Silas entregou sua própria cabeça. Abriu as portas a Luxemburgo no Flamengo…

HellsKitchen S2 Silas entregou sua própria cabeça. Abriu as portas a Luxemburgo no Flamengo...

Se Silas deseja sair do Flamengo, ele está no caminho certo.

Além de o time estar muito mal em campo, ele caiu na tentação.

Não conseguiu controlar os nervos.

As vaias e os palavrões dos torcedores...

A campanha pífia...

A perguntas inquisitivas dos repórteres...

Tudo o que Zico e Patricia Amorim querem é um treinador firme, porém controlado...

Depois de mais um fraquíssimo jogo do Flamengo e o empate contra o Goiás, Silas deu um tiro no pé.

Talvez não no pé, mas no peito.

Ele se esqueceu do desespero de Jean com o gol infantil que fez a favor do time goiano.

E que todo o elenco teve de se unir para lhe dar forças no vestiário.

Para se defender dos jornalistas e da t0rcida, o treinador entregou a cabeça de Jean na bandeija.

"Eu não marco gol contra", disse para explicar o empate.

Como se o pecado do Flamengo fosse o gol contra de Jean.

Tudo se resumisse ao toque estabanado para o próprio gol de Marcelo Lomba.

A declaração correu como um raio entre os jogadores.

Estão revoltados com essa postura do treinador.

Não vão xingá-lo, criticá-lo.

Mas não farão questão nenhuma de esconder o descontentamento.

Que grupo gosta de ver o chefe entregando um subalterno para se proteger?

Quem garante que amanhã, ele não dará a cabeça de outro jogador?

A situação já chegou a Zico e a Patrícia.

Como não bastasse essa declaração tola, Silas estava inspirado.

Disse que "fast food é no McDonald's".

Ou seja: seu trabalho é de um chefe de cozinha francês.

Demora horas para terminar de fazer um bom prato.

Só que no canibal futebol brasileiro, ele já teve tempo para melhorar pelo menos o tempero.

A campanha do Flamengo com ele não entusiasma nem os parentes do treinador.

São três derrotas, cinco empates e apenas uma única e solitária vitória.

O Flamengo está ameaçado de rebaixamento.

O time de Silas, o treinador que não marca gol contra, não consegue jogar bem.

Achou o empate ontem aos 45 minutos do segundo tempo, em gol a favor de Deivid.

Seria muito o técnico saber como está a concorrência.

Porque seu emprego está sendo cobiçado.

Por Vanderlei Luxemburgo, de campanhas decadentes.

O mesmo treinador que praticamente jogou o Atlético Mineiro na Segunda Divisão.

Isso não importa.

"Na Gávea seria diferente. E ele é amigo do Zico", diz um influente conselheiro do clube ao blog.

O que vale para grande setor da diretoria do clube é que "ele é Flamengo desde criança".

Silas não tem identificação com o clube.

E começou a acusar jogadores para se defender.

Abriu sem querer, uma porta para um novo 'chefe de cozinha'.

Não interessa se ele acabou de falir um restaurante.

O que importa no Flamengo é uma comida saudável, que garanta a sobrevivência...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

A noite em que Éder Luís foi Neymar. E o Vasco deitou e rolou diante do Santos…

r71 A noite em que Éder Luís foi Neymar. E o Vasco deitou e rolou diante do Santos...

E ontem, Neymar foi Éder Luís.

Ele foi o grande jogador em São Januário.

Mostrou habilidade e personalidade.

Foi o grande responsável pela vitória sem contestação por 3 a 1 do time de PC Gusmão.

Tem sim 25 anos, mas é muito rodado, desgastado.

Se comporta como um veterano.

Sua desilusão no São Paulo o envelheceu uns 50 anos.

Não se perdoa por ter sido intimidado com os holofotes do clube paulista.

Até que enfim, os cariocas venceram, depois de um jejum de seis partidas.

Os veteranos jogaram: Éder Luís, Zé Roberto e até Felipe.

E por que o rei dos empates acabou vencendo?

