Está acabando o tempo de Kaká no Real Madrid. José Mourinho não quer o jogador de R$ 149 milhões. Por isso, o Corinthians sonha…

divulgacao945 Está acabando o tempo de Kaká no Real Madrid. José Mourinho não quer o jogador de R$ 149 milhões. Por isso, o Corinthians sonha...
Andres Sanches se gaba a amigos de ter informações 'quentes' da Espanha.

Fez contatos íntimos com dirigentes do Barcelona.

E de outros clubes.

Portanto, não foi por acaso que ele disse no Parque São Jorge ser possível bolar um plano para trazer Kaká.

Assim que o Real Madrid acertou a contratação de José Mourinho, os boatos chegaram.

De acordo com jornalistas espanhóis, pelo treinador o ideal seria trocá-lo por atletas mais eficientes.

Por ele teria sido uma loucura o clube gastar 65 milhões de euros (R$ 149 milhões) no brasileiro.

Tudo ficou ainda pior com a fraquíssima Copa que Kaká disputou na África do Sul.

A desculpa das contusões que o jogador tinha no púbis e no joelho não amenizaram o sentimento de Mourinho por ele.

Pelo contrário.

Tudo ainda ficou pior com a contratação do alemão Ozil.

Com o bom desempenho do meio campista ao lado de Cristiano Ronaldo, Kaká ficou ainda mais dispensável.

O brasileiro tentou relevar, fazer de conta que era mentira tudo o que ouvia ou lia.

Mas ele está percebendo que é para valer.

Está recuperado e Mourinho não quer saber.

Kaká não interessa ao treinador.

Agora o meia finalmente se rendeu às evidências.

Ele não tem mais a mesma aceitação por parte dos dirigentes do Real Madrid.

Está sendo tratado como um jogador que precisa sair, ser vendido.

Clubes italianos e ingleses já estão sabendo que agora suas propostas serão levadas em consideração.

Pato, Ibrahimovic, Ashley Cole e Lampard foram cotados para serem trocados pelo brasileiro.

A situação está ficando cada vez mais insuportável.

Kaká ainda tem excelentes contatos no Milan.

Os árabes donos do Manchester City têm uma veneração pelo brasileiro.

E ele é citado sempre como jogador que interessa ao Chelsea.

Além do embrionário projeto de repatriamento por parte do Corinthians.

Sendo preterido no Real Madrid, Kaká também perde espaço na Seleção Brasileira.

Justo agora que ele contratou a estilista de Claudia Leite para cuidar do seu guarda-roupa.

Reserva no Real Madrid e colocado desde já em disponibilidade, não tem muitos motivos para sair de casa.

Desinteressante para o treinador...

Kaká vive o pior momento da sua carreira.

O inferno astral chegou para o meia de R$ 149 milhões...

(Kaká acaba de colocar no seu twitter que não tem problema com Mourinho.

O irônico é que ao mesmo tempo, dirigentes do Milan afirmavam que ele tinha sim problemas no Real Madrid.

E que se não fosse pelo alto salário, ele poderia voltar...)

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Andrés Sanchez escolheu para seu sucessor o canditado que a oposição queria e a situação temia: Mario “futebol é business” Gobbi…

divulgacao28 Andrés Sanchez escolheu para seu sucessor o canditado que a oposição queria e a situação temia: Mario futebol é business Gobbi...
O candidato que a oposição queria.

Entre tantos que cercaram nestes quatro anos de poder, Mario Gobbi era o predileto pelos rivais de Andrés Sanchez.

Antônio Roque Citadini, Osmar Stabile, Paulo Garcia se animaram.

Eles sabem o quanto saiu desgastado do cargo de diretor de futebol o agora candidato da situação.

Ao assumir o cargo, ele disse que não entendia nada de futebol.

Ganhou o posto porque perdeu a eleição para a presidência do Conselho Deliberativo.

Foi uma compensação que Andrés resolveu dar.

Andrés e Mano Menezes trataram de negociar os inúmeros jogadores que chegaram ao Parque São Jorge.

E Mario Gobbi os apresentava.

Delegado e apaixonado por leis, estatutos, ele sempre quis mudar a política interna do clube.

Não se preocupava para valer com o futebol.

