Ronaldo e Roberto Carlos: a fumaça explica tudo…

AE Ronaldo e Roberto Carlos: a fumaça explica tudo...
Uma imagem fala mais do que mil palavras?

E duas imagens, então?

As fotos não mostram dois fumantes inexperientes.

Não aprenderam a fumar na festa para Anderson Silva, ontem, na casa de Ronaldo.

Roberto Carlos faz até pose para puxar a fumaça para os pulmões.

Eram esses dois atletas, um de 34 anos e outro de 37, que o Corinthians depositava toda a confiança.

A diretoria e os torcedores sonhavam que eles iriam comandar o time para ganhar a Libertadores.

Literalmente, a confiança virou fumaça.

Triste imagem que sela, fecha o ciclo de vez.

Boas tragadas, empresário Ronaldo...

Que a Rússia tenha ótimos cigarros, Roberto Carlos...

AE2 Ronaldo e Roberto Carlos: a fumaça explica tudo...

“Chegou a minha hora de cobrar a administração do Santos. Ela que só vive de promessas vazias e ilusão…”

flickr1 Chegou a minha hora de cobrar a administração do Santos. Ela que só vive de promessas vazias e ilusão...

Marcelo Teixeira.

Dez anos presidente do Santos Futebol Clube.

Mudou de vidraça para pedra.

E que pedra...

Em entrevista exclusiva, ele demonstra toda a sua indignação com a administração de Luís Álvaro.

"Chegou a minha hora de cobrar. Cadê o fundo de investimentos de R$ 40 milhões para contratar jogadores?

Por que dar parte do Neymar e do Arouca para comprar Elano com 29 anos?

Ninguém sabe quem são os investidores, de onde vem o dinheiro para comprar jogadores.

Ou mesmo para pagar salários de R$ 500 mil a Neymar, quem paga e por quê?

Ninguém sabe. É tudo um enorme mistério.

O Ganso veio me visitar, ele é um jogador triste no Santos pela diferença de tratamento dado ao Neymar.

Como é que eles tiveram coragem de vender o André e o Wesley? Perdemos o Brasileiro na saída dos dois.

Essa administração só teve um mérito que foi contratar o Dorival Júnior, porque o resto eu deixei.

E o que eles fazem depois? Demitem Dorival de maneira amadora para proteger Neymar. Ridículo!

Essa administração só vive de promessas vazias e ilusão..."

Marcelo, vamos começar logo falando sobre acusações a seu respeito.

Que a família Teixeira tratava o Santos como mais uma propriedade.

E que você emprestava dinheiro ao clube e pegava de volta com juros que só você sabe...

É ótimo falar assim de maneira aberta para esclarecer o que muita gente suja tenta passar para a imprensa.

Primeiro, a família Teixeira tem uma história linda de amor ao Santos.

Meu pai, Milton Teixeira, dedicou grande parte da vida dele ao clube.

Foi eleito presidente.

Depois eu decidi concorrer e também assumi o cargo.

As eleições foram abertas, livres.

Desculpe, mas você ficou dez anos, não foi tempo demais?

Os eleitores, os associados, os conselheiros do Santos quiseram assim.

E para deixar claro, nunca tratamos o Santos como nossa propriedade, nunca.

Só fizemos o possível e o impossível para modernizá-lo, demos estrutura, times e títulos.

Mas e os empréstimos constantes que você fazia para contratar e em seguida retirava o dinheiro?

Tudo não era feito sem controle? Nos clubes os presidentes fazem o que querem....

Cosme, eu sou uma pessoa que nem preciso falar em honestidade.

As minhas contas passaram por inúmeras auditorias comandadas pela oposição.

Eu faço questão de ser claro.

O que falo posso provar, não sou covarde como muita gente que fala pelas costas para denegrir a honra das pessoas.

Emprestei porque o Santos precisou e retirei de volta porque o dinheiro era da minha família.

Mas o que você pode dizer dessa atual administração?

Que ela deve ter decepcionado muita gente.

Não a mim porque eu sabia quem estava assumindo o Santos.

Fizeram mil promessas e até agora, nada.

Cadê o fundo de R$ 40 milhões para contratar jogadores?

Cadê os grandes patrocinadores?

Juraram que iriam mandar as contas de três em três meses para as casas dos conselheiros.

E nada!

É uma administração que está usufruindo o que eu deixei.

Em dez anos conseguimos montar uma infraestrutura invejável.

Centro de Treinamento, alojamentos, estádio reformado.

Tudo de primeiro mundo e altíssimo nível.

E o maior e imenso patrimônio: os jogadores.

Mas dizem que o que você deixou em caixa foi irrisório...

Foi sim irrisório, admito.

Mas deixei o maior patrimônio que qualquer presidente gostaria de ter.

Jogadores fabulosos como Neymar e Ganso.

O Neymar eu fui buscar na unha, com 15 anos, o Wagner Ribeiro o havia levado para a Espanha.

O resgatei e o enfrentei para manter o jogador na Vila Belmiro.

A situação acabou sendo irônica.

Queriam me desmoralizar, mas ficaram sem graça.

