A máscara vai caindo. E Kaká poderia ter sido cortado da Copa…

divulgação200 A máscara vai caindo. E Kaká poderia ter sido cortado da Copa...

E a máscara caiu.

Ou um será que um dia ela existiu?

Quem foi para a África do Sul, mesmo tendo um olho só e mesmo com catarata enxergou.

Kaká tinha um problema médico sério.

O desconforto era evidente cada vez que ele tocava na bola.

O meia evitava dar arranques, sua marca registrada.

Foi um jogador sem força física.

Sem perfeição nos arremates.

Não marcou um gol sequer.

As caretas, as conversas com os médicos, a preocupação dos companheiros.

Ele só avisou, respondendo uma pergunta minha, que passaria por uma avaliação.

Médicos decidiriam se iria operar ou não a pubalgia.

Só que o seu joelho esquerdo estava bem pior que o púbis.

O médico Marc Martens, que já operou Ronaldo, Gullit, Inzagui e muitos outros jogadores foi claro.

Se assustou ao examinar os meniscos de Kaká.

E foi direto.

"Ele colocou sua carreira em risco disputando a Copa do Mundo."

A operação foi um sucesso.

E ele ficará nada menos do que quatro meses longe do gramado.

Kaká confirmou o que negava na África do Sul: jogava com dores.

Todo o departamento médico da Seleção Brasileira ficou exposto.

O médico principal, José Luiz Runco teve de se defender.

E complicou ainda mais a situação.

Deixou claro que falou Kaká chegou com um grave problema no quadril.

E que conversou com o jogador até sobre corte.

Deixou claro que se ele não melhorasse não disputaria a Copa.

O maior sintoma da lesão na cartilagem do joelho de Kaká é a dor, de acordo com o médico Martens.

Disputar a Copa da África do Sul era o grande sonho do jogador.

Ele já tinha sido um fiasco no Real Madrid.

Fiasco para um jogador com seu potencial.

Fiasco para quem foi comprado por 65 milhões de euros.

Os dirigentes espanhóis e principalmente a imprensa desconfiavam que estava se poupando para a Copa.

Kaká parou de dar entrevistas aos jornais espanhóis.

Por tudo isso, é muito possível que Kaká tenha suportado as dores em silêncio.

Isso só ele sabe.

O resto estamos sabendo e entendendo agora.

O principal jogador na estratégia de Dunga estava pior fisicamente do que se supunha.

Deve ter suportado dores fortíssimas.

Seu sacrifício foi em vão.

Atrapalhou a Seleção Brasileira.

E colocou sua carreira em risco.

Tudo por falta de uma postura mais firme.

Mais clara.

Mais transparente da Comissão Técnica.

Principalmente do doutor Runco...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7

Uma lição ao Fluminense: a Traffic não é instituição de caridade…

divulgação154 Uma lição ao Fluminense: a Traffic não é instituição de caridade...

Ninguém pode negar que a Traffic é democrática.

Colocou e tirou quando quis Diego Souza e Cleiton Xavier do Palmeiras.

E deixa claro que Jota Hawilla não está perseguindo o clube de seu coração.

Agora não se importou com o plano de Muricy Ramalho de fazer o Fluminense campeão brasileiro.

Surgiu a proposta do Salzburg, clube austríaco, com Alan nunca tinha ouvido falar.

Mas o garoto de 21 anos não pôde abrir a boca.

Assim como o presidente da Unimed/Rio Celso Barros.

Ou o presidente do Fluminense, Roberto Horcades.

Foi mais fácil dizer não à CBF e não ceder Muricy Ramalho do que enfrentar a Traffic.

O pacto é simples.

A investidora coloca o jogador e tira quando tiver uma oferta que considera interessante.

Alan não chorou de alegria na despedida do Fluminense.

O choro foi de quem vai enfrentar o desconhecido.

De quem não queria ir.

Muricy ficou desgostoso.

Mas ele, o jogador e os dirigentes ficaram de mãos amarradas.

Chegou a hora de parar e pensar: um clube sério nunca poderá fazer seu planejamento...

