A alegria de “Messi do Mato Grosso”. Ao contrário de Neymar e seus R$ 6 milhões no Barcelona, seu contrato é de apenas R$ 920 com o Santos. Jean Chera é a prova. O amor exagerado de um pai pode sabotar a promissora carreira de um filho…

1santos A alegria de Messi do Mato Grosso. Ao contrário de Neymar e seus R$ 6 milhões no Barcelona, seu contrato é de apenas R$ 920 com o Santos. Jean Chera é a prova. O amor exagerado de um pai pode sabotar a promissora carreira de um filho...
Neymar, R$ 6 milhões mensais. Entre salários do Barcelona e publicidade. Jean Chera, R$ 920,00.

Bastaram cinco anos e a desproporção ficou gigantesca, absurda. Os dois eram tratados como as maiores promessas do Santos, desde Robinho. Por ter três anos a mais, Neymar foi lançado primeiro. Seria apenas uma questão de tempo para o "Messi do Mato Grosso" ficar com a camisa dez de Paulo Henrique Ganso. E mostrar seu talento excepcional.

"Meu sonho é jogar a Copa do Mundo de 2014 com Neymar", dizia o garoto aos repórteres que iam entrevistar a nova grande revelação santista. E ele não parecia exagerar.

Pelo menos era o que esperavam torcedores, dirigentes, técnicos e mesmo jogadores da base e mesmo profissionais. Mas principalmente, seu pai, Celso. Empresário e responsável pela carreira do filho. E considerado pelos conselheiros santistas como grande responsável pela incrível decadência do garoto.

Desde que foi descoberto no Mato Grosso, os planos de Celso eram grandiosos para Jean. Ao desembarcar em Santos barbarizava nos treinos. Tinha personalidade, talento, habilidade. Era capaz de lances que lembravam mesmo Messi quando garoto. Daí os sonhos do pai.

1reproducao16 A alegria de Messi do Mato Grosso. Ao contrário de Neymar e seus R$ 6 milhões no Barcelona, seu contrato é de apenas R$ 920 com o Santos. Jean Chera é a prova. O amor exagerado de um pai pode sabotar a promissora carreira de um filho...

Assessores de imprensa faziam chegar às tevês vídeos de Jean Chera. A fama chegou até a fabricante de material esportivo Umbro. Ela fez uma chuteira personalizada do camisa 10 da base santista.

Só que algo de muito errado acontecia. Os treinadores da base começaram a reclamar da presença de Celso. O pai estaria influenciando demais o menino. O amor pelo filho começou a se misturar com conselhos que sabotavam o desempenho do garoto.

Ele passou a querer a bola nos pés. Quando recebia tentava 'jogar sozinho', driblar todos os marcadores. Quando perdia a bola colocava as mãos nas cinturas. O que só irritava os treinadores. E os companheiros de time. Não se empenhava tanto nos treinos físicos. Começou a ser presa fácil, anulado por volantes adversários. Mesmo assim, tietes faziam questão de esperá-lo após os treinamentos e jogos. Conselheiros garantem que era fácil perceber que a súbita fama o havia dominado.

Recebia salário maior do que alguns técnicos da base: R$ 25 mil. Tudo implodiu quando chegou ao sub-17 do time. E foi para a reserva. Celso disse que o filho estava sendo perseguido. Causou um clima tão ruim na Vila Belmiro que acabou impedido de acompanhar os treinamentos do filho. O estrago já era enorme.

Foi quando chegou a hora do primeiro contrato profissional de Jean Chera. Ele já estaria sendo sondado há anos por clubes poderosos da Inglaterra, Itália, Espanha e Holanda. E seu pai resolveu fazer uma pedida considerada absurda no Santos. Nada menos do que R$ 1 milhão e R$ 130 mil por três anos. Celso disse que não foi tanto. R$ 75 mil no primeiro ano. R$ 100 mil no segundo. E R$ 130 mil apenas no terceiro ano. As luvas de R$ 1 milhão estavam corretas.

2reproducao10 A alegria de Messi do Mato Grosso. Ao contrário de Neymar e seus R$ 6 milhões no Barcelona, seu contrato é de apenas R$ 920 com o Santos. Jean Chera é a prova. O amor exagerado de um pai pode sabotar a promissora carreira de um filho...

Só que a diretoria santista disse não. Os treinadores da base avisaram que o futebol do Messi do Mato Grosso havia sumido. O que não é raro na base. A transição não foi bem feita. Ele deixou de ser um jogador competitivo para se tornar uma estrela. Se descuidou fisicamente. Perdeu confiança. Não treinou fundamentos como deveria. Não teve a dedicação para continuar um grande jogador. Não recomendaram a sua manutenção.

Mesmo assim, o Santos ofereceu R$ 30 mil mensais por três anos. Essa proposta foi recusada como se fosse uma ofensa.

O pai do garoto considerava perseguição ao filho. E avisava que ele não diminuiria sua pedida. Jean iria para a Europa. Tinha certeza que grandes clubes estenderiam tapetes vermelhos ao filho. Manchester City, Barcelona, Real Madrid, Bayern, Chelsea...

Só que os europeus fazem um trabalho de observação constante nas categorias de base dos clubes brasileiros. Os olheiros sabiam que o futebol de Jean Chera havia desaparecido. E que não valeria a pena investir no Messi do Mato Grosso.

Foi passar um período de testes no pequeno Genoa da Itália. Não conseguiu convencer os italianos a contratá-lo. Acabou oferecido ao Corinthians e Palmeiras. Nenhum dos dois clubes se animou com o meia. O Flamengo o aceitou. Mas logo se arrependeu. O pai do garoto continuava exigindo sua escalação. Acabou na reserva da reserva dos juniores. Em cinco meses, estava dispensado.

4reproducao3 A alegria de Messi do Mato Grosso. Ao contrário de Neymar e seus R$ 6 milhões no Barcelona, seu contrato é de apenas R$ 920 com o Santos. Jean Chera é a prova. O amor exagerado de um pai pode sabotar a promissora carreira de um filho...

Celso acreditava que o problema era o filho não ter um empresário 'forte'. O entregou a Juan Figer. O uruguaio tentou colocar o menino no São Paulo. Perdeu tempo. O levou para o Cruzeiro. A esperança era disputar a Taça São Paulo. Outro fracasso. Acabou dispensado.

Desde então, foi acumulando decepções. E clubes os mais diferentes possíveis. Oeste de Itápolis; o romeno Universidade Craiova; o grego Paniliakos; o espanhol Deportiva Buelna. Foi parar no Cuiabá Esporte Clube. Resultado: dispensado em todas as equipes.

5reproducao4 A alegria de Messi do Mato Grosso. Ao contrário de Neymar e seus R$ 6 milhões no Barcelona, seu contrato é de apenas R$ 920 com o Santos. Jean Chera é a prova. O amor exagerado de um pai pode sabotar a promissora carreira de um filho...

Angustiado, Jean não sabia mais o que fazer. A possibilidade de abandonar a carreira, aos 20 anos, era imensa.

O presidente santista, Modesto Roma Filho, soube de todo o sofrimento do garoto. E resolveu fazer a aposta. O chamou até a Vila Belmiro e ofereceu um contrato de quatro meses. O salário: R$ 920,00 mensais. Mas havia uma exigência. Sem a qual, ele não voltaria ao Santos. Frequentar um psicólogo, situação que Jean e seu pai evitaram quando ele era estrela na base.

Jean Chera aceitou. Já começou a treinar na equipe sub-23. Não terá tratamento diferenciado. Celso, seu pai, não terá a mesma liberdade dos tempos em que o filho era menino. Nada de palpites nos treinos, cobranças aos técnicos, aos dirigentes.

Depois de ser dispensado por nove clubes, o garoto se mostra emocionado pela chance inesperada. E garante que dará a alma para ficar no Santos.

Se alguém, em 2010, dissesse que Jean Chera iria sofrer tanto e ter tantos fracassos, seria considerado insano.

Principalmente por Celso.

Esta é a prova, um pai pode travar a carreira do filho.

O amor exagerado tirou do rumo o talentoso garoto.

Sabotou, colocou por um fio a carreira do "Messi do Mato Grosso"...

Tite declara guerra. Exige a valorização do melhor turno da história do Corinthians. Quer mostrar que o clube não está em 2005, nem tem mais a MSI. Até porque o técnico ainda sonha com a Seleção…

19 Tite declara guerra. Exige a valorização do melhor turno da história do Corinthians. Quer mostrar que o clube não está em 2005, nem tem mais a MSI. Até porque o técnico ainda sonha com a Seleção...
Tite está muito decepcionado. O Corinthians fez o seu melhor primeiro turno, desde que o Brasileiro passou a ser disputado em pontos corridos, em 2003. Melhor até do que em 2005 e 2011, quando o clube foi campeão. Neste anos, obteve 66,7% e 64,9%. Agora chegou aos 70,2%.

Foram 40 pontos em 12 vitórias, quatro empates e três derrotas. No Itaquerão foram oito vitórias e apenas uma derrota, para o Palmeiras. Marcou 27 gols e, tem a melhor defesa do Brasileiro, com apenas 14 gols sofridos.

E o Corinthians teve grandes dificuldades. Começou o Brasileiro preocupado com a Libertadores. Cobrado por não ter chegado nem à decisão do Paulista. Enfrentou constrangedores atrasos salariais. Perdeu sua maior estrela: Guerrero. Saíram também Sheik, Fábio Santos, Petros. Tentou de todas as formas vencer Elias e Ralf e eles não quiseram sair. O técnico teve de fazer uma reformulação durante o Brasileiro.

Depois de todo esse sacrifício, o treinador esperava o reconhecimento de seu trabalho. Mas sente na pele que o time está sendo massacrado. Dirigentes do Atlético Mineiro, Atlético Paranaense e do Sport deixaram claro que, na visão desses clubes, o Corinthians está sendo privilegiado pelas arbitragens.

Erros primários, mudança brusca de critérios dos juízes quando o Corinthians joga têm sido motivo de discussões intermináveis na mídia.