O Santos ganhou logo de cara o Paulista e a Copa do Brasil.

Como é que iriam falar mal da herança que receberam?

Eu deixei o Santos em uma situação econômica equilibrada, estrutura e com excelentes jogadores.

Mas Marcelo, por que vender parte de Wesley, André e Ganso ao Delcir Sondas?

Não foi um péssimo negócio para o Santos?

Eu vendi pequenas partes de sete jogadores da base e que não havia a certeza se eles iriam dar certo ou não.

Foram sete atletas.

Quatro deles não obtiveram sucesso e foram emprestados, não estão nem no Santos.

Foi 1,8 milhão de euros pela porcentagem dos direitos dos jogadores.

Na época, o Santos estava precisando e foi um ótimo negócio para o clube.

Você não está arrependido dessa negociação?

Para o grupo DIS se mostrou uma ótima transação...

Não. Porque, repito, na época ninguém saberia o que iria acontecer com esses atletas.

E vou ser ainda mais claro.

Eu poderia vender os atletas para o Exterior, lucrar o que pudesse e acabou a história.

Só que consegui segurá-los e ainda consegui dinheiro para administrar o clube.

Péssimo negócio fez essa administração ao vender André e Wesley...

Como assim?

Venderam o André, atacante da Seleção Brasileira, por 8 milhões de euros.

Valor baixíssimo, ridículo.

O Wesley também tinha um enorme potencial e saiu barato.

O Santos perdeu duas peças fundamentais por falta de visão dessa diretoria.

Eu posso bater no peito e dizer que segurei o Robinho e o Diego por quatro anos depois que eles estouraram.

Eles não têm moral para falar nada.

Vamos ver quanto tempo eles segurarão o Neymar e o Ganso...

Por falar nisso, você foi acusado de ter oferecido, junto com o Delcir, Ganso ao Andrés Sanchez...

Isso é uma calúnia!

Quando eu iria me submeter a oferecer jogador do Santos que eu amo tanto ao Corinthians?!

Quero que provem...

Ficam jogando coisas no ar para manchar a minha reputação.

Eu não faria um absurdo desses nunca.

Antes de ser oposição, eu amo o Santos.

Quem não ama o clube e vive de mérito alheio é a situação.

Ou não fui eu quem levou João Havelange na Vila Belmiro e pedi a ele o reconhecimento dos Brasileiros do passado?

O que fez o atual presidente?

Foi buscar as medalhas e posar para as fotos...

Você disse que estava também indignado com a contratação do Elano...

Estou. Não por ele, porque tem muito talento.

Mas como ela foi feita.

Oferecer parte do Neymar e Arouca foi um absurdo.

Lesaram o clube.

O Elano tem 29 anos e o seu caminho natural seria voltar ao Santos.

Mas sem sacrificar parte do Neymar e Arouca...

Isso foi um desperdício inacreditável que não pode passar batido.

A opinião pública precisa acordar, os santistas precisam pensar no que está acontecendo...

Por que o Neymar e o Ganso não tiveram chances reais sob sua administração?

Por que o Luxemburgo não os punha para jogar?

Para preservá-los. Eles não estavam prontos para suportar a pressão.

Foi o acertado.

Se eles estão jogando com tanto talento hoje em dia é porque não foram queimados quando eram mais jovens.

E mais, não se esqueça que, se o Santos teve Robinho, Diego, Neymar, Ganso, Wesley, André e tantas revelações, não foi por acaso.

Eu montei uma estrutura nas categorias de base excelente.

Quem tinha Zito, Formiga, Lima, Paulo Róbson para descobrir talentos?

Só o Santos, comigo.

Para deixar bem claro: o que você achou da demissão do Dorival Júnior?

Amadora.

O presidente do Santos quis agradar o Neymar, que é um menino e prejudicou o clube.

O melhor treinador atualmente foi mandado embora de maneira inadmissível.

Não dá para aceitar a postura da diretoria.

E isso influencia o clube até hoje...

Marcelo, como você resumiria essa administração do Luís Álvaro?

Eu posso dizer que ela é feita de ilusões, não tem substância.

E mostra méritos de conquistas que não são dela.

Falam demais, mas mostram uma postura amadora.

Estão preocupados só em enganar os nossos associados falando em marketing, marketing e marketing.

Não há como não se decepcionar.

Isso se alguém acreditou nas promessas de campanha...

Você está falando tudo isso por que será candidato à presidência novamente?

Não, de jeito nenhum.

Já dei dez anos da minha vida ao Santos.

Agora preciso me dedicar à minha família, minha faculdade, minhas coisas.

Mas estou em uma posição tranquila para cobrar.

Quero que a atual administração cumpra o que jurou que iria fazer.

E enquanto não fizer, vou falar.

Chega de ficar ouvindo justificativas, mentiras.

Não vão jogar os seus erros, a sua péssima maneira de administrar em cima de mim.

