A falta de coragem de Roberto Carlos. O estímulo que o racismo russo precisava para comparar mais jogadores a macacos…

sport812.ru  A falta de coragem de Roberto Carlos. O estímulo que o racismo russo precisava para comparar mais jogadores a macacos...
Aos 37 anos, Roberto Carlos deveria estar mais forte.

Mais preparado para a vida.

Encarar de frente as situações.

Não estou me referindo às suas saídas pelas portas do fundo de Palmeiras e Corinthians.

Que já serviriam de assunto para longas leituras sobre compromentimento.

Aquilo que precisa ser discutido é o nojento ato de racismo que sofreu na Rússia.

Um torcedor do Zenit lhe ofereceu uma banana antes da partida do Anzhi, time onde foi buscar os últimos euros da carreira.

Lhe ofereceu é modo de dizer.

Mostrou a banana e o chamou repetidas vezes de macaco.

Durante a partida todas as vezes que Roberto Carlos pegava na bola, uma parte da torcida do Zenit imitava macaco.

A Uefa já ameaçou proibir o clube de disputar competições internacionais por causa de atitudes como essa de seus torcedores.

Por tudo que o lateral representa no futebol, a notícia correu o mundo.

A foto do torcedor ofecendo a banana é de revotar o estômago.

O Zenit tem torcidas organizadas formadas por neonazistas.

Ultranacionalistas, intolerantes, ignorantes.

Formada na sua maioria por jovens desempregados.

Acusam os imigrantes de haver roubado seus empregos.

E não suportam qualquer diferença racial.

Roberto Carlos é negro.

Como poderia ser amarelo, branco, vermelho...

Ele só não pode se omitir.

Diego Maurício se calar é revoltante, mas compreensível.

Foi chamado de macaco e teve de ver peruanos imitar símios no Sul-Americano sub-20.

Cada vez que pegava na bola era a mesma cena repugnante.

Diego Maurício não falou porque suas palavras não repercutiriam.

Mesmo vestido com a camisa da Seleção Brasileira.

Jornalistas peruanos deram a descupa esfarrapada que isso é normal no país.

Como pode ser normal negros serem comparados a macacos em estádios?

Agora cabe a Roberto Carlos fazer a sua parte.

Por mais que deteste polêmica, não pode fugir da luta.

Ele representa os negros, os imigrantes...os discriminados...

Jogador campeão do mundo, milionários, conhecido em todo o planeta...

Seu empresário Fabiano Farah ameaçou protestar na Fifa.

O protesto teria repercussão mundial.

O lateral mandou que se acalmasse, deixasse para lá.

Triste.

A hora não era de perdoar, Roberto Carlos.

Enfrentar, ter coragem de protestar.

Deixar no seu legado bem mais do títulos, troféus e oito filhos...

Mas uma postura corajosa contra a intolerância, o racismo...

Não se acovarde, Roberto Carlos...

Não estimule esses ignorantes russos a comparar jogadores a macacos...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Só Libertadores segurará Ganso até dezembro. A ideia é sair mesmo em junho. E, deseja Milão como futura residência..

diulgação Só Libertadores segurará Ganso até dezembro. A ideia é sair mesmo em junho. E, deseja Milão como futura residência..
Paulo Henrique Ganso ama Neymar.

De verdade.

Adora estar com ele.

Encontrou no atacante o complemento da sua personalidade retraída.

Chora de rir com o extravagante gosto pelas roupas...

Pelo penteados...

Diz que nunca jogou com alguém tão habilidoso.

Vai para jantares, almoço, festas...

Faz questão de estar sempre perto.

Não há rivalidade entre os dois.

Já combinaram que um sempre ajudará o outro na carreira.

Principalmente na Seleção.

Todo esse clima bom acaba quando Ganso é perguntado sobre a diferença de salários.

Não entre eles, mas a revolta recai sobre a diretoria santista.

O encontro de duas horas de hoje entre o meia e o presidente Luís Álvaro foi uma imensa perda de tempo.

Ganso saiu com a convicção de que o clube tem maior interesse em cuidar da carreira de Neymar.

O relacionamento do staff de Delcir Sonda, dono de 45% dos direitos do jogador, com a direção santista é péssimo.

Ao contrário de Vagner Ribeiro, empresário de Robnho, especialista em dar nó em pingo d'água.

A multa de Ganso para o Exterior é de R$ 105 milhões.

Para clubes brasileiros, R$ 60 milhões.

Ele recebeu a proposta de um aumento de salários para R$ 400 mil.

Mas Ganso exigia a redução da multa rescisória.

A direção santista não aceitou e Ganso resolveu encerrar a conversa.

O jogador avisou que iria expor à imprensa a sua vontade de ir para a Europa ainda em 2011.

E ponto-final.

A postura irritada, tensa do jogador tem explicação.

