Inter revoltado com o assédio do São Paulo em Guiñazu. E promete uma represália original…

reuters28 Inter revoltado com o assédio do São Paulo em Guiñazu. E promete uma represália original...
O decepcionante terceiro lugar no Mundial de Clubes terá consequências no Internacional.

Celso Roth não deverá continuar comandando a equipe em 2011.

Haverá uma reformulação no elenco.

Mas é o argenteino Guiñazu que provocou raiva nos dirigentes gaúchos.

Outra vez o assédio de empresários ligados ao São Paulo ao volante irritou os presidentes do Inter.

Os presidentes, no plural.

Vitorio Piffero deixa o cargo no final do ano, e Guiovanni Luigi assume em janeiro.

Eles sabem que Juvenal Juvêncio sonha em ter o argentino como grande líder no time em 2011.

Eles fizeram um pacto.

Se continuar o assédio do São Paulo pelo atleta, ambos tomarão uma providência inédita no futebol brasileiro.

"Caso esse clube continue a assediar o Guinãzu, eu vou para São Paulo.

Eu e o Vitorio podemos ir juntos.

Vamos assediar os melhores jogadores do São Paulo e oferecer 50% a mais do salário para jogar no Inter.

Se eles têm contratos longos, não é problema nosso.

Vamos agir como esse clube paulista está agindo conosco.

Perturbar um jogador que tem contrato oferecendo um salário maior.

Não é assim que se negocia.

Forçar um atleta a se rebelar com o clube para sair.

Nós temos contrato e, se o São Paulo quiser o jogador, que nos procure.

Tenha a atitude correta.

Negocie de clube para clube.

Se não quiser, pague a multa de €$ 30 milhões (R$ 67,5 milhões).

Oferecer mais dinheiro ao atleta não vai adiantar.

Aqui é o Internacional e precisa ser respeitado", desabafou o presidente eleito Giovanni Luigi.

De acordo com a direção do Inter, é a segunda vez que o São Paulo faz a mesma coisa com Guiñazu.

"Fui eu quem fui contratá-lo, quando era diretor de futebol.

Conheço demais o seu caráter e não é porque o Inter não ganhou o mundial que ele desistirá do nosso clube.

Ele sabe que nunca foi bem tratado como aqui.

Mas o que eu quero deixar registrado é que ninguém passa o Inter para trás.

Aqui não é um clube qualquer.

Os dirigentes do São Paulo estão avisados.

Se continuarem com isso, vamos mesmo para lá com essa oferta de 50% a mais dos salários de quem nos interessar.

E convocaremos uma coletiva em São Paulo mesmo para mostrar como esse clube negocia."

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Sindicato dos jogadores garante: não há respaldo legal para Felipão tentar controlar Valdivia até nas férias. Mais um desgaste desnecessário no Palmeiras de chumbo…

divulgação101 Sindicato dos jogadores garante: não há respaldo legal para Felipão tentar controlar Valdivia até nas férias. Mais um desgaste desnecessário no Palmeiras de chumbo...
A grande maioria dos jogadores do Palmeiras atual pode ser limitada.

Mas não gosta, pelo contrário até, detesta a mão de ferro com que são tratados.

Seguindo ideias do seu assessor de imprensa pessoal, Luiz Felipe Scolari resolveu extrapolar a função de técnico.

O melhor treinador do país perdeu o foco.

Está caçando fantasmas e esqueceu do futebol.

Se Luxemburgo adora ser manager, para comprar, vender, emprestar jogadores, Felipão vai por outro caminho.

Ele quer controle absoluto sobre tudo o que o atleta faz.

Incomoda mais fora do campo do que dentro, onde o treinador deveria cuidar primeiro.

O técnico proibiu os seus atletas de darem entrevistas antes, durante (no intervalo, lógico) e depois das partidas.

É a síndrome do derrotismo.

Porque em várias partidas que o Palmeiras ganhou, e com grandes atuações individuais, os atletas tiveram de se calar.

Na hora de valorizar o patrimônio do clube e até o caro patrocínio da camisa, os jogadores são obrigados a fugir para os vestiários.

Tirando Marcos, Valdivia e Kléber, os demais precisam de exposição.

Têm o direito de se expressarem, dar entrevistas, aparecer.

Mas são tratados como crianças sem controle sobre aquilo que falam.

Como se tivessem incontinência verbal.

Para o assessor pessoal de Felipão, a imprensa só quer o mal do Palmeiras e do treinador.

E todos os repórteres fizeram um pacto maligno para conturbar o ambiente do clube.

