Torcedor brasileiro sabe votar?

foto tiririca 2222 Torcedor brasileiro sabe votar?

Marcelinho Carioca.

Vampeta.

Túlio.

Dinei.

Ademir da Guia.

Reinaldo, grande ídolo do Atlético Mineiro.

Esses foram os  ex-jogadores mais importantes que fracassaram nas eleições pelo Brasil.

Em compensação: Romário, Bebeto, Danrley e Marques,ex-Atlético Mineiro, foram eleitos.

Terão seus mandatos.

Afinal, fica a velha e eterna dúvida.

Torcedor brasileiro sabe ou não sabe votar?

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os bogs do R7

A dor de Silas. O técnico que acreditou no Grêmio e no Flamengo…

gettyimages43 A dor de Silas. O técnico que acreditou no Grêmio e no Flamengo...

Depois de uma campanha excepcional no Avaí, Silas pensou que 2010 seria um marco.

Em um clube grande, iria poder mostrar o que aprendeu ao longo de sua carreira vitoriosa como jogador.

Afinal, se conseguiu fazer com as limitações do Avaí, no Grêmio sua ascensão seria ainda maior.

A diretoria gaúcha o havia escolhido pela forma como colocou os catarinenses para jogar.

Era o futebol combativo, de preenchimento de espaço, que não dava lugar para o adversário respirar.

O retrato que se encaixava perfeitamente no Grêmio.

Só que ótimo namoro se mostrou um péssimo casamento.

Silas comandava no Avaí jogadores desesperados para ganhar espaço nacionalmente.

Tinham uma dedicação que ia acima do imaginável.

No Olímpico, não encontrou jogadores assim.

Pelo contrário.

O grupo era problemático, com limitações.

E com atletas que não se comoviam com palestras de incentivo, com promessas de um novo tempo.

Como confiar, se entregar a um novato?

A diretoria também prometeu contratações importantes que não se confirmaram.

O caráter de Silas também o atrapalhou.

Fiel a quem o contratou, o técnico não expôs o que realmente acontecia.

Tudo que fez foi caprichar em uma retranca.

O Grêmio ficou um dos times mais insuportáveis de acompanhar.

O jogo não fluía nem diante dos mais fracos adversários.

Talvez com Silas, o clube tenha conquistado o menos atraente Campeonato Gaúcho.

Mesmo ficando com o título, o técnico não foi valorizado.

Pelo contrário, o fato de o Internacional do uruguaio Jorge Fossati estar disputando a Libertadores foi a desculpa.

Dada pelos próprios torcedores gremistas.

Começou o Brasileiro e nada melhorou.

Pelo contrário.

Com time limitado e sem apoio dos dirigentes e da torcida, Silas até demorou para ser demitido.

Chocado, ele ainda estava se restabelecendo quando Zico lhe telefonou.

Era uma absurda e inesperada chance de se reerguer.

Em tempo recorde.

Deixar a depressão pela demissão do Grêmio e assumir o Flamengo.

Ele sabia que iria para o cargo que Carlos Alberto Parreira não quis.

Tinha ideia de que encontraria dificuldades.

Mas contava com a mão protetora e as promessas de Zico.

Só que não contava com o clima pesado da Gávea.

Ele não revela, mas pessoas ligadas a Silas falam.

A disputa política no Flamengo é sórdida.

Pessoas com muito poder, ao lado de Patricia Amorim, faziam o possível para atrapalhar.

Fuxicos, fofocas, todos os problemas vazados para a imprensa.

Imediatamente.

Sempre com o objetivo de passar um quadro de incompetência de Silas para atingir Zico.

Sem a farra de dinheiro no elenco, mais rigidez, treinos pela manhã, cobrança, os jogadores se irritavam.

Não colocavam a alma em campo.

Muito pelo contrário - o que mais faltava era vontade.

As longas conversas entre Zico e Silas sobre a necessidade de uma profunda reestruturação no time vazaram.

A lógica que dominava o time era: como e por que se aplicar?

Já que em 2011 a grande maioria dos atletas estará sem trabalhar mais no Flamengo?

Silas errou ao tentar resolver tudo outra vez retrancando o time.

A equipe mais popular do país deixaria a sua marca registrada, o toque de bola, pela defesa.