Não vou admitir, por isso resolvi falar para você, Cosme...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Lucas, multa de R$ 180 milhões. Mais um milagre de Wagner Ribeiro. O empresário que os dirigentes odeiam…

divulgacao276 Lucas, multa de R$ 180 milhões. Mais um milagre de Wagner Ribeiro. O empresário que os dirigentes odeiam...
Wagner Ribeiro deve ter um pacto com os céus.

Depois de Kaká, Robinho, Neymar, agora foi Lucas quem caiu nas suas mãos.

E conseguiu para o garoto a maior multa de todos os tempos no futebol brasileiro.

Nada menos do que 80 milhões de euros.

Ou seja: mais de R$ 180 milhões.

O contrato vai até 2015.

O salário do garoto saltou de R$ 12 mil para R$ 120 mil.

Wagner Ribeiro havia prometido que se não houvesse valorização extrema do meia, o levaria embora.

A direção do São Paulo se dobrou a ele novamente.

Assim como fez nos primeiros aumentos que deu a Kaká.

Os métodos de Ribeiro são odiados pelos grandes clubes.

"Eu sei o potencial econômico de cada equipe no Brasil.

E exijo o máximo para o meu jogador.

Se não quiserem pagar, o levo para o Exterior.

Conheço gente demais na Europa.

E esse pessoal está sempre esperando um atleta brasileiro com potencial."

Foi assim que ele dobrou Juvenal Juvêncio.

Ele não estava disposto a pagar mais de R$ 40 mil a Lucas.

Só que depois do sensacional Sul-Americano sub-20 que disputou, o presidente teve bancar três vezes mais do que imaginava.

Lucas terá um plano de carreira no São Paulo.

Terá aumentos ainda periódicos e bônus por títulos e convocações.

Lembrando que Wagner Ribeiro era gerente de banco em Jaú.

E, contrariado, decidiu empresariar um atacante com grande potencial chamado França.

Ele o levou para o Morumbi e o empresário decolou.

"Eu percebi o quanto havia de aventureiros e gente despreparada", me confessou.

Ribeiro tem mais de 100 jogadores.

Diz que dá atenção a todos.

E garante que o valoriza como se fossem Pelé.

Sua grande façanha recente foi fazer o Corinthians fixar a multa de Lulinha em R$ 50 milhões.

E mais R$ 40 mil mensais.

Em 2007.

O jogador acabou saindo de graça para o Estoril de Portugal em 2009.

De lá foi para o Olhanense, também time lusitano.

Para piorar, Lucas estava no Corinthians.

Usava o nome de Marcelinho em homenagem a Marcelinho Carioca.

Saiu do Parque São Jorge para o Morumbi.

De graça.

Reclamava de falta de atenção.

Logo entrou para a lista dos contratados de Ribeiro.

Por isso, Andres Sanches não pode nem ouvir o nome do empresário.

Nem ele, nem a maioria dos dirigentes do Brasil.

Para eles, Wagner Ribeiro é sinônimo de muito dinheiro saindo dos clubes e indo parar nos bolsos dos jogadores.

E no dele, lógico...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

A vida infernal de Assis em Porto Alegre. Culpa do leilão que fez por Ronaldinho Gaúcho…

divulgacao025 A vida infernal de Assis em Porto Alegre. Culpa do leilão que fez por Ronaldinho Gaúcho...
Depois do mais monumental leilão já feito por um jogador no Brasil, o que sobrou para o leiloeiro?

Assis, quem colocou Ronaldinho Gaúcho no Flamengo, nunca mais teve sossego.

Depois que o Grêmio perdeu seu irmão para o time carioca, os torcedores ainda o perseguem.

É xingado por onde passa.

Recebe ameaças por telefone, e-mail.

Para piorar é obrigado a circular perto da sede Grêmio.

"O Assis é dono do Porto Alegre, time que disputa a Primeira Divisão.

O entrevistei e ele foi claro, direto comigo.

Me revelou que desde o leilão, ele anda com um grupo de seguranças.

E disse estar tranquilo porque ninguém iria arriscar a vida tentando uma agressão."

David Coimbra, escritor e editor de Esportes do Zero Hora, me revela o temor de Assis.

A direção gremista garante que negocia com qualquer empresário do planeta.

Menos com Assis.

Mesma situação em relação à direção do Palmeiras.

Palmeirenses e gremistas estão irmanados na rejeição a tudo que se relacione a Ronaldinho Gaúcho.

Assis não se preocupa muito em relação ao clube paulista.

Ele não é tão conhecido em São Paulo e ainda continua frequentando excelentes restaurantes.

Circula sossegado.

O mesmo não acontece na sua cidade, Porto Alegre.

Membros de torcidas organizadas gremistas prometeram nunca deixá-lo em paz.

Telefonemas com ameaças ainda são constantes.

Como os e-mails...

Ninguém esqueceu o fato de o melhor jogador da história do Grêmio estar no Flamengo.

Poupadas apenas dona Miquelina, mãe e Deyse, irmã.

Elas estão no Rio de Janeiro cuidando de Ronaldinho.

O próprio jogador?

"Desde que fechou com o Flamengo ele não teve coragem de pisar aqui em Porto Alegre.

É lamentável, mas é verdade", diz David Coimbra.