Tanto que quando deu palpite acabou trocando os pés pelas mãos.

Foi a figura símbolo do desmanche no time em 2009 que prejudicou o clube até hoje.

Mano Menezes havia construído uma base sólida.

O time, com Ronaldo e tudo, havia ganho com um pés nas costas o Paulista e a Copa do Brasil.

Mas para ganhar R$ 11 milhões, em parcelas, vendeu três atletas fundamentais.

André Santos, Douglas e Cristian.

Estava quebrada a espinha dorsal do time que poderia sim vencer a Libertadores de 2010, a do centenário.

Diante da revolta generalizada, de imprensa e de torcida, Mario Gobbi resolveu puxar para si a responsabilidade.

"Futebol é business", repetiu várias vezes para resumir o desmanche.

Como se não importasse manter a força do time, a paixão dos torcedores.

Mostrou que pare ele o que importava era o dinheiro das vendas.

Não teve a noção que R$ 11 milhões para o clube eram migalhas diante do que representaria a conquista da Libertadores.

Ele não conseguiu entender.

Mostrou na prática não compreender o que significa futebol.

Ou o valor da Libertadores para os corintianos.

A infeliz justificativa foi a responsável pelos seguidos fracassos desde então.

O Corinthians ganhou seu último título em 2009, com os três jogadores, na Copa do Brasil.

Mario mostrou que não mentiu quando disse que não entendia de futebol.

Como dirigente também passou pela tristeza de levar uma cadeirada por um membro da Camisa 12.

Ainda de acordo com a sua maneira business de pensar, concordou com a elitização dos estádios.

Aplaudiu a iniciativa de ingressos a R$ 500,00 no Pacaembu em jogos do Corinthians.

Ele se afastou do cargo de diretor de futebol no final do ano passado para trabalhar a sua candidatura.

A escolha de Andrés também frustrou vários e vários companheiros da situação.

Esperam por um nome mais marcante.

Alguém que fosse ligado de verdade ao futebol.

Não um político, amante da retórica.

A suspeita tanto na situação quanto na oposição é que Andrés Sanchez continuará a comandar o clube se Mário for eleito.

Seria um padrinho fundamental para resolver questões fundamentais como o estádio.

E o futebol, lógico.

Neste domingo de Carnaval, Andrés lança o homem errado para sucedê-lo.

E terá de arcar com isso.

Ele acaba de despertar a oposição que estava morta...

E implantar a ira de companheiros fiéis de anos...

Que se prepare para o que vier pela frente...

Estamos em março.

A eleição será em dezembro.

Até lá muita coisa irá acontecer...

Andres provará se tem a mesma força no Parque São Jorge do seu padrinho político Lula.

E fazer seu sucessor sem se importar com o apoio de ninguém.

A prova será de fogo...

Afinal, futebol é business, não é Mario?

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Dorival Júnior só tem uma coisa para dizer no adeus a Diego Tardelli. O mesmo que falou a Diego Souza e Obina: доброго пути!

divulgacao93 Dorival Júnior só tem uma coisa para dizer no adeus a Diego Tardelli. O mesmo que falou a Diego Souza e Obina: доброго пути!
Obina para a China.

Diego Tardeilli para a Rússia.

Diego Souza para o Vasco.

Na saída desses três jogadores importantes está Dorival Júnior.

Alexandre Kalil conversou com o treinador.

Disse que desejava fazer dinheiro com os três jogadores.

E que eles eram nomes fortes, conhecidos no mercado.

Tardelli ídolo absoluto da torcida.

Obina tinha o carinho dos frequentadores.

Diego Souza...melhor deixar para lá...

Eram jogadores caros, que pesavam na folha de pagamento.

Kalil quis saber se eles eram imprescindíveis ao time.

O dirigente quase deu um beijo na bochecha do treinador.

Ouviu a resposta que desejava: que poderia negociar qualquer atleta do elenco.

E ele, Dorival, daria um jeito para o time continuar a render.

Independente dos nomes.

Kalil está fascinado com o trabalho de Dorival.

O time ainda tem falhas, defeitos.

Não é perfeito.

A zaga precisa de reforços urgente.

O time ainda está dando espaço para contragolpes adversários.