Seria uma situação emergencial.

Deixou combinado com Zico.

O suficiente para o Flamengo não cair em 2010.

E em 2011, vida nova.

Só que Zico não aguentou.

Foi embora.

Não suportou as insinuações de que seus filhos estavam tirando dinheiro do Flamengo negociando jogadores.

Aí foi fácil.

Acumular seis empates, três derrotas e só uma vitória foi fatal.

Sem o pastor, os lobos devoraram Silas como se fosse uma ovelha.

E com requinte de crueldade.

Avisavam aos jornalistas mais amigos.

Todos sabiam desde o final do empate diante do Botafogo.

Silas se recusava a acreditar.

Até que veio a humilhante demissão hoje.

A mesma postura insegura nas explicações.

Desculpas sem consistência.

E outra vez o desemprego.

Silas acreditou que 2010 seria marcante na sua carreira como técnico.

E foi.

Demitido de Grêmio e Flamengo.

Aceitou dois projetos ruins, encontrou jogadores viciados, diretorias divididas, torcidas insatisfeitas.

De treinador revelação em 2009, virou a grande decepção.

Sua sorte é que memória é o que menos existe no futebol.

É novo.

Tem apenas 45 anos.

Que aprenda com tantas lições em apenas dez meses...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os bogs do R7

Neto, o mecenas de ginástica olímpica e do boxe feminino…

FOT20080120134322 Neto, o mecenas de ginástica olímpica e do boxe feminino...

Neto tem um sonho.

Quer ser presidente do Corinthians.

Já falou isso várias vezes até para o seu grande amigo pessoal, Andres Sanches.

Neto quer continuar modernizando o clube.

Quando abandonou a carreira, ele teve uma breve passagem como dirigente do Guarani.

Com o clube em grandes dificuldades financeiras, ele fazia o que podia.

E o que não podia.

Emprestou dinheiro a jogadores em dificuldade.

Pagou almoços a jovens promessas do clube.

Foi tentando ajudar o clube que o lançou da maneira que pôde.

Chegou uma hora em que seus atrasários demais e ele não teve outra saída, a não ser largar o clube.

E foi trabalhar na tevê.

Impôs o seu estilo direto de falar.

O sotoque caipira.

Virou homem de tevê, internet, rádio, jornal.

Sua sinceridade já lhe trouxe vários problemas.

Inimizades.

Dificultou troca de emissora de tevê.

Ele tem essa personalidade e não muda.

Por ter vivido enormes dificuldades financeiras antes de se transformar em um grande jogador, ele não se conforma com várias situações no esporte.

E há um lado nele que poucas pessoas repararam.

Ou sabem.

É figura carimbada em jogos beneficentes.

Ainda mais quando é para ajudar crianças carantes, doentes.

E vai além.

Do próprio bolso ele banca duas atletas.

A primeira é uma ginasta olímpica no Pará.

Ele assistiu pela tevê uma reportagem da menina, da enorme dificuldade que ela tinha para treinar.

A falta de recursos.

O descaso natural das federações e confederações do Brasil ao atleta sem mídia.

E decidiu virar mecenas da garota paraense.

Neto entende tanto de ginástica olímpica quanto Cristiano Ronaldo de humildade.

Quis resgatar uma situação contrária a que viveu.

Alguém com muito talento quanto essa paraense queria treinar, poder competir.

Mas lhe faltava condições.

Neto lembrou do talento que tinha e que não voi aproveitado ao máximo.

Por causa da falta de vontade de treinar e o apetite descabido a um jogador de futebol.

A segunda atleta bancada por Neto foi contratada ontem.

Na minha frente.

Fui convidado para participar do seu programa Esquenta na rádio Transamérica.

E ele soube da história de Roseli.

Lutadora de boxe que foi ao Caribe ser campeã mundial.

Sem apoio, sem patrocínio.

Foi campeã lutando em uma categoria acima, até 81 quilos.

Teve de engordar três para não ficar fraca demais em relação às adversárias.

Sua alimentação no Caribe foi frutos do mar e peixe frito.

Um absurdo para qualquer atleta de elite.

Ainda mais para quem iria disputar o título mundial.

E não havia dinheiro para complementar os almoços e jantares, com básicos carboidratos.

Venceu seis lutas seguidas.