Não no desprezo com que foi tratado quando estava se recuperado da operação no joelho.

O que já o decepcionou profundamente.

Ficou com a certeza de que não queriam aumentar o seu salário para nao jogar.

A raiva vem da enorme diferença do que ele e o seu 'irmão' recebem.

O mau humor de Ganso beira o insuportável nesse assunto.

Já manifestou a sua revolta diversas vezes.

É o que acalenta Leonardo, da Inter de Milão.

Ele já conversou com representantes do jogador.

E avisou que irá convencer a diretoria a vir buscar o grande meia do futebol brasileiro.

Dirigentes do Milan já foram alertados por Robnho que deveriam se antecipar ao rival.

Ganso sabe da grande chance de Milão virar sua nova cidade.

E fará o possível e o impossível para sair do clube.

Seu plano é só ficar até o final do ano se o Santos for campeão da Libertadores.

Se a equipe for eliminada e não disputar o Mundial de Clubes, quer ir já na janela de junho.

Luís Álvaro percebeu que o problema não é só dinheiro.

Nem descer a multa rescisória.

A questão é bem mais simples.

Ciúmes.

Ganso não se conforma em receber bem menos do que Neymar.

A diferença é grande demais para os dois melhores jogadores do Santos.

Ganso recebe exatos R$ 123 mil.

E Neymar, dois anos mais jovem, R$ 500 mil.

Luís Álvaro foi avisado desse problema há quase um ano.

Não ligou e acreditou que iria resolver tudo na base da conversa.

Mas quando ofereceu R$ 100 mil a menos do que paga a Neymar, o dirigente convenceu Ganso que era hora de ir embora.

Atrevido, o meia jura a amigos.

Não há nada no mundo, a não ser a conquista da Libertadores, que o segurará na Vila Belmiro.

Não é por acaso que a frustração domina Luís Álvaro.

Ah, se ele tivesse ouvido os seus amigos que o aconselharam a pagar o mesmo aos 'dois irmãos'...

Tudo seria diferente...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter

+ Veja os destaques do dia
+  Conheça todos os blogs do R7

A vinda de Brandão pelo Cruzeiro é constrangedora e desnecessária. Ele deveria se livrar da acusação de estupro na França antes de voltar ao Brasil…

olhos raiva1 A vinda de Brandão pelo Cruzeiro é constrangedora e desnecessária. Ele deveria se livrar da acusação de estupro na França antes de voltar ao Brasil...

É a contratação mais delicada do ano.
 
E desnecessária.
 
O Cruzeiro trouxe da França o atacante Brandão.
 
De graça.
 
Basta pagar o seu salário.
 
Parece um grande negócio.
 
Uma pechincha...
 
Só parece...
 
O jogador estava no Olympique de Marselha.
 
Era respeitado, nada indicava que o clube estava pensando em negociá-lo nesta temporada.
 
Até que protagonizou um grande escândalo.
 
A acusação é pesada, chocante.
 
Estupro.
 
Ele teria abusado de uma mulher de 23 anos ao sair de uma boate.
 
O crime teria acontecido no seu carro, à beira da estrada que liga Aix-en-Provence e Marselha.
 
Testemunhas garantem que os dois estavam embriagados.
 
Brandão chegou a ser preso de maneira provisória.
 
O Olympique resolveu mandá-lo ao Brasil para preservar o ambiente no clube.
 
A direção percebeu que ele não teria condições psicológicas para atuar.
 
E nem o restante do time para treinar, se concentrar.
 
Brandão alega total inocência.
 
Diz que a relação sexual foi de consenso.
 
E que a mulher quis o chantagear.
 
A Justiça vai definir a questão.
 
Como qualquer pessoa acusada de um crime, ele deve ser considerado inocente até que seja provado o contrário.
 
A questão é: o Cruzeiro precisava dessa contratação oportunista?
 
Não seria melhor esperar que Brandão se resolvesse com a Justiça francesa e depois o contratar?
 
Mesmo se ele for inocente, tomara que seja, a impressão que a transação transmite é péssima.
 
Por que contratar um jogador acusado de estupro?
 
Por que essa pressa de Brandão em entrar em campo em outro continente?
 
Não seria melhor resolver a questão mais importante da sua vida?
 
Limpar sua honra?
 
Até porque processos parecidos não são intermináveis.
 
Vários atletas passaram por situações idênticas...
 
Mesmo se fosse Messi ou Cristiano Ronaldo...
 
Não há justificativas para essa contratação.
 
Fica um cheiro de fuga de quem tem algo a dever.
 
Reafirma uma imagem que o Brasil é uma republiqueta sem lei, perdido na América do Sul...
 
Quantos e quantos filmes norte-americanos mostram criminosos combinando fugir para o Brasil?
 
Tomara que Brandão seja realmente inocente...
 
Mas é um absurdo ele trocar de país enquanto a sua acusação de estupro não é esclarecida.
 