Um exemplo claro foi o que aconteceu na partida de ida contra o Iape no Maranhão.

Os gols que o time sofreu na vitória por 3 a 2 irritou profundamente o treinador.

E o elenco.

Tanto que o Atlético Mineiro jogou com raiva no massacre por 8 a 1.

Mas vale voltar a falar das saídas dos ídolos atleticanos.

Assim como Obina e Diego Souza, Tardelli percebeu que não sumiria o pãozinho de queijo de Belo Horizonte.

Não haveria procissão, choro, pedidos de joelho para que ele continuasse.

Pelo contrário.

Ele viu as portas bem abertas para seguir Roberto Carlos e Jucilei na aventura de atuar pelo Anzhi.

A transação foi rápida e Kalil fez questão de avisar Dorival desde o início.

E ele deixou Magno Alves mais do que preparado para se tornar o privilegiado do time.

Será ele quem não terá mais a obrigação de ajudar na marcação.

E só se preocupar em atacar.

Assim como fazia Tardelli.

E...vida que segue.

Lógico que o Atlético Mineiro perde potencial técnico.

Mas não força como equipe.

Foi isso que encorajou Kalil a vender seus jogadores e diminuir um pouco a dependência do clube em relação ao BMG.

Embora ame a parceria com o banco, o dirigente quer o clube andando com as próprias pernas.

E com isso está contando com o melhor parceiro que poderia encontrar no País.

Dorival Júnior.

É ele quem deu a firmeza para tantas idas ao aeroporto.

Idas que no passado provocariam choro, histeria.

E hoje são tratadas com a maior normalidade.

Só faltou Dorival dizer доброго пути a DiegoTardelli...

доброго пути é boa viagem em russo...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Economia sem sentido de Arnaldo Tirone tira Felipão do sério. Ele começa a perder a alegria de estar no Palmeiras…

divulgacao24 Economia sem sentido de Arnaldo Tirone tira Felipão do sério. Ele começa a perder a alegria de estar no Palmeiras...
Acabou o moonwalker...

E a alegria de Felipão.

Desta vez sem o auxílio de assessor frustrado nenhum.

Com razão o treinador perdeu o sorriso que começava a esboçar.

Enlouquecido com as dívidas deixadas por Belluzzo, o novo presidente, Arnaldo Tirone, resolveu economizar.

Em tudo o que puder.

Prometeu a seu mentor, Mustafá Contursi que vai fazer o que puder para zerar a dívida de R$ 140 milhões.

E passou um decreto exigindo que todos fizessem o máximo de economia.

O máximo.

E foi o que aconteceu.

Na sexta-feira, o time estava concentrado no hotel para a partida contra o Santo André.

A nutricionista Alessandra Favano sempre ficava com a delegação.

A alimentação dos atletas antes dos jogos sempre foi uma enorme preocupação do treinador.

Por onde quer que ele trabalhe.

Sempre foi assim.

Ex-técnico das seleções do Brasil e de Portugal, o técnico considera esse cuidado fundamental.

A nutricionista acompanha a cozinha do hotel.

Supervisiona o almoço, o jantar, a ceia, o café da manhã.

Sabe o que cada atleta e o que não pode comer.

Cuidado básico do básico...

Ele ficou possesso ao saber que o clube havia tirado a vaga de Alessandra do hotel por economia.

Ficou tão tenso que resolveu ir embora para ceder a sua vaga para Alessandra.

Ele foi e só voltou depois de inúmeros telefonemas implorando pelo seu retorno.

E a promessa que a nutricionista estará na próxima vez em que o Palmeiras se concentrar.

A paciência do treinador está por um fio.

Suportou atrasos de salários e direito de imagem na adminstração Belluzzo.

Com Tirone, ele já cortou na própria carne.

Deixou Lincoln e Maurício Ramos livres para render algum dinheiro ao Palmeiras.

Já usa camisa do patrocinador, já que o clube não tem condições de pagar sozinho o seu salário.

Está comandando uma equipe fraca.

Outra vez ontem foi mais uma demonstração da fragilidade do time, no decepcionante empate em 0 a 0 com o Santo André.

O clube não tem dinheiro para fazer novas contratações.
Felipão é campeão mundial com a Seleção Brasileira.