E os veteranos, que já estão na mira do showbol, mostraram seu talento?

Pelo mesmo motivo: Marcelo Martellote.

O  interino tem o direito de sonhar.

E ele quer ser promovido a treinador da equipe principal.

É a onda Sérgio Baresi que assola o futebol brasileiro.

Por isso, fez questão de colocar o Santos no ataque.

Buscava vencer o traiçoeiro Vasco.

A postura ofensiva santista era tudo que PC Gusmão pediu aos céus.

Jogar em São Januário nos contragolpes.

E Martellote fez com que seu meio de campo não marcasse forte.

Roberto Brum e Arouca cercavam, como se fossem irmãos mais velhos.

Marquinhos, outro do meio campo, só se preocupava em atacar.

Além disso, o Santos tinha três atacantes: Zezinho, Marcel e Neymar.

Entrou para dar espetáculo.

Caiu na armadilha de PC Gusmão e seus velhinhos animados.

Como em uma festa da Terceira Idade, Zé Roberto, Felipe e Éder Luís dançaram bolero e tomaram hi-fi.

Foi um baile.

Neymar, o primeiro e único, foi muito bem marcado.

Ele tinha sempre dois atletas o cercando, evitando que a bola chegasse até aos seus pés.

Pouquíssimo fez.

A vitória, depois de seis partidas de jejum, alivia o ambiente em São Januário.

E deixou claro que o maior sonho no Brasileiro de 2010 é mesmo escapar do rebaixamento.

Em 2011, PC Gusmão tem a promessa que poderá montar um time forte.

O de agora é para não cair.

E o Santos ajudou.

Do lado do melhor time do Brasil no primeiro semestre, só há uma certeza.

Chegará um novo treinador para a Libertadores de 2011.

Ele será vivido e com perfil de vencedor.

Os contatos com Abel Braga, já revelado neste blog, já estão bem adiantados.

Mas só para o próximo ano.

Talvez não exista saída e Martellote fique até o final do Brasileiro.

Só que deverá ter uma longa conversa com a diretoria.

Da maneira que armou o Santos em São Januário, qualquer adversário com o contragolpe organizado vencerá.

O interino garante que aprendeu com a dolorida derrota por 3 a 1.

Confirmação sábado contra o Palmeiras de Felipão.

E o Vasco, logo na sexta-feira, terá o Goiás.

Diante do time de Jorginho, não deverá acontecer o mesmo bailão de ontem...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

As consequências de um terremoto chamado Palaia no Palmeiras…

reuters332 As consequências de um terremoto chamado Palaia no Palmeiras...

Quem duvidava do poder de fogo de Salvador Hugo Palaia, ficou de queixo caído.

Mal o primeiro vice foi empossado presidente e já incendiou o Palmeiras.

Destituiu toda a diretoria de futebol escolhida por Luís Gonzaga Belluzzo.

Não quis nem saber.

Foi a sua doce vingança.

Homens que, por anos, o deixaram longe do sonhado futebol perderam suas funções.

O vice-presidente Gilberto Cipullo e os diretores Savério Orlandi e Gennaro Marino.

Todos de uma vez só.

Sem choro nem vela.

Não importa se Belluzzo deve se recuperar a tempo, no final do seu mandato.

É Palaia quem manda.

Não interessa também que era Cipullo o homem de confiança no relacionamento com Felipão.

Todas as vezes que Palaia tentou se aproximar do futebol palmeirense, o vice foi um grande inimigo.

Palaia instituiu um grupo gestor.

Ele é formado por Fábio Raiola, José Cirillo, Wlademir Pescarmona, Antônio Carlos Corcione e Francisco Busico.

São seus aliados não só agora, mas também nas eleições de janeiro.

Embora tenha dado poder a todos, Palaia não abre mão da última palavra.

Será ele quem dará o "sim" ou "não" em todas as questões do futebol.

Todas.

Cipullo, Saverio e Gennaro ficaram chocados com a veemência de Palaia.