Pior, o Cruzeiro lhe abrir as portas...
 
Como se o que apenas importa é o talento que o cidadão possui para jogar futebol...
 
E ninguém considere algo tão chocante como a acusação de um estupro...
 
Senador Zezé Perrela, seu clube não precisa disso...
 
O Brasil não precisava de Brandão agora...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Elano convenceu Santos a gastar R$ 700 mil por Muricy Ramalho. Ou o contrata ou adeus Libertadores…

imagem filme o poderoso chefao 2  Elano convenceu Santos a gastar R$ 700 mil por Muricy Ramalho. Ou o contrata ou adeus Libertadores...

Elano teve uma conversa definitiva com Luís Álvaro.

Sua influência no clube é maior do que todos imaginam.

Discreto, ele participa das maiores decisões no futebol do clube.

Sua palavra não é questionada nem pelos atletas e muito menos pelos dirigentes.

Como líder do time santista, era ele quem apoiava e sustentava Marcelo Martelotte como interino.

E até já defendeu a sua efetivação.

Mas vieram as partidas e o jogador percebeu que o time não reagia.

Era fácil alvo de equipes com menor potencial técnico.

Martelotte conseguia enxergar os erros, principalmente de marcação.

Na hora de mostrar, pedir, exigir dos atletas uma mudança de comportamento durante o jogo, não havia resposta.

Vivido, Elano percebeu que o elenco precisa de uma pessoa que imponha muito mais respeito.

Com currículo que lhe dê respaldo para gritar e ser ouvido.

Não ter suas ordens questionadas.

Mesmo que no subconsciente.

Com o risco de jogar a Libertadores fora ainda na primeira fase.

E foi por isso que virou o principal cabo eleitoral de Muricy Ramalho.

Mesmo sem nunca ter trabalhado com ele.

Elano percebeu a reação de Neymar, Ganso, Arouca e os demais atletas quando souberam que Muricy pode assumir o Santos.

E tratou de levar essa posição ao presidente Luís Álvaro.

O dirigente que já estava disposto, ficou convencido.

E depois de tentar barganhar, acabou aceitando pagar os R$ 700 mil que o representante Márcio Rivellino está pedindo.

Luís Álvaro conversou com Martelotte e foi direto dizendo que não o efetivaria, mas não abriria mão dele.

O quer como auxiliar de Muricy, ao lado de Tata, que trabalha com o treinador.

O dirigente quer o encontro se possível ainda hoje.

Muricy já foi convencido por Rivellino que não há cabimento na quarentena sem trabalhar que o técnico desejava.

A contratação caminha firme para ser efetivada.

Com a bênção de Elano, o grande cabo eleitoral de Muricy...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

A ingrata torcida do Botafogo fez Joel Santana chorar. Magoado, já olha para as Laranjeiras, que conhece tão bem…

divulgacao380  A ingrata torcida do Botafogo fez Joel Santana chorar. Magoado, já olha para as Laranjeiras, que conhece tão bem...
As lágrimas de Joel Santana foram ouvidas...

Ele dava uma entrevista ontem na rádio e não conseguiu segurar o pranto.

Desabou.

Não superou a humilhação de ver a torcida botafoguense aplaudir a sua expulsão contra o Vasco.

E ainda usar o indefectível coro de 'burro', 'burro', 'burro', 'burro'...

Joel Santana foi ao Botafogo ontem, conversou com Anderson Barros, gerente de futebol.

Disse que estava desgostoso.

Se sentia humilhado, injustiçado.

E pensava ser melhor deixar o clube.

Anderson tentou acalmá-lo.

Mas ele estava inconformado.

E tinha razão.

Tem crédito demais no Botafogo.

Ele assumiu depois do vexame terrível, a derrota diante do Vasco por 6 a 0.

De time humilhado, o Botafogo se transformou no campeão carioca, desbancando o Flamengo de Adriano.

Caiu de mal jeito na Copa do Brasil.

E fez excelente Campeonato Brasileiro.

Para o elenco limitado que lhe entregaram nas mãos.

Quase fez o milagre de chegar à Libertadores, quando deveria estar lutando para não cair.

O Botafogo não está empolgante em 2011.

Porque o elenco continua fraco.

Se for feita uma análise criteriosa, jogador por jogador, o Botafogo tem o pior time dos quatro do Rio...

Joel Santana com uma fidelidade invejável reclama o menos possível...

Não cobra publicamente.

Sabe que o clube não tem dinheiro e assim evita expor a diretoria.

Mas sente que toda a carga está caindo nos seus ombros.

No ano passado, recusou o Flamengo que lhe ofereceu mais dinheiro.

Ficou por respeito ao Botafogo.

Agora, o desprezado Fluminense está lhe esticando as mãos.

Joel está muito magoado.