Acabou a paciência de Tite. Ele já desabafou com Roberto de Andrade e Edu Gaspar. Está na hora de rebater as acusações. E destacar a 'competência' do trabalho. Limpar a imagem do Corinthians.

51 1024x681 Tite declara guerra. Exige a valorização do melhor turno da história do Corinthians. Quer mostrar que o clube não está em 2005, nem tem mais a MSI. Até porque o técnico ainda sonha com a Seleção...

"O Corinthians paga por 2005 até hoje. Temos que ter cuidado, senão fica essa relação de complô. Têm profissionais trabalhando", desabafou na TV Bandeirantes.

Em 2005, o clube era dominado pela MSI, empresa que recebia o dinheiro de bilionários russos. O presidente era Alberto Dualib, o gestor da MSI era Kia Joorabchian. E o vice de futebol, o agora deputado federal pelo PT, Andrés Sanchez.

Já neste duelo das oitavas de final da Copa do Brasil contra o Santos e em todo segundo turno do Brasileiro, os jogadores estão alertados. Não deverão aceitar acusações ou insinuações de favorecimento dos árbitros. O treinador quer a valorização do trabalho. Seu maior medo é que o Corinthians vença o Brasileiro e que a eventual conquista fique creditada ao tal 'complô'.

Tite sabe que Dunga está fragilizado na Seleção. O vexame da Seleção na Copa América já fez a CBF agir. Tirou os jogos das Eliminatórias nos grandes centros do futebol brasileiro. Nada de partidas em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte. Levou para Fortaleza e Salvador.

Marco Polo del Nero tem muita preocupação em relação à classificação para a Copa da Rússia. A cúpula da Globo já está irritada pela escolha de Dunga. E pela não participação da Seleção na Copa das Confederações em 2015, competição que tem a exclusividade, mas não deve mostrar, sem o Brasil.

Tite tem excepcional relacionamento na emissora carioca. Galvão Bueno, porta voz da emissora, não cansa de elogiar o trabalho do treinador corintiano. Na mesma proporção que questiona Dunga.

Diante desse quadro o treinador corintiano não quer mais ver seu trabalho questionado. Os méritos sendo divididos com os árbitros. E está disposto em toda entrevista a mostrar a campanha, destacar o desempenho do time e de seus jogadores.

Ele fez questão de enfrentar o apresentador Milton Neves e a repetitiva campanha. Na rádio, na tevê, na Internet e no jornal, Neves repete o bordão : o melhor jogador do Corinthians é o 'apito amigo'.

"Fiquei muito chateado contigo, Milton. Tem erros que são a favor e outros que são contra, mas apito amigo não tem", garantiu ao vivo no domingo logo após a vitória contra o Avaí.

Nada foi por acaso. Tite, aconselhado por sua assessoria de imprensa, enfrentou Milton Neves em rede nacional. Era a senha para deixar claro que toda insinuação de favorecimento será rebatida. Onde estiver, em cada entrevista do treinador, esse será seu comportamento. A direção do clube e os jogadores farão a mesma coisa.

33 Tite declara guerra. Exige a valorização do melhor turno da história do Corinthians. Quer mostrar que o clube não está em 2005, nem tem mais a MSI. Até porque o técnico ainda sonha com a Seleção...

Ao contrário de Mano Menezes, o atual técnico corintiano tem algo muito importante no Parque São Jorge. Além da dedicação, ele é muito aberto ao diálogo. E debateu esse assunto, o favorecimento, com todo o grupo. E mostrou muita preocupação.

Vivido, o técnico sabe que além da desvalorização dos resultados que conseguiram, há outro aspecto. A pressão para que, no segundo turno, os juízes, em caso de dúvida, optem contra o Corinthians.

Por isso o empenho para mostrar que a liderança também tem um aspecto técnico importantíssimo.

E como é muito inteligente, Tite ainda fez questão de mostrar o quanto os juízes são injustiçados. Diante de toda a tecnologia atual, o treinador defende uma revolução. Que cada time tenho o direito de esclarecer uma dúvida usando, na hora, as imagens da televisão. Impedimento, pênalti, expulsão. Técnicos e árbitros olhariam o lance. Como acontece no tênis, no futebol americano. Os juízes brasileiros também gostariam que isso acontecesse. Mas quem proíbe é a Fifa.

A mudança de postura de Tite tem dado resultado. A melhor campanha do Corinthians no primeiro turno do Brasileiro de pontos corridos já ganha manchetes.

Mas para sua eficácia ser comprovada há um ingrediente fundamental. Atuações coerentes e certeiras dos péssimos árbitros que trabalham no futebol deste país. Por isso, o Brasileiro de 2005 é tão lembrado...
1reproducao15 Tite declara guerra. Exige a valorização do melhor turno da história do Corinthians. Quer mostrar que o clube não está em 2005, nem tem mais a MSI. Até porque o técnico ainda sonha com a Seleção...

São Paulo e Ceará no Morumbi. Jogo de alto risco. Para os jogadores do São Paulo. Com razão, eles estão com medo da ira da própria torcida. Esse é o clube moderno prometido por Aidar…

3reproducao2 São Paulo e Ceará no Morumbi. Jogo de alto risco. Para os jogadores do São Paulo. Com razão, eles estão com medo da ira da própria torcida. Esse é o clube moderno prometido por Aidar...
O relacionamento do presidente Carlos Miguel Aidar com as organizadas do São Paulo é excelente. Como se esquecer da ligação que fez na frente dos repórteres ao presidente da Independente, Ricardo Alves de Maia. Ele avisava que os torcedores teriam 50 ônibus para ir ao Itaquerão no clássico com o Corinthians pela Libertadores.

"Negão, vou falar rápido com você... Vamos dar os ônibus para vocês. Quero que vocês providenciem os ônibus, que eu estou acertando com a secretaria de segurança. Aí, assim que tiver o custo disso me avisa. São 50 ônibus. Está bom, né? Sai lá do Paissandu, está certo? Tá, me liga então. Um abraço."

Sim, ele trata Ricardo com intimidade, por "Negão". No Carnaval, Aidar estava no desfile da Independente arrumando até a gravata do torcedor antes do desfile.

O São Paulo passou por um vexame no sábado. O time de Osório foi goleado em pleno Morumbi pelo Goiás. Apenas 3 a 0. Isso porque o árbitro Marielson Alves Silva teve a coragem de não marcar um pênalti indecente de Renan em Bruno Henrique. Talvez tenha sido por pena. Porque ele teria de marcar e ainda expulsar o goleiro são paulino. Foi mais um lance vergonhoso para os árbitros que querem tanto direito de imagem, mesmo estando cada vez piores.

Infelizmente no sábado, a torcida organizada não se limitou apenas a xingar o time de sem vergonha. Não, não xingou Aidar, isso jamais. Alguns vândalos foram até a saída dos veículos do Morumbi.

Em uma coincidência absurda, sabiam que alguns jogadores iriam sair nos seus carros. Como foi o caso de Michel Bastos e Paulo Henrique Ganso. Os dois veículos foram esmurrados, chutados. Espetáculo deprimente.

O irônico foi que não havia seguranças ou soldados da PM suficientes para tentar conter a ira desses criminosos. Não foi a primeira vez que torcedores chutam carros de jogadores do São Paulo. E nada acontece.

A estranha liberdade dos torcedores não passou despercebida pelo Sindicato dos Atletas Profissionais de São Paulo. Seus advogados exigiram mais segurança do clube presidido por Aidar aos jogadores. Não só nos jogos, mas nos treinos, nos aeroportos. Há o medo de agressões.

Por via das dúvidas, o sindicato também notificou a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

2reproducao9 São Paulo e Ceará no Morumbi. Jogo de alto risco. Para os jogadores do São Paulo. Com razão, eles estão com medo da ira da própria torcida. Esse é o clube moderno prometido por Aidar...

As organizadas na derrota por 3 a 0 passaram o jogo xingando a equipe. Principalmente Paulo Henrique Ganso e Tolói. São atletas marcados. Está cada vez mais claro que, após o Brasileiro, os dois deverão deixar o clube.

A postura agressiva da própria torcida obrigou os dirigentes a agir. Estão muito preocupados com a partida de quinta-feira contra o Ceará pela Copa do Brasil. O jogo é tratado como de alto risco.

Os atletas e Osório estão muito preocupados. Com medo das organizadas do São Paulo. Apesar da relação próxima, Aidar já mandou avisar que duplicará a segurança. Não há motivo para os atletas se preocuparem.

E eles receberam uma sugestão. O melhor não seria chegar ou ir embora do Morumbi nos próprios carros, como muitos gostam de fazer. A recomendação é deixar o carro no CT da Barra Funda. E após a partida, sair do estádio de ônibus.

Carlos Miguel Aidar havia prometido modernidade ao assumir o cargo. E cumpriu. Segurança dobrada e ônibus para proteger os jogadores do São Paulo. Da própria torcida. Isso sim é um clube moderno, de vanguarda...
1reproducao14 São Paulo e Ceará no Morumbi. Jogo de alto risco. Para os jogadores do São Paulo. Com razão, eles estão com medo da ira da própria torcida. Esse é o clube moderno prometido por Aidar...

Atlético Mineiro não tem dúvida. Vê favorecimento dos árbitro para o Corinthians. Por isso venceu o primeiro turno do Brasileiro. Guerra à vista. Essa confusão é ótima para a CBF de Marco Polo…

1reproducao13 Atlético Mineiro não tem dúvida. Vê favorecimento dos árbitro para o Corinthians. Por isso venceu o primeiro turno do Brasileiro. Guerra à vista. Essa confusão é ótima para a CBF de Marco Polo...
Art. 32. É direito do torcedor que os árbitros de cada partida sejam escolhidos mediante sorteio, dentre aqueles previamente selecionados.

§ 1º O sorteio será realizado no mínimo quarenta e oito horas antes de cada rodada, em local e data previamente definidos.