Não com jogadores que não são seus.

O constrangimento no Fluminense e a raiva de Felipão ilustram bem...

A Traffic é investidora e não instituição de caridade.

Por isso, Alan fez o que pôde ao saber que vai jogar no forte futebol austríaco: chorou...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7

Andrés Sanchez festeja a saída de Felipe. Mais do que a eliminação do São Paulo…

reuters276 Andrés Sanchez festeja a saída de Felipe. Mais do que a eliminação do São Paulo...

Mais alegre do que a eliminação do São Paulo.

Assim ficou ficou Andrés Sanches depois de acertar a rescisão do contrato de Felipe.

O dirigente conseguiu se livrar do jogador que nunca gostou no Parque São Jorge.

Só o tolerava por Mano Menezes e pelas torcidas uniformizadas.

O treinador nunca o considerou um excepcional goleiro, mas para ele servia.

Felipe estava em uma escala abaixo dos tops do Brasil.

Quando tivesse como contratar alguém com o nível do Dida, Victor, Fábio, ele abriria mão dele.

Já a torcida era enfeitiçada com as comemorações depois dos jogos.

Com as pontes desnecessárias.

Com muitos amigos na mídia, Felipe soube vender a ilusão que era um grande goleiro.

Nunca foi.

Tem três rebaixamentos.

Dois com o Vitória, onde seu nome não pode ser pronunciado.

Suas falhas, em Salvador, ninguém esqueceu.

Assim como no Corinthians.

Ele deu o título da Copa do Brasil de 2008 para o Sport em um frango inacreditável.

Inaceitável para um goleiro de time grande.

Ganhou o Paulista, a Série B e não atrapalhou o Corinthians a conquistar a Copa do Brasil de 2009.

Andres se aproveitou da confusão que marcou a negociação fracassada com o Genoa.

E deixou Felipe de molho, treinando separado do elenco.

O dirigente já havia prometido na Copa da África que ele não  mais vestiria a camisa corintiana.

E o presidente cumpriu a promessa.

Os empresários do jogador devolverão R$ 400 mil dos R$ 7oo mil que ele havia recebido como luvas.

O goleiro se compara a Marcelinho Carioca e Tevez.

É mais um ídolo do Corinthians que está saindo pela porta dos fundos.

Ídolo? Como Marcelinho Carioca? Como Tevez?

Absurdo...

Felipe está negociando sua ida para o Braga de Portugal.

Que vá e não volte.

Faça sucesso no futebol português, que nunca foi marcado por goleiros sequer medianos.

Não tem talento para atuar em uma equipe grande do futebol brasileiro.

O que ele sabe fazer como ninguém é marketing.

Hoje à tarde deve haver nova sessão de entrevistas.

Para comemorar a sua 'libertação' do Corinthians.

Mal sabe ele que ontem já houve comemoração.

Andres Sanches se livrou do jogador que mais o incomodou desde que assumiu a presidência corintiana.

O que mais se arrependeu de haver contratado.

O goleiro que recebeu aumento com o time rebaixado para a Segunda Divisão.

Caso inédito no mundo.

E ele também não irá deixar saudade no elenco.

Felipe sempre foi muito individualista.

O Corinthians perdeu muito tempo e muitos jogos com esse fraco goleiro...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7

Exclusivo. CBF vai tentar tirar jogo do novo estádio do Chivas. Para ajudar o novo aliado: Inter…

divulgação100 Exclusivo. CBF vai tentar tirar jogo do novo estádio do Chivas. Para ajudar o novo aliado: Inter...

A classificação do Internacional para a final da Libertadores alegrou demais a cúpula da CBF.

Não por Ricardo Teixeira estar apaixonado pelo Rio Grande do Sul.

Mas por ver o São Paulo de seu inimigo Juvenal Juvêncio eliminado.

E mal acabou a partida, a CBF começou a agir em defesa do Internacional.

Aos 17 minutos de hoje, a entidade adiou a partida de domingo contra o Santos.

Nada demais para quem antecipou a abertura da janela.

Só para o Inter inscrever Renan, Tinga e Sóbis.