Puro complexo de perseguição.

O decepcionante Palmeiras de Scolari foi o clube que mais fechou treinamentos à imprensa.

Lembrando os tempos da ditadura militar, por exemplo de Pinochet, foi tratado como inimigo mortal quem ousou questionar esse modo de agir.

Muito irônico o presidente Belluzzo, que tanto pregou contra as ditaduras, permitir esse tipo de comportamento no seu clube.

Não bastasse tudo isso durante a temporada, agora veio o pior.

Nas férias, Scolari também quis controle total sobre os atletas.

E foi mexer com quem não devia.

Com quem não tem medo dele.

Quem é ídolo do clube.

Valdivia.

Foi elaborada uma carta em que o jogador se comprometeria a se comportar nas férias.

Como um menino, ele deveria garantir que não se exporia e cumpriria o seu tratamento médico.

O chileno ficou revoltado quando recebeu a carta e se recusou a assiná-la.

Para dar um ar oficial até a uma possível rescisão de contrato, ela foi protocolada no Sindicato dos Atletas Profissionais de São Paulo.

Mas à toa.

"Não há legalidade nessa carta.

O Palmeiras não poderá se apegar a ela para rescindir o contrato do Valdivia.

O fato dele não querer assiná-la não significa nada.

Mesmo se ele voltar contundido.

Não há esse precedente legal.

Não há legislação que prevê essa obrigação por carta, documento.

A carta do Palmeiras a Valdivia foi protocolada aqui há duas semanas.

Mas, repito, não há fundamento legal que obrigue o jogador a nada."

As afirmações são do presidente do Sindicato dos Atletas Profissionais de São Paulo, Rinaldo Martorelli.

Ou seja: mais desgaste por nada.

Scolari ficou revoltado por Valdivia não ter assinado o documento.

E Valdivia ficou desgostoso por estar sendo tratado como uma criança.

Ou o responsável pela sua não recuperação do estiramento na coxa esquerda.

Como se não tivesse sido o departamento médico do clube que o liberou três vezes para jogar...

E, por três vezes, ele teve de sair de campo.

Essa situação acontece com o jogador mais caro da história, que fez o clube gastar R$ 14 milhões.

Todo esse clima no Palmeiras é criado por conta dessa mão de ferro de Felipão.

Isso não adianta no futebol.

Se fosse assim, o Chile de Pinochet, ditador que o treinador já elogiou, teria sido campeão do mundo enquanto durou os anos de chumbo no país.

Os culpados não são o assessor de imprensa pessoal de Scolari...

Nem o treinador...

Mas quem permite que isso aconteça no Palmeiras e finge que não vê...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Cercado de desconfiança e reserva no Braga. Assim chega Felipe na Gávea…

gettyimages292 Cercado de desconfiança e reserva no Braga. Assim chega Felipe na Gávea...
Vanderlei Luxemburgo procurou a presidente Patricia Amorim com a novidade.

O Flamengo não teria de pagar nada pelo empréstimo de Felipe.

Havia uma cláusula no contrato com o Braga que obrigava o clube português a liberá-lo se houvesse um interessado brasileiro.

E se o goleiro estivesse disposto a aceitar a transação.

E Luxemburgo se certificou de que Felipe queria jogar no Flamengo.

Já havia conversado com os representantes do goleiro.

A presidente do Flamengo ficou preocupada.

Já tinha ouvido falar muito mal de Felipe.

E quis se certificar.

Telefonou para o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez.

O corintiano não perde uma oportunidade para chamar o jogador de "mau caráter".

Ele não perdoou tudo o que Felipe fez para sair do Corinthians.

Como abandonar a concentração, deixar de treinar.

Andrés deu a ordem para os dirigentes se livrarem dele quando estava na África, como chefe da delegação brasileira.

E como era de se esperar, Andrés falou mal demais do goleiro para Patricia.

Mas a presidente não se convenceu porque Luxemburgo deu a sua garantia de que seria o melhor negócio do ano para o Flamengo.

O time teria um grande goleiro e só teria de pagar salários.

A única providência da presidente foi exigir uma cláusula que, em caso de indisciplina, o Flamengo poderia liberá-lo imediatamente.

Felipe é um nome que tem muita resistência na Gávea.

Muitos conselheiros próximos a Patricia não aprovaram a contratação.

Disseram que era melhor investir mil vezes em Diego Cavalieri.

Ou mesmo dar força a Marcelo Lomba.

Mas a presidente não quis desmoralizar Luxemburgo que havia acertado tudo com o goleiro.