Por falta de dinheiro, largou faculdade.

Luta e vive em São José do Rio Preto.

Seu marido mora em São Paulo e apenas a vê uma vez por mês.

Não há dinheiro para passagens de ônibus.

Nem dinheiro sequer para comprar luvas de competição.

Diante do estado de penúria, Neto resolveu bancar Roseli por 10 meses.

Ele dará R$ 800,00 por mês, até ela acertar a vida.

Tentar arrumar uma maneira de viver com o marido.

Buscar patrocínio.

Ter um fôlego.

A lutadora não acreditou.

Ela e seu marido estavam na rádio.

Foi uma cena comovente.

Depois, Neto a mandou comprar um par de luvas importadas, que ela tanto precisava.

A postura do ex-meia corintiano foi invejável.

Ele não precisava se envolver em mais um atleta amador com dificuldades.

Essa lado humano do polêmico comentarista merece ser conhecido.

Se eu pudesse fazer um pedido a ele, faria em público.

"Neto, não tente ser presidente do Corinthians."

Pergunte a Zico se vale a pena.

Os medíocres e os piores interesses dominam a estrutura administrativa dos clubes do País.

Será muito melhor para o mundo você continuar colocando o dedo nas feridas do futebol.

Usar seu sotaque caipira para mostrar o caminho a dirigentes incompetentes.

Exigir luta a jogadores acomodados.

Denunciar atrasos de pagamentos.

E ajudar atletas amadores de maneira incógnita.

Neto é muito melhor melhor do que gosta de mostrar.

Ou quem salva desconhecidos em uma exurrada colocando em risco a própria vida, por aí?

Sossegue, Neto...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os bogs do R7

Por que o São Paulo contratou Paulo César Carpegiani?

divugação34 Por que o São Paulo contratou Paulo César Carpegiani?

Por que Paulo César Carpegiani volta ao São Paulo?

Porque Paulo Autuori não conseguiu sua liberação do Al Rayan?

E o clube paulista não quis pagar a multa para a liberdade do treinador, de US$ 2,5 milhões?

Atuori não terá outra saída a não ser ficar até dezembro de 2011 no Catar?

Carpegiani vem porque Andres Sanches invabilizou a contratação de Dorival Júnior?

Ao falar que o ex-treinador santista, Dorival Júnior, já teria acertado sua ida ao Morumbi antes da briga com Neymar?

Por que Juvenal Juvêncio finalmente ficou desesperado pelos péssimos resultados do iniciante Sérgio Baresi?

Por que eram os líderes, Rogério Ceni e Fernandão que tinham o real comando da equipe?

Por que Baresi exalava insegurança?

Por Carpegiani ser um treinador barato, já que passou muito tempo parado, sem convites?

Pelo novo técnico do São Paulo não ter multa com o Atlético Paranaense?

Por treinar justo o Atlético Paranaense, clube a que o São Paulo declarou guerra até o final dos tempos?

Por Juvenal precisar dar uma satisfação à diretoria e a torcida?

Para ter alguém para torturar se o clube não conseguir uma vaga à Libertadores depois de sete anos seguidos?

Por que Juvenal e João Paulo de Jesus não suportam sequer pensar em conviver com Luxemburgo?

Para ter a certeza de que nenhum atleta posará pelado?

Por ter um técnico de verdade para levar adiante a reformulação do elenco de 2011?

Por que as sondangens em relação a Dunga não deram certo?

Por que Carpegiani não tem saudades de Roger, goleiro reserva de Rogério Ceni?

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os bogs do R7

O aviso direto de Felipão ao filho do presidente Palaia: Valdivia…

 O aviso direto de Felipão ao filho do presidente Palaia: Valdivia...

Foi a segunda vez.

Valdivia desafiou Luiz Felipe Scolari.

Foi substituído ontem contra o Santos e sabia que todas as câmeras estavam apontadas para ele.

Balançou e balançou a cabeça negativamente.

Deixou claro o quanto estava irritado ao ceder o lugar para Lincoln.

Felipão não nasceu ontem.

Pelo contrário, parece ter sido concebido na queda da Bastilha quando o assunto é confronto com jogadores.

Os pouquíssimos que enfrentou, dominou no laço.

Não deixou a situação crescer.