E ainda tem mais: a diretoria do Inter tem a promessa empenho da CBF em uma questão importante.

O clube brasileiro não deseja jogar a primeira partida da decisão no novo estádio do Chivas.

O motivo: o gramado sintético.

Celso Roth e os jogadores não querem ter de atuar em um piso que eles não estão acostumados.

Ricardo Teixeira já sabia desse pedido.

E vai pressionar a Confederação Sul-Americana de Futebol para agir.

O empenho do presidente da CBF é impressionante.

Mesmo com o time gaúcho votando contra Kléber Leite na eleição para o Clube dos 13.

O que aproximou a CBF e a direção do Internacional foi a Copa de 2014.

A participação do Beira-Rio.

Enfim, depois da eliminação do Brasil da Copa, Ricardo Teixeira queria uma alegria no futebol.

E ele ficou profundamente contente ontem.

Nem tanto pelo time gaúcho.

Mas pelo clube que foi eliminado e que tanto trabalho está lhe dando com o Morumbi...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7

Foi a covardia no Beira-Rio que tirou o São Paulo da final da Libertadores…

divulgação411 Foi a covardia no Beira Rio que tirou o São Paulo da final da Libertadores...

Um fator  determinou a classificação do Internacional para a final da Libertadores.

E para o Mundial de Clubes, nos Emirados Árabes.

Ele é repetido diariamente por comentaristas, jogadores, treinadores, torcedores, gandulas...

Atitude.

Mesmo no Morumbi, o time gaúcho buscou o jogo.

Tentou atacar, buscou o gol.

Não teve a postura covarde do São Paulo no Beira Rio.

É preciso enaltecer o espírito do time de Ricardo Gomes hoje.

Foi guerreiro, lutou até o último minuto.

Buscou a vitória.

No primeiro tempo, diante da forte marcação do Inter, insistiu nas bolas aéreas.

E achou seu gol.

Em uma falha absurda do bom goleiro Renan.

Agiu como um juvenil.

A bola era fácil, mas errou o tempo da bola, que bateu no seu ombro e sobrou para Alex Silva.

O acaso encheu de esperança a esmagadora maioria dos 57 mil torcedores no Morumbi.

E foi o acaso que jogou a confiança para o lado gaúcho.

D'alessandro bateu falta e Alecsandro, de costas, desviou a bola de calcanhar.

O desvio quase sem querer traiu Rogério Ceni.

Não houve nem tempo para ninguém respirar.

Quando Ricardo Oliveira aproveitou uma bobeira de Nei, que não saiu e o deixou em condições de jogo.

E ele marcou o segundo gol.

A partir daí, pressão total do São Paulo.

Expulsão de Tinga.

Contra dez, Ricardo Gomes colocou todo o time dentro da área.

Mas faltou um pouco de cérebro, tocar a bola.

O time insistiu demais em chutes de longe.

O Inter se defendeu como pôde.

O relógio correu rápido.

Não havia mais estratégia.

E o Internacional conseguiu ficar com a vaga, na derrota.

No jogo em que o time de Ricardo Gomes mais vibrou desde que ele foi contratado.

Ironia?

Não.

Castigo pela covardia em Porto Alegre.

O Internacional está na decisão da Libertadores contra o Chivas.

E como os mexicanos não podem ir para o Mundial pelo caminho da Libertadores, já está no Mundial.

Com o fim da participação do São Paulo na competição sul-americana, acaba o contrato de Ricardo Gomes.

E agora?

Depois do choro.

Da despedida de Hernanes, contratado pela Lazio.

Fica a pergunta: Ricardo Gomes merece continuar no São Paulo.

A pressão é imensa pela não renovação do contrato.

Que vai além de um ano sem conquista alguma.

A apatia nos treinos e nos jogos.

A covardia do time em Porto Alegre.

Aquela que custou a eliminação do São Paulo em pleno Morumbi diante do Internacional...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7

“A classificação do Inter é importante até para o Grêmio.” David Coimbra…

reuters281 A classificação do Inter é importante até para o Grêmio. David Coimbra...