Só que Patricia nomeou o técnico como total responsável por tudo o que Felipe fizer na Gávea.

O treinador teve uma conversa séria com o jogador e explicou a situação.

Felipe disse a Luxemburgo para confiar nele.

Mesmo entre os jogadores, o nome de Felipe não é bem conceituado.

Pelo contrário até.

Eles consideram que Marcelo Lomba tem no mínimo o mesmo nível que ele.

A favor de Felipe existe o marketing.

A maior prova seria o fato de o goleiro estar na reserva do fraco Braga.

Reserva.

Na imprensa portuguesa e mesmo no Braga, Felipe não deixará saudade.

O goleiro brasileiro não impressionou, muito pelo contrário.

Além de não mostrar talento, só foi manchete quando foi acusado pela ex-namorada de Richarlyson de agressão.

Mesmo com esse currículo, Luxemburgo resolveu apostar sua reputação em Felipe.

Patricia Amorim lavou as mãos.

Mesmo assim, não adiantou.

Conselheiros não se conformam com a contratação e prometem cobrar a presidente na primeira confusão que Felipe aprontar.

Patricia Amorim rebate que se houver uma confusão, será a última.

Esse é o clima na Gávea para a chegada do grande Felipe.

Assim, o Flamengo deu o primeiro passo para a temporada 2011: trazendo um goleiro em quem quase ninguém confia...

Veja mais:

+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Inter de Milão campeã mundial como se fizesse um coletivo contra o Mazembe. Que raiva, que desperdício, Inter de Celso Roth. Por isso Abel Braga, Falcão e Dorival Júnior são candidatos a comandar o time em 2011…

divulgação2221 Inter de Milão campeã mundial como se fizesse um coletivo contra o Mazembe. Que raiva, que desperdício, Inter de Celso Roth. Por isso Abel Braga, Falcão e Dorival Júnior são candidatos a comandar o time em 2011...
A conquista da Inter de Milão deu raiva.

Não do Mazembe.

Mas do Internacional de Porto Alegre, de Celso Roth, dos seus jogadores.

Bastou ter um pouco de personalidade e a Inter de Rafa Benitez venceu o título mundial por 3 a 0.

A facilidade foi tanta que poderia ter sido de seis, sete.

Em Abu Dhabi espetava o coração ver grande parte das arquibancadas lotadas de vermelho.

Torcedores do Internacional que esperavam ao menos a decisão do título.

Não o inútil terceiro lugar, conquistado diante dos sul-coreanos Seongnam por 4 a 2.

Em 17 minutos, a Inter de Milão marcou 2 a 0.

A estratégia mirabolante?

Bastou marcar a saída de bola dos africanos e tocar a bola com velocidade.

Ficou clara a fragilidade técnica do Mazembe.

Os italianos pareciam que estavam treinando.

Fazendo um coletivo.

Os torcedores colorados que se endividaram para viajar do Brasil até os Emirados Árabes não se conformavam.

Como?

Como o Internacional conseguiu perder para o Mazembe?

Como permitiu que pela primeira vez na história não houvesse um sul-americano diante dos europeus?

Celso Roth vai pagar essa conta.

A nova diretoria promete buscar outro comandante para 2011.

Dorival Júnior, Falcão, Abel Braga.

Esses são os nomes mais citados para comandar o Inter na Libertadores, na busca de voltar à decisão do Mundial de Clubes.

Esse sábado foi triste para os brasileiros.

Menos para Júlio César, Maicon, Lúcio, que sofreram na Copa da África, mas terminam o ano como campeões do mundo com a Inter.

Assim como Thiago Motta e Phillipe Coutinho também, lógico...

O Internacional jogando com personalidade tinha como enfrentar a Inter de Milão.

Mas faltou competência, ansiedade, força psicológica, competência para os brasileiros chegarem à final.

E ficou claro porque não vale a pena apostar em D'Alessandro.

Sua carreira acumula decepções quando mais se espera dele...

Como diz o tetracampeão brasileiro Muricy: "A bola não perdoa".

Que raiva, Internacional...

Que raiva, Celso Roth...

Que raiva, D'Alessandro...

Que prejuízo para quem foi a Abu Dhabi com a camisa colorada...

É ou não é caso para procurar o Procon e pedir o dinheiro de volta...

Propaganda enganosa...

Grêmio perdoa e tenta buscar o filho traidor: Ronaldinho Gaúcho…

divulgação22 Grêmio perdoa e tenta buscar o filho traidor: Ronaldinho Gaúcho...
Depois de 10 anos, a redenção de Ronaldinho Gaúcho?