Além da reestruturação política, pensando na eleição de janeiro, há muito ressentimento no ar.

Para boa parte da diretoria palmeirense de Belluzzo, Palaia era a imagem do dirigente ultrapassado.

Centralizador, sem planos ousados, sem visão do futuro.

Ele foi escolhido como companheiro de Belluzzo apenas pelos votos da ala ultra-conservadora do clube.

Ninguém sonhava que Belluzzo teria problemas cardíacos e o poder cairia no colo de Palaia.

E chegou a hora da vendetta.

O novo presidente do clube vai mudar toda a maneira política com que Belluzzo conduzia a liberação das obras na nova arena.

Ele quer gente 'mais decidida' e que enfrente a prefeitura.

Quem vive a política palmeirense está chocado.

É como se fosse a reviravolta de um roteiro de uma novela mexicana.

O poder mudou de lado.

O progressista Belluzzo está no hospital.

O ultra conservador Palaia assumiu o Palmeiras.

E ele adora o poder.

É imprevisível supor o que acontecerá com o já instável time de Luiz Felipe Scolari.

E sua campanha para ser eleito novo presidente do Palmeiras em janeiro já está pesadíssima.

Há grande chance de Belluzzo não se recuperar a tempo de reassumir seu cargo.

Por isso, vale o aviso para todas as áreas.

Ainda mais que a eleição para presidente e governador será no domingo.

Olho bem aberto com os vices.

Lembre-se do Palmeiras...

 ( E não durou um dia o grupo gestor para cuidar do futebol.

Palaia achou mais simples nomear na noite de ontem um novo diretor.

Ele é  Wlademir Pescarmona.

Já garantiu que vai fazer tudo para entender porque o futebol do clube dá tanto prejuízo...)

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Cuca: seus traumas não podem destruir o Cruzeiro…

9788577011100p Cuca: seus traumas não podem destruir o Cruzeiro...

Quem tem dúvida sobre o estrago que Neymar pode causar deveria se informar sobre o Cruzeiro.

Bastou o atacante jogar apenas futebol e veio a goleada, a humilhação.

Depois de nove partidas sem derrota, o placar clássico dos derrotados: 4 a 1.

Cuca se trancafiou por uma hora com seus jogadores.

Seu medo é que o seu trabalho se desmanche.

Justo agora, quando o time entrou na reta decisiva do Brasileiro.

Não queria que o caro grupo passasse a se questionar.

Duvidar do seu potencial.

Afinal, o Cruzeiro tinha um jogador a mais e foi impiedosamente goleado.

Falou, falou, falou.

Disse que foi acidente de percurso.

E quer a equipe confiante amanhã contra o Atlético Goianiense.

Tudo o que não pode acontecer é outra derrota.

Ainda mais com o jogo acontecendo na Arena do Jacaré.

Seria um golpe que poderia fazer o time virar o fio, se perder.

Não só para a disputa do sonhado título do Campeonato Brasileiro, como até por uma vaga na Libertadores.

Outro reflexo da insegurança de Cuca foi na coletiva de imprensa.

Fez um apelo dolorido, sofrido aos torcedores.

Quer o apoio de mãe nas horas difíceis: incondicional.

Os jogadores e os jornalistas notaram o ar exageradamente tenso, preocupado do treinador.

Isso tem explicação.

E nada a ver com o Cruzeiro.

Cuca está traumatizado pelas seguidas demissões na sua carreira.

Por isso monta seu time de maneira mais defensiva do que deveria.

Foi se empolgar justo na Arena Barueri, contra o Santos.

Querendo atacar, ofereceu contragolpes e liberdade justo para Neymar.

Tentativa masoquista de suicídio.

E os reflexos vieram.

O caso é muito mais psicológico do que real.

O Cruzeiro continua com um elenco muito forte.

Cuca precisa se reequilibrar.

E colocar seu time para ganhar, e bem, do Atlético Goianiense.

Nenhum grupo rende o que pode com um comandante indeciso, fraco.

Jogador de futebol é tinhoso, percebe.