Não é técnico de jogar à toa, por algumas vaias...

Se estivesse psicologicamente bem, ironizaria, brincaria...

Chorar?

Derramas lágrimas?

Ele se justifica dizendo pela dor da injustiça...

Nem quando foi trocado pela África do Sul perto da Copa, Joel ficou tão mal...

E qualquer don Juan de final de madrugada nos Arcos da Lapa sabe...

A mulher magoada, desprezada, injustiçada é a mais fácil de cair na conversa de que 'comigo será diferente'...

Ainda mais quando conhece o caminho dos braços do amante...

Esta é a esperança da ansiosa diretoria do Fluminense...

Depois de tomar tantos foras...

Felipão, Renato Gaúcho, Cuca, Adilson Batista e até Gilson Kleina...

Não há como não ficar traumatizado...

Joel Santana conversará com os dirigentes botafoguenses hoje pela manhã, antes do treino...

E vai decidir a sua vida amorosa...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Leandro Damião. Da 3ª Divisão de Campeonato Brasileiro à Seleção em três anos. Parece novela…

divulgacao345 Leandro Damião. Da 3ª Divisão de Campeonato Brasileiro à Seleção em três anos. Parece novela...
Leandro Damião acaba de ser convocado por Mano Menezes.

Alexandre Pato e Nilmar estão contundidos e não deverão jogar contra a Escócia.

O jovem atacante do Internacional deverá formar uma inusitada dupla com Jonas.

Mas vale a pena contar um pedaço da história de Leandro Damião, a grande promessa do Inter.

Típica de um programa aos moldes do antigo e lacrimejante Esta é a Sua Vida.

Paranaense, filho de lavrador, Leandro Damião não tinha profissão definida.

Só estudava, tinham talento mas não oportunidade.

Viajou com o pai para trabalhar no violento bairro do Jardim Angela em São Paulo.

Jogava futebol em parques públicos à beira da represa do Guarapiranga.

Lá conseguiu indicação para fazer teste no glorioso Atlético de Ibirama, de Santa Catarina.

Como volante.

Acabou fracassando na peneira.

Considerado muito desengonçado.

Dispensado, não se deu por vencido.

E pediu ao próprio presidente do clube nova chance.

Disse que era pobre e não poderia voltar para casa.

Por dó, o dirigente concordou.

Só que na segunda peneira atuou como centroavante.

Passou...

Ou seja: em 2008, ele estava na Terceira Divisão do Campeonato Brasileiro pelo Marcílio Dias.

Depois de passagem relâmpago Cidade Azul, foi parar no Internacional.

Deveria ter custado R$ 400 mil, mas chegou de graça...

Forto como um touro e com inesperada habilidade, os gols começaram a surgir.

De cabeça, canela, esquerda, direita e depois de sensacionais arrancadas.

Ganhou o lugar de Alecsandro.

E a cobiça dos clubes europeus.

Logo o Inter fixou sua multa rescisória em 50 milhões de euros.

No início do ano, Mano Menezes se reuniu com vários jornalistas de Porto Alegre para um bate papo.

E lá confidenciou que estava de olho em Leandro Damião para a Olimpíada.

E essa convocação foi para que o garoto de 21 anos ganhe maturidade.

Mas como tudo na vida de Leandro Damião é imprevisível, ele pode até ganhar espaço de verdade na principal.

Poder ser o cabeceador que Mano tanto busca...

Vale lembrar que o jogador não teve trabalho de base.

Não era atleta profissional até os 17 anos.

Menino, adora comemorar seus gols colocando um bigode de plástico no nariz.

Em homenagem ao batalhador pai, Natalino, que o levou para trabalhar no Jardim Angela e abriu as portas do futebol ao filho.

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Fluminense. O desespero e o improviso para contratar um técnico para quarta-feira. No jogo de sobrevivência ou morte na Libertadores…

divulgacao838 Fluminense. O desespero e o improviso para contratar um técnico para quarta feira. No jogo de sobrevivência ou morte na Libertadores...
Dorival Júnior, Luiz Felipe Scolari, Cuca, Levir Culpi disseram 'não'.

Abel Braga não quer se comprometer agora e quer responder no final do mês se assume o time em maio.

Há quem defenda tentar tirar de qualquer maneira Joel Santana do Botafogo.

Uma tristeza o que a diretoria está fazendo com o Fluminense.

O campeão brasileiro não tem treinador depois da estranha renúncia de Muricy Ramalho.

O time caiu nos braços de Ronaldo Torres.

Preparador físico...

Foi muito triste a derrota para o Boavista no sábado...

Só o dinheiro da Unimed não está sendo suficiente para resolver tanta bagunça.

Mostra que a nova diretoria do clube não tinha idéia do que aconteceria quando pressionou Muricy por resultados.

Com a sua demissão, o barco virou de uma maneira constrangedora.