Os dois maiores ídolos da história do Grêmio juntos?

O torcedor acordou embasbacado hoje em Porto Alegre.

O presidente Paulo Odone confirmou as negociações para tentar repatriar o filho renegado.

Nos últimos dez anos, os gremistas aprenderam a detestar o talentoso meia.

Tudo devido à saída pela portas dos fundos.

O clube chegou a recusar propostas de R$ 70, R$ 80 milhões por ele.

Esperava uma que passasse da casa dos R$ 100 milhões, quando tomou uma facada pelas costas.

Ronaldinho Gaúcho assinou com o Paris Saint Germain em 2001 e não rendeu quase nada ao Grêmio.

A saída foi feia demais.

Os dirigentes se sentiram traídos e passaram esse sentimento aos torcedores.

Ao Brasil inteiro.

Nos anos seguintes, Ronaldinho tinha de andar com óculos escuros, boné e seguranças quando ia a Porto Alegre.

Ao ser reconhecido, o jogador era xingado, provocado e sofria ameaças de agressão.

Várias diretorias que passaram pelo Olímpico diziam que era mais fácil ele jogar no Inter do que voltar.

Só que Paulo Odone pensa diferente.

Ele conversou por diversas vezes com Assis, irmão/procurador/conselheiro de Ronaldinho Gaúcho.

O assunto: o retorno do jogador.

Assis também surgiu no Grêmio e sempre revelou mágoa e arrependimento da maneira com que seu irmão caçula deixou o clube.

A situação no Milan está péssima.

O treinador Massimiliano Allegri pediu, e a diretoria até já contratou Cassano, da Sampdoria.

Disse aos dirigentes que será muito mais útil do que o Brasileiro.

Ao contrário do Palmeiras, que espera a liberação de graça, o Grêmio busca recursos para comprar Ronaldinho Gaúcho.

Estando aberto até a receber empréstimo do irmão Assis.

As negociações com o Milan já começaram.

A supresa torcida gremista começa a esquecer as mágoas.

E se houver um sincero pedido de desculpas, as portas do Olímpico estarão abertas.

Todo o ressentimento esquecido.

Até porque tem a Libertadores de 2011 pela frente.

Que disputará com o maior rival, o Internacional.

A negociação está indo rápida demais.

O presidente Odone está otimista.

E o torcedor do Grêmio está com o coração dolorido, mas feliz.

Disposto a perdoar a grande traição.

Tudo pelo prazer de ter os dois maiores ídolos do clube, Renato e Ronaldinho trabalhando juntos.

O que parecia impossível está muito perto de acontecer...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Para Adriano. “O Corinthians não é casa de reabilitação.” Para Felipe. “É um mau caráter”. O presidente Andres Sanches…

gettyimages9333 Para Adriano. O Corinthians não é casa de reabilitação. Para Felipe. É um mau caráter. O presidente Andres Sanches...

O final do ano costuma desarmar as pessoas.

E o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, se sentiu absolutamente à vontade na rádio.

Falou na paulista Jovem Pan.

Bem à vontade, ele não deixou pergunta sem resposta.

E falou muito.

Os temas.

Adriano

Eu vou falar publicamente.

Não há nenhum dirigente do Corinthians negociando com ele.

O pior é que eu falo e ninguém acredita.

Quem começou tudo isso foi o Ronaldo.

Se ele der 12 cheques pré-datados para o Corinthians garantindo o salário do Adriano, tudo bem.

A Roma acabou de gastar 6 milhões de euros por um contrato de três anos com ele.

Em três, quatro meses não vai abrir mão de um jogador como ele.

E tem mais.

Se tudo mudar e houver a chance contratá-lo, já vou avisando: o Corinthians não é casa de reabilitação.

Se vier para jogar aqui, terá as mesmas regras dos outros jogadores.

Obrigações, horários e multas.

O Corinthians não é casa de reabilitação.

Não vou para a Itália negociar com a Roma.

Não estou negociando o Adriano.

Estou sendo bem claro.

Por que se ele não vem, quem fica com cara de babaca?

Eu...

Contratações

Quero um zagueiro, um volante, um meia e dois atacantes.

Anderson Polga e Liedson não há interesse.

Estamos negociando e teremos novidades em breve.

(O mais próximo é o Marcinho, ex-meia do Flamengo, que está no Catar.)

Discurso na entrega da taça do Fluminense.

Não foi gafe, não.