Confirmado o bom empate diante do Santos na Vila Belmiro, depois de ótimas vitórias contra Flamengo e Internacional, ele sabia que tinha moral para trocar Valdivia ou quem quisesse.

E com uma sutil frase, ele não só mostrou quem manda e com quem está tratando.

Felipão falou várias e vária coisas.

Disse que não se importava com cara feia e blá, blá, blá.

E no meio, para quem tivesse bom ouvido pinçar:

"Tiro quem tiver de tirar, nem se for filho do presidente."

Não foi por acaso.

Valdivia é sim filho do presidente.

Foi concebido por Salvador Hugo Palaia.

Quando ninguém conhecia  o meia, Palaia ouviu de um empresário que havia um gênio do futebol no Chile.

E barato.

Sempre sonhando com a presidência palmeirense, o milionário Palaia comprou o jogador.

Com dinheiro do próprio bolso.

O colocou para jogar no Palmeiras.

Se desse certo, receberia de volta o que investiu.

Se fracassasse, arcaria com o prejuízo.

Deu muito certo.

Tanto que foi vendido com lucro.

Palaia pegou apenas o que investiu.

Luxemburgo autorizou a sua saída para deixar Diego Souza jogar à vontade.

Errou duas vezes.

No retorno de Valdivia, outra vez Palaia foi um grande investidor.

Com a inesperada operação cardíaca de Belluzzo, o cargo de presidente ficou vago.

E caiu no colo do primeiro vice.

Ninguém menos do que Palaia.

Quem acertou o retorno de Felipão ao Palmeiras foi Belluzzo.

Nunca houve proximidade entre o atual treinador com o presidente em exercício.

O que detonou o antigo departamento de futebol, com Gilberto Cipullo.

O homem que foi convencê-lo na Europa a voltar para o Palmeiras.

Portanto, Felipão já mandou o recado.

A Valdivia e ao presidente Palaia.

Quem manda é ele e que ninguém ouse desafiá-lo.

Nem esse tal filho do presidente, que todo mundo sabe bem quem é...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os bogs do R7

Cruzeiro sofre com a aguda falta de apetite de gols…

cealis buy Cruzeiro sofre com a aguda falta de apetite de gols...

Só Montillo não foi suficiente para carregar o Cruzeiro nas costas.

E a equipe desperdiçou a chance da rodada perfeita.

Com empates de Corinthians e Fluminense, o time de Cuca tinha de vencer o Atlético Paranense.

A torcida que lotou Sete Lagoas não implorou pela raça do time à toa.

Faltou mais coragem ao treinador cruzeirense.

Era possível ter pressionado a saída de bola paranaense.

E não ficar nos modorrentos toques sem objetividade.

Os raros chutes foram bem defendidos pelo empolgado Neto, convocado por Mano Menezes.

Como vem acontecendo durante todo o Brasileiro, quando o time parece que vai deslanchar, vacila.

O problema está na essência de Cuca.

O Cruzeiro foi concebido para atuar nos contragolpes.

E quando precisa tomar a iniciativa dos jogos sofre.

Ainda mais quando seu cérebro em campo, Montillo, está bem vigiado.

Foi agonia pura para torcida do Cruzeiro.

Ela sabia que os rivais deixavam pontos importantes para Ceará e Grêmio Prudente.

Os gritos de incentivo logo se transformaram em apatia.

Em pedidos explícitos de "raça", "raça", "raça".

Mas o problema cruzeirense nunca foi falta de vontade.

Falta de correr.

O que o torcedor não percebeu outra vez foi o defeito maior do time de Cuca.

A inapetência ofensiva.

O time tem por primeira e maior missão na vida não perder...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os bogs do R7

Nasce a ideia de Abel Braga na Libertadores corintiana em 2011…

T Shirt Hello My Name is TROUBLE 766238 Nasce a ideia de Abel Braga na Libertadores corintiana em 2011...

O empate arrancado pela sorte, na cobrança imprecisa de Defederico, não poupou Adílson.

Empatar com o Ceará em pleno Pacaembu por 2 a 2 trouxe vários questionamentos.

O treinador recebeu vaias e vários palavrões dos torcedores.

Mas o que importa são as críticas veladas na diretoria.

Os comandantes do clube não sentem no time de Adílson a firmeza que existia com Mano Menezes.