§ 2º O sorteio será aberto ao público, garantida sua ampla divulgação.

O artigo foi uma das principais mudanças que o Estatuto do Torcedor impôs no futebol brasileiro. Em 2003. Foi sancionado pelo ex-presidente do país, Lula.

Foi uma exigência que beneficiaria não só os torcedores. Mas também os dirigentes. Sempre houve a desconfiança generalizada de que os clubes mais ricos são beneficiados. Por isso o aplauso aos sorteios dos árbitros.

Mas acontece que o tempo passou. E a Comissão de Arbitragem da CBF passou a perceber que, por falta de sorte, muitas vezes os melhores árbitros não trabalhavam. E passou a minimizar os riscos. E criou os 'sorteios dirigidos'. Por exemplo, há dois jogos importantes na rodada. Antes, três juízes concorreriam para cada partida. Dois ficariam de fora e nem trabalhariam.

O que passou a fazer a Comissão de Arbitragem? Atualmente nestes dois jogos importantes, ela escolhe dois árbitros. Se a bolinha sorteada foi ímpar, um juiz irá para uma partida. Se for par, será o outro. Mas ambos os juízes importantes trabalharão.

3ae22 Atlético Mineiro não tem dúvida. Vê favorecimento dos árbitro para o Corinthians. Por isso venceu o primeiro turno do Brasileiro. Guerra à vista. Essa confusão é ótima para a CBF de Marco Polo...

Foi uma maneira sutil de burlar a ideia de sorteio aberto.

Esse método de sorteio só acontece no Brasil. Nos demais países, os árbitros são escolhidos pelas federações e ponto final. Como o que aconteceu na partida entre Corinthians e Sport, quando o paulista Luiz Flávio de Oliveira trabalhou. E também nos jogos Inter e São Paulo, o gaúcho Leandro Vuaden foi escolhido. E o também gaúcho Anderson Daronco trabalhou em Goiás e Grêmio.

Ingênuo foi quem acreditou que os clubes aceitariam passivamente a CBF e a Comissão de Arbitragem pisarem no Estatuto dos Torcedores. Ainda mais mais com a série de erros fundamentais que estão alterando resultados de jogos importantíssimos.

"Quando começou a ter o estatuto do torcedor, exigiu-se que tivesse sorteio da arbitragem. E quero que saibam que a CBF quer ter o poder de novo de escolher a arbitragem. É uma vergonha", desabafou o diretor de futebol do Atlético Mineiro, Eduardo Maluf.

"Terminamos o primeiro turno com a arbitragem brasileira em descrédito total. O presidente da CBF tem que fazer que o Campeonato tenha um credibilidade. As últimas quatro, cinco rodadas tiveram erros impressionantes, árbitros sem a menor condição técnica de apitar."

"Olhem as arbitragens dos últimos jogos. No jogo Corinthians e São Paulo, teve um lance de pênalti. Os 11 jogadores do São Paulo, de forma justa, foram reclamar com o bandeira e nenhum for advertido.

"No jogo Corinthians e Sport, que o diretor de arbitragem veio a público dizer que o árbitro acertou, os jogadores do Sport foram reclamar e não receberam cartão. Ele deu quatro ou cinco cartões por reclamação, coisa que não aconteceu nos últimos jogos importantes. Eu quero ver moralidade na arbitragem e deixe que os times decidam dentro de campo. Não foi o que vimos nas últimas rodadas do Campeonato Brasileiro.

"Peguem os lances, analisem. Vocês verão que nas últimas quatro rodadas eles mudaram toda a classificação do Campeonato Brasileiro. Diversos times prejudicados e apenas um beneficiado nas últimas quatro rodadas.

"A arbitragem foi totalmente decisiva. No jogo contra o Grêmio, que a gente defendia a liderança dentro de casa, estava empatado e o árbitro deixou de dar um pênalti. O Grêmio foi competente e conseguiu a vitória. O que estamos falando é que a arbitragem não pode influir no resultado."

17 Atlético Mineiro não tem dúvida. Vê favorecimento dos árbitro para o Corinthians. Por isso venceu o primeiro turno do Brasileiro. Guerra à vista. Essa confusão é ótima para a CBF de Marco Polo...

"O gol do Apodi foi claramente um domínio com a mão. Prefiro falar que eles não têm condição técnica de apitar. Penso o contrário. Mas prefiro colocar que a CBF precisa claramente preocupar com a arbitragem. Se ela tem dez árbitros Fifa, ela não pode colocar um trio que não tem nenhuma bagagem para apitar o jogo. Nos jogos do Corinthians são juízes bons, de primeira linha. Os nossos não têm sido."

Para a diretoria do Atlético há duas situações. A CBF está burlando o Estatuto do Torcedor, o que é verdade. E na visão dos mineiros, o Corinthians está sendo o grande beneficiado pelos erros dos árbitros.

Na partida contra o São Paulo, o gaúcho Leandro Vuaden não marcou pênalti claro de Uendel que espalmou chute de Wesley. Diante do Sport, Luiz Flávio de Oliveira acertou. Deu a penalidade no toque de Rithely, depois de um carrinho que a bola tocou na sua mão. O estranho foi que Luiz Flávio não usou o mesmo critério na partida Flamengo e Cruzeiro. Alecsandro cruzou e Pará cortou a bola com a mão. O árbitro nada marcou.

Para irritar os mineiros, a escalação do paulista Luiz Flávio não poderia acontecer. Foi escolha da CBF um juiz de São Paulo, para 'mostrar evolução, independência'. Só piorou as coisas. Tumultuou o Brasileiro.

E ontem as câmeras deixaram claro dois lances fundamentais. Avaí e Corinthians empatavam em 1 a 1. O zagueiro Jéci marcou o que seria o segundo gol dos catarinenses. A bandeira Nadine Bastos estava muito mal colocada, não acompanhou o último defensor corintiano, como é básico. E anulou gol legítimo. O jogador estava em posição legal.

Para piorar as coisas, veio a partida entre Chapecoense e Atlético Mineiro. Marcos André Gomes da Penha expulsou de maneira inacreditável Leonardo Silva. Ele fez falta em Ananias. Fora da área. Jemerson estava na cobertura. Mas o árbitro resolveu expulsá-lo. Eram 37 minutos do primeiro tempo.

Depois, Apodi levou a bola na mão no gol que decidiu a derrota atleticana ontem à noite. Lance claro. Ignorado por Marcos André.

O Atlético Mineiro vai entrar com uma representação formal cobrando a Comissão de Arbitragem.

32 Atlético Mineiro não tem dúvida. Vê favorecimento dos árbitro para o Corinthians. Por isso venceu o primeiro turno do Brasileiro. Guerra à vista. Essa confusão é ótima para a CBF de Marco Polo...

Tite discutiu ontem com o apresentador da TV Bandeirantes, Milton Neves. O treinador não aceita a acusação de favorecimento ao seu time.

"O Corinthians paga 2005 até hoje. Só que lá naquele momento estava a entidade e agora permanece a grandeza de seus torcedores. Temos que ter muito cuidado, se não ela fica, a relação do complô todo contra, tem profissionais que estão trabalhando aqui de forma digna, tal qual todos os outros clubes. O que a gente tem que padronizar são as interpretações ou que a Fifa diz."

O presidente da CBF, Marco Polo del Nero, é inimigo número um de Andrés Sanchez. Mas os erros a favor do Corinthians estão capitalizando a atenção da mídia. E desviando completamente o foco da prisão de Marin, das viagens obrigatórias que Marco Polo não está fazendo e da pressão na formação da Seleção Brasileira nas Eliminatórias.
2reproducao8 Atlético Mineiro não tem dúvida. Vê favorecimento dos árbitro para o Corinthians. Por isso venceu o primeiro turno do Brasileiro. Guerra à vista. Essa confusão é ótima para a CBF de Marco Polo...

Enquanto isso, os árbitros prometem paralisação. Por mais calamitosos seus erros, o despreparo da maioria, querem mais dinheiro. Direito de Arena. A CBF e os clubes não querem dar. Porque se aceitarem, terão de dar para os treinadores e até gandulas.

Assim caminha o futebol brasileiro.

Saudando o Corinthians, líder do primeiro turno do Brasileiro.

Desde 2003 o torneio nacional é por pontos corridos.

Nove vezes o vencedor do primeiro turno foi o campeão...

1cbf1 Atlético Mineiro não tem dúvida. Vê favorecimento dos árbitro para o Corinthians. Por isso venceu o primeiro turno do Brasileiro. Guerra à vista. Essa confusão é ótima para a CBF de Marco Polo...

Luciano está ‘mais homem’ graças a Tite. Acabou a máscara. Jogando para o time foi fundamental. Graças a ele, o Corinthians ganhou o primeiro turno do Brasileiro…

2ae12 Luciano está mais homem graças a Tite. Acabou a máscara. Jogando para o time foi fundamental. Graças a ele, o Corinthians ganhou o primeiro turno do Brasileiro...
Iluminado. É o adjetivo mais justo que resume Luciano . O substituto de Vagner Love. Com cinco gols, nos últimos três jogos, ele é o responsável pelo Corinthians terminar o primeiro turno em primeiro lugar no Brasileiro. Não bastasse o gol contra o São Paulo, os dois diante do Sport, hoje marcou mais dois, na virada contra o Avaí, em Santa Catarina. O time de Tite chegou a 40 pontos em 19 partidas. Inalcançável.

"Foi a confiança do treinador e do grupo. No ano passado, eu não estava com confiança. O professor (Tite) me deixou mais maduro, mais homem. Ele e os meus companheiros me pediram para ter mais o pé no chão. Eu tinha deixado subir na minha cabeça. Mas agora estou mais consciente.

"Agora e manter o pezinho no chão. Não fiz nada ainda pelo Corinthians ainda. Nada."

O discurso de Luciano logo após a partida mostra o quanto ele mudou. E foi fundamental para o sprint final do time de Tite. O treinador foi até o quanto pôde para manter Vagner Love na equipe. Afinal, Mário Gobbi havia deixado como herança um contrato de R$ 9 milhões com o ex-jogador do Shandong Luneng. Tinha de jogar. O treinador deu todas as oportunidades possíveis. E mais algumas. Nada do atacante reagir.