Falei o que eu quis falar. (Que o Corinthians foi rebaixado e subiu no campo. Ao contrário de outros. Foi um recado ao Fluminense, que subiu em uma virada de mesa da CBF.)

O problema é que muitas pessoas foram hostilizadas porque o Theatro Municipal do Rio estava cheio de torcedores do Fluminense.

O presidente foi vaiado por ser corintiano, o governador, por ser vascaíno.

Eu pedi mesmo para falar.

E fui muito vaiado e xingado.

Quando vi o presidente do Fluminense rindo, não me contive e falei mesmo.

Felipe no Flamengo.

Ele é um mau-caráter.

Falo e repito: mau-caráter.

Foi uma sacanagem o que ele fez para sair do Corinthians.

Abandonou concentração, deixou de treinar e outras coisas que não vou nem falar.

Para jogar no Braga.

No Braga...

Durante três anos ele criou um monte de problemas, fofoquinhas para ganhar aumento, renovar contrato.

Eu me arrependo de não ter mandado o Felipe embora muito antes.

Estádio

Existem 13 maquetes que foram feitas desde 1970 no Corinthians.

Eu não sou de enganar ninguém.

Esperei surgir a oportunidade e ela veio.

O Corinthians quis por muito tempo assumir o Pacaembu.

Mas a Associação de Moradores impediu que se fizessem reformas no estádio, shows.

Então essa associação que banque o Pacaembu quando o Corinthians for jogar em Itaquera.

Eu não queria mesmo a nossa Arena com 65 mil lugares.

O projeto estava certo para 48 mil lugares.

Mas foi um pedido para que o estádio passasse a 65 mil lugares e fosse palco da abertura da Copa.

E vou antecipar.

A partir da segunda quinzena de março,1.500 trabalhadores se revezarão em três turnos para fazer o estádio.

Ele estará pronto sem problema algum.

Será a Arena Multiuso mais moderna do Brasil.

E só faremos dois shows por ano nela.

Os jogos do Corinthians já serão suficientes para fazê-la rentável.

Não somos como outros clubes que precisam de shows.

Nossa torcida já é forte o suficiente para fazer o estádio rentável.

Propaganda na camisa do Barcelona.

Fomos nós que ensinamos para eles que a camisa é uma fonte de renda enorme.

Nós trocamos ideias e aprendemos com os espanhóis.

Mas também ensinamos.

Eles viram o que ganhamos com a nossa camisa e resolveram seguir o nosso caminho.

Perda do Brasileiro

Perdemos o campeonato para nós mesmos.

Não vou colocar a culpa em ninguém.

Se alguém entregou jogo, até porque eu não acredito que alguém entregue jogo no Brasil.

O Corinthians perdeu pelos nossos erros.

Mas quero dizer que o nosso centenário termina só em setembro de 2011...

Antecipação do fim do mandato.

Vou antecipar mesmo.

Em vez de sair em fevereiro de 2012, sairei em dezembro de 2011.

Não posso fazer todo o planejamento de um ano em que não serei presidente do Corinthians.

Pedi essa mudança no estatuto.

Se não aceitaram, eu renuncio.

Vou sair em dezembro porque é melhor para o Corinthians.

O clube faz eleições na primeira quinzena de dezembro e o novo presidente assume em janeiro.

E aí faz o que quiser.

Fim do Clube dos 13

Eu defendo.

Ele só existe para negociar a transmissão do Brasileiro.

Isso o Corinthians vai passar a fazer sozinho.

Vai sondar o mercado e escolher o que é melhor para ele.

Não é o São Paulo sempre o último clube a assinar o contrato?

Agora vai ser o Corinthians.

E isso vai valer para o Brasileiro a partir de 2012.

Não tenho compromisso com ninguém.

Exclusiva com Marcos Assunção. “O problema do Palmeiras é a falta de união. Assim fica impossível ganhar qualquer coisa…”

gettyimages0909 Exclusiva com Marcos Assunção. O problema do Palmeiras é a falta de união. Assim fica impossível ganhar qualquer coisa...
Kléber confirmou na TV Bandeirantes os empresários e jogadores do Brasil sabem.

O Palmeiras deve dois meses de salários.

Kléber está revoltado com o que vê no clube.

A promessa de montar uma grande equipe para 'ganhar tudo' que foi feita por Belluzzo para convencê-lo a deixar o Cruzeiro foi cumprida.

O atacante é um dos poucos a ter coragem de mostrar os erros do Palmeiras.

Marcos é contido.