Os jogadores estão inseguros.

E percebem que alguns tem mais direitos do que outros.

Como Edu, ontem, que não estava bem no primeiro tempo.

Foi sumariamente sacado no intervalo.

Bem ao contrário do que acontecia ontem com Jucilei.

Ele só se preocupava com o ataque e sobrecarregou Edu na marcação.

Ou Paulinho, que fazia a mesma coisa.

Ronaldo, lógico, nem se comenta.

Faz o que quiser, joga quando tiver vontade.

Indepente dos desfalques, a vitória na partida de ontem era obrigatória.

Depois de perder para o Inter e empatar com o Botafogo, também no Pacaembu, o time era obrigado a vencer.

O adversário era fraco demais.

A estrela rodada Magno Alves parecia Messi, diante de tanta liberdade que teve.

A sorte foi a péssima cobrança de falta de Defederico e o empate.

Mas se o Corinthians continuar a jogar pontos pelo ralo e não vencer o Brasileiro, é bom Adilson se cuidar.

Seu trabalho não está agradando como ele pensa.

Que o faz posar de vencedor no Parque São Jorge.

O nome de Abel Braga para a Libertadores de 2011 começa a soar bem.

O aviso está dado...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os bogs do R7

Nasce a candidatura Zico à presidência do Flamengo. Pela oposição. E Luxemburgo a caminho…

CNT EXT 168199 Nasce a candidatura Zico à presidência do Flamengo. Pela oposição. E Luxemburgo a caminho...

A estratégia do Capitão Léo é simples.

Para evitar que o fantasma de Zico continue a assombrar o Flamengo, seus auxiliares estarão a postos.

A missão é investigar a fundo todas as negociações que o ídolo fez quando estava no comando do futebol.

Como presidente do Conselho Fiscal, Capitão Léo e assessores têm acesso a todos os detalhes.

E tudo o que for "estranho" ou que não deu certo será vazado para a imprensa.

O contrato entre CFZ, Flamengo e o fundo de investimento MFD é o prato principal.

E os salários como o de Deivid, de cerca de R$ 450 mil.

Enquanto isso, a presidente está sendo convencida por Hélio Ferraz a fazer o que Zico não pôde.

Contratar um novo treinador.

A determinação é que ele seja contratado ainda hoje no lugar de Silas.

E há um nome apenas na pauta: Vanderlei Luxemburgo.

Ganhando salário mais baixo do que o normal.

E com comissão técnica reduzida.

Provavelmente com seu preparador físico Antônio Melo e Rincón, seu auxiliar.

Capitão Léo já sabe que poderá ter sua carreira política truncada na Gávea se o clube for rebaixado.

Todos o acusam de ter derrubado Zico para continuar favorito à sucessão de Patrícia Amorim.

Pouco se importando caso o tumulto levasse o clube à segunda divisão.

O clima continua muito tenso na Gávea.

O empate com o Botafogo ontem (2) não foi suficiente para aliviar a situação de Silas.

O treinador tem apenas uma vitória em dez jogos.

Seis empates e três derrotas.

A campanha é um obituário.

A força que a presidente gostava de mostrar não é mais a mesma.

A oposição se junta até em relação a Zico.

Não será surpresa para ninguém se ele for apresentado como candidato à presidência.

Para concorrer com seu algoz, o Capitão Léo, ex-chefe de torcida organizada....

E eminência parda na Gávea...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

“É triste o que aconteceu com o Zico. O Flamengo está dividido politicamente. É difícil demais trabalhar lá.” Exclusiva com Andrade…

4000403449 8abc173dca É triste o que aconteceu com o Zico. O Flamengo está dividido politicamente. É difícil demais trabalhar lá. Exclusiva com Andrade...

"É triste o que aconteceu com o Zico.

Hoje o Flamengo é dividido politicamente.

É uma briga constante pelo poder.

Eu te garanto que se o grupo do Delair (Drumbrosck) tivesse vencido a eleição, tudo seria diferente.

E eu, o treinador do Flamengo até hoje.

A Patrícia ganhou e teve de fazer suas acomodações políticas.

É uma pena tudo o que está acontecendo.

Lamento muito pelo Flamengo.

Pelo Zico."