Ganhou duas Libertadores da América.

Campeão Brasileiro.

Não precisa estar passando por esse sufoco.

Tem currículo para trabalhar em um clube com melhor elenco e dinheiro para contratar.

Só está no Palestra Itália por promessa a Belluzzo.

Pode ganhar seu altíssimo salário em qualquer lugar.

A economia ensandecida de Tirone pode acabar com a paciência de Felipão.

E o Palmeiras perder o que tem de melhor hoje: seu treinador.

Se é essa a economia que Tirone quer, está no caminho certo...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Levezinho deita e rola no Brasil. E mata de saudade os gajos que o deixaram sair por R$ 4,5 milhões…

divulgacao13 Levezinho deita e rola no Brasil. E mata de saudade os gajos que o deixaram sair por R$ 4,5 milhões...
Até os jornalistas portugueses estão surpresos...

O Levezinho está roubando as manchetes dos jornais de lá pelo que está jogando aqui.

Já marcou oito gols em seis partidas.

A opção D para a diretoria corintiana deita e rola no Campeonato Paulista com seus times de aluguel, montado às pressas.

As equipes "me engana que eu gosto", que enfestam o Paulista, o Carioca, o Mineiro, o Gaúcho, o Paranaense...

Mas oito gols em seis jogos são oito gols em seis jogos.

A agilidade e o oportunismo do Levezinho são impressionantes.

O baixo nível técnico dos adversários ajuda, mas ele é um jogador que se respeitou.

Cuidou do seu corpo.

Quis começar e terminar a carreira de jogador como atleta.

Os portugueses estão discutindo se podem abrir mão do Levezinho na sua seleção.

Eles se ressentem de um artilheiro.

E se questionam pelo Sporting haver liberado o Levezinho apenas por R$ 4,5 milhões ao Corinthians.

Uma pechincha.

Que poderia ter sido feita mais cedo, ele não veio para disputar a pré-Libertadores por falta de empenho da diretoria.

Mas esse é um assunto morto e enterrado com os dutos no terreno do Itaquerão.

O que importa agora é comparar o nível técnico do Levezinho com os jogadores dos grandes clubes brasileiros.

Quem tem um artilheiro como ele?

Kléber, Fred, Wellington Paulista, Diego Tardelli, Keirrison, Zé Love, Loco Abreu, André Lima, Borges, Cavenaghi, Leandro Damião, Deivid, Fernandinho, Dagoberto...

E que custe tão barato?

Levezinho quis voltar ao Corinthians.

Foi ele quem mandou recado aos dirigentes.

Sonhava atuar com Ronaldo.

Não tinha a real idéia do quanto o jogador estava perto de encerrar a carreira.

Sonhava em marcar época com o Fenômeno na Libertadores.

Só que quando chegou só restava o enganador Campeonato Paulista.

Então ele se diverte só.

Sabendo que os dirigentes corintianos o contrataram depois que três opções não deram certo.

O Corinthians não teve bala para contratar Adriano, Luís Fabiano e Marcelo Moreno.

Por R$ 4,5 milhões só Levezinho.

Foi sua sorte.

O plano D está a fechar a matraca de todos, como dizem em Portugal.

Oito gols em seis jogos...

Os números são até baixos pelo nível que domina os gramados paulistas, cariocas, mineiros, gaúchos...

Levezinho ainda está muito pesado para o atual futebol brasileiro...

E faz uma falta danada na Seleção Portuguesa...

O técnico Paulo Bento está sendo pressionado demais para chamar um brasileiro naturalizado de 33 anos...

Cuja atividade atual é se divertir nos gramados paulistas...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

O triste batismo do presidente Luís Álvaro, o Belluzzo da Baixada Santista…

divulgacao934 O triste batismo do presidente Luís Álvaro, o Belluzzo da Baixada Santista...
Ninguém nasce sabendo.

Mesmo se acredite e espalhe que seja assim.

Esse é o caso de Luís Álvaro.

Empresário de sucesso, ele sempre almejou o cargo de presidente santista.

Conseguiu derrotar Marcelo Teixeira, dirigente que parecia que iria se perpetuar na Vila Belmiro.