Sabe do peso das suas palavras.

E a idade o ensinou a apenas sugerir como estão as coisas.

Ele está cansado de cobrar e ser acusado de tumultuar o ambiente do clube.

Mas há outro atleta que fala o que pensa.

Tem moral, futebol, experiência e personalidade.

Marcos Assunção.

Enquanto os dirigentes em período pré-eleitoral prometem Ronaldinho Gaúcho, Adriano, Messi, Cristiano Ronaldo, Gisele Büdchen como massagista, o volante se fixa na realidade.

Em entrevista exclusiva ele mostra que o caminho para a recuperação do Palmeiras é muito fácil.

O que falta é boa vontade e menos ego para quem comanda esse importante clube do Brasil.

Marcos, a última vez que nós conversamos você estava procurando clube e não achava.

Se ofereceu de graça para muitos que agora tentam lhe convencer para jogar lá, como o Santos...

É verdade...Você lembrou bem. Foi uma fase terrível para mim.

Sabia que estava pronto para ajudar qualquer clube grande, mas não me deram chance.

Fui vítima da ignorância dos dirigentes brasileiros.

Eles se dizem profissionais mas não sabem como estão os jogadores que estão atuando no Exterior.

Confiam em empresáros e muitas vezes são enrolados.

Esperei mesmo para o Santos, clube onde eu tenho uma grande ligação e não me deram chance.

Fui para o Grêmio Prudente e lá pude mostrar o que ainda conseguia fazer em campo.

Foi uma das grandes vitórias da minha carreira ter sido contratado pelo Palmeiras.

E agora ter vários times interessados em mim.

Você vai sair do Palmeiras?

A minha intenção é continuar.

Eu quero ficar.

A hora é de união, reconstrução.

Sou um homem de palavra.

Só saio se o Palmeiras não quiser contar mais comigo.

O que existe de tão errado no Palmeiras?

Uma pressão exagerada sobre os jogadores.

É como se o time fosse culpado de tudo que aconteceu de errado no Palmeiras nos últimos anos.

Os dirigentes são pessoas muito importantes em um clube.

São eles que precisam estar unidos para blindar a equipe.

Infelizmente há falta de união entre os dirigentes e os atletas acabam expostos.

Por mais que nos concentremos, falta tranquilidade para trabalhar.

Todos nós sentimos o clima tenso no clube.

E isso reflete em jogos importantes, como na partida contra o Goiás.

Há ansiedade, desespero para ganhar de qualquer jeito.

Assim as coisas não andam.

E atrasando salários?

Infelizmente é uma realidade brasileira.

Não é só o Palmeiras, não.

Mas é claro que atrapalha ainda mais.

Só que eu acredito que os nossos problemas deveriam ser discutidos e resolvidos entre nós.

No Palmeiras há uma coisa incrível: tudo vaza, sai na imprensa.

E o tudo fica muito pior.

O Felipão o colocou na reserva ao assumir o Palmeiras.

Você deu a volta por cima e é titular absoluto.

O que aconteceu?

Acho que ele foi mal informado das minhas condições.

Não sabia como eu estava.

Não culpo o Felipão, não.

Mas eu sei como estou e mostrei que poderia ajudar o time.

E o Felipão logo me colocou como titular.

Hoje conversamos muito para tentar fazer o Palmeiras ganhar seus jogos.

Me dou muito bem com ele.

Qual será o futuro do Palmeiras em 2011?

Antes de mais nada, pensar em reforços, troca de elenco, o que o Palmeiras precisa fazer é uma coisa só.

O clube tem de se unir.

O problema do Palmeiras é a falta de união.

Assim fica impossível ganhar qualquer coisa.

Com os dirigentes divididos, o reflexo é direto sobre o time.

E as críticas precisam ser internas.

Dirigente não pode criticar jogador pela imprensa.

E o mesmo vale para o jogador.

O Palmeiras só irá reagir quando se unir.

Esse é o caminho, não tem jeito.

A cura do Palmeiras está no próprio Palmeiras...

A direção do Real Madrid ainda está revoltada com o sacrifício inútil de Kaká na Copa da África…Só o liberará para a Seleção quando for obrigatório…Acabou a boa vizinhança…

divulgação0025 A direção do Real Madrid ainda está revoltada com o sacrifício inútil de Kaká na Copa da África...Só o liberará para a Seleção quando for obrigatório...Acabou a boa vizinhança...
É muito simples compreender o sacrifício que Kaká fez na Copa da África.

Sua lesão no joelho esquerdo e lombalgia eram tão graves que só voltará a jogar em janeiro.