Quem fez essas declarações exclusivas ao blog sabe o que diz.

Tem uma vida na Gávea.

Jogador excelente, companheiro fundamental de Zico no brilhante time campeão do mundo.

E técnico campeão brasileiro de 2009.

Andrade.

Agora treinador do Brasiliense, clube do senador cassado Luiz Estevão.

Ele me recebeu no hotel Trianon Paulista antes do empate contra o São Caetano.

Andrade, o que acontece no Flamengo?

Há uma divisão enorme pelo poder no clube.

Cada ala quer uma coisa.

A Patrícia recebe pressão de todos os lados.

E lógico que o futebol do Flamengo é muito cobiçado.

Há muita disputa política.

Ninguém tem tranquilidade para trabalhar.

É só política.

Cada ala pensa em si e o Flamengo fica por último.

É difícil demais trabalhar em paz.

O que aconteceu com o Zico te surpreendeu?

Sim. Eu sei o quanto ele ama e se dedicava ao Flamengo.

É uma pesssoa bem resolvida financeiramente na vida.

Com muito caráter, decente, limpo.

É triste o que aconteceu com ele.

Tenho certeza de que fazia o melhor para o Flamengo.

Lamento demais a sua saída do clube.

Mas não me surpreende.

Por quê?

Repito: pela divisão política no clube.

As pessoas estão pensando mais nelas do que no Flamengo.

Todos sabem que o clube tem enormes dificuldades financeiras, de estrutura.

Sem um CT, jogadores dormiam na sala de musculação quando o treino era em dois períodos.

E fomos campeões brasileiros.

Você sabia disso?

Então, isso era insustentável.

O Flamengo não merecia isso.

Tenho certeza de que o Zico estava tentando mudar tudo isso.

Se o Zico comandasse o futebol, você não seria demitido?

Acho que não.

Ele sabe o quanto eu conheço o clube, os jogadores.

O problema foi que eu fiquei no meio de uma briga política pelo futebol.

A pressão era imensa.

Se o Zico tivesse chegado antes, acredito sim que tudo seria diferente.

O Adriano ajudou a te derrubar?

Não, de jeito nenhum.

Ele foi artilheiro do time, um jogador sensacional.

Se tinha problemas, tratamento diferenciado era que por que a direção do clube permitia.

Eu era o treinador e, quando ele estava pronto, jogava.

Acredito até que pelo nosso ótimo relacionamento, ele entrou muito mais em campo do que queria.

Eu saí porque não houve retaguarda.

Fui um dos alvos na briga política do clube.

A Patrícia Amorim disse que você saiu também por outro motivo.

Você foi perguntar para ela se deveria escalar o Petkovic.

Isso não é péssimo para sua imagem como comandante, como treinador?

Eu não queria ficar rebatendo isso por jornalistas.

Li o que ela falou.

Não é bem assim.

Gostaria de não me indispor com ela.

Não se indispor?

Ela te expôs para o mundo do futebol como um técnico que pergunta ao presidente se deveria escalar um jogador...

Já disse que não foi assim.

O Pet tinha tomado várias atitudes erradas e muito se falava dele no clube.

Cada pessoa com poder político me dizia algo sobre ele.

Eu perguntei para a Patrícia qual era a real situação do Pet.

Se o clube iria continuar com ele ou não.

Porque havia a chance dele ser dispensado.

Dependendo do que ela respondesse, eu o manteria no time ou não.

Foi isso...

Você acha que ela falando que você perguntou se deveria escalá-lo estava desviando o foco?

Tirando a atenção das derrotas do Flamengo atual?

Olha, não sei.

Não quero brigar com ela por meio de jornalista.

Sei apenas que a minha consciência está tranquila.

Não pediria nunca ordem a um presidente para escalar jogador.

Por que você acha que, de campeão brasileiro, o Flamengo briga para escapar do rebaixamento?

A situação é simples.

A divisão dos grupos políticos é maior do que as pessoas percebem.

Todos querem o poder.

E isso atinge em cheio o time de futebol.

Você ficou cinco meses sem trabalhar.

Disse que era vítima de preconceito racial.

Acredita mesmo que o negro não pode ser técnico da Série A no Brasil?

A única coisa que eu tenho certeza é de que não há nenhum negro no comando dos 20 times.