Tudo isso por causa da cobiça do empresário Assis, que confundiu transação de jogador com leilão.

Ganhou o dinheiro do Flamengo.

Que faça bom proveito.

Porque ele perdeu a paz...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Palmeiras ou Santos. Em um deles Roberto Carlos pretende encerrar a carreira. Corinthians? Nem pensar…

divulgacao1821 Palmeiras ou Santos. Em um deles Roberto Carlos pretende encerrar a carreira. Corinthians? Nem pensar...
Roberto Carlos vai ganhar o triplo que recebia no Corinthians.

Ele estava insatisfeito com o seu salário.

Vai ganhar cerca de R$ 900 mil a cada 30 dias.

Recém-promovido à Primeira Divisão Russa, o Anzhi Makhachkala tem sua estrela.

Fechou contrato por dois anos.

Entre luvas e salários, receberá R$ 22 milhões.

Nada mal para quem tem 37 anos.

A saída do Corinthians foi a pior da sua carreira.

Saiu mesmo pela porta dos fundos.

Sem a conquista de um mísero título.

Pior, na diretoria ninguém ficou emocionado com a sua transferência.

Pelo contrário.

Ele não foi o grande jogador que se esperava dele.

Nem o personagem capaz de movimentar o ávido marketing corintiano.

Com ligações profundas com o Brasil, ele vai para a Rússia e antes disso fez questão de dar algumas declarações.

Confirmou o que foi antecipado aqui no dia seguinte à eliminação diante do Tolima.

Disse que não 'amarelou' na partida decisiva da Pré-Libertadores.

E, como também foi escrito no blog, tascou a culpa no Tite.

Disse que poderia jogar 70 minutos, mesmo com dores na coxa direita.

E que disputou partidas contra Barcelona e as mais importantes pela Copa do Mundo jogando pelo Brasil.

Por isso não amarelou.

Só não foi claro se seguiria no Corinthians se o clube se classificasse para a fase de grupos.

Provavelmente, não.

A proposta que seu empresário Fabiano Farah trouxe do Anzhi Makhachkala foi fantástica.

Andrés já havia ouvido rumores que isso poderia acontecer.

Sabia que o lateral estava sendo sondado pelo futebol norte-americano.

Tanto que buscou Fábio Santos para qualquer eventualidade.

Porque não iria aumentar o salário de quem não estava rendendo, como Roberto Carlos.

A falta de entusiasmo e força de Ronaldo em seguir jogando assustou o lateral.

Ele sabia que o amigo poderia parar a qualquer momento.

E o deixaria na mão.

Assim, aceitou jogar na Rússia.

Na primeira entrevista para a imprensa russa ele disse que ele sempre desejou jogar por lá.

Então, tá...

Mas os mesmos amigos que ouviram o seu desabafo de que não pipocou contra o Tolima têm novidade.

Eles ouviram que ao final do contrato com o time russo, Roberto Carlos vai voltar.

E promete que aos 39 anos vai encerrar a carreira em uma equipe brasileira.

Está na dúvida entre Palmeiras e Santos.

Do Corinthians, cuja camisa nunca fez questão de beijar, o jogador não vai passar nem na porta...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Chore, Verón, agora é a sua vez de ser humilhado. Minas Gerais não é seu quintal..

reuters18 Chore, Verón, agora é a sua vez de ser humilhado. Minas Gerais não é seu quintal..
A grande queixa de quem acompanha o dia-a-dia dos times treinados por Cuca é a sua insegurança.

Ele não consegue passar firmeza, confiança.

Principalmente nos jogos mais importantes, decisivos.

Em Sete Lagoas, a partida não valia título, volta olímpica.

Mas talvez até tão importante.

Era o resgaste da dignidade.

Ninguém que teve o desprazer de assistir a final da Libertadores de 2009 vai esquecer.

Verón fez o que quis.

Pisou, deu cotovelada, intimidou Ramires e os demais jogadores cruzeirenses.

Até mesmo Kléber tremeu.

Tratou o Mineirão como se fosse o quintal da sua casa.

Foi o responsável pela conquista do Estudiantes.

E da frustração da torcida cruzeirense.

A dor ultrapassará gerações.

Adilson Batista era o comandante.

Com o passar do tempo, o nome Estudiantes passou a ser mais odiado do que Atlético Mineiro.

Os jogadores mentem quando afirmam que no futebol não há vingança.

Ainda mais quando a derrota ainda está viva.

E faz os olhos marejar.

O sorteio da Libertadores de 2011 premiou o vice-campeão brasileiro com o Estudiantes.

Na sua casa.

Pouco importa se o time argentino se enfraqueceu nestes dois anos.

A ponto de o treinador campeão da Libertadores no início deste mês tomar uma atitude drástica.

Diante da falta de reforços, Alex Sabella telefonou para o presidente Ruben Filipas e abandonar o cargo.

Isso no dia 2 de fevereiro, uma semana antes de começar o Campeonato Argentino.

Duas semanas antes da estréia na Libertadores, ontem, contra o Cruzeiro.

Sorte de Sabella.