Como o Belluzzo mais gordo da Baixada Santista, ele foi saudado como alguém que revolucionaria o futebol.

Ganhando de bandeja Neyma e Ganso, ele conseguiu muitos pontos ao segurar o jogador no Brasil.

Se negou a vendê-lo ao Chelsea.

Nessa secura de bons dirigentes foi visto como uma assombração.

Ainda mais porque as pessoas se esqueceram da famosa bolsa de R$ 40 milhões que ele prometeu levar ao clube.

Dinheiro de empresários amigos só para novas contratações.

Os títulos do Paulista e da Copa do Brasil o ungiram.

Parecia ser o dirigente que todo torcedor gostaria de ter no seu clube.

Mas vieram as manhas de Neymar e a primeira grande decepção: a demissão de Dorival Júnior.

A segunda foi a falta de atenção com o operado Ganso, que quase foi parar no Corinthians.

Depois elas não pararam mais.

A contratação sem nexo de Adilson Batista, treinador que ninguém queria na Vila.

Só Luís Álvaro.

As evidências demonstraram seu grande erro.

Inaugurou a estratégia canibal de negociar.

Usou parte dos direitos federativos de Neymar para pagar Elano.

Demitiu Adilson sem estar apalavrado com ninguém.

Em plena Libertadores, o Santo não tem treinador.

Não contente, resolveu aumentar o preço absurdamente dos ingressos.

A arquibancada na Vila Belmiro para a partida contra Cerro Portenho custou R$ 100,00.

Resultado, pouco mais de seis mil torcedores em um jogo tão importante.

Um vexame...

Teve de dar o braço a torcer e o ingresso contra o Deportivo Tachira e Colo Colo custará R$ 50,00.

Luís Álvaro tentou Abel Braga, Dunga, Ney Franco, Paulo Autori.

Ouviu quatro não.

Fez proposta para Levir Culpi no Japão.

Ele tem uma multa de US$ 1 milhão para se livrar.

Luís Álvaro pede desesperado para que resolva a questão.

Não está fácil.

O presidente santista está mais estressado do que nunca.

Ele descobriu que não é tão fácil comandar um clube.

A alegria que estimulava o ego diminuiu

Sumiu.

Luís Álvaro começa a sentir saudades dos tempos das tribunas, sem responsabilidade.

Exatamente como Belluzzo no final do seu comando no Palmeiras.

E de onde jura agora nunca mais sair...

Bastou um mandato.

O presidente santista perdeu a aura.

Não é tão diferenciado quanto todos desejavam que fosse.

Infelizmente.

Típico caso de Procon, propaganda enganosa...

Uma pena para o Santos...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Treino de Ronaldinho do Flamengo é antecipado para ele colocar o bloco na rua. No Carvanal, o Rio é outro país…

divulgacao931 Treino de Ronaldinho do Flamengo é antecipado para ele colocar o bloco na rua. No Carvanal, o Rio é outro país...
A postura do Internacional de Celso Roth é completamente inversa a do Flamengo de Vanderlei Luxemburgo.

O time gaúcho treinará intensamente no Carnaval.

O treinador não quer seus atletas perdendo energia nos bailes, nos blocos, na rua.

O Flamengo está liberado para a farra.

O treino de segunda-feira passou para a manhã por um motivo 'nobre'.

Ronaldinho Gaúcho possa levar o seu bloco para desfilar à tarde.

Por que tamanha diferença de comportamento?

Parece dois países, dois mundos diferentes.

E realmente são.

Não foi por acaso que Ronaldinho Gaúcho escolheu o Flamengo, o Rio, no leilão promovido por seu irmão Assis.

Ele sabia o que iria encontrar.

E o que não iria.

O Rio de Janeiro tem uma alegria intrínseca.

Só quem passou algum tempo por lá para entender a energia, a disposição para a alegria.

O futebol se estruturou tanto que conseguiu os dois últimos títulos brasileiros.

Com todos os méritos.

Mas não abre mão das suas tradições.

Seu samba, suas festas, seus blocos no rua.

O Carnaval é a data mais sagrada no estado.

Os clubes, os dirigentes e os torcedores não entendem a cobrança para essa festança no futebol.