Ele tinha no elenco Luciano. O jogador que a diretoria corintiana não havia colocado o menor obstáculo para disputar o Pan-americano de Toronto. Os dirigentes sabiam que a competição era de terceira linha no futebol. Mas precisando de dinheiro, tinham a certeza de que ele se valorizaria. Mas caso não rendesse bem, não iria afetar o elenco. Tite havia se cansado do deslumbramento do atacante de 22 anos.

No ano passado, ele havia surgido muito bem. Terminou o ano como vice artilheiro no Parque São Jorge. Enquanto Guerrero marcou 16 gols, fez 15. Ele acreditou que seria a grande aposta em 2015. Mas relatos de jogadores e conselheiros asseguram que ele envenenou sua relação no clube.

Tite assumiu no lugar de Mano Menezes e não gostou do que viu. Um jovem jogador egocêntrico. Se preocupando muito mais com o cabelo, com a tietagem do que com o plano tático do clube. E disposto apenas a atacar. Sem querer gastar energia em acompanhar lateral ou volante adversário. Logo foi colocado de lado pelo novo treinador.

Para piorar, havia o péssimo relacionamento entre seus empresários e a nova diretoria. Roberto de Andrade queria de qualquer maneira comprar mais uma fatia dos direitos de Luciano. O Corinthians tem apenas 25%. A Plus Sports tem 60% e outro grupo de empresários, outros 15%.

O presidente corintiano queria desembolsar R$ 500 mil para ter mais 25%. Os agentes, donos da Plus Sports, pediram R$ 1 milhão. Houve o impasse.

5ae5 Luciano está mais homem graças a Tite. Acabou a máscara. Jogando para o time foi fundamental. Graças a ele, o Corinthians ganhou o primeiro turno do Brasileiro...

Ao mesmo tempo, Luciano sabia que estava atrás de Vagner Love, Mendoza e Romero para ser reserva de Guerrero. Isso era demais para o seu ego. Ele gostava de se comparar a Cristiano Ronaldo, brincando com os companheiros. Mas eles o ironizavam. Diziam que ele era mesmo o CR do Corinthians. Mas o Caça Rato, atacante que fez sucesso no Santa Cruz e hoje está no Remo.

Ainda no ano passado, Cássio teria perdido a paciência com ele. O Corinthians perdeu para o Atlético Mineiro por 4 a 1. E o goleiro ficou revoltado por Luciano não ter se empenhado em campo. Os dois estiveram a ponto de ter uma enorme briga nos vestiários. Os companheiros evitaram o pior.

A vida de Luciano mudou radicalmente ao ser convocado para disputar o Pan-Americano. O Brasil ganhou o bronze e o atacante o artilheiro. Ele acreditou que, quando voltasse, iria para o Flamengo. Seu empresários negociavam sua ida para a Gávea, insatisfeitos por ele ser reserva do reserva do reserva.

5ae6 Luciano está mais homem graças a Tite. Acabou a máscara. Jogando para o time foi fundamental. Graças a ele, o Corinthians ganhou o primeiro turno do Brasileiro...

Mas Tite conseguiu segurá-lo. O treinador estava cansado de Vagner Love. O técnico teve várias conversas com o jogador. Sua maior preocupação nunca foi técnica. Mas psicológica. Precisava adaptar o ego de Luciano para atuar como todo os atacantes corintianos atuais. Além da lógica preocupação ofensiva, todos precisam marcar. E muito.

Luciano foi 'colocado no seu lugar'. Aceitou as duras e só retrucou dizendo que precisava de oportunidades. Tite as prometeu e deu. O resultado tem sido surpreendente. São cinco gols em três partidas. Justo as que fechavam o primeiro turno. De nove pontos disputados, o Corinthians conseguiu sete. E se tornou inalcançável pelo Atlético Mineiro, principal rival na primeira colocação do Brasileiro.

E Luciano foi fundamental na difícil partida de hoje. Contra seu ex-clube, o Avaí. Gilson Kleina sabia que tinha um elenco mais humilde nas mãos. Mas tratou de colocar os catarinenses no ataque. Precisava abrir o Corinthians, que sempre joga muito fechado fora do Itaquerão.

Kleina conseguiu o sonhado primeiro gol aos 14 minutos, em uma cabeçada do veterano André Lima. Diante do voluntarioso adversário, o Corinthians sentia muita falta de Uendel pela lateral e, principalmente, de Renato Augusto no meio. Guilherme Arana e, principalmente, Rodriguinho, estavam muito abaixo.

O Corinthians já se conformava com a derrota provisória, quando no último lance do primeiro tempo, Fagner cruzou na área. A zaga catarinense afasta. A bola cai onde estava Luciano. Ele a domina com o pé esquerdo e acerta um arremate indefensável para Diego: 1 a 1, aos 47 minutos do primeiro tempo.

No segundo tempo, a mesma coisa. Os catarinenses com a iniciativa do jogo. Jeci perdeu um gol incrível, livre na pequena área, chutou fora. Tinga, ex-Palmeiras, chegou a acertar a trave. O empate já seria ótimo resultado aos corintianos. Até que Luciano entrou novamente em cena.

Aos 41 minutos, o atacante recebeu de Fagner. Ele dominou a bola e, rápido, antes da chegada da zaga, acertou o ângulo de Diego. Outro gol lindíssimo. Corinthians 2 a 1. A partir daí, Tite recuou sua equipe. Todos os jogadores atrás da bola. Duas linhas de quatro. A marcação implacável garantiu a importantíssima virada.

7ae Luciano está mais homem graças a Tite. Acabou a máscara. Jogando para o time foi fundamental. Graças a ele, o Corinthians ganhou o primeiro turno do Brasileiro...

No final da partida, toda a comemoração foi centralizada em Luciano. Ele parecia mesmo ter aprendido. Nada de pose, marra.

"Eu estou feliz. Mas sou apenas mais uma peça no grupo. Não jogo sozinho. O mérito é de todos."

Tite deve estar mesmo muito recompensado. Ganhou o primeiro turno do Brasileiro. E está recuperando um atacante com ótimo potencial e que pode ser muito útil ao Corinthians. Nesta briga para ser campeão do país novamente.

O ego diminuiu e Luciano entendeu.

Compreendeu.

O time é mais importante do que qualquer jogador...
3ae21 Luciano está mais homem graças a Tite. Acabou a máscara. Jogando para o time foi fundamental. Graças a ele, o Corinthians ganhou o primeiro turno do Brasileiro...

Jogo empolgante, com direito a duas viradas, o Palmeiras goleia o Flamengo. 4 a 2. Se recupera das três derrotas seguidas. Ganha confiança. Valeu o coração. Mas há muito o que ser corrigido…

2ae11 Jogo empolgante, com direito a duas viradas, o Palmeiras goleia o Flamengo. 4 a 2. Se recupera das três derrotas seguidas. Ganha confiança. Valeu o coração. Mas há muito o que ser corrigido...
Há duas visões da empolgante goleada do Palmeiras, com direito à dupla virada.

A primeira. A reação de um time que precisava de meio de campo. A excelente entrada de Cleiton Xavier e as investidas de Zé Roberto pela intermediária carioca mudaram o destino do jogo. E deram uma vitória sensacional aos paulistas. Digna de despertar a confiança para um time caro, que vinha de três derrotas consecutivas. E que tem a obrigação de conseguir, pelo menos uma vaga à Libertadores.

A outra análise cabível e que não anula a primeira. O Flamengo foi tremendamente prejudicado no jogo de hoje em São Paulo. Primeiro pelo árbitro Igor Júnior Benevutto. Ele teve a coragem de não marcar um pênalti claro de Andrei Girotto em Pará. Logo aos três minutos de partida, quando estava 0 a 0. Indecente.

"Eu espero que o Flamengo faça alguma coisa contra a CBF, contra a comissão de arbitragem, não sei. Mas tem que fazer alguma coisa. É uma situação que não pode acontecer", desabafava Guerrero, diante do pênalti não marcado em Pará.

O outro inimigo flamenguista é o seu setor defensivo. Faltam volantes e principalmente zagueiros. Qualquer bola trabalhada pelo adversário causa pânico. E as levantadas são quase certeza de gols. Não é por acaso que tomou cinco gols nas últimas cinco partidas. Assim, Guerrero e Sheik não têm como fazer milagres. O time de maior torcida do país terá de se contentar em ficar no meio da tabela, de novo, em 2015. Isso se sua fraquíssima defesa não piorar ainda mais as coisas. Tomou 28 gols em 19 jogos. Só a zaga do Vasco, lanterna, consegue ser pior, com seus 31 gols.

"Foi um dos jogos mais fáceis que fizemos fora de casa. Dominamos o jogo. Mas acabamos tomando uma virada. E gols em seguida. Éramos para ter vencido essa partida", analisava Márcio Araújo. "A gente fala, fala e não adianta", desabafava, irritado Pará.

"Precisávamos vencer. Era a hora de mudar o rumo das coisas. Conseguimos ganhar de um grande adversário. Com o apoio da torcida. Mostramos que merecemos a confiança do nosso torcedor. Eu estou muito feliz pelo que fiz em campo", dizia, empolgado, Alecsandro. Ele trocou a Gávea pelo Palestra Itália. E foi decisivo nos dois últimos gols palmeirenses que sacramentaram a vitória contra seu ex-clube.

Marcelo Oliveira precisava mudar o Palmeira. Nas três derrotas seguidas contra Atlético Paranaense, Cruzeiro e Coritiba, ficou claro. A ausência de Gabriel fez uma diferença absurda. Típica de time em formação. Seu principal marcador, e esteio da equipe, sofreu grave contusão. Em uma falha do planejamento do comprador Alexandre Mattos, não há peça de reposição. Não com o mesmo potencial.