A hora é de olhar na parte de baixo da lista de técnicos.

As prioridades já foram.

Então, é ver quem sobrou.

Os mais fáceis, que estão 'na mão'...

Caio Júnior, Adilson Batista...

A idéia de uma simbiose cresce...

Contratar Alfredo Sampaio como 'tampão' até que, em maio, assuma Abel Braga...

Se ele e Deus quiserem...

Houve uma cruel inversão nas expectativas...

O presidente Peter Siemsen que tanto pressionou Muricy Ramalho agora é pressionado...

Conselheiros querem uma resposta imediata.

Um técnico de grande gabarito ainda hoje.

Porque o time jogará quarta-feira pela Libertadores.

Se não vencer o América do México no Engenhão se despede da competição ainda na primeira fase.

Um vexame sem cabimento...

As reuniões se sucedem nas Laranjeiras.

Depois do não de Levir Culpi, empresários do Brasil todo correm atrás de um bom nome.

Para, na base do improviso, assumir o time na quarta-feira...

Fred, único jogador com moral para cobrar publicamente a situação, quer uma solução imediata.

Fala em nome do time.

Todos os atletas estão assustados com a desorganização que domina o campeão brasileiro...

Peter Siemsen disse que iria dar um choque de gestão ao assumir o clube no lugar de Roberto Horcades...

Deu mesmo...

(E o constrangimento ficou pior.

Adilson Batista recusou o convite para treinar o campeão do Brasil.

Depois de ser demitido por Corinthians e Santos, não quis o Flu.

A solução foi Gilson Kleina, técnico da Ponte Preta...

O toque absurdo.

Ele pode ficar como tampão de Abel Braga até maio.

Pode.

Não há certeza alguma...

De nada nas Laranjeiras...

É ele, sem dúvida...

O tal choque de gestão...)

(Só que teve mais um capítulo da série "Tá todo mundo louco, oba..."

Apesar de o Fluminense anunciar oficialmente Kleina como seu treinador, tudo mudou...

Quando ele soube que o contrato era apenas de três meses para esperar Abel Braga...

Resolveu não aceitar.

Preferiu a sua querida Ponte Preta...

Choque de gestão...

Lindas palavras....

Mas vou ficar com o refrão...

"Tá todo mundo louco, oba...oba...oba..."

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Jon Jones. O cruel massacre da prepotência e do talento norte-americanos. Força, Shogun…

divulgacao332 Jon Jones. O cruel massacre da prepotência e do talento norte americanos. Força, Shogun...
A dor de ver Shogun dominado, massacrado, por Jon Jones durou a madrugada inteira.

Uma cruel mistura de sentimentos se impôs a quem viu e ouviu o grande Mauricio Rua após a luta.

Os olhos queriam ir para outro lugar, mas estavam hipnotizados, presos no rosto do brasileiro.

Os dois olhos inchados, boca e nariz sangrando, desfigurado.

Na hora da explicação para o mundo da derrota...

Vergonha, tristeza, impotência de um vencido...

Ser guerreiro no coração e na alma deixou tudo mais difícil...

Porque ele sabia que se passou o pior que poderia acontecer...

Foi subjugado.

O coração queria, mas a força era menor.

O fôlego.

O brilho nos olhos estava apagado.

Os longos meses de recuperação no joelho esquerdo tiraram o ritmo do lutador...

Sem velocidade, potência nos golpes...

Shogun se tornou um alvo fácil...

Parado, pronto para o triste massacre...

Era a disputa do cinturão dos meio-pesados do UFC.

Entre um lutador de 29 anos contra um de 23...

Mas o brasileiro parecia ter 55 e o americano 18...

Tamanha a disparidade de energia, de repertório de golpes...

O mundo do MMA anglo-saxônico já está enfeitiçado por Jon Jones.

1m94, ágil, veloz demais para sua altura.

Dono de cotoveladas cinematográficas, chutes altos impressionantes e inusitadas imobilizações...

Tudo isso já é mais do que impressionante.

O que faz os corações americanos bater mais rápido de orgulho é a atitude.

Sua confiança ultrapassa a barreira da arrogância, prepotência.

Há anos seus autógrafos terminavam com a seguinte frase: futuro campeão do UFC...

Poucar horas antes da luta o destino o fez um grande motivo de orgulho nacional.

Ele e seu staff viram um drogado quebrar o vidro de um carro e roubar um GPS.

Surgiu aí o heróico Jon Jones, um sobrinho mais moreno e afastado do tio Indiana...

O lutador correu e agarrou o drogado e devolveu o GPS para a dona do carro, uma velhinha.

Cena de cinema.

E colocada de imediato no twitter.

Com direito a foto.

Isso horas antes da luta.

Além de confiante, um herói.

Os olhos do interesseiro presidente Dana White brilharam com a história.

Só faltava agora massacrar o brasileiro.