Não aceitam que o resto do país olhe desconfiado para tantos jogadores na farra de madrugada.

E com total autorização dos dirigentes.

O Rio de Janeiro é assim e pronto.

Para os cariocas chega a ser obrigação festejar o Carnaval.

Os atletas não falam de outra coisa.

Muitos dos seus treinadores e dirigentes também.

Consideram uma heresia não cultuar Momo.

Enquanto isso, no Rio Grande, o Inter trabalha.

Tem a Libertadores pela frente.

Se não tivesse, também trabalharia.

Renato Gaúcho resolveu dar três dias de folga.

Mas mesmo sendo um semideus no Olímpico, sofreu as primeiras críticas pelas costas.

Essa história de trocar trabalho pesado por carnaval é influência carioca.

Os dirigentes gremistas aceitaram contrariado a postura de Renato.

Os jogadores gaúchos do time não vibraram com a notícia.

E alguns deles treinarão por conta nestes dias.

Querem se manter bem para a Libertadores e para a fase decisiva do Gaúcho.

Essa postura é inimaginável nos atletas dos grandes do Rio.

Se pudesse, a maioria iria para o carnaval durante a noite, durante a madrugada e dormiria durante o dia.

Esse é o jeito de o Rio de Janeiro levar o futebol no carnaval.

Sempre foi assim e não vai mudar.

É uma cidade à parte em relação ao resto do Brasil.

Por isso ela combina tão bem com Ronaldinho Gaúcho.

Onde no mundo um treinador mudaria o horário treinamento só para um jogador desfilar com o bloco que criou?

Onde?

Só no Rio de Janeiro...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Dance, Felipão… Michael Jackson, o que for… Esqueça a pose mal humorada, forjada. Volte a ser o técnico que encantou o Brasil…

Luiz Felipe Scolari acaba de dançar no treino do Palmeiras.

Imitou Michael Jackson.

Cumpriu a promessa feita a um repórter.

Disse que dançaria se Adriano marcasse três gols.

Marcou quatro contra o pobre Comercial do Piauí.

Não interessa as risadas dos jogadores, da Comissão Técnica diante do desajeitado técnico.

O que interessa mesmo é a volta do bom humor de Scolari.

Ele tem o maior contrato da América Latina.

Ninguém ganha como ele treinando um time.

Mano Menezes, por exemplo, não chega à metade.

Mérito do que Felipão conquistou ao longo da carreira.

E também a ponta do iceberg, do projeto apresentado por Belluzzo.

O ex-presidente se iludiu e acreditou que pudesse formar uma seleção para o Palmeiras.

Iria usar sua influência entre os empresários, banqueiros.

Por isso aceitou pagar R$ 14 milhões por Valdivia.

Foi resgatar 50% de Kléber junto ao Cruzeiro por R$ 6,5 milhões.

Convenceu Lincoln a pagar do próprio bolso uma multa de R$ 2,3 milhões para se livrar do futebol turco.

Lincoln queria fazer parte dessa 'seleção'.

Só que os erros administrativos de Belluzzo duplicaram as dívidas palmeirense.

Acabaram os adiantamentos de cotas de televisão e os empréstimos se tornaram impossíveis.

Para culminar, ele teve um gravíssimo problema cardíaco.

Felipão viu o sonho de conduzir o melhor elenco no Brasil sumir.

Mesmo assim, ele resolveu cumprir sua palavra.

Ele se orgulha de ter como principal característica a lealdade.

E é mesmo um homem leal.

Para o bem e para o mal.

Se não fosse assim, não teria o assessor de imprensa que tem...

Foi o assessor quem o aconselhou a fechar o time.

Proibir as entrevistas antes, durante e logo após os jogos.

Se fosse pelo assessor, o Palmeiras só contrataria surdo-mudos.

Foi ele também quem aconselhou Felipão no episódio Valdivia.

Enfim, já não bastasse a falta de dinheiro, tanto desgaste desnecessário.

Pessoa que trabalham no Palmeiras me garantiram que diminuiu a influência do assessor sobre Felipão.

Ele está sendo mais ele mesmo e não uma imagem forjada.

Isso explica a sua descontração.

O elenco está muito mais alegre, leve, trabalhando melhor.