Ainda mais argentinos rodados como Montillo e Farias.

Cuca, está na hora de reagir!

Não deixe os traumas acabar com sua carreira.

Esqueça as injustiças que sofreu no Botafogo, Flamengo e Fluminense.

Seu time é o terceiro e está a apenas quatro pontos do primeiro colocado, o time que você salvou do rebaixamento em 2009.

E lhe deu um pontapé nos fundilhos para ter Muricy Ramalho.

Se anime.

Queira vingança e não dê razão aos que duvidam de sua força como treinador na hora da decisão.

O Brasil sabe da sua mania de proibir os ônibus que conduzem os jogadores de dar ré.

Para não dar má sorte.

Se livre desses traumas.

Seja forte.

Não se sabote.

E principalmente: não sabote o forte Cruzeiro.

Coloque seu time para atropelar o Atlético Goianiense.

Bem organizado, ele tem muito mais força do que você está percebendo.

Por causa dos seus traumas...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Um ano do blog no R7. Cadê o meu presente?

divulgação343 Um ano do blog no R7. Cadê o meu presente?

1.145 posts.

72.321 comentários aprovados.

São cerca de 30 telefonemas todos os dias para os mais diversos pontos.

Teve post no Natal, no Ano Novo, no meu aniversário, no dia do Trabalho.

Sábados, domingos, feriados.

Feitos com carinho, crítica, revolta, tristeza, alegria e muita ironia.

Esse blog é muito humano, com erros, acertos.

Exageros propositais para tirar o leitor da passividade.

Aqui, nada é por acaso.

A minha intenção é informar, provocar, irritar, fazer rir.

O blog comemora um ano de R7.

Muita coisa vivida.

Exclusivas com Adriano divulgada no mundo todo, até no site da Fifa.

Com Vicente del Bosque, logo após ser campeão do mundo, que acabou com um inesperado abraço...

Parreira, Zagallo, Marta, inúmeras outras...

Cobertura da Seleção Brasileira em Londres, na África do Sul...

O tempo voou.

Estou realmente muito contente com esse primeiro ano.

Ter a oportunidade de iniciar um projeto é tão instigante como difícil.

A vida é feita de escolhas, oportunidades.

Era muito feliz no UOL, mas aqui sou mais.

Novos projetos, muitas surpresas.

Várias coisas novas acontecerão no blog neste novo ano de vida.

Muito obrigado aos leitores.

Alguns de vocês já conheço pelo nome, pelo estilo.

Leio cada comentário.

Veto sim os que considero exagerados, ofensivos.

Como aprovo alguns rangendo os dentes.

Enfim, quero repartir esse primeiro ano.

E dizer:  preparem os calmantes.

Novas matérias, entrevistas, notícias e muitas provocações pela frente.

Ninguém será poupado, isso eu prometo.

Quem tiver coragem sabe o endereço...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

“Vade retro, Adriano. Comigo aqui, não.” Zico…

divulgação25 Vade retro, Adriano. Comigo aqui, não. Zico...

Adriano já enfrentou sua primeira crise na Roma.

Enfrentou ontem o seu treinador.

Se recusou a entrar contra a Inter de Milão, sua ex-equipe aos 42 minutos do segundo tempo.

Achou que era humilhação.

O treinador Ranieri já levou o caso à direção do clube.

Isso aconteceu ontem na Itália.

O engraçado é que repercutiu imediatamente no Rio de Janeiro.

Conselheiros influentes no Rio já fizeram a inevitável pergunta a Zico.

"E se ele quiser voltar?"

Mais do que depressa, o responsável pelo futebol no Flamengo foi direto.

"Nem pensar."

Mesmo com o clube com assumidas dificuldades para sobreviver na Série A, Zico não quer pensar em Adriano em 2011.

Mesmo com possíveis projetos publicitários.

O dirigente afirma que até agora tenta eliminar alguns vícios que o atacante deixou no departamento de futebol.

Todos os privilégios e insubordinações de Adriano refletiram no comportamento de vários jogadores.