David Coimbra.

Escritor premiado e, há 15 anos,  editor de Esportes do jornal Zero Hora, de Porto Alegre.

Autor de 14 livros.

Vários best sellers.

Entre eles, A História dos Grenais.

Um dos mais importantes personagens do jornalismo moderno do País.

Ele explica a importância de uma eventual classificação do Inter para a final da Libertadores...

E a consequente nova chegada ao Mundial Interclubes...

A luta silenciosa, épica, entre o dono do futebol do Inter, Fernando Carvalho, e Fernandão, o desprezado...

Coimbra detalha porque seria importante até para o Grêmio a conquista dos colorados hoje no Morumbi...

David, que benefício traria a classificação do Inter para o futebol gaúcho?

O benefício seria imenso.

Reafirmaria ao país a importância do trabalho de infraestrutura do Inter e do Grêmio.

A rivalidade tem puxado os dois clubes.

Sempre foi assim.

Mas nos últimos anos, está forte demais.

Nos últimos anos, o futebol gaúcho tem conseguido resultados significativos.

Vamos nos fixar no Inter.

Em 2005 foi vice-brasileiro.

Em 2006, ganhou a Libertadores e o Campeonato Mundial.

Em 2007, a Recopa Sul-Americana.

Em 2008, a Copa Sul-Americana.

Em 2009, foi vice brasileiro.

O Grêmio em 2007 foi vice da Libertadores.

Em 2009, foi terceiro.

Em 2006 foi terceiro do Brasileiro e em 2008, segundo.

Ou seja, Grêmio e Internacional brigam antes de mais nada entre si.

Um puxa o outro.

Se o Inter trouxer a vaga para a final da Libertadores, irá brigar pelo segundo título nesta competição.

E empatar com o Grêmio.

Além de disputar o Mundial.

Isso iria mexer com os brios da diretoria gremista que tentaria formar um time melhor ainda para 2011.

Cosme, vou colocar a situação de uma maneira mais clara.

O Internacional e o Grêmio são mais fortes do que a própria economia do Rio Grande do Sul.

Mas muito mais fortes.

E poucas pessoas percebem.

Como assim?

A rivalidade é tão forte que obrigou a uma profissionalização absurda.

O poderio econômico de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Belo Horizonte é maior do que o gaúcho.

Deveriam ter clubes muito acima dos nossos.

Só que isso não acontece.

O Inter é o clube que tem mais sócios de todas as espécies que pagam mensalmente ao clube.

São 100 mil pessoas.

O Grêmio vem logo atrás com 60 mil pessoas.

Que pagam religiosamente.

Quem tem isso no País?

O Beira Rio será o estádio de Porto Alegre na Copa de 2014.

O que o Grêmio decidiu fazer?

Um novo estádio.

As coisas são assim por aqui, empurradas pela força do vermelho e azul.

Por isso que eu falo que será até bom para o Grêmio se o Inter sair vencedor hoje da batalha no Morumbi.

Os tricolores vão querem dar o troco montando uma equipe poderosíssima em 2011.

Ninguém quer ver a festa do outro.

Mas entre e Inter e São Paulo?

Como você qualifica essa briga?

De uma maneira muito especial.

Os dois clubes estão muito estruturados.

Acredito que são os melhores clubes do momento no país.

Relembram os grandes duelos de Palmeiras e Grêmio na década de 90.

O Internacional teve uma vitória política fundamental para essa semifinal.

A antecipação da janela e as inscrições de Renan, Sóbis e Tinga equilibraram essa decisão.

Principalmente pelo Renan, que é um goleiro especial.

E pelo Tinga, já o grande líder do elenco do Inter.

O São Paulo conseguiu inscrever o Ricardo Oliveira, que é um definidor, quando está em forma.

Acredito que essas inscrições foram melhores para o Inter.

Se não fossem o Tinga e o Renan, tudo estaria pendendo para o São Paulo.

E o ingrediente chamado Fernandão?

Ah, esse personagem é épico.

Ele foi o grande comandante do Internacional na conquista da Libertadores e do Mundial em 2006.