A carranca de Felipão está se desfazendo.

Se dependesse do seu assessor pessoal, ele não dançaria nem em casamento de parentes.

Em meio a tanta promessa não cumprida, o treinador resolveu aceitar a vida como ela é.

Deu sua palavra ao clube que tanto o ama.

E está recebendo bem demais para isso.

Então, precisa trabalhar, dar o máximo para realizar o seu sonho.

Ele espera em janeiro de 2013 assumir uma seleção para trabalhar na Copa de 2014.

Não esconde de ninguém sua meta.

Ele é um homem que planeja a sua vida.

Enquanto 2013 não chega, dança Felipão...

Sorria, Felipão...

Viva o futebol brasileiro na sua intensidade...

Com todos os problemas e também com suas alegrias, suas bobagens...

Seja humano.

E não um mero boneco moldado por um assessor de imprensa frustrado...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Robinho briga com a Nike e fica fora da Seleção Brasileira. Enorme coincidência…

divulgacao772 Robinho briga com a Nike e fica fora da Seleção Brasileira. Enorme coincidência...

Robinho e Nike brigam na Justiça.

A principal patrocinadora da Seleção Brasileira continua sendo a empresa norte-americana.

O motivo do desentendimento é a renovação de contrato, que terminou em dezembro de 2010.

Matéria na Folha mostra que há dois textos.

Um em português e outro em inglês.

Robinho teria de se reunir com a direção da Nike para acertar a renovação.

Isso no documento em português.

Já a renovação seria automática em inglês.

De acordo com a apuração da Folha...

A justiça decretou que a Nike tem razão.

E contrato tem de ser cumprido, renovado automaticamente.

Se o jogador não usar material esportivo da empresa terá de pagar 300 mil euros por dia, como multa.

Cerca de R$ 690 mil a cada 24 horas.

Mas os advogados do atacante estão recorrendo...

As partes estão mais furiosas.

Robinho está revoltado.

A briga se tornou pública.

E o capitão da Seleção de Mano Menezes não foi chamado para enfrentar a Escócia...

Sim, porque ele vinha sendo convocado por Mano normalmente.

Mesmo quando essa briga se tornou pública.

Agora, tudo mudou...

As perguntas são simples.

Você acha que esta briga teve alguma coisa a ver com a não convocação de Robinho?

Por isso que, de capitão do time, passou a excluído contra a Escócia?

Você acredita que a Nike tem poder sobre a Seleção Brasileira?

Lembra de algum exemplo concreto?

Alguém desconfia que a empresa interferiu, por exemplo, na final da Copa de 1998?

Ou é tudo imaginação, teoria da conspiração?

(A Nike, por via da sua assessoria de imprensa, pediu alguns adendos ao post.

Aqui estão...

1 – O contrato não é de responsabilidade exclusiva da Nike, mas sim das duas partes envolvidas.

2 – Não existem dois contratos, mas apenas um, original, em inglês. Existe também uma versão juramentada em português. E, em ambos os contratos, está a observação que, em caso de dúvidas ou problemas relacionados à tradução, vale a versão em inglês.

3 – O estafe de Robinho entrou na Justiça no Brasil. E perdeu. Recorreu, então, na Holanda. E perdeu novamente.

Esta é a versão da Nike.

Os advogados de Robinho garantem que vão continuar com o processo.

Porque ainda existe recurso.

A tese é simples: que na versão do contrato em português, o texto está diferente do inglês.

E a renovação não poderia ser automática...

A briga vai continuar...)

( Tanto vai continuar que a assessoria do escritório da advogada de Robinho, Marisa Alija, procurou o blog.

Para dar a sua versão sobre as ponderações da Nike.

1) A Nike adota um contrato padrão para todos os atletas.

Ele tem praticamente os mesmos termos para todos os jogadores, mudando eventualmente os valores e prazos.

Inclusive a redação dos contratos em inglês e português é de responsabilidade da companhia.

2) Todos os contratos de Robinho desde 2002 e de todos os outros jogadores possuem as versões em português e em inglês.

E as versões em português dos contratos de Robinho e dos outros atletas não são juramentados.

Podemos garantir isso.