Além disso, o treinador e o executivo de futebol palmeirenses sabem. Valdivia termina seu relacionamento tempestuoso de cinco longos anos amanhã. Mattos, o responsável pela saída, não conseguiu contratar um meia talentoso à altura. E Cleiton Xavier parecia dominado pela doença do sono, depois de cinco anos no ucraniano Metalist.

A missão de Marcelo Oliveira em 2015 é classificar o Palmeiras à Libertadores de 2016, quando novos e poderosos reforços são prometidos. Para enlouquecer ainda mais a torcida que não para de lotar na nova arena, como hoje. Conca segue sendo o alvo principal.

O Flamengo de Cristóvão Borges seguia fazendo sua campanha no limite de seu elenco. Bom do meio para a frente. E péssimo do meio para trás. Sheik e Emerson tentam compensar do enorme desequilibro no time. A equipe foi formada com o objetivo principal e, não assumido, de não ser rebaixado. Lutar como puder na Copa do Brasil. E manter Bandeira de Mello favorito à reeleição. E seguir saneando a ultrajante dívida flamenguista.

5reproducao3 Jogo empolgante, com direito a duas viradas, o Palmeiras goleia o Flamengo. 4 a 2. Se recupera das três derrotas seguidas. Ganha confiança. Valeu o coração. Mas há muito o que ser corrigido...

O encontro de clubes com metas tão diferentes foi empolgante. O fraco poder defensivo dos dois times proporcionaram os seis gols. Para quem estava apenas querendo se divertir, torcer, sem compromisso em um domingo de manhã, excelente programa. Mas tanto Cristóvão quanto Marcelo de Oliveira tiveram seus níveis de stress levados a um perigoso estágio. Sem conseguir marcar o adversário, flamenguistas e palmeirenses mostraram gravíssimos defeitos. A ponto de sabotar qualquer boa estratégia.

Aos três minutos, um erro imperdoável do árbitro mineiro Igor Junior Benevenuto. Andrei Girotto entrou de maneira estabanada em Pará. O derrubou de maneira clara, incontestável. Mas cadê a firmeza do juiz para marcar? O Flamengo foi muito prejudicado.

3ae20 Jogo empolgante, com direito a duas viradas, o Palmeiras goleia o Flamengo. 4 a 2. Se recupera das três derrotas seguidas. Ganha confiança. Valeu o coração. Mas há muito o que ser corrigido...

Para tornar ainda mais revoltante a situação, dois minutos depois, a sua patética zaga toma o primeiro gol. Zé Roberto cobrou escanteio e Jackson fez até pose antes de cabecear para a rede. 1 a 0, Palmeiras...

Mesmo com a vantagem no placar, o Palmeiras era envolvido pelos cariocas. Cristóvão detectou a falha na escalação de Marcelo Oliveira. Arouca, Andrei Girotto e Robinho eram três volantes sem poder de marcação. E não tinham nem como pensar em articular, ajudar o ataque. Porque o Flamengo tinha quatro, muitas vezes, cinco atletas no setor. O Flamengo era dono das intermediárias. Lucas estava bem vigiado pelo ótimo Jorge. E Zé Roberto estava preso por opção do treinador.

Rafael Marques, Dudu e Alecsandro estavam isolados do time. Tinham de viver de chutões da defesa ou de Fernando Prass. Estratégia ridícula para um clube com tantas ambições.

Fernando Prass conseguiu segurar a vantagem palmeirense graças a uma espetacular defesa, na cabeçada de Guerrero. O 1 a 0 no primeiro tempo mostrava que a partida estava completamente indefinida. O Flamengo teve nada menos do que 72% de posse de bola nos 45 minutos iniciais!

No intervalo, Cristóvão ousou. Tirou o combativo volante Jonas e colocou o hábil, rápido Ederson para auxiliar Guerrero e Sheik. Transformou a partida em um inferno para o Palmeiras.

Apenas 11 minutos de pressão na zaga palmeirense, mal protegida pelos volantes, e o Flamengo marcou dois gols. E acertou ainda o travessão de Fernando Prass. No empate, Emerson deixou Ederson frente a frente com os zagueiros. Ele driblou fácil Jackon e na hora do chute, a bola desvio em Vítor Hugo e enganou Prass. Cinco minutos, 1 a 1.

O Flamengo continuou firme pressionando. Guerrero tocou para Pará. Ele descobriu Sheik livre. O ex-corintiano chutou com raiva. A bola explodiu no travessão. Eram nove minutos. Todos que assistiam à partida previam a virada. E ela veio. Da maneira mais infantil possível. Com inveja da zaga flamenguista, a palmeirense permitiu que Enderson cabeceasse livre o escanteio cobrado por Alan Patrick. 2 a 1...

A torcida que lotava a belíssima arena começou a vaiar, a cobrar e até xingar os palmeirenses. Parecia que iria acontecer nova tragédia. Mas todos se esqueciam da fraca zaga flamenguista. Marcelo Oliveira antes fez sua obrigação. Colocou Cleiton Xavier, meia mais ofensivo e talentoso. Tirou Robinho que fez outra partida inútil.

Nesta manhã, o meia que veio da Ucrânia estava acordado. Um bate rebate bobo, de frente para os zagueiros flamenguistas acabou com o empate. Arouca cabeceou para a área, Cleiton Xavier cabeceou fraco. A bola desviou em Samir e entrou 2 a 2. Logo aos 12 minutos...

7reproducao Jogo empolgante, com direito a duas viradas, o Palmeiras goleia o Flamengo. 4 a 2. Se recupera das três derrotas seguidas. Ganha confiança. Valeu o coração. Mas há muito o que ser corrigido...

O placar era injusto. O empate mexeu com os nervos flamenguistas. Assim como o fato de o Palmeiras ter um meia efetivo e Zé Roberto ter deixado a lateral para compor o meio de campo. O jogo dos paulistas começou a fluir. E a zaga carioca a falhar.

Foi aí que veio a inesperada goleada. Com participação de Alecsandro, que estava para ser substituído por Cristaldo. Aos 20 minutos, gol típico e manjado de futsal. Zé Roberto tocou para o truculento irmão de Richarlyson e ele fez o pivô para Dudu. Ele entrou livre e tocou na saída do desesperado César. 3 a 2 Palmeiras.

Cristóvão escancarou seu time, buscando o empate. Esqueceu quem comandava. Cinco minutos depois, tomava o 4 a 2. Cleiton Xavier colocou na área para Dudu disputar com Jorge. O lateral flamenguista conseguiu tirar de calcanhar, a bola ficou dividida entre Alecsandro e César Martins. O atacante se antecipou, deu um toque e chutou para as redes. Goleada confirmada aos 25 minutos...

Depois, o ritmo caiu. O Palmeiras preservava o importantíssimo resultado. E o Flamengo não teve mais forças sequer para tentar descontar.

A empolgante partida deixa lições fundamentais para o segundo turno dos dois times. Ou melhoram seu poder de marcação, ou sofrerão muito nestas 19 partidas que faltam...
6ae3 Jogo empolgante, com direito a duas viradas, o Palmeiras goleia o Flamengo. 4 a 2. Se recupera das três derrotas seguidas. Ganha confiança. Valeu o coração. Mas há muito o que ser corrigido...

O vergonhoso Vasco de Eurico Miranda. Último colocado no primeiro turno do Brasileiro. Celso Roth demitido. Não, o respeito não voltou…

1ae11 1024x689 O vergonhoso Vasco de Eurico Miranda. Último colocado no primeiro turno do Brasileiro. Celso Roth demitido. Não, o respeito não voltou...
Foram 19 partidas. Três vitórias. Quatro empates. 12 derrotas. A última delas, hoje, neste sábado à noite. A camisa cruzmaltina foi novamente manchada. Derrota por 1 a 0 para o péssimo Coritiba. Resultado. O primeiro turno termina com o Vasco da Gama na lanterna, na última colocação. Nunca, na era dos pontos corridos, qualquer equipe que tenha terminado em último a primeira metade do Brasileiro escapou do rebaixamento.

As pouco mais de oito mil pessoas que tiveram a coragem de ir ao Maracanã xingavam jogadores, Celso Roth. E gritavam em coro após mais uma humilhação.

"Vergonha, time sem vergonha. Vergonha. Time sem vergonha."

Não demorou, cerca de vinte minutos depois, o vice de futebol, José Luís Moreira decretava.

"Celso Roth está fora do Vasco da Gama." E se levantou. Não quis dar explicação alguma aos milhões de torcedores no Brasil. A última pesquisa Ibope aponta 10 milhões.

"Já falei que a palavra rebaixamento, aqui, é proibida. Se eu achar que o Vasco vai ser rebaixado, vou procurar o ponto mais distante da Sibéria e vou para lá. Se as coisas não forem feitas, pode ter essa consequência. Ficar falando de coisas que podem acontecer, não adianta. E não vou contratar mais ninguém."

As promessas cheia de soberba foram feitas por Eurico Miranda. Dirigente de 71 anos. Substituto de Roberto Dinamite. O presidente teve a coragem de dizer ao assumir novamente o cargo, do qual havia sido escorraçado em 2008. Mas o 'democrata' Dinamite foi uma enorme desilusão. Incompetente.

Deixou a maior parte da dívida absurda de R$ 596 milhões. O Vasco é um clube completamente inviável. Atrasado. Que tem no ultrapassado São Januário, seu símbolo de decadência.

Não há perspectiva. Dinheiro. Os torcedores perceberam o quanto Eurico Miranda é uma figura presa à década de 90, quando o clube era uma potência. Finge que não enxerga a realidade. Não sabe como lidar com a modernidade. A falta de imaginação na busca de patrocínios. Montagem de um elenco digno da camisa vascaína.

 O vergonhoso Vasco de Eurico Miranda. Último colocado no primeiro turno do Brasileiro. Celso Roth demitido. Não, o respeito não voltou...