Ou seja: agosto, setembro, outubro, novembro e dezembro serviram só para recuperação.

O segundo jogador mais caro da história está parado há cinco meses.

A direção do Real Madrid ainda não se conforma como ele expôs a tanto sacrifício pela Copa.

Médicos confirmam que as dores que ele sentiu foram além do normal.

Kaká estava obcecado.

Foi um enfeite na Copa de 2002 e havia fracassado na de 2006.

Queria a redenção em 2010.

Se aproveitou da dependência da convocação de Dunga...

E principalmente da vontade de um trio.

Do fisioterapeuta Luis Rosan, do preparador físico Paulo Paixão e do médico José Luiz Runco.

Eles acreditavam ter a missão divina de colocar o jogador em campo na África.

De qualquer maneira.

Sabiam que Dunga contava, precisava dele em campo.

E todos foram contagiados com o enorme espírito de sacrifício de Kaká.

Ele se submeteu a tudo para jogar.

Principalmente ao seu maior sacrifício pessoal, as dores.

Diagnósticos foram desprezados.

E todo tipo de tratamento tentado.

Ele ficou muitas madrugadas acordado tratando do joelho e da pubalgia, que era mais cruel.

As dores na lombar eram terríveis.

Dificultavam a movimentação, o arranque, os chutes.

Praticamente anulavam o potencial de Kaká.

Mas perigosa mesmo era a lesão do joelho.

"Ele colocou sua carreira em risco.

Não sei como um jogador tão importante se expôs a isso", disse o consagrado médico Marc Martens que o operou em agosto.

Kaká estava com o menisco rompido.

A direção do Real Madrid ficou possessa com o diagnóstico.

Afinal, gastou 65 milhões de euros no meia.

Cerca de R$ 178 milhões!!!

Tudo por um sacrifício inútil.

Kaká não podia se movimentar, mas contava com toda a confiança de Dunga.

Todos diziam que o jogador estava bem.

Seu esquema dependia demais de um jogador talentoso, mas com o menisco rompido.

Médicos de clubes grandes de São Paulo me afirmaram que nem Pelé no auge faria melhor com o joelho como estava o de Kaká.

Tudo isso foi exposto porque o jogador anunciou a sua volta em janeiro.

E de novo, se ouve um aviso vindo da CBF.

"Kaká será fundamental para o meu trabalho.

Ele sabe o quanto conto com ele."

As frases são de Mano Menezes.

A direção do Real Madrid, José Mourinho, parentes e até assessores de imprensa de Kaká ficaram arrepiados.

Outra vez, não.

Todos sabem o quanto o jogador quer completar a trajetória vitoriosa na sua carreira.

E ele está devendo na Seleção Brasileira.

Principalmente em uma Copa do Mundo.

Em 2014, ele terá 32 anos.

Será a sua última chance.

Se ele fez o que fez em 2010, o medo é pensar em tudo o que ele se sujeitará a jogar a Copa do Brasil.

Que Mano Menenezes ou quem estiver no comando da Seleção tenha bom senso e perceba essa exagerada determinação de Kaká.

E que cultive Ganso e até o argentino naturalizado Conca.

O Brasil não pode nunca mais depender da santa obsessão de Kaká.

Até porque acabou a boa vontade da direção do Real Madrid em relação à Seleção Brasileira.

Os espanhóis não perdoam o que foi feito com seu jogador que custou R$ 170 milhões.

Só o vão ceder quando forem obrigados pela Fifa.

Acabou a política de boa vizinhança...

Richarlyson no Fluminense. A negociação mais constrangedora do Brasil..

divulgação rolling stone Richarlyson no Fluminense. A negociação mais constrangedora do Brasil..
A expulsão infantil de Richarlyson contra o Fluminense teve muitas conseqüências.

O presidente Juvenal Juvêncio ficou revoltado.

Não por ver o seu time não lutar pela vitória, o que prejudicou o odiado rival Corinthians.

Mas porque sabia que há pelo menos dois meses, o Fluminense sondava seu atleta.

Está certo que Xandão já havia recebido cartão vermelho na mesma partida.

A expulsão de Richarlyson facilitou demais o jogo para o time de Muricy Ramalho.

Pegou mal.

O jogador forçar o vermelho xingando Heber Roberto Lopes.

E ajudar o seu próximo clube.

Não só a ganhar a partida.

A ser campeão do Brasil.

Ética, constrangimento, raiva, desligamento imediato do São Paulo.