A desmoralização aos treinadores também.

Além disso, Zico não quer a ciumeira que provocaria o retorno do jogador.

Ele recebia cerca de R$ 800 mil no Flamengo.

Isso só deixaria o clima ainda pior.

E outro detalhe importantíssimo: quer preservar Silas.

Tudo o que Adriano não pode ter pela frente é um treinador novo.

E sem identificação com o Flamengo.

Ou seja: a ideia foi abortada no nascedouro.

Com Zico, Adriano não pisa na Gávea...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

O líder Fluminense terá ainda dois reforços. Emerson e Fred…

divulgação65 O líder Fluminense terá ainda dois reforços. Emerson e Fred...Emerson e Fred.

Não bastasse a liderança do Brasileiro, o Fluminense terá dois grandes reforços.

Já recuperado do estiramento no adutor da coxa esquerda, ele voltará aos treinos essa semana.

E deverá estar pronto para enfrentar o Grêmio Prudente no sábado.

Muricy Ramalho não esconde.

Garantiu aos dirigentes que reconhece o quanto Emerson fez falta.

Não possui um atacante que tenha como característica segurar a bola.

Tocar, com inteligência, para o companheiro melhor colocado.

A situação lembra até a vivida por Rivaldo e Ronaldo na Copa de 2002.

Os dois contundidos não jogaram as últimas partidas por seus campeonatos na época.

Resultado: chegaram bem demais no Mundial da Coreia e do Japão.

Todos no Fluminense esperam de Emerson e Fred a mesma reação dos jogadores em 2002.

Depois de quase derrubar todo o departamento médico do clube, Fred deverá ser liberado em dez dias.

O problema na sua panturrilha já está quase liquidado.

Acompanhando de perto a brilhante campanha do Fluminense, Fred está empolgado.

Quer voltar no máximo em dez dias.

E Muricy também o quer.

Mas menos individualista do que costuma ser.

O treinador o quer integrado, tocando a bola.

"Esse Fluminense não é o que ele teve de salvar no ano passado", disse um conselheiro influente.

Ou seja: além de líder isolado, o Fluminense terá dois reforços sensacionais.

Ninguém poderá se dar a esse luxo: ganhar dois atacantes de excelente nível.

E na reta final do Brasileiro.

O Corinthians que se prepare: tudo poderá ficar ainda pior do que está...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Dorival Júnior trocou o céu pelo inferno. A herança de Luxemburgo é pior do que ele imaginava…

CrocodileModelManila Dorival Júnior trocou o céu pelo inferno. A herança de Luxemburgo é pior do que ele imaginava...

Ter o melhor time do Brasil nas mãos na terça-feira.

No sábado, assumir o mais decepcionante.

Essa foi a troca que Neymar proporcionou a Dorival Júnior.

Foi com esse clima que Dorival Júnior deu sua primeira entrevista ontem.

Ele foi apresentado à imprensa mineira depois da sua estreia.

E derrota em casa para o revigorado Grêmio de Renato Gaúcho.

Seguindo a herança maldita deixada por Vanderlei Luxemburgo, Dorival expôs o que acho errado.

O posicionamento dos jogadores.

Individualismo.

E falta de preparo físico.

A sensação clara é de que o Atlético Mineiro perdeu tempo por 24 jogos do Brasileiro.

E perdeu por causa de Alexandre Kalil.

O time é penúltimo colocado do Brasileiro porque o dirigente insistiu até não poder mais com Luxemburgo.

Pior para Dorival Júnior.

Ele tem nas mãos um elenco pressionado, inseguro e caro.

Tomou a primeira providência.

Para evitar desgastes, deixou a direção assumir o afastamento de Fábio Costa.

O mesmo goleiro que não jogou com ele quando comandou o Santos.

Não seria justo no Atlético Mineiro que mudaria de opinião.

Dorival não gosta do comportamento de Fábio Costa no grupo.

E, como aconteceu na Vila Belmiro, ele treinará afastado.

