não temos super-técnicos. Só a CBF não enxerga…

1reproducao14 Nem o futebol brasileiro valoriza mais os treinadores nacionais. A decadência tática alcançou a financeira. Acabou a lenda. Paramos de nos enganar. Não temos super técnicos. Só a CBF não enxerga...
Os treinadores do Brasil não ficaram apenas ultrapassados. Começaram a ser desvalorizados. Quando Dorival Júnior aceitou ontem a proposta de R$ 250 mil do Santos, até o final de 2015, impossível deixar de pensar quanto ele recebia no Flamengo. R$ 780 mil mensais. Isso há dois anos.

Acabou a era dos 'supertécnicos'. O maior salário no Brasil entre os treinadores é Tite. Ele recebe R$ 500 mil no Corinthians. Em 2010, recebia R$ 612 mil, considerando a inflação. O índice vale para a toda a relação. A desvalorização nos grandes clubes brasileiros, segundo levantamento da Folha, chegou a surpreendentes 48% em cinco anos.

O Atlético Mineiro pagava, na época, R$ 476 mil a Dorival Júnior. Hoje, banca R$ 450 mil a Levir Culpi. Joel Santana, então no Botafogo, embolsava R$ 367 mil. Agora, René Simões ganha R$ 60 mil. Cuca recebia, R$ 313 mil no Cruzeiro. Luxemburgo, R$ 200 mil.

O mesmo Vanderlei Luxemburgo ganhava R$ 707 mil no Flamengo, hoje Cristóvão Borges, R$ 200 mil. No Fluminense, Muricy alcançava R$ 748 mil, Enderson Moreira fica com R$ 200 mil. No Grêmio, Renato Gaúcho recebia R$ 353 mil, hoje Roger, R$ 150 mil.

No Internacional, Celso Roth ganhava R$ 408 mil, Diego Aguirre, R$ 230 mil. Luiz Felipe Scolari, alcançava R$ 971 mil. Marcelo Oliveira, R$ 350 mil. No Santos, Marcelo Martelote, R$ 27 mil. Dorival, R$ 250 mil.

No São Paulo, Paulo César Carpegiani, R$ 272 mil. Juan Carlos Osório, R$ 310 mil. No Vasco, PC Gusmão ganhava R$ 202 mil. E agora Celso Roth recebe R$ 150 mil.

Paulo Roberto Falcão, ex-técnico da Seleção, pediu R$ 250 mil ao Goiás. O clube ofereceu R$ 120 mil. Não houve acerto. Julinho Camargo, que foi auxiliar de Falcão, foi contratado. Seu salário seria R$ 80 mil.

Além da desvalorização apontada pelo jornal, conversando com dirigentes em off, fico sabendo que acabou aquela fábrica de multas. Ou seja, os treinadores em 2010 exigiam que, se fossem demitidos, os clubes deveriam pagar integralmente o que iriam receber. Por exemplo, se acertasse por um ano, e fosse mandado embora depois de um mês, receberia onze meses. Mesmo acertando até com outra equipe.

1ap5 Nem o futebol brasileiro valoriza mais os treinadores nacionais. A decadência tática alcançou a financeira. Acabou a lenda. Paramos de nos enganar. Não temos super técnicos. Só a CBF não enxerga...

"Hoje essa moleza acabou. Paramos de queimar dinheiro com técnicos. Sabemos da sua importância, mas ele é apenas mais um profissional no contexto. Se ele for mandado embora, a grande maioria dos clubes banca um, no máximo dois meses de multa. Caso acerte com outra equipe imediatamente, nem isso. Acabou a submissão. Talvez descobrimos que eles não são tão importantes como achavam que era", me diz o dirigente que prefere o anonimato para não se indispor com seu treinador.

Os técnicos brasileiros perderam prestígio. Vanderlei Luxemburgo chegou a ter uma Comissão Técnica que carregava para cima e para baixo, com cerca de 12 profissionais. Hoje precisa se contentar com apenas dois. Seu parceiro de décadas, o preparador físico Antônio Mello. E seu mais recente auxiliar, o ex-jogador David. O mesmo acontece com a maioria dos treinadores no país.

A crise financeira que domina o país espantou os patrocinadores. Os clubes têm enorme dificuldade financeira. Salários atrasados não só de jogadores, mas de técnicos, são cada vez mais comuns. Há cinco anos, o treinador era sempre poupado nas crises. Hoje, não.