Richarlyson nunca mais vestiu ou vestirá a camisa do tricolor paulista.

Sua despedida foi inconvincente.

Estava claro que os companheiros se mostravam muito mais ligados a Jorge Wagner.

A saída foi sim pela porta dos fundos.

E como o Fluminense poderia anunciar o jogador depois de tão estranha expulsão de Richarlyson?

A saída mais óbvia: deixar a poeira baixar.

Apostar na falta de memória das pessoas, dos torcedores, da imprensa.

E aos poucos a negociação vai se materializando.

O empresário de Richarlyson está sim tentando encontrar um clube europeu disposto a pagar muito pelo jogador.

Só que as ofertas não estão chegando.

O Fluminense tem a total prioridade no Brasil.

Muricy já conversou com Rick sobre a importância da sua versatilidade no time.

Os dirigentes também já estão cansados de ouvir o treinador falar sobre o assunto.

A mais contrangedora contratação de 2010 vai tomando forma.

O jogador está fugindo das entrevistas.

Os dirigentes e Muricy disfarçam, constrangidos quando o assunto é tocado.

Ninguém quer passar por mentiroso.

O caminho das Laranjeiras está aberto.

O grande problema foi absurda postura de Richarlyson contra o Fluminense.

Não há como evitar o sorriso amarelo, envergonhado de todos os envolvidos caso aconteça o que todos esperam: a contratação do atleta.

O que seria uma ótima contratação passa a ser incômodo.

Tudo por causa de um chilique no pior momento possível...

O Fluminense e Richarlyson não precisavam passar por este grande momento constrangedor...

( E para o bem do futebol não passaram.

O presidente Alexandre Kalil ofereceu bem mais do que a proposta do Fluminense.

Ninguém esperava, nem o procurador do jogador.

Ele vai para Minas Gerais.

Trabalhar com Dorival Júnior.

Foi a melhor situação que poderia ter acontecido para Richarlyson.

A expulsão na última partida jogando pelo São Paulo contra o Fluminense ninguém vai esquecer.

Nem se ele fosse jogar na China...)

Não é piada. Portuguesa quer ser bicampeã brasileira. Venceu dois Rio-São Paulo…

divulgação92920 1024x682 Não é piada. Portuguesa quer ser bicampeã brasileira. Venceu dois Rio São Paulo...

Manuel da Lupa.

Mudou os estatutos da Portuguesa para ficar três mandatos seguidos.

Se trancou nos vestiários para não apanhar de torcedores ligados à outra chapa depois reeleito há dois dias.

Seu primeiro ato no novo mandato qual é?

Exigir da CBF que a Portuguesa seja considerada bicampeã brasileira.

Por quê? Como? Quando? Onde?

Ora, a Lusa venceu os torneios Rio-São Paulo de 1952 e 1955.

E como o torneio era disputado pelos melhores clubes do País, por que não considerá-la bicampeã do Brasil?

"Se todo mundo pediu e conseguiu o reconhecimento dos títulos antes de 1971, por que não a Lusa?", pergunta o presidente Manuel da Lupa.

O clube já levantou a documentação e deve enviá-la para a CBF.

O estilo é imitar o que fez o jornalista Odir Cunha em relação ao estudo que fará Santos e Palmeiras octacampeões brasileiros.

Virou uma farra.

Quem ganhou qualquer jogo ou torneio no passado quer o reconhecimento.

Outra vez surge a Portuguesa.

O clube fez várias excursões no início dos anos 50, quando teve um dos melhores times da história.

Como ganhou de adversários fortes pode pedir mais 'alguns campeonatos', como dizem seus dirigentes.

A situação está ido além do aceitável.

O pedido de Palmeias, Santos, Cruzeiro, Fluminense, Bahia e Botafogo para o reconhecimento dos torneior Roberto Gomes Pedrosa, a Taça Brasil e a Taça de Prata, tudo bem.

Pode haver discussões, mas os clubes foram tratados como campeões brasileiros.

E ganharam direitos, como disputar a Libertadores, reservados aos campeões do País.

Agora, torneio Rio-São Paulo e excursão é puro instinto de aproveitador.

Não há cabimento.

Assim como uma eleição acabar em pancadaria e o presidente se esconder nos vestiários para não apanhar.

Mas acontecem situações na Portuguesa que fogem da lógica, do entendimento...

Uma pena, um clube que representa colônia tão poderosa em São Paulo...

Optar pelo lado folclórico.

Seu pedido não tem cabimento.

E só desgasta ainda mais a imagem do clube...