E foi o que Jones fez sem piedade e perda de tempo.

Bastaram dois assaltos e seu muay thai liquidou Shogun.

Joelhadas, chutes, socos...

Como se acertasse um saco de areia e não o dono do cinturão...

O árbitro Herb Dean avisou várias vezes a Shogun que iria parar a luta, o massacre...

No terceiro assalto, ele já havia dado a vitória ao americano quando o brasileiro bateu no chão três vezes...

Ele desistia de uma luta que tinha acabado.

Simbólico.

Foi duro, triste, mas real como a vida...

Pode dar raiva, tristeza pela brilhante carreira de Shogun...

Mas o arrogante e talentoso Jon Jones merece lhe tomar o cinturão.

O mundo aplaude os vitoriosos, aqueles que pisam, massacram quem ousam passar pela frente.

E aos vencidos só restam os olhares de desolação, pena, rejeição...

Ninguém quer se imaginar na pele do perdedor...

Força Shogun...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Luxemburgo escolheu a melhor maneira de abrir o Flamengo a Adriano. Com um brinde de cerveja…

divulgacao281 Luxemburgo escolheu a melhor maneira de abrir o Flamengo a Adriano. Com um brinde de cerveja...
Vanderlei Luxemburgo é um sobrevivente.

Quem não deu sua carreira como acabada durante a CPI do futebol em 2000?

Mas ele conseguiu dar uma grande virada e segue trabalhando normalmente.

Perdeu a Seleção Brasileira, é verdade.

Mas não tem o que reclamar da sorte.

Trabalha no clube mais popular do Brasil.

Vem de uma sequência desconfortável de demissões, falta de convite para continuar.

Ameaça de rebaixamento.

Palmeiras, Santos, Atlético Mineiro.

O seu clube de coração foi a salvação na decadência.

Chegou ainda com toda moral para implantar sua filosofia.

O Flamengo não foi bem no final de 2010, mas não foi rebaixado no Brasileiro, como muitos temiam.

Luxemburgo teve espaço para fazer a renovação que desejou.

E ganhou um brinde.

Caiu no seu colo, direto de um triste leilão, Ronaldinho Gaúcho.

Jogador apaixonado pela noite, mas dócil demais.

Fácil para o vivido Vanderlei aplicar sua neurolinguistica e o convencer a ser um exemplo de dedicação.

Na hora do treino, ele é o primeiro a chegar e o último a sair.

Em compensação, o técnico se transformou no grande escudo para os exageros de Ronaldinho nas madrugadas.

Foi longe para isso.

Se esqueceu que é avô e técnico do Flamengo e não teve respeito por sua carreira.

Classificou os jornalistas que cobraram as farras do jogador no Carnaval como um bando de 'Manja Rola'.

E ele estava pronto para seguir feliz da vida.

Até que Adriano foi dispensado pela Roma.

Aí, tudo virou um inferno.

A presidente Patricia Amorim já havia dado a sua palavra ao jogador.

Quando ele quisesse voltar ao Brasil, o Flamengo sempre estaria com as portas abertas.

Em qualquer circunstância, a Gávea seria sua casa.

Adriano quer voltar a ser tratado como uma estrela, um enviado dos Céus.

Foi pressionado, ridicularizado no seu retorno ao futebol italiano.

Não marcou sequer um mísero gol.

A mídia carioca percebeu que, em vez de um grande ídolo, o Flamengo poderia ter dois.

Os torcedores flamenguistas também se assanharam.

A dupla seria maravilhosa para atrair investidores, audiência, dinheiro à Gávea.

Leitores, telespectadores, acessos à Internet.

Luxemburgo sentiu seu poder ameaçado.

Seu domínio sobre a equipe.

Adriano é refratário a qualquer truque neurolinguistico.

Faz o que quer.

E na hora em que bem entende.

Sua diversão principal é faltar a treinos importantes.

Fora as confusões nas festas funk nas comunidades.

Luxemburgo tentou dizer não.

Falou várias e várias vezes que ele não se encaixava na filosofia do Flamengo.

Para a sua maior falta de sorte, surgiu o Corinthians realmente interessado no atleta.

Ronaldo foi o mentor de um contrato de risco de três anos para o atacante.

E a garantia de proteção por parte da torcida corintiana até à volta à Seleção Brasileira.

Mesmo pressionado demais, Luxemburgo disse não outra vez.

Queria que sua palavra fosse final.

Como o médico a decretar a hora da morte para constar no atestado de óbito.

Mas não percebeu que, mesmo com seu ego inigualável, era pequeno para essa briga.

Acabou dando cambalhota nesta avalanche de pressão pelo retorno de Adriano.

Esperto, abriu os olhos para os inúmeros recados de Patricia Amorim.

Quando se viu só, mais até do que o ex-presidente Collor, na sua renúncia, Luxemburgo cedeu.