"Vai aqui meu agradecimento ao presidente, para a direção, e, em particular, aos jogadores. Mesmo não conseguindo os resultados, se esforçaram, se dedicaram. Futebol é assim. Tem momentos que a gente não consegue contornar. Espero que minha saída seja para o bem do Vasco, para que o Vasco volte ao caminho.

Quero agradecer aos torcedores do Vasco, tivemos uma prova de carinho muito grande no jogo contra o Joinville. Não posso fazer pedido nenhum para a torcida, mas quero dizer que espero que continuem ajudando o grupo. Não tem ninguém mais triste dos que eles."

O discurso de despedida de Celso Roth já estava ensaiado há muito tempo. Ele substituiu Doriva. Chegou ao clube com a visão defensiva que consagrou sua carreira. Só que encontrou um time fraco demais. Durou 13 jogos. No Brasileiro: três vitórias, um empate e sete derrotas. Na Copa do Brasil, duas vitórias.

31 O vergonhoso Vasco de Eurico Miranda. Último colocado no primeiro turno do Brasileiro. Celso Roth demitido. Não, o respeito não voltou...

A demissão era mais do que esperada. Há quatro partidas o Vasco não consegue fazer sequer um gol. Na campanha geral, o Vasco marcou oito gols e sofreu 31 nestas 19 partidas.

A direção já contatou Oswaldo de Oliveira. Espera que ele seja o salvador nestas 19 partidas que restam no segundo turno. Antes, para complicar, a disputa das oitavas de final da Copa do Brasil. O rival será o mais detestado por Eurico Miranda, o Flamengo.

Diante da derrota contra o Coritiba, o presidente fugiu da imprensa. Não quis dar entrevista. Quando um repórter colocou o microfone diante de sua boca, ele foi direto. "Você pediu licença para falar comigo?" Arrogância, truculência que foi sempre a marca registrada como dirigente de futebol.

O grande problema para contratar Oswaldo de Oliveira é seu preço. Doriva recebia R$ 100 mil. Roth, R$ 200 mil. A expectativa é que o demitido treinador do Palmeiras não peça abaixo de R$ 350 mil.

Os poucos conselheiros com coragem para falar para jornalistas vão pelo caminho óbvio. Eurico Miranda se deixou enganar pela conquista do Carioca. E descobriu da pior maneira possível que o Brasileiro é muito diferente. Não só pelo fraquíssimo elenco, que reforçou com veteranos sem energia e longe do auge como jogador. A falta do relacionamento íntimo com o presidente da Federação Carioca, Rubens Lopes, tem um peso enorme.

O tempo está mostrado o quanto Eurico estava errado na sua entrevista mais famosa depois que reconquistou a presidência vascaína.

Até Serginho Mallandro se vê no direito de dar conselhos para o Vasco não cair.

Foi uma das cenas mais deprimentes dos últimos tempos.

"Não, o respeito não voltou, Eurico..."

(Jorginho acaba de aceitar ser o substituto de Celso Roth. Sabe que sua missão será quase impossível. Salvar o Vasco do rebaixamento. E Eurico Miranda, da Sibéria...)

A operação Fair Play da Polícia Federal dá a chance que Romário esperava há anos. Investigar a ‘gastança’ do dinheiro público com as arenas superfaturadas na Copa do Mundo de 2014. A hora chegou, senador…

 A operação Fair Play da Polícia Federal dá a chance que Romário esperava há anos. Investigar a gastança do dinheiro público com as arenas superfaturadas na Copa do Mundo de 2014. A hora chegou, senador...
"(...)Com exceção de São Paulo, Rio, Minas, Rio Grande do Sul e olhe lá...Pernambuco...Todas as outras sete arenas não terão o uso constante. Não havia nem a necessidade de serem construídas. Eu vi onze das doze...

Estive em onze sedes da Copa e posso afirmar sem medo. Tem muita coisa errada. E de propósito. Para beneficiar poucas pessoas.

Por que o Brasil teve de fazer 12 sedes e não oito como sempre acontecia nos outros países?

Basta pensar. Quem se beneficia com tantas arenas construídas que servirão apenas para três jogos da Copa? É revoltante. Não há a mínima coerência na organização da Copa no Brasil.

São Paulo acaba de ser confirmado como a sede da abertura da Copa. Você concorda?

Como posso concordar? Colocaram lá três tijolinhos em Itaquera e pronto... E a sede da abertura é lá. Quem pode garantir que o estádio ficará pronto a tempo? Não é por ser São Paulo, mas eu não concordaria com essa situação em lugar nenhum do País. Quando as pessoas poderosas querem é assim que funcionam as coisas no Brasil.

No Maracanã também vão gastar uma fortuna, mais de um bilhão. E ninguém tem certeza dos gastos.Nem terá. Prometem, falam, garantem mas não há transparência. Minha luta é para que as obras não fiquem atrasadas de propósito. E depois aceleradas com gastos que ninguém controla.

O que você acha de um estádio de mais de R$ 1 bilhão construído com recursos públicos. E entregue para um clube particular?

Você está falando do estádio do Corinthians, não é? Não vou concordar nunca. Os incentivos públicos para um estádio particular são imorais. Seja de que clube for. De que cidade for. Não há meio de uma população consciente aceitar. Não deveria haver conversa de politico que convencesse a todos a aceitar.

Por isso repito que falta compreensão à população do que está acontecendo no Brasil para a Copa.

 A operação Fair Play da Polícia Federal dá a chance que Romário esperava há anos. Investigar a gastança do dinheiro público com as arenas superfaturadas na Copa do Mundo de 2014. A hora chegou, senador...

A Fifa vai fazer o que quer com o Brasil?

Infelizmente, tudo indica que sim. Vai lucrar de R$ 3 a R$ 4 bilhões e não vai colocar um tostão no Brasil. É revoltante. Deveria dar apenas 10% para ajudar na Educação. Iria fazer um bem absurdo ao Brasil. Mas cadê coragem de cobrar alguma coisa da Fifa? Ela vai colocar o preço mais baixo dos ingressos da Copa a R$ 240,00. Só porque estamos brigando pela manutenção da meia entrada. É uma palhaçada! As classes C, D e E não vão ver a Copa no estádio. O Mundial é para a elite. Não é para o brasileiro comum assistir.

Essas perguntas fiz para Romário em 2011, durante o Pan-americano, em Guadalajara. O então deputado federal já era obcecado com os gastos que o Brasil teve com as arenas. Sabia que assim que tivesse a oportunidade, colocaria em pratos limpos. Nem que demorasse anos.

Parecia ter previsto o futuro. A Polícia Federal mergulhou à fundo na operação Lava Jato e detalhou as propinas dadas a políticos pelas principais empreiteiras do Brasil. Mas foi além. Tratou de investigar as muitas denúncias de superfaturamento dos estádios levantados no Mundial de 2014.

A Odebrecht construiu quatro arenas. Duas sozinha. A Arena Pernambuco e o Itaquerão. O Maracanã dividiu com a Andrade Gutierrez. A Fonte Nova, com a OAS. A Arena de Dunas, em Natal, ficou só com a OAS. A Galvão Engenharia construiu o Castelão, junto com a BWA e Andrade Mendonça. A Mendes Júnior ficou com a Arena Pantanal.

3ae19 A operação Fair Play da Polícia Federal dá a chance que Romário esperava há anos. Investigar a gastança do dinheiro público com as arenas superfaturadas na Copa do Mundo de 2014. A hora chegou, senador...

Os estádios de Belo Horizonte (Mineirão), de Porto Alegre (Beira-Rio), de Manaus (Arena Amazônia), de Curitiba (Arena da Baixada) e de Brasília (Mané Garrincha) não foram construídos por empreiteiras ligadas à Lava Jato. A Andrade Gutierrez se destaca nas construções de três dessas arenas: Mané Garrincha, Beira Rio e Arena Amazônia.

A Polícia Federal deflagrou hoje a operação Fair Play, nome que ironiza a corrupção que domina a Fifa. O primeiro estádio investigado é a Arena Pernambuco. O superfaturamento pode chegar a R$ 70 milhões. Foram apreendidos documentos e computadores.

A PF já está investigando os outros estádios da Copa. Principalmente os levantados pelas construtoras envolvidas do Lava Jato.

O Itaquerão, o Maracanã e Fonte Nova. Todas as arenas em que a Odebrecht participou.

O ex-presidente Lula foi figura ativa na aproximação da Odebrecht e o Itaquerão.

"Nós, graças da Deus, arrumamos um grupo de empresários que assinou um contrato agora e finalmente, além de o Corinthians ter seu estádio, ele também receberá a abertura da Copa do Mundo de 2014."

Romário, como senador, já queria investigar as empreiteiras e os gastos públicos com as arenas da Copa. Agora deflagrada a operação Fair Play, estará ainda mais à vontade para realizar seu sonho. Divulgar cada centavo que custou cada uma das 12 arenas. Quanto o BNDES deu e quanto será pago. Principalmente pelos clubes, donos de estádios particulares que usaram dinheiro público: Corinthians, Atlético Paranaense e Internacional.

 A operação Fair Play da Polícia Federal dá a chance que Romário esperava há anos. Investigar a gastança do dinheiro público com as arenas superfaturadas na Copa do Mundo de 2014. A hora chegou, senador...

O ex-presidente do Corinthians e deputado federal do PT, Andrés Sanchez, sabe que a Polícia Federal vai investigar os documentos do estádio que Lula viabilizou. O dirigente/político também deverá ser investigado pela PF. Assim como já havia sido quando o Corinthians tinha parceria com a MSI, e o dinheiro vinha dos bilionários russos exilados na Inglaterra.

O tempo passou em relação ao Pan de Guadalajara. Romário cresceu muito na política. Não é mais deputado federal. Se tornou senador. É principal favorito à prefeitura do Rio de Janeiro. Nunca se conformou com o que classificou como 'assalto da Fifa', em relação aos lucros da entidade com a Copa do Mundo. Reclamou também da falta de legado.
Se revoltou com os ingressos que nunca foram destinados aos deficientes, prometidos por Marin.

Disse que a Copa foi o 'maior roubo da história do Brasil'.