Acredito que não é coincidência.

Que técnico negro dirigiu a seleção brasileira?

Talvez aconteçam coisas que não percebemos.

Eu acredito que existe sim essa possibilidade.

Foi o seu caso?

Para mim há outros problemas.

Eu não tenho empresário.

Sei que os empresários dominam o mercado.

E também muita gente, não sei o motivo, achou que eu tinha ido para o Mundo Árabe.

E outros que eu ainda era funcionário do Flamengo.

Como é ter sido campeão do Brasileiro da Série A e assumir um clube na zona do rebaixamento na Série B?

Desde que decidi ser treinador, e não mais auxiliar, sabia que poderia viver várias situações.

Essa é uma delas.

Vim para o Brasiliense com toda a vontade de mostrar o meu potencial.

Vou tirar o time dessa situação.

Os jogadores estão muito empenhados, sabem o quanto vale para as suas carreiras continuarem na B.

O Senador (é como trata Luiz Estevão) se mostrou uma pessoa que sabe o que deseja.

Mostrou confiança no meu trabalho, nos meus planos.

Vamos tirar o Brasiliense desse sufoco e seguir a vida.

Você tem planos de ficar no Brasiliense em 2011?

Seu contrato é verbal?

Eu acertei tudo até o final do Brasileiro da Série B apenas.

Depois, não.

E o meu contrato é sim verbal.

Confio demais no Senador, não haverá nenhum problema.

Depois de acabar o Brasileiro conversaremos sobre o futuro do Brasiliense.

Quero ajudar como puder para que o clube nunca mais passe por uma situação tão difícil.

Você acha que um dia volta para o Flamengo?

Eu sou agora treinador de futebol.

Não sou mais o eterno auxiliar do Flamengo.

Já ajudei treinador demais por lá.

Vou seguir a minha carreira.

Mas nunca vou negar o meu amor pelo Flamengo.

Nunca...

Seja quem for o presidente...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 No Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

O dia em que um chefe de torcida derrubou Zico do Flamengo…

divulgação11 O dia em que um chefe de torcida derrubou Zico do Flamengo...

O Flamengo começou outubro de 2010 de luto.

Um ex-chefe de torcida organizada, cabo eleitoral da presidente/vereadora Patricia Amorim derrubou Zico.

'Capitão' Léo.

Presidente do Conselho Fiscal.

Ele tinha a certeza de que seria o candidato de Patricia Amorim para a eleição de 2012.

Queria ser o presidente do Flamengo.

Sair da torcida, como saiu, por exemplo, Andrés Sanches.

E para isso, contava com o apoio total de Amorim.

Só que ela resolveu trazer Zico para a Gávea.

A presidente havia afirmado a todos até ao 'Capitão Léo', que ele cuidaria apenas do futebol.

E mesmo na terra devastada que encontrou, o carisma de Zico se impôs.

Sua palavra tinha muito mais força do que a de Patricia Amorim.

Com a do ex-chefe de torcida, então, não havia comparação.

Zico passou a ser o candidato natural à presidência do Flamengo.

Um obstáculo grande demais para qualquer pessoa que sonhava com o cargo.

O que fazer para abalar o ídolo?

Desmoralizá-lo.

E foi fácil.

Não por falhas de caráter.

Pela precariedade das finanças do clube.

Todos sabiam, Zico havia avisado que faria uma gestão responsável.

E que os resultados no campo seriam ruins, já acabara com ele a era dos perdulários.

Boa parte dos mais de R$ 300 milhões que o Flamengo deve é direito trabalhista.

A fórmula simples: contratava jogador que não podia pagar.

Várias e várias vezes premeditado, cruel.

Dirigentes gastavam e repassavam o pagamento para os sucessores.

Não é por acaso que o clube chegou a dever R$ 16 milhões a Petkovic.

Ele comprou seu retorno ao time dividindo esse dinheiro pela metade.

Com Zico, não.

Ele realmente montou uma equipe limitada, fraca.

E com jogadores acomodados, viciados na Gávea.

Até porque a safra dos juniores não era boa.

Errou ao insistir com o interino Rogério como treinador.

Depois também escolheu mal, para o momento do Flamengo, Silas.

Jovem e sem ligação alguma com a Gávea.