Cuca conseguiu pela primeira vez incorporar a dor alheia.

Colocou o time para jogar por ele, por Adilson Batista, por Ramires, por Kléber...

Por toda torcida cruzeirense que ainda chorava, humilhada por Verón.

O Cruzeiro foi muito superior tecnicamente.

Mostrou que tinha Wallison e não sabia.

Que nas veias de Roger ainda corre uma substância vermelha.

E não é de barata.

Cuca abriu a cabeça e colocou Gilberto na ala esquerda.

E deixou o talento de Montillo e Roger se encontrar.

Eles destroçaram Verón e seus companheiros.

Cinco gols comemorados com raiva, indignação, vontade de chutar, amassar a Taça Libertadores que Verón ergueu...

5 a 0 foi a pior derrota da história do Estudiantes na história.

Mas o placar acabou sendo modesto.

Tamanha a raiva, a vontade de pisotear nos argentinos.

Cuca se mostrou um líder, combativo.

E logo depois de uma derrota para o Atlético Mineiro por 4 a 3.

Mas diante do Estudiantes, o jogo pelo campeonato estadual não teve a menor importância.

Pelo contrário.

Serviu apenas para um pouquinho mais de raiva.

Que o jogo sirva também de marco para a história de Cuca.

Que seus murros na mesa sejam mais constantes, menos artificiais.

Todos querem ter orgulho do seu comandante.

Hoje o cruzeirense se sente aliviado, confiante.

Há alguém mandando no Cruzeiro.

E ele responde pelo apelido de Cuca.

Que Verón tenha noites e noites de insônia.

Como as que provocou em 2009...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

O desprezo ao mentor Giovanni dá força a Ganso enlouquecer diretoria santista…

Assecom O desprezo ao mentor Giovanni dá força a Ganso enlouquecer diretoria santista...
Paulo Henrique Ganso não está sozinho nesta missão de enlouquecer o presidente Luís Álvaro.

Não posou sorridente com o ex-presidente e inimigo mortal, Marcelo Teixeira, por acaso.

Ele está sendo orientado.

Muito bem, por sinal.

Os executivos do grupo DIS, dono de 40% dos seus direitos federativos.

Eles estão rompidos com a atual diretoria santista.

E o ofereceram para sim para Andres Sanches.

O dirigente corintiano até poderia levantar R$ 45 milhões para depositar a parte do Santos.

A multa do meia para clubes brasileiros é de R$ 75 milhões.

R$ 30 milhões é a parte do DSI.

Conselheiros corintianos dizem que faltou coragem a Andres.

E que ele pensou antes na amizade com Luís Álvaro do que no Corinthians.

Vingativos, os executivos chegaram a flertar com o São Paulo.

Só que Paulo Henrique Ganso não quer confusão.

Acredita que se trocar o Santos por outro clube paulista não terá paz para andar na rua.

Ele pretende sair depois da Libertadores.

Não para um clube brasileiro.

Quer mesmo a Itália.

Já conversou sim com Leonardo, técnico da Inter de Milão.

E se ele continuas comandando o time em julho, o clube campeão do mundo virá tentar contratá-lo.

A multa total para o Exterior é de R$ 120 milhões.

A parte da empresa de Delcir Sondas é de R$ 48 milhões.

Ao Santos caberia R$ 72 milhões.

O motivo da raiva de Ganso foi o descaso como foi tratado enquanto esteve se recuperando da operação no joelho.

Enquanto Neymar era tratado como um rei e com os seus R$ 500 mil mensais, ele se contentava com R$ 127 mil.

A diferença é enorme.

E sempre o incomodou.

Luís Álvaro diz que estava esperando que se recuperasse para aumentar o seu salário.

E, lógico, a multa para uma eventual venda.

Nesta hora, vem do Pará outro conselheiro.

E que é muito respeitado por Ganso.

Foi ele quem o trouxe para a Vila Belmiro.

De graça.

O ex-jogador Giovanni.

Ele era apaixonado pelo Santos, por isso que levou o talentoso meia para lá.

Era apaixonado.

Porque detestou a maneira com que saiu pela porta dos fundos do clube.

Ele saiu no meio do ano passado, sem grande homenagem, sem jogo despedida.

Giovanni culpou o presidente Luís Álvaro que 'não teve tempo' de lhe dar atenção.

Se sentiu desprezado.

Foi da pior maneira que percebeu: seus tempos de idolatria, respeito por parte da diretoria haviam acabado.

Pois bem, chegou a hora da vingança.

E foi ele quem aconselhou seu pupilo a ser o mais frio com o presidente santista.

Giovanni sabe o que sofreu quando não pôde mais jogar seu futebol exuberante.

A maneira com que foi dispensado serve para exemplo a Ganso.

Por isso, a direção santista que se prepare.

Não perca tempo fazendo chantagem emocional com o meia.

Aconselhado pelo executivos do Grupo DIS e por Giovanni ele quer é sair da Vila Belmiro.

E joga pesado para continuar no Santos.

Só ficará se receber salário superior ao de Neymar.

As cartas estão na mesa.