Os fracassos da Seleção Brasileira também servem para enfraquecer ainda mais a situação dos técnicos. Está cada vez mai transparente que o país exporta pés e não cérebros. Os grandes clubes europeus levam jogadores mas não treinadores. Os dirigentes de lá não confiam nos organizadores de times daqui.

2ap1 Nem o futebol brasileiro valoriza mais os treinadores nacionais. A decadência tática alcançou a financeira. Acabou a lenda. Paramos de nos enganar. Não temos super técnicos. Só a CBF não enxerga...

O retumbante fracasso de Scolari no Chelsea e de Luxemburgo no Real Madrid são sempre lembrados. O ex-lateral Roberto Carlos deixou claro que os jogadores não respeitavam Vanderlei. Não faziam o que ele queria. Ele não soube se impor diante dos galácticos.

Assessores de Felipão espalham que, no Chelsea, houve um boicote. Drogba seria o grande vilão contra o brasileiro. Por isso os resultados pífios. A imprensa londrina vai por outro caminho. O técnico tentou formar uma 'família Scolari', tentando aproximar os atletas, mas eles o rejeitaram.

Os idiomas espanhol e inglês também foram considerados dois grandes obstáculos. Tanto Vanderlei quanto Felipão teriam penado para se expressar.

Luxemburgo foi para a Espanha há dez anos. Scolari esteve no Chelsea em 2008.

Ou seja, há sete anos nenhum clube da elite do futebol europeu pensa em técnico brasileiro. Não é por acaso.

Eles se sujeitam à periferia do mundo do futebol como China, como Felipão e Cuca. Japão, Paulo Autuori. Ou Emirados Árabes, Caio Júnior e Abel Braga.

3ap1 Nem o futebol brasileiro valoriza mais os treinadores nacionais. A decadência tática alcançou a financeira. Acabou a lenda. Paramos de nos enganar. Não temos super técnicos. Só a CBF não enxerga...

Mano Menezes foi demitido da Seleção em 2012. Abandonou o Flamengo. O Corinthians não quis renovar seu contrato. A expectativa era que iria trabalhar na Europa, no futebol português. Após seis meses ele segue desempregado. Apenas estudando inglês. E esperando propostas que nunca chegam.

O pior é a grande maioria finge que não percebe o que está acontecendo. A falta de interesse em se aprimorar. Passar seis meses, um ano no berço do conhecimento tático, a Europa. Com humildade, acompanhando de verdade os grandes treinadores do mundo. Guardiola, Mourinho, Klopp, Simeone, Ancelotti e tantos outros. Não só fazer visita de um, dois dias. Tirar foto ao lado deles e postar em redes sociais.

Além disso estudar psicologia, gestão. Inglês e espanhol precisariam ser obrigatórios. Há muita acomodação. O tempo perdido na concentração é absurdo. Puro ócio. No máximo, os técnicos assistem jogos dos adversários. Dão preleções repetidas, monótonas. Nas decisões, mandam filmar mães, esposas e filhos dos atletas. Passam pedaços de filmes motivacionais. Decoram trechos de livros de autoajuda e 'vamos que vamos'.

1divulgacao1 Nem o futebol brasileiro valoriza mais os treinadores nacionais. A decadência tática alcançou a financeira. Acabou a lenda. Paramos de nos enganar. Não temos super técnicos. Só a CBF não enxerga...

Além disso há o importante ingrediente. Desunião. É treinador de olho no emprego do outro. Sem a menor ética. Vários recados chegam aos dirigentes quando um deles balança em uma grande equipe. Há sempre um desempregado salivando.

A única hora que se juntam é para evitar, de qualquer maneira, a quarentena. Alegam, em off, que é inconstitucional. O que é a 'quarentena', usada na Europa? Simples. Um treinador demitido por um clube fica impossibilitado de trabalhar em outro no mesmo campeonato. Nem os dirigentes querem. Por quê? Porque assim obrigaria mais responsabilidade na hora de escolher. Se errasse, o mercado ficaria muito escasso.

Assim segue a vida. E depois, Marco Polo del Nero ainda estranha a vontade popular de um treinador estrangeiro para a Seleção Brasileira. Nem o futebol brasileiro acredita nos nossos técnicos.

Por isso passou a pagar 48% menos do que gastava com eles em 2010.

A decadência está evidente.

Só não enxerga, quem está preocupado demais com o FBI...