Depois acabou vendido, sonhando voltar um dia para o Inter.

Pede, mas Fernando Carvalho, o homem que comanda o futebol, disse não.

Muito magoado, Fernandão vai para o Goiás e depois é contratado justo pelo São Paulo.

Nós conhecemos profundamente o Fernandão.

Sabemos que ele irá fazer tudo e mais alguma coisa para fazer o São Paulo vencer.

Quer se vingar do Fernando Carvalho.

Não conseguiu digerir o desprezo com que foi tratado.

Ele foi mesmo o grande líder colorado na conquista da Libertadores e do Mundial de Clubes.

O que se pode falar do Celso Roth? Por que se pode confiar nele nesta decisão?

O Celso é um homem muito sério, trabalhador.

Mas muito ansioso.

E ele fica nervoso demais nas decisões.

Tenta mostrar que sabe futebol e acaba se confundindo, errando.

O Celso disse que mudou.

Está melhor preparado.

Se mostra mesmo mais confiante e firme para essa semifinal contra o São Paulo.

Ele precisa demais dessa classificação.

Será a maior vitória pessoal dele como treinador.

O que acontece com o Internacional em caso de perder a vaga?

Seria um caos político para o clube.

No final do ano haverá eleições.

O grupo liderado por Fernando Carvalho precisa demais dessa classificação.

No ano passado, o do centenário do clube, não conseguiu vencer nada.

Por isso fez de tudo agora.

Conseguiu até antecipar a janela de inscrições dos jogadores, algo impensável.

O jogo parece ser fundamental para o São Paulo, mas talvez seja até mais para o Inter.

Você acredita que qual equipe ficará com a vaga: Inter ou São Paulo?

O Rogério Ceni é um grande líder e achei significativa demais a frase que ele falou.

Disse que o São Paulo pode ganhar de qualquer time do mundo por 1 a 0 no Morumbi.

Talvez ele tenha razão.

Inteligente, falando de 1  a 0, ele tira a pressão, a obrigação de o São Paulo vencer por 2 a 0.

Só que a vitória do Inter por 1  a 0 em casa faz com que o time de Rogério só tenha paz se fizer 3 a 0.

2 a 0 vai trazer um clima dramático para o jogo.

Basta o Inter marcar um gol para ficar com a vaga.

Eu, sinceramente, não tenho ideia do que vai acontecer daqui a pouco no Morumbi.

Só posso dizer que a situação para o São Paulo não está nada boa.

O Internacional está chegando inteiro para essa decisão.

E com os reforços que precisava.

Renan no gol.

E, principalmente, o Tinga.

As chances do Inter sair do Morumbi com a vaga são muito, mas muito boas.

Se ela vier será uma vitória para o futebol gaúcho.

A classificação do Inter é importante até para o Grêmio...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7

Chat no R7. Até às 15h30…Para os amigos e inimigos…

reuters35 Chat no R7. Até às 15h30...Para os amigos e inimigos...

Estou no chat.

Uma hora e meia de perguntas e respostas.

Para amigos e inimigos...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7

Felipe está muito longe de ser Tevez ou Marcelinho Carioca. E Andrés precisa agir como presidente do Corinthians…

divulgação3344 Felipe está muito longe de ser Tevez ou Marcelinho Carioca. E Andrés precisa agir como presidente do Corinthians...

Nada do que aconteceu ontem envolvendo Felipe e Andrés Sanches foi por acaso.

Quando os empresários do goleiro resolveram convocar uma entrevista coletiva sabiam o que queriam.

Felipe se mostrou como vítima, perseguido pelo presidente corintiano.

Tinham certeza de que, com o relacionamento íntimo dele com comentaristas, a resposta seria imediata.

E se possível no ar.

Felipe estava mais do que preparado para o confronto.

Pelos empresários, pelos advogados e até pelo presidente do Sindicato dos Jogadores de São Paulo.

Ele sabia exatamente onde atacar e até onde ir.

Focou suas declarações contra o presidente corintiano.

Teve coragem.

Disse que nunca abandonou a concentração para tentar ir jogar no Genoa.