E na mesa, uma jarra de açaí.

Vinda de Belém do Pará.

Cortesia de Giovanni.

Bom proveito, Luís Álvaro...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Adilson Batista, mais um que não teve coragem de dizer ‘não’ a Neymar…

divulgacao281 Adilson Batista, mais um que não teve coragem de dizer não a Neymar...
Valeu o sacrifício de Neymar, ontem na Venezuela?

Esgotado pelo Sul-Americano Sub-20.

Pela comemoração que varou a madrugada.

E em seguida a viagem do Peru para Caracas.

Enquanto isso, Adilson Batista tinha vários outros jogadores descansados, condicionados.

Mas cadê coragem ou percepção para colocar Neymar pelo menos no banco?

Fazer com que atuasse por 90 minutos foi um descalabro.

Não o substituiu por quê?

Trabalhou contra o próprio Santos.

Foi com certeza a pior atuação do jogador.

Prejudicou o próprio time.

Que sirva de lição a Adilson.

Empolgação, falta de enxergar um palmo à frente combina com um garoto de 19 anos.

Deslumbramento é o departamento de Neymar.

Não deveria ser do treinador do melhor elenco do Brasil.

O começo na Libertadores do Santos foi decepcionante.

Dois pontos desperdiçados diante do Deportivo Tachira.

Que podem fazer falta.

Talvez não na classificação para a próxima fase em si.

Mas na divisão dos clubes para o mata-mata.

Dois pontos na conta do seu técnico, que ninguém se esqueça.

Mais um na longa lista na Vila Belmiro que não soube dizer 'não' a Neymar...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

O único jogador no Corinthians que ficou muito satisfeito com a aposentadoria de Ronaldo…

divulgacao015 O único jogador no Corinthians que ficou muito satisfeito com a aposentadoria de Ronaldo...
Ele não assumirá nunca.

Até porque foi bem orientado sobre isso.

Porém um jogador está muito contente com a aposentadoria de Ronaldo.

Com a ida de Roberto Carlos para a Rússia.

Desde que começou 2011 os dois haviam decidido que ele era um mal para o Corinthians.

Mesmo tendo marcado 14 gols em 2010.

Viam nela um meia empolgado, querendo forçar sua convocação para a Seleção de Mano.

E resolvido a jogar sozinho.

Diagnosticaram que a inédita atenção da mídia na sua vida mexeu com sua cabeça.

De uma maneira que só um bom período na reserva resolveria.

Ainda mais porque o Corinthians iria disputar a Pré-Libertadores.

O adversário deveria ser fácil de ser batido.

Embora ninguém conhecesse o Tolima a ponto de saber o nome de sequer um jogador.

As conversas dos dois líderes do grupo também envolveram o treinador.

Tite também havia notado uma afobação.

Ansiedade de concluir as jogadas com seus chutes.

Não importando a colocação dos outros companheiros.

Falta de paciência para trabalhar a bola.

E fatal para o técnico que tanto gosta de contragolpear: a alergia à marcação.

Ele detesta ter de acompanhar qualquer jogador adversário.

Mesmo se for a Fernanda Lima...

Adora atuar sozinho, sem preocupação defensiva.

Isso é a morte para o técnico Adenor.

Junte-se a tudo isso o verdadeiro entusiasmo exagerado.

Se enxergar como uma estrela corintiana aos 22 anos.

Pesou.

Ainda para quem havia fracassado nas categorias de base do São Paulo e do Grêmio.

O garoto que era visto como excelente meia canhoto teve de começar profissionalmente por baixo.

Passou pelo Ulbra, Noroeste e Santo André.

De lá, o pulo para o Corinthians.

Se empolgou.

Tratou de contratar o assessor de imprensa de Kaká e Ganso.

Diogo Kotcho está nesta área há muito tempo e vestiu a camisa, tentando proteger o seu novo cliente.

Ele conhece os caminhos na imprensa.

Foi o que irritou Ronaldo, Roberto Carlos, Tite e Andres Sanches.

A perseguição que o canhoto sofria no Corinthians chegou a ouvidos importantes.

E logo se tornou pública.

Tanto que o retrocesso de titular absoluto para nem fazer parte do banco não foi por acaso.

Nesta guerra de informações, passou a circular histórias no Parque São Jorge de deslumbramento.

De falta de empenho nos treinamentos por falta de sono.

O que não é verdade, graças ao rendimento visivelmente maior do que os demais jogadores.

Mas o que importa agora é que os seus maiores inimigos saíram do Corinthians.

Ele já passa a ser visto de outra maneira.

Como fundamental para o time.

Se não tivesse talento, por que surgiram três clubes importantes interessados em levá-lo?

Agora é com você, Bruno César...

Mostre que Ronaldo, Roberto Carlos, Tite e Andres Sanches estavam tão errados.

E o quanto você poderia ter ajudado o time contra o Tolima a manter o sonho da Libertadores...