5ae4 A operação Fair Play da Polícia Federal dá a chance que Romário esperava há anos. Investigar a gastança do dinheiro público com as arenas superfaturadas na Copa do Mundo de 2014. A hora chegou, senador...

"Acreditei nos três. No Lula, na Dilma e no Ricardo Teixeira. É uma maioria bem grande que acreditou. Quem não quer uma Copa do Mundo no país? Principalmente com todos os gastos vindo de empresas privadas. Mas, infelizmente, virou totalmente contra o que era lá atrás e virou uma roubalheira."

Mas agora, como presidente da CPI do Futebol, ele poderá realizar o velho sonho e investigar a fundo a CBF de seu inimigo Marco Polo del Nero. Romário teve de pagar ao presidente da CBF, R$ 20 mil. Foi processado por dizer as seguintes frases.

"O presidente da entidade, José Maria Marin, é ladrão de medalha, de energia, de terreno público e apoiador da ditadura. Marco Polo Del Nero, seu atual vice, recentemente foi detido, investigado e indiciado pela Polícia Federal por possíveis crimes contra o sistema financeiro, corrupção e formação de quadrilha. São esses que comandam o nosso futebol. Querem vergonha maior que essa? Marin e Del Nero tinham que estar era na cadeia."

Mas além desse confronto com Marco Polo, Romário poderá ir além. E cumprir uma promessa que fez a este jornalista ainda em território mexicano. Há quatro anos. Dentro de uma van, indo comentar uma partida de futebol da Seleção Pan-americana.

"Um dia ainda vou fundo na gastança com os estádios da Copa do Mundo. Essa festa com o dinheiro público não ficará assim. Pode me cobrar, Cosme."

Estou cobrando, senador Romário...
6ae2 A operação Fair Play da Polícia Federal dá a chance que Romário esperava há anos. Investigar a gastança do dinheiro público com as arenas superfaturadas na Copa do Mundo de 2014. A hora chegou, senador...

Pênalti não marcado para o Atlético Mineiro. Lance fundamental na derrota para o Grêmio. Resultado garantiu liderança do Brasileiro ao Corinthians. “Sempre tem uma coisa por trás nesse país”, protesta Levir Culpi…

1getty1 Pênalti não marcado para o Atlético Mineiro. Lance fundamental na derrota para o Grêmio. Resultado garantiu liderança do Brasileiro ao Corinthians. Sempre tem uma coisa por trás nesse país, protesta Levir Culpi...
13 minutos do primeiro tempo. 0 a 0. Bola na área do Grêmio. Leonardo Silva gira para o gol. A bola ia forte em direção ao gol. Mas explode no braço esquerdo de Erazo, que está levantado acima da sua cabeça. Pelos critérios adotados pela Comissão de Arbitragem da CBF, pênalti.

Mas a grande revelação entre os juízes do Norte do país, Dewson Freitas Silva, toma atitude contrária de, por exemplo, Luiz Flávio de Oliveira. Na quarta-feira, houve jogada parecida e um toque de Ritheli. Foi marcada a penalidade que deu a vitória ao Corinthians contra o Sport. Dewson mandou o jogo seguir.

O Grêmio jogou muito bem, neutralizou o excelente toque de bola atleticano, e conseguiu a vitória merecida por 2 a 0. Não resta a menor dúvida que o pênalti não marcado fez muita falta aos mineiros. Eles não conseguiram recuperar a liderança do Brasileiro. Ficou com os corintianos.

Houve muita revolta nos vestiários. Os jogadores e mesmo Levir Culpi não se conformavam com as decisões dos árbitros em favor dos corintianos.

Luan não teve papas na língua. Disse publicamente o que o time atleticano pensa.

"A gente fica chateado como o Corinthians foi beneficiado, com um pênalti não dado contra o São Paulo, e outro marcado ontem (que deu a vitória de 4 a 3 sobre o Sport). Se as coisas não acontecerem extracampo, como nos últimos dias, temos tudo para ser campeões do Brasileiro. Se não acontecerem..."

Levir Culpi, sempre contido, não conseguiu também se segurar.

"É uma preocupação, sim. Não costumo falar de arbitragem. Mas espero que o diretor de arbitragem dê uma entrevista e me convença do que aconteceu com o zagueiro do Grêmio, se é pênalti ou não. Não podemos tirar o mérito da vitória do Grêmio. Mas o jogo estava 0 a 0. E a gente fica preocupado, porque sempre tem uma coisa por trás nesse país."

3ae18 Pênalti não marcado para o Atlético Mineiro. Lance fundamental na derrota para o Grêmio. Resultado garantiu liderança do Brasileiro ao Corinthians. Sempre tem uma coisa por trás nesse país, protesta Levir Culpi...

Os jogadores do Corinthians sabem que foram ajudados por Leandro Vuaden, que não marcou pênalti claro contra o São Paulo. Uendel defendeu com a mão chute de Wesley. E que Luiz Flávio de Oliveira mudou seu critério no Itaquerão. No Mineirão, ele não marcou pênalti a favor do Flamengo quando Alecsandro tentou cruzar e Pará cortou com a mão. E na quarta-feira, o árbitro apontou penalidade quando Arana cruzou e a bola tocou na mão de Ritheli. Os critérios foram tão opostos que pareciam duas pessoas diferentes apitando esses jogos.

Diante da reclamação generalizada, afinal foram duas partidas seguidas de decisões dos árbitros em favor do Corinthians, os atletas de Tite protestaram. Não aceitam as acusações de favorecimento.

"Toda vez os caras reclamam, pô! O juiz estava ali, ele viu. Não vi o replay, mas toda vez é essa choradeira danada, pô! Tem que fazer que nem nossa equipe. Nossa equipe joga bola e esquece o juiz, deixa o juiz fazer o trabalho dele tranquilo", desabafou Jadson.

16 1024x576 Pênalti não marcado para o Atlético Mineiro. Lance fundamental na derrota para o Grêmio. Resultado garantiu liderança do Brasileiro ao Corinthians. Sempre tem uma coisa por trás nesse país, protesta Levir Culpi...

"Se a gente fosse assim tão beneficiado pela arbitragem, era líder do Brasileiro. Alguns jogos atrás, a gente teve um ou dois pênaltis que não foram marcados contra o Santos. Poderia ter dado a vitória. É o que o Tite fala. O campeonato dá em uma hora, tira na outra", filosofava Elias.

O volante estava tão preocupado em mostrar a inocência do Corinthians que não percebeu algo óbvio. E que destruía a sua argumentação. Seu time já era líder do Brasileiro ontem. E seguiu sendo depois da derrota do Atlético Mineiro para o Grêmio. O jogo que não houve a marcação de pênalti no toque de mão de Erazo.

A direção do Sport entrou com representação contra Luiz Flávio de Oliveira. E tudo não ficará apenas na justiça desportiva, no STJD. Depois pretende entrar na Justiça Comum contra ele.E até contra a CBF. A promessa é do presidente do clube pernambucano, João Humberto Martorelli.

"Vamos agir de maneira jurídica contra CBF e o juiz. Não é a primeira vez que somos prejudicados. Isso tem que parar. É uma imoralidade o que estão fazendo, em especial nesse jogo, em que colocaram não só um árbitro paulista, como assumidamente corintiano. O mínimo que ele poderia fazer era pedir para não atuar nessa partida."

Sim, Martorelli classifica Luiz Flávio de 'corintiano'. Muitos torcedores nas redes sociais iam pelo mesmo caminho. Alegando que o árbitro, nascido na interiorana e paulista cidade de Cruzeiro, sempre foi corintiano. A cúpula do Sport foi atrás dessas alegações e ficou convencida que é verdade.

Até mesmo quem mais defende o árbitro teve de assumir. Luiz Flávio mudou o critério que adotou no jogo entre Cruzeiro e Flamengo.

 Pênalti não marcado para o Atlético Mineiro. Lance fundamental na derrota para o Grêmio. Resultado garantiu liderança do Brasileiro ao Corinthians. Sempre tem uma coisa por trás nesse país, protesta Levir Culpi...

"Ele acertou, foi extremamente feliz. Foi uma grande partida, com um grande público, com duas grandes equipes, um 4 a 3, tudo o que sonhamos. Uma arbitragem qualificada, jogadores disputando futebol sem reclamação. Foi um respeito ao torcedor", começou dizendo Sérgio Corrêa, presidente de arbitragem ao Sportv.

Mas teve de responder sobre o jogo entre Cruzeiro e Flamengo. E não conseguiu fugir. Detalhou que Luiz Flávio errou em Belo Horizonte.

"Foi pênalti também, na oportunidade conversamos com os instrutores. Não é possível que ele tenha entendido e interpretado corretamente? Houve uma evolução. No jogo anterior, Luiz Flávio se equivocou pelo posicionamento, pela mão estar no lado oposto. Neste lance do Sport ele estava bem posicionado e marcou. Jogador erra, árbitro erra, mas o mais importante é ter boa fé."

Sérgio Corrêa pede boa fé. Mas na prática houve lances importantíssimos nesta e na rodada passada. E que, por coincidência, ajudaram tremendamente o Corinthians. O clube assumiu a liderança isolada do Brasileiro.

Tite reconheceu que foi desnecessária a escalação do árbitro paulista Luiz Flávio de Oliveira para o jogo contra o Sport. "(A CBF) foi mal. Não precisava disso." E o treinador do Corinthians também foi claro em relação ao pênalti de Uendel no clássico contra o São Paulo no domingo.

"Para mim, foi pênalti."

Diante de tantos erros, da queda súbita do Atlético Mineiro da liderança, ficam as palavras de Levir.

"Sempre tem uma coisa por trás nesse país..."
5ae3 1024x681 Pênalti não marcado para o Atlético Mineiro. Lance fundamental na derrota para o Grêmio. Resultado garantiu liderança do Brasileiro ao Corinthians. Sempre tem uma coisa por trás nesse país, protesta Levir Culpi...