Não sabe nem 10% dos problemas do clube.

Zico se tornou alvo fácil ao investir em jogadores baratos, mas em péssimo momento.

Foi assim com Leandro Amaral, que estava parado.

E, de tão mal, joga no time B.

Deivid e Diogo, completamente fora de forma.

Renato também não consegue fazer nada do que se esperava dele, uma enorme decepção.

O golpe fatal dos que trabalharam contra Zico foi o contrato com o CFZ.

Clube que o ídolo criou.

Havia o acordo envolvendo as categorias de base.

O Flamengo poderia ficar com os jogadores que se destacassem.

Por ser uma vitrine sensacional, ficaria com 50% dos direitos dos garotos revelados.

O acordo foi fechado quando o presidente era Delair Dumbrosck. 

O problema é que Zico vendeu o CFZ para empresários do fundo de investimento MFD.

A transação aconteceu em agosto.

A partir daí, a ala que queria derrubar Zico começou a atacá-lo por trás.

Dizendo inclusive que seu filho Bruno estaria envolvido com jogadores do CFZ levados à Gávea.

E que desejava comissão.

A situação foi desmentida por Zico inúmeras vezes.

Quem acusava Bruno nunca mostrou sequer uma prova.

A presidente/vereadora fez questão de dizer que Zico estava 'assustado' com a pressão.

Em 2004, outro ídolo, Júnior, tentou comandar o futebol do clube.

Mas foi engolido politicamente pela ala que cuidava dos esportes amadores.

Zico se mostrava desgostoso a cada dia.

A ala comandada pelo 'Capitão Léo' minava o seu trabalho.

Zico queria a saída de Silas depois das declarações do técnico contra seus jogadores, após o jogo contra o Goiás.

E contratar seu amigo Luxemburgo.

Mesmo em péssima fase, o treinador sabe como tudo funciona na Gávea por ter jogado desde a base na Gávea.

E não esconder seu amor eterno.

Os contatos foram feitos.

A pedido de Zico, Luxemburgo abriria mão da comissão técnica gigantesca e dos salários milionários.

Só que sua contratação foi barrada.

E ofícios começaram a chegar nas mãos de Patricia Amorim pedindo explicações a Zico.

Ele teria de explicar ao Conselho Deliberativo e ao Fiscal o acordo entre o CFZ, Flamengo e MFD.

Zico nunca foi estúpido.

Ele percebeu que mesmo não tendo nada a dever, seria massacrado pelas perguntas.

Pelo ambiente, de total domínio do 'Capitão Léo'.

Não só ele sairia desmoralizado, mas também Bruno, sua família.

Não contou nem ao irmão Edu.

E preferiu sair do clube que tanto ama.

Mandou uma mensagem de texto para a presidente/vereadora Patricia Amorim.

Despedidas sem contato físico são as mais tristes.

Quem diz adeus geralmente não quer chorar em frente a que fica.

Zico fez questão de recusar diversos convites para treinar o Flamengo.

Tinha medo de ser chamado de 'burro' pela torcida que tanto amou.

Sendo assim, não poderia ficar comandando o futebol do Flamengo com parte dos conselheiros desconfiando da sua honestidade.

Da honra dos seus filhos.

Para quem não sabe, Zico é muito rico.

Acumulou patrimônio como jogador e nas suas andanças pelo mundo como treinador.

Mas de qualquer jeito, parabéns, meu capitão...

O caminho está livre para ser presidente.

Aproveite...

O Flamengo como fica agora?

E a ameaça de rebaixamento?

Ah, o Flamengo...

Depois a gente pensa no que faz.

E que importa esse ex-jogador sem apoio político no Conselho Deliberativo?

O bom é que o caminho está livre para a presidência.

Até porque, você,  'Capitão Léo',  fez muito mais pelo clube torcendo nas arquibancadas...

Do que esse tal de Zico em campo.

Ele pode ser símbolo de honestidade por onde passou.

Menos na Gávea atual, território de um certo capitão...

(E para deixar ainda tudo mais deprimente, Zico chorou.

Foi se despedir dos jogadores e de Silas e não se conteve.

Viu o seu sonho de reestruturar o futebol do Flamengo ir por água abaixo.

Fazer descer lágrimas de alguém como Zico não tem perdão...)

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 No Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7