“Que a minha saída do Santos tenha sido um marco na vida do Neymar. Ele sabe que interrompeu um trabalho vencedor.” Dorival Júnior…

divulgacao112 Que a minha saída do Santos tenha sido um marco na vida do Neymar. Ele sabe que interrompeu um trabalho vencedor. Dorival Júnior...
Eu também estava com saudades das entrevistas...

Então, vou falar com quem vale a pena.

Exclusiva com Dorival Júnior.

O senhor do destino de mais de ansiosas cinco milhões de pessoas.

Os torcedores do Atlético Mineiro sonham voltar a comemorar grandes conquistas nacionais.

O único título brasileiro aconteceu em 1971.

Nunca a equipe ganhou a Copa do Brasil.

Dorival sabe a pressão que precisa suportar.

Ele já valeu cada tostão da sua contratação ao salvar o clube do rebaixamento para a Série B.

Foi uma alegria imensa para compensar a tosca saída do Santos por causa da histeria de Neymar...

Que o xingou na Vila Belmiro porque o treinador não deixou que cobrasse um pênalti contra o Atlético Goianiense...

Pesou demais o paternalismo do presidente Luís Álvaro que o demitiu para agradar o mimado jogador.

Quem perdeu foi o Santos.

Dorival Júnior acabou até mais valorizado no Brasil.

É respeitado demais no Atlético Mineiro.

Está trazendo vitórias e o que mais faltava para o tradicional clube de Alexande Kalil...

Confiança...

De clube irregular, sujeito a chuvas e trovoadas depois de qualquer derrota, o clube mudou...

É fácil perceber pela reação dos jogadores, da diretoria.

Agora há um comandante de verdade...

Que não apela para o marketing, para os ternos, para uma Comissão Técnica gigantesca, caríssima...

É preciso disputar a Copa do Brasil ou ela já é do Atlético Mineiro?

Nem brinca com isso, Cosme...

O trabalho mal começou agora em 2011.

Estou remodelando a equipe, buscando dar consistência, força, competitividade ao time.

Queremos disputar a Copa do Brasil de uma maneira forte, cientes do que podemos fazer.

O potencial dos jogadores é ótimo.

Estamos ajustando o time.

Não é de uma hora para outra que se consegue isso.

Mas não vou negar que estou animado.

A infraestrutura do Atlético Mineiro, as condições de trabalho são excepcionais.

Sei que a torcida está querendo muito vencer títulos significativos.

Nós também.

Mas antes de prometer conquistas, o importante é construir uma base forte de trabalho.

Não vou trazer mais pressão do que já existe naturalmente ao clube falando em títulos.

A minha meta é deixar a equipe o mais forte possível.

As conquistas virão para um clube tão organizado e com tantos recursos como o nosso.

Não sei se será comigo, com outro treinador, mas o Atlético Mineiro está trabalhando por agora e pelo futuro.

Repito que lógico que vamos brigar ao máximo pela Copa do Brasil, mas o importante é tornar o time consistente.

Que passe confiança a quem jogue e aos nossos torcedores.

O que você encontrou? Com Luxemburgo, o time estava à beira do rebaixamento...

Sim, é verdade.

Mas também é verdade que ele passou pela primeira vez por aquela situação.

O que aconteceu foi uma fatalidade.

O Vanderlei é um excelente técnico.

O time não encaixou.

Isso acontece.

Não podemos crucificar o Vanderlei.

Eu continuo o respeitando muito.

Quando cheguei, tratei apenas de passar mais confiança ao time.

Precisávamos estar bem psicologicamente para escapar do rebaixamento e nós conseguimos

Fiquei realmente feliz pelo trabalho ter dado tão certo.

A preocupação era muita mesmo ao assumir o Atlético Mineiro.

Ficar na Série A foi uma das grandes alegrias da minha carreira.

E você precisava de alegria.

A maneira que saiu do Santos foi muito triste.

Mas, por ironia, seu trabalho acabou sendo até mais reconhecido nacionalmente...

Você pode até ter razão, mas detestei sair do Santos.

Eu ainda tinha muito o que fazer com aquela equipe que montei.

Tinha grandes objetivos.

A minha saída foi um erro nosso.

Meu e do presidente do Santos, Luís Álvaro.

Faltou maior comunicação.

Eu sou obrigado a confessar que senti demais deixar o Santos.

Todo o meu trabalho foi abortado, cortado no meio.

Realmente eu lamento.

E soube, três dias depois que a própria diretoria santista lamentou.

Mas está tudo certo, o que passou, passou.

Mas em relação a Neymar?

O que você pode falar dele?

Que ele errou, me desrespeitou, desrespeitou o grupo, o clube e precisava ser punido.

Para o bem do Santos e até para o bem dele mesmo.

Tomei a atitude de comandante que deveria.

Todos na Vila Belmiro sabem que fiz o certo.

Eu sei que fiz o certo.

E quero acreditar que a minha saída da maneira que foi do Santos seja um marco na sua vida.

Ele não pode se perder, agir como agiu comigo.

Com tudo o que ele fez, um trabalho vencedor foi interrompido.

Havíamos conquistado o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil.

Que a minha saída não tenha sido em vão.

Tomara que ele tenha se conscientizado.

Ele é um bom menino.