A prova da sujeira que domina as categorias de base do futebol brasileiro. Empresário usa o nome de Neymar e cobra R$ 70 mil para encaixar qualquer garoto na base do Santos. Repugnante…

Quer entender como o futebol brasileiro funciona de verdade? As categorias de base? Acompanhe essa brilhante matéria de Luiz Carlos Azenha. O jornalista não dispensa apresentação. Ele é um dos melhores repórteres investigativos do país. Ganhou vários prêmios entre eles, duas vezes o Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos.

Foi correspondente nos Estados Unidos da TV Manchete, trabalhou na Folha, na CNN, na tv canadense CBC, na rádio Jovem Pan. Ficou anos na Globo como repórter especial. Hoje é um dos principais trunfos da TV Record.

Dono de um blog excelente, o inquietante viomundo.com.br. É um dos autores do livro obrigatório para quem quer saber as entranhas do futebol. O Lado Sujo do Futebol. Tive o prazer de ser convidado para o debate de lançamento do livro na Bienal de São Paulo. Senti que repartimos a mesma revolta com a estrutura podre da CBF, Conmebol, Fifa, Federações.

Trabalhamos juntos no Pan-americano de Guadalajara, em 2011. Fomos a uma partida de futebol, ao estádio Jalisco. Lá o Brasil venceu a Checoslováquia, Inglaterra e Romênia na Copa de 70. Mas caiu diante da França, nos pênaltis, nas quartas de final do Mundial de 86. E percebi sua visão tática diferenciada. Seria um ótimo jornalista esportivo.

Foi Azenha quem fez a matéria que alertou a Polícia Federal e contribuiu para renúncia de Ricardo Teixeira da CBF. As falcatruas no amistoso contra Portugal em Brasília. Entre várias denúncias, mostrou a empresa fantasma que lucrou R$ 6 milhões com o jogo, vencido por 6 a 2, em 2008.

Nas conversas que tivemos, notei seu amor pelo futebol. Só é maior a angústia pela sujeira que domina o principal esporte do país. Assim como sua vontade de mostrá-la ao público.

A matéria de ontem provoca revolta em quem acredita em conto de fadas. Não adianta ter um filho, sobrinho, neto com o talento de Messi. Se não houver um intermediário que o leve para os clubes, nem teste o garoto consegue fazer.

1reproducao13 A prova da sujeira que domina as categorias de base do futebol brasileiro. Empresário usa o nome de Neymar e cobra R$ 70 mil para encaixar qualquer garoto na base do Santos. Repugnante...

Os empresários dominam as categorias de base dos clubes. Não é só o Santos, não. O Ministério Público, CBF, Federações deveriam agir. Se esse fosse um país comandado por pessoas sérias.

O presidente Modesto Roma tem a obrigação de ir a fundo no que foi mostrado. Há gente exigindo dinheiro para colocar atletas no clube mais importante do país. O que deu Pelé ao mundo. Na matéria, ninguém viu os 'jogadores' sequer tocar em uma bola. Mesmo assim usariam as camisetas santistas nos treinos. O que importava era a propina.

André Luiz Rodrigues Fernandez, ou Andrezinho, aparentemente, não só usa o nome do Santos. Basta citá-lo e as portas da Vila Belmiro se abrem como por encanto. Há o livre acesso até o departamento jurídico do clube. Tudo indica que os meninos seriam registrados. Isso é gravíssimo.

De acordo com a matéria, basta a cobrança de R$ 70 mil e pronto. Na sequência, Azenha mostra um garoto e seu empresário que teriam pago R$ 50 mil a Andrezinho. E em vez de um ano que ele havia prometido que o menino ficaria na Vila Belmiro, passou apenas dez dias. Seria ainda pior do que parece.

Além de toda a gravidade da situação, André se apresenta como amigo de Neymar. Fala até que trabalha no instituto do jogador para crianças carentes. A veracidade da amizade estaria nas várias fotos que posta com o melhor jogador do Brasil, nas suas redes sociais. O agente faz questão de garantir ter intimidade até com o pai e empresário do atacante do Barcelona.

Tudo é repugnante.

As provas estão documentadas, filmadas.

Como André tem tanto poder?

Quantas pessoas participam desse esquema?

Quem ganha propina?

Há quanto tempo ele faz isso?

Se Modesto Roma não tomar providências é porque não quer.

Parabéns, mais uma vez, Azenha.

Orgulho por ser seu colega de trabalho...
3reproducao3 A prova da sujeira que domina as categorias de base do futebol brasileiro. Empresário usa o nome de Neymar e cobra R$ 70 mil para encaixar qualquer garoto na base do Santos. Repugnante...