Dorival vai tentar fazer o máximo para recuperar a condição física do seu elenco.

Ficou impressionado como Diego Souza está mal: pesado, sem explosão muscular.

Assim como boa parte do elenco.

Os treinamentos passarão a ser em dois períodos.

Principalmente pela manhã, situação que Luxemburgo detestava.

Kalil já adiantou a Dorival que dinheiro extra não faltará para incentivar seus jogadores para fugir do rebaixamento.

O presidente pensa que tudo no futebol é dinheiro...

Como um médico diante de um paciente em estado terminal, o treinador tratou apenas de aliviar a dor.

Disse a Kalil que a missão é muito difícil, mas não pode ser realista demais ao grupo.

E vai tratar de fazer o que aprendeu em sete anos de carreira.

Quer amizade verdadeira nesse grupo individualista.

Vai insistir na psicologia.

Repetir o quanto puder que o rebaixamento vai desvalorizar esse grupo.

Todos vão perder dinheiro com a queda.

Principalmente na próxima troca de clube.

Ele sabe que jogadores de aluguel são a maioria no Atlético Mineiro.

Sua saída é apelar para o brio, a vergonha na cara desse time.

Não há outra saída.

O campo é minado.

A terra é quase estéril.

Fruto do trabalho de Luxemburgo e sua caríssima comissão técnica, aquela que não trabalha de manhã...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Depois do Grêmio, para todo colorado, o Corinthians é o time a ser odiado…

divulgação231 Depois do Grêmio, para todo colorado, o Corinthians é o time a ser odiado...

Desde 2005, a sensação para quem vai ao Beira Rio é que o Internacional tem outro inimigo.

E ele não veste azul, preto e branco.

Apenas branco e preto.

Desde o estranho Campeonato Brasileiro vencido pelo time da MSI.

Qualquer jogo em Porto Alegre entre os dois times, a vibração é diferente.

A vontade de cobrar uma injustiça de cinco anos atrás é latente.

O time de Celso Roth hoje lutou como nunca.

Por mais que estivesse envolvido ainda na disputa do título, a motivação vinda das arquibancadas era outra.

Vingança.

O prazer de atrapalhar, travar o Corinthians era maior do que tudo.

Os torcedores, Celso Roth, os vampiros de Eclipse e Edílson Pereira de Carvalho sabem que quando chegar perto do Mundial, o Inter irá desistir do Brasileiro.

Infelizmente, não há como.

Mas um grande prêmio foi conseguido hoje.

Atrapalhar o caminho do campeão de 2005.

É sempre um prazer especial.

Profundo conhecedor dos seus adversários, Celso Roth colocou seu time para aproveitar a lentidão da zaga corintiana.

Do outro lado, Adilson Batista fez o máximo para explorar o toque de bola em velocidade no ataque.

Foi um jogo eletrizante até o final.

As bolas no travessão, gols, as grandes defesas de Renan e Júlio César.

Até que o destino ajudou o Internacional.

Na cobrança caprichosa de Andrezinho que desviou na barreira.

A vitória seria justa para qualquer um dos times.

A direção e a torcida do Internacional foram dormir felizes.

Deixaram a vida corintiana mais complicada.

A liderança do Brasileiro voltou para as mãos do Fluminense.

Só que nada compensa o que aconteceu há cinco anos.

A sensação que algo muito além das quatro linhas levou o título brasileiro.

A sensação de vingança é passageira.

Ah, o pênalti de Fábio Costa em Tinga em pleno Pacaembu...

Márcio Rezende de Freitas...

O gosto amargo do Brasileiro perdido em 2005 nunca passará da boca de um verdadeiro colorado...

Vagner Love. De garanhão da concentração aos 100 gols na gelada Rússia…

divulgação332 Vagner Love. De garanhão da concentração aos 100 gols na gelada Rússia...

Desde 2002, quando ele surgiu nos juniores do Palmeiras, ninguém mais foi revelado.

Pelo contrário, o clube talvez seja o pior no Brasil a dar atenção às suas categorias de base.