Disse que não disse o que todos o ouviram dizer.

Infelizmente não é possível maniputar a realidade.

E que há espaço no Flamengo para Adriano.

Desde que se encaixe na filosofia do clube.

Ah...então tá...

Com em um fraco roteiro de novela ruim, o palco para a grande reconciliação está montado.

Amanhã na comemoração de aniversário de Ronaldinho Gaúcho.

Luxemburgo escolheu uma simbólica maneira de dar boas-vindas ao jogador que teve assumido problema com alcoolismo.

Vai tomar uma cerveja com Adriano.

Perfeito.

Melhor final para essa situação caricata não poderia haver...

Luxemburgo e Adriano brindando com dois copos de cerveja para os fotógrafos...

Registro que ficará para toda a eternidade...

Este técnico é ou não é um sobrevivente?

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Cuca. O responsável pelo Cruzeiro, rei das goleadas na Libertadores. “Meu time não se contenta em ganhar. Quer marcar o máximo de gols possível…”

reuters02 Cuca. O responsável pelo Cruzeiro, rei das goleadas na Libertadores. Meu time não se contenta em ganhar. Quer marcar o máximo de gols possível...
Foram inúmeros pedidos.

Como não escrever sobre a goleada diante do Tolima?

A incrível campanha do Cruzeiro na Libertadores?

Que bairrismo...

Mas estava atrás de algo além da minha opinião.

Descobrir o segredo do time.

Qual a explicação para tantos gols na Libertadores?

Como transformar o grupo da morte em um belo passeio no parque.

Só alguém tem o dom destas explicações.

Uma entrevista exclusiva muito pedida.

O técnico Cuca...

Como é que você pode explicar as seguidas goleadas do Cruzeiro no Grupo da Morte?

Seu time é o grande favorito da Libertadores?

Pode parar com essa história de favoritismo.

Não leva a nada.

O que conta é quem ganha no final a Libertadores.

Fiz uma ótima campanha com o São Paulo.

E em um dia ruim fomos mal e acabamos desclassificados pelo Onze Caldas.

Não canso de repetir aqui no Cruzeiro: calma, muita calma.

Sem empolgaçao...

Temos de trabalhar muito.

Sei que a ofensividade da equipe é muito grande.

Temos muitos jogadores inteligentes, capazes de criar inúmeras chances de gol durante a partida.

O Cruzeiro entra em campo buscando vencer.

E marca quantos gols puder.

Daí as goleadas.

O time não se satisfaz só com as vitórias.

Isso está nos jogadores.

E seja contra quem for.

Mantivemos a base do ano passado.

E trouxemos peças que deixaram o elenco mais forte.

O time está encaixando, mas vamos com muita calma...

Muita gente acreditou que o Cruzeiro estaria mais fraco nesta Libertadores.

Deixou sair jogadores importantes e não contratou tão bem assim.

Aí é que está o erro de avaliação da imprensa.

Jogadores como o Wallyson, o Pablo, Diego Renan não são badalados, conhecidos.

Mas têm grande talento.

Nome apenas não quer dizer nada.

Saíram atletas que poderiam sair.

O Cruzeiro está surpreendendo muita gente, só que os jogadores foram escolhidos com todo cuidado.

E o time se encaixou.

Sabe o que quer em campo.

Como você lidou com o problema Roger?

Quando ele estava reclamando da reserva muita gente acreditou que deixaria o clube...

Nós iríamos resolver o problema internamente, mas vazou para a imprensa.

Só que resolvemos da seguinte maneira: vai jogar que estiver melhor.

E quem escolhe sou eu.

Esse é o critério.

Não escondo de ninguém.

Todos precisam saber que a pessoa que define a escalação do Cruzeiro sou eu.

E pronto.

Me acertei com o Roger na base da honestidade.

Agora ele está jogando muito bem e é titular.

Penso primeiro na equipe e depois no jogador.

Essa é a minha obrigação como treinador...

Cuca muitas vezes você tenta segurar a equipe.

Não deixá-la tão francamente ofensiva...

Futebol é equilíbrio.

O time já marcou 36 gols este ano em partidas oficiais.

A equipe é ofensiva por natureza.

A força defensiva precisa ser tão boa quanto.

Há circunstâncias na partida que os jogadores se esquecem que precisam também travar o adversário.

A goleada diante do Tolima por 6 a 1 foi ótima.

Mas eu tenho de prestar atenção e corrigir os erros de marcação.

Não saí satisfeito porque o adversário teve chance de marcar mais gols na nossa equipe.

Não dá para fazer festa com a goleada e fazer de conta que está tudo bem.

Porque não está...

Essa visão não é um pouco exigente demais?

De jeito nenhum.

Vai começar o mata-mata na Libertadores.

Basta jogar uma partida mal.

Uma só.

E tudo se acaba.