3) Considerando que o contrado de Robinho com a Nike terminava no do dia primeiro de dezembro de 2010 e que a empresa já havia ameaçado entrar na justiça para obrigar a renovação automática por mais quatro anos, decidimos pedir uma liminar na Justiça do Brasil para que o jogador se desobrigasse de utilizar o material da empresa. E que a imagem do atleta não fosse mais utilizada pela Nike.
O juiz no Brasil antes de decidir pediu para ouvir a Nike.
Ciente do assunto, a Nike entrou na Justiça holandesa pedindo a aprovação do acordo baseado no contrato em inglês.
Nesse momento, como a Nike já utilizava, em nossa visão, erroneamente a imagem de Robinho, já que o contrato estava expirado, resolvemos retirar o pedido de liminar antes que houvesse uma decisão no Brasil. Isso caracteriza algo bem diferente do que perder a ação. Até porque esse pedido não seria mais útil naquele momento. Adotamos a estratégia de nos defender primeiro na Holanda e posteriormente prepararemos uma ação completa na Justiça brasileira, invocando aí sim uma discussão sobre a legalidade dos termos do contrato. Vale lembrar que a Justiça holandesa concedeu apenas uma liminar para a Nike obrigando Robinho a utilizar o material da companhia e ele está cumprindo a decisão até que o assunto volte a ser analisado juridicamente.)

Está claro que a briga mal começou...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

São Paulo, Corinthians, Flamengo e Inter em novo leilão. Pelos gols de Luís Fabiano…

divulgacao094 São Paulo, Corinthians, Flamengo e Inter em novo leilão. Pelos gols de Luís Fabiano...

Luís Fabiano conseguiu promover um grande leilão no Brasil.

A decisão do atacante voltar 'de qualquer jeito' no meio do ano incendiou dirigentes de quatro clubes.

O primeiro é óbvio.

O São Paulo.

Juvenal Juvêncio já entrou em contato com o empresário do jogador, José Fuentes.

E tentou fazer valer a preferência, os anos em que ele atuou com sucesso no Morumbi.

A ligação do atleta com o clube, com a torcida.

Lembrou até o apelido "Fabuloso".

Fez contato também com o atacante.

Esperto, o artilheiro deu toda a atenção, mas não deu sua palavra.

Por quê?

Porque também recebeu ligação de representante do Corinthians.

Andres Sanches resolveu fazer da vida de Juvenal Juvêncio um inferno.

Resolveu tomar tudo o que for do são-paulino.

Já fez isso com o estádio da abertura da Copa, o tenta desmoralizar no Clube dos 13, na negociação com as tevês...

Se pudesse, lhe tomaria os cachimbos de estimação...

E, agora, quer ficar com Luís Fabiano.

O atacante recebeu o recado de que o Corinthians quer saber todas as propostas que tiver.

A promessa corintiana é cobrir, dar mais dinheiro do que todas.

E claro, usar o marketing para o transformar em grande ídolo popular.

A idéia agradou o atacante.

Assim como a proposta do Flamengo.

Empresários também ligaram ao jogador.

E apresentaram o projeto de um grande time no segundo semestre.

Tendo como atração ele e Ronaldinho Gaúcho formando dupla de ataque.

Com a chance de Adriano também chegar e o time de Patricia Amorim contar com um trio ofensivo sensacional.

E ele ouviu muito algo que lhe fez sorrir demais: voltar para a Seleção Brasileira.

Luís Fabiano acredita que tem condições de disputar a Copa de 2014.

Não jogando pelo Sevilla.

Não saindo em várias partidas, como está acontecendo.

A última proposta foi mais discreta.

Também feita por empresários.

Houve uma sondagem por parte do Internacional.

O discurso é claro.

Se o time vencer outra vez a Libertadores o quer para jogar o Mundial de Clubes.

O que os gaúchos podem oferecer é muito dinheiro e uma equipe muito forte.

Luís Fabiano não achou nada mal ter essa possibilidade na manga.

Fuentes ainda vai tentar buscar uma opção européia, um clube forte.

Mas o próprio Luís Fabiano se diz cansado de jogar no Exterior.

Quer voltar para o Brasil.

Está com saudade de tratamento de grande ídolo.

O leilão está aberto...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7