Olheiros péssimos.

Falta de preocupação.

De plano de carreira.

Torcida impaciente.

Dirigentes que preferem gastar o dinheiro do clube comprando do que formando jogadores.

Adivinhe qual é o único clube grande paulista a nunca ter vencido uma Copa São Paulo?

A principal competição de juniores do país é disputada desde 1969...

Sim, acertou.

Só o Palmeiras não conseguiu vencê-la.

As diretorias covardes demais para bancar os garotos no time principal não percebem.

Mas causam prejuízos.

Os meninos mais talentosos procuram outros clubes para começar suas carreiras, menos o Palmeiras.

Mesmo com todos esses defeitos, foi impossível impedir o surgimento de Vagner.

O atleta sexual que teve a coragem de levar uma mulher para a concentração.

Ela era muito mais velha que ele.

Acabou suspenso.

E a mulher, desesperada.

Atormentada com o fim do romance proibido na concentração palmeirense.

Justiça seja feita, o jornalista Flávio Prado lhe deu, por merecimento e ironia, o sobrenome Love.

E Vagner Love nasceu.

Além do sucesso na cama da concentração, ele mostrava talento e oportunismo.

Artilheiro destacado do time, ajudou o clube a subir da Série B.

Quando pensou que iria ser valorizado, ganhar um importante aumento, ouviu um não.

E foi parao CSKA Moscou.

Jurou aos amigos que, de lá, iria rapidamente para um clube melhor da Europa.

"Não fico nem um ano", jurou.

Está desde 2004.

Completou seis anos.

Já teve homéricas brigas com os dirigentes.

Eles já recusaram vendê-lo para a Juventus, o Monaco, o Sevilla.

E para o Corinthians da MSI.

Love reclama, xinga.

Mas, depois de um bom aumento, cede.

E sempre renova, e bem, seus contratos.

Conseguiu, usando o argumento da Copa do Mundo de 2010, voltar ao Brasil.

Retornou ao clube que não desejava.

Parecia que pressentia o que iria lhe acontecer.

Ele havia dito a amigos que nunca mais jogaria pelo Palmeiras.

O motivo: desprezo que recebeu dos dirigentes.

Seu sonho era atuar pelo seu clube do coração.

Deveria ter seguido seus instintos.

Voltou ao Palmeiras de Muricy Ramalho.

Mais preocupado com seus gols do que com o time, foi um fiasco.

E conseguiu minar o ambiente no Palestra Itália.

Diego Souza exigiu aumento de salário ao saber que Love ganhava mais do que ele.

O clima ficou insustentável.

E ainda piorou, quando foi agredido por três torcedores do Palmeiras.

Eles não se conformavam com a apatia do jogador em campo.

Torcedores organizados lhe juraram de morte se não deixasse o clube.

Love conseguiu.

Foi muito bem, mas o Flamengo não teve dinheiro para comprá-lo.

Os dirigentes do CSKA o receberam com todos os palavrões em russo que sabiam.

E ameaçaram prender os seus direitos federativos se voltasse para o Brasil, como havia dito.

A velha estratégia não funcionou desta vez.

Love resolveu cumprir o contrato e evitar o pior.

E hoje, contra o Tomsk, ele marcou no Campeonato Russo.

Foi o seu centésimo gol com a camisa do CSKA.

Cem gols.

Gols que o mundo não viu, não valorizou.

Mas foi marca importante e inesperada para todos.

Principalmente para ele.

Sem perceber, Love grudou no trampolim.

E mesmo tendo futebol para isso, não deu o grande salto na sua carreira.

Está rico.

Já tem 26 anos.

Segue sua vida.

No íntimo, sabe que poderia ter ido muito mais longe.

Só que, para um jogador que saiu das bases do Palmeiras, ele pode ter a certeza que é um fenômeno...

Ah, a mulher mais velha?

Ela ainda morre de saudade das suas visitas à concentração para encontrar o seu fogoso Vagninho...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Acompanhe o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia

+ Todos os blogs do R7