A Libertadores é uma competição muito traiçoeira.

Por isso a concentração precisa ser total.

O foco não pode ser perdido em momento algum.

Esse grupo que montamos quer muito ganhar a Libertadores.

Muito.

Mas não pode se esquecer do formato da competição.

Não admite erros.

Por falar em erros, você já assimilou a perda do Brasileiro?

Aquela derrota contra o Corinthians no Pacaembu, com arbitragem do Sandro Meira Ricci tirou o seu título?

Olha, Cosme, todos nós sabemos o quanto fomos prejudicados naquela partida.

Mas perdemos o Brasileiro quanto Palmeiras e São Paulo entregaram seus jogos para o Fluminense.

Foram seis pontos.

Em condições normais, os cariocas iriam fazer no máximo quatro pontos, três ou até dois.

Mas como jogaram com equipes sem interesse em ganhar, conseguiram seis pontos.

Quisera eu enfrentar partidas assim.

Nós perdermos o Brasileiro graças à postura de São Paulo e Palmeiras diante do Fluminense.

Fazer o quê?

Não dependeu de falta de esforço de nossa parte.

Por falar na partida contra o Corinthians, o que foi aquele murro na mesa?

Você mudou o seu estilo, mostrou mais vibração, passou mais comando...

Foi bonito o soco na mesa, não foi?

A imprensa do Brasil gostou, não foi?

Mas me custou 30 dias de suspensão.

Trinta dias.

Não dá para ficar protestando e acabar sendo suspenso quando sua equipe foi prejudicada.

Já passou.

Só que é preciso tomar muito cuidado para se posicionar no futebol brasileiro.

Mesmo tendo sido prejudicado.

Mas não sou mais de ficar lamentando pelos cantos.

A gente evolui nesta vida.

Como você viu a saída do Muricy, a implosão do Fluminense?

Ninguém pode ficar satisfeito com uma situação dessas em um grande rival.

Mas eu quero falar uma coisa.

O Rio de Janeiro é uma cidade litorânea.

Não tem muitas áreas disponíveis para construção de Centro de Treinamento.

Quando se encontra são áreas caríssimas.

Sei muito bem o que o Fluminense passa porque fui treinador por lá.

A construção de um CT é algo muito complicado.

Não é tão simples quanto as pessoas podem imaginar.

Como é disputar a Libertadores tendo a obrigação de vencer o Mineiro?

O Adilson Baptista caiu mais por haver perdido o Mineiro do que a Libertadores...

É uma situação muito complicada.

Não é nada confortável.

O Cruzeiro sabe da sua obrigação de vencer o Mineiro.

E eu não fujo dela.

Por isso montamos um elenco com inúmeras variáveis.

E jogadores são poupados e mesmo assim, o time entra forte no Mineiro.

Mas não podemos disfarçar que o interesse maior é a Libertadores, é lógico.

Se o Adilson tivesse ganho a Libertadores poderia perder o Mineiro.

Como perdeu os dois, veio a pressão.

No Brasil só se respeita os campeões.

Só eles não são questionados.

E olha que exitem equipes campeãs com tantos problemas...

Cuca, você tem o melhor jogador no Brasil, o Montillo?

Ele não deveria jogar menos partidas, ser mais poupado?

Como todos no Cruzeiro, qualquer atleta só entra em campo quando está em condições.

Todos sabem aqui que o Montillo pede constantemente para jogar.

Eu que resolvi segurar, pará-lo um pouco.

Porque se depender dele, ele atua em todos os jogos.

Por isso não tem cabimento a notícia que ele estava sendo exposto.

Muito pelo contrário.

Ele está sendo muito preservado.

Fica a explicação para quem pretende tumultuar o nosso ambiente.

Sabemos muito bem quem pode e quem não pode jogar...

Ninguém está brincando com o Montillo por aqui...

Mas ele é o melhor do Brasil ou não?

Não gosto de destacar apenas um atleta do meu time.

O Montillo tem uma técnica apurada e é um jogador que não para de lutar pela vitória.

Que treinador não iria gostar de ter um meia assim?

Eu estou bem satisfeito com ele.

Como estou com toda a equipe.

Como se ganha uma Libertadores, Cuca?

Também quero saber.

Nunca ganhei nenhuma.

Estou trabalhando da melhor maneira possível para chegar a minha vez de ser campeão.

O Cruzeiro está indo muito bem.

Me sinto animado, contente com o rendimento do trabalho.

Sei o que o time está conseguindo mostrar.

Estamos em um ótimo caminho.

Mas mantenho os dois pés no chão.

A Libertadores é muito traiçoeira.

Muito...

Nós, do Cruzeiro, não seremos surpreendidos pela empolgação de ninguém...

Queremos ganhar a Libertadores e estamos trabalhando sério com esse objetivo.

O segredo do Cruzeiro é o seu trabalho sério...