Absurda falta de critério do paulista Luiz Flávio de Oliveira dá a vitória ao paulista Corinthians contra o pernambucano Sport. Mancha o Brasileiro de 2015. “Por mim, sairíamos de campo. O pênalti seria cobrado com o gol vazio.” Diego Souza…

1ae10 Absurda falta de critério do paulista Luiz Flávio de Oliveira dá a vitória ao paulista Corinthians contra o pernambucano Sport. Mancha o Brasileiro de 2015. Por mim, sairíamos de campo. O pênalti seria cobrado com o gol vazio. Diego Souza...
"Por mim, sairíamos de campo. E deixava o Corinthians bater o pênalti com o gol vazio. Não aceito o que o juiz fez com o Sport. O Corinthians mais uma vez foi beneficiado. Parabéns para quem fez a escala desse jogo. Estava claro que haveria confusão."

A indignação era de Diego Souza, revoltado com a derrota do Sport. E muito mais com a atuação do árbitro Luiz Flávio de Oliveira.

O meia estava mais do que certo. Qualquer lance duvidoso causaria muito alvoroço. A CBF estragou toda a beleza do confronto entre Corinthians e Sport. O jogo maravilhoso, empolgante taticamente. Com lances de muita técnica, talento ficará esquecido.

Na vitória corintiana por 4 a 3, como já era esperado, o Luiz Flávio de Oliveira roubou a cena, ao marcar um pênalti que decidiu o jogo. A favor do Corinthians.

Eram 41 minutos do segundo tempo. A sensacional partida estava empatada em 3 a 3. Guilherme Arana foi até a linha de fundo e cruzou forte para a área. Rithely deu um carrinho tentando cortar o lance. A bola bateu no seu braço que estava levantado. Pênalti marcado. Jadson cobrou e marcou.

O lance é interpretativo. E já causaria enorme discussão. Ritheli teve ou não a intenção de cortar a bola com a mão? A ira pernambucana já seria imensa.

Só que tudo ganha uma proporção ainda maior. Porque na quinta rodada do Brasileiro, na quarta-feira, dia 3 de junho, Cruzeiro e Flamengo jogavam no Mineirão. Alecsandro ainda defendia o Flamengo. Ele desceu pela linha de fundo e cruzou. O cruzeirense Pará deu o carrinho com o braço levantado. A bola tocou no braço. O pênalti não foi marcado. Quem era o árbitro? Luiz Flávio de Oliveira.

O mesmo lance. Critérios absolutamente diferentes. Favorecendo sempre o time da casa.

Mas ainda tudo fica pior, inaceitável.

Mancha o Brasileiro de 2015.

2ae10 Absurda falta de critério do paulista Luiz Flávio de Oliveira dá a vitória ao paulista Corinthians contra o pernambucano Sport. Mancha o Brasileiro de 2015. Por mim, sairíamos de campo. O pênalti seria cobrado com o gol vazio. Diego Souza...

Porque Luiz Flávio de Oliveira é paulista. E sua decisão ajudou o paulista Corinthians a se tornar líder do Brasileiro. Prejudicando não só os pernambucanos. Mas todos os 19 concorrentes do Campeonato Nacional.

"Essa situação me deu náuseas e vontade de vomitar. O que vimos aqui foi uma aberração. Foi um caso anunciado. Se sabia desse risco. Falamos antes sobre isso (fato do jogo ser apitado por um árbitro paulista) com a comissão de arbitragem. Não adiantou.

"Poderia perder se fosse licitamente. Não dessa forma. Os jogadores lutaram e foram guerreiros. Mas sabemos o quanto é difícil fazer futebol no Nordeste. É muito difícil lutar contra determinadas forças. Temos que nos superar e sabemos que a tarefa é gigantesca. Não é fácil derrubar determinadas forças. Me causa nojo o que vi aqui."

A reclamação desesperada foi do vice presidente do Sport, Arnaldo Barros. O clube pernambucano deverá entrar com um protesto formal na CBF contra o juiz. Não aceita que ele apite mais seus jogos no Brasileiro.

"Eu não vi o lance. Tudo o que eu falar vai ser incoerente. Vou falar como falei do lance contra o São Paulo. Estou em uma idade em que me permito falar do que vejo. Não queria estar na pele da arbitragem. Tudo que fizesse seria questionado", disse Tite.

O treinador corintiano foi coerente. Na terça-feira ele não poderia ter sido mais claro. Mostrou sua revolta pela escalação do árbitro paulista em tão importante confronto.

3ae17 1024x756 Absurda falta de critério do paulista Luiz Flávio de Oliveira dá a vitória ao paulista Corinthians contra o pernambucano Sport. Mancha o Brasileiro de 2015. Por mim, sairíamos de campo. O pênalti seria cobrado com o gol vazio. Diego Souza...

"É uma insensibilidade de quem comanda. Há uma série de árbitros importantes de outros estados. Isso só gera pressão. Tem de cuidar do espetáculo. O Corinthians não precisa de outros artifícios para ganhar. Não precisa ser malandro. Foi campeão da Libertadores e do Mundo assim."

Tite antecipou o óbvio. Em outras palavras. Se o Corinthians vencesse a partida, não aceitaria questionamentos. Não queria que o mérito fosse do juiz paulista apitando uma partida de uma equipe paulista contra outra pernambucana.

Mas foi exatamente o que aconteceu. A vitória que colocou seu time na liderança do Brasileiro é questionada no país todo. Graças à absurda escalação de Luiz Flávio de Oliveira.

Ontem foi a primeira vez na história que a arbitragem fez um protesto nacional. Foi contra o veto da presidente Dilma, que vetou o direito de arena aos juízes, na medida provisória 671. Eles entraram com pulseiras pretas, atrasaram por um minutos os jogos e mostraram os números zero e cinco. Os tais 0,5% das transmissões reivindicados, que gerariam R$ 9 milhões por ano ao sindicato dos árbitros.

Mas o protesto só virou motivo de revolta no Itaquerão. Os árbitros perderam toda a solidariedade com o estranho critério da marcação do pênalti de Luiz Flávio. Por que ele não marcou pênalti para o Flamengo? E resolveu marcar a favor do Corinthians?

 Absurda falta de critério do paulista Luiz Flávio de Oliveira dá a vitória ao paulista Corinthians contra o pernambucano Sport. Mancha o Brasileiro de 2015. Por mim, sairíamos de campo. O pênalti seria cobrado com o gol vazio. Diego Souza...

"Cosme, nós confiamos muito no Luiz Flávio. Ele é um dos grandes árbitros deste país. Vou explicar. A ideia é do doutor Marco Polo. Ele acredita que já passou da hora de essa desconfiança toda. Não é porque um árbitro nasceu no mesmo estado do time que está jogando, que ele favorecerá esta equipe. Ou você acha que o Luiz Flávio foi escalado para ajudar o Corinthians? Não tem nem cabimento. Foi um voto de confiança da CBF na qualidade dos nossos árbitros."

A explicação foi dada ao blog na terça-feira, um dia antes do jogo de ontem. O coronel Marcos Marinho, presidente da Comissão de Arbitragem de São Paulo, detalhava que a ideia era do presidente da CBF, Marco Polo del Nero.

Esse 'voto de confiança da CBF na qualidade dos nossos árbitros' provocou um estrago histórico. O lance que determinou a vitória do Corinthians contra o Sport não será esquecido. Não há como duvidar da honestidade de Luiz Flávio. Apenas questionar sua incoerência inexplicável. Ele é um árbitro Fifa. Precisa ter uma linha de raciocínio imutável. Não foi o que aconteceu em dois jogos que trabalhou.

Para deixar tudo mais constrangedor. Leandro Vuaden não marcou um pênalti absurdo contra o Corinthians no último lance do clássico contra o São Paulo. Wesley chutou e Uendel defendeu a bola com o braço. A própria Comissão de Arbitragem da CBF apontou o grave erro.

1agenciacorinthians Absurda falta de critério do paulista Luiz Flávio de Oliveira dá a vitória ao paulista Corinthians contra o pernambucano Sport. Mancha o Brasileiro de 2015. Por mim, sairíamos de campo. O pênalti seria cobrado com o gol vazio. Diego Souza...

Nos dois últimos jogos, pênaltis deram ao Corinthians três pontos. Dois a mais com a vitória e não o empate ontem. E o não marcado no domingo, garantiu mais um.

Só nestas duas rodadas, a tabela de classificação estaria alterada. O líder seria o Atlético Mineiro com seus 36 pontos. O Corinthians passaria a ser segundo, com 34. E o São Paulo, seguiria em terceiro, com 33 e não apenas 31.

Não é o que acontece. Graças a critérios de Luiz Flávio e de Vuaden, o Corinthians amanhece primeiro colocado com 37 pontos. O Atlético tem 36 e o São Paulo, 31. Esses pontos poderão fazer muita diferença na definição do título, da classificação para a Libertadores...

Pior do que a atingir a credibilidade do torneio, houve a exposição desnecessária de Luiz Flávio. Um árbitro com reputação inquestionável, honesto.

Mas como impedir o raciocínio rasteiro de que um juiz paulista favoreceu um time paulista e prejudicou um pernambucano? Ainda mais diante do que o próprio árbitro fez em Minas Gerais, quando agiu de maneira completamente diferente, em um lance igual...

Só resta torcer que a CBF tenha o mínimo de bom senso. E perceba a estupidez da 'experiência'. Confrontos entre clube de dois estados diferentes exigem a escalação de um juiz de um terceiro estado.

As consequências de um jogo empolgante foram lastimáveis.

A incrível vitória do Corinthians é motivo de dúvida.

O Sport revoltado.

Luiz Flávio questionado.

A desconfiança domina o próprio Campeonato Brasileiro.

A troco do que?
1reproducao11 Absurda falta de critério do paulista Luiz Flávio de Oliveira dá a vitória ao paulista Corinthians contra o pernambucano Sport. Mancha o Brasileiro de 2015. Por mim, sairíamos de campo. O pênalti seria cobrado com o gol vazio. Diego Souza...