Não guardo mágoa sobre o que aconteceu.

Eu o perdoei de verdade.

Ele sabe que é um jogador de talento raro.

Quero que ele e o Santos tenham um excelente futuro.

Vão ter...

Não há mágoa mesmo?

De jeito nenhum.

O Neymar errou, reconheceu e me pediu desculpas.

Está tudo esclarecido.

Foi uma lição para todos os envolvidos.

Mas que eu não saí alegre do Santos, não.

Havia muito por fazer, muito o que conquistar.

Mas sou grato por estar no Atlético Mineiro e muito empolgado com o nosso trabalho.

Temos os nossos planos por aqui e já estamos colocando em prática.

Adilson Batista sentiu na pele o que foi perder o Campeonato Mineiro.

Acabou sendo demitido do Cruzeio...

Mais pelo torneio estadual do que a desclassificação na Libertadores...

Eu posso muito bem definir a importância do Campeonato Mineiro.

Vale demais ganhar.

Só que vale mais ainda para o clube que perde.

O trabalho do treinador fica comprometido.

O clima fica ruim.

Há muita pressão para que o Atlético ou o Cruzeiro saiam campeões do Estado.

E há, sim, consequência para quem sai derrotado.

Não vou negar.

E o pior que as pessoas não percebem que o América cresceu muito no seu potencial.

Os times do interior mineiro também.

Mas não adianta, todos colocam como um campeonato de apenas dois times.

E dentro dessa filosofia, pior para quem perder.

Vocês acabaram de ganhar do Cruzeiro em Sete Lagoas.

Só havia torcida adversária no estádio.

O que uma vitória dessas representa?

Cosme, a superação, a força da equipe, a confiança que todos os atletas têm uns nos outros.

E tivemos três desfalques importantes para a equipe.

Não foi fácil.

A vitória por 4 a 3 fez um bem enorme para o nosso grupo.

Foi apenas um passo.

Há muito o que buscar, muito o que trabalhar.

Eu não me engano e me deixo levar, empolgar.

Está tudo muito cedo.

Nosso torcedor está feliz, mas sabemos muito bem o que vem pela frente.

Vamos manter a calma e a seriedade.

Dentro desse começo de trabalho, um caso precisa ser bem explicado.

O que você está fazendo com o Diego Souza?

Que trabalho de recuperação é esse?

Olha, ele é um jogador importantíssimo que sofreu demais em 2010.

Ele perdeu a Copa do Mundo, que era seu sonho.

Depois ficou muito tempo sem definição no Palmeiras.

Não sabia se iria sair, se ficaria no clube, se jogaria no Exterior.

Tudo isso mexeu demais na sua cabeça.

Eu estou tendo o maior cuidado com ele.

O primeiro passo é deixá-lo no melhor estágio físico possível.

No ano passado, com tudo que aconteceu, ele perdeu força física.

E o seu futebol depende demais do estado atlético.

Eu o deixei de fora de propósito no início do ano.

Ele está trabalhando muito, recuperando a sua força, está consciente do que precisa fazer.

O Diego Souza tem todo o potencial para ser um jogador importantíssimo para nós.

E sabe que está sendo trabalhado com todo cuidado.

Seu futebol não pode e não será desperdiçado.

Dirigentes do Vasco e do Santos deixaram escapar a falta que você faz nesses clubes.

Como você recebe essas declarações?

Eu já ouvi algumas delas e fico muito orgulhoso.

É a prova de que o meu trabalho foi reconhecido.

Gostei muito de trabalhar no Vasco e no Santos.

E principalmente por haver deixado a minha marca, ter feito bem para essas equipes.

Acredito que o importante para um treinador é desenvolver o futebol por onde passar.

Por isso estou me aplicando de corpo e alma a este trabalho no Atlético Mineiro.

Você trabalha tendo como meta a Seleção Brasileira?

Não, de jeito nenhum.

Sinceramente, eu acho que isso não leva a nada.

O importante é dar o máximo no clube em que você está.

Ficar sonhando com Seleção Brasileira não leva a nada.

Só faz deixar de se aprofundar no que está fazendo no seu clube.

Para mim, de coração, o mais importante para mim agora é o Atlético Mineiro.

Os nossos planos, saber os nossos desejos, as nossas limitações, não se deixar empolgar.

Trabalhar de maneira séria, dar um passo pequeno de cada vez.

Seu contrato vai até o final do ano.

Você sente que está cada vez mais valorizado no cenário nacional?

Olha, Cosme, sinceramente, não estou preocupado com isso.

Sei que tenho portas abertas em grandes clubes e estou em um dos maiores deles.

Feliz e empolgado com o que poderemos fazer em 2011.

Pode ser que venham os títulos, pode ser que não venham comigo.

Mas quero sair do Atlético Mineiro com a cabeça erguida, certo que deixei o clube melhor do que quando cheguei.

Mais estruturado, com uma filosofia vencedora e de muito trabalho.

É assim que tem sido a minha carreira.

A valorização está em deixar o clube mais forte.

E o Atlético Mineiro está caminhando para o que eu quero...