Que os dirigentes tentaram jogar a torcida contra ele.

Ironizou Andrés que confundiu assédio moral com sexual.

Mostrou o quanto um dirigente pode ser abusivo, incoerente.

Deixar o goleiro frequentar apenas a sala de musculação, não ceder um preparador específico, não existe.

Dizer ao  procurador que só o liberaria para atuar no Nacional, time dirigido por Vampeta, foi provocação.

Não receber os empresários do Braga foi mera vingança.

Aí, extrapolou.

Felipe não atacou o Corinthians ou a torcida.

Mirou apenas em Andres Sanches.

Falou verdades.

Usou o ponto fraco do dirigente que sempre foi o seu ego.

Na empolgação, Felipe exagerou.

Ele não tem um vigésimo da idolatria que pensa ter com os torcedores.

Goleiro instável, três rebaixamentos nas costas.

Se comparou a Marcelinho Carioca e Carlitos Tevez, que saíram mal do Corinthians.

A culpa dessa visão é do próprio Andres.

Ele foi avisado do personalismo de Felipe desde que ele foi contratado.

O dirigente ficou de queixo caído quando o goleiro foi cobrar o aumento prometido com o time rebaixado.

Ingênuo, Andrés acreditou que Felipe teria vergonha de pedir dinheiro com o Corinthians na Série B.

Mas o jogador estava certo.

O presidente havia prometido.

Andres queria negociá-lo imediatamente.

Mas os conselheiros que agem como suas babás impediram.

"Imagine, ele é o único ídolo do time. Deixe ele aí, a torcida quer."

Andres sonhava com outro goleiro.

E o tentou contratar três vezes: Dida.

Fracassou porque o jogador ganha muito no Milan e não queria voltar.

Mano Menezes acreditava que Felipe dava para o gasto.

Apenas, porque nem o cogita levar para a sua Seleção.

Mas, voltemos a ontem.

Irritado, como os empresários e advogados de Felipe apostavam, Andrés quis mostrar autoridade.

A princípio, ele queria as luvas que pagou ao goleiro para atuar até o final de 2010.

Depois, tenso, resolveu abrir mãos delas.

E chamou o goleiro para ir no Parque São Jorge para assinar a rescisão.

Era tudo o que ele, seus empresários e seus advogados queriam.

Com Felipe, livre, leve e solto para assinar com quem quiser.

Sem dar um centavo de lucro ao Corinthians.

Depois que a transmissão pela tevê acabou, Andrés se acalmou e começou a pensar.

Deixou a decisão para hoje.

A tendência é pela liberação.

O presidente e o goleiro não se suportam.

Não há o menor clima para a convivência.

O melhor caminho é o fim do relacionamento conturbado.

O Corinthians que busque outro goleiro.

Não será difícil achar um melhor do que Felipe.

Talvez não um que saiba lidar tão bem com a mídia.

Que salte mais do que Diego Hipólito em defesas fáceis, a ponto de impressionar ingênuos torcedores.

E que alguém tenha coragem de mostrar a realidade a Felipe.

Apesar da carreira conturbada, ou alguém se esqueceu como ele saiu do Vitória?, tem apenas 26 anos.

Ele acredita piamente ser um dos maiores ídolos da história corintiana.

Ganhou a Segunda Divisão, a Copa do Brasil e um Campeonato Paulista...

Ele está muitos, mas muitos degraus abaixo de Carlitos Tevez e de Marcelinho Carioca.

A Andrés que venha a coragem de ser presidente.

Parar de querer agradar a torcida a cada decisão.

E mandar embora do Parque São Jorge jogadores em quem não confia.

Se tivesse agido assim, o Corinthians não seria tão exposto neste ridículo caso Felipe.

Já gastou muita vela.

O defunto não vale...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7

O medo do campeão Santos. O desmanche. As propostas não param. E não são só por Neymar e Ganso…

daslu sale blog O medo do campeão Santos. O desmanche. As propostas não param. E não são só por Neymar e Ganso...

Foto: Divulgação


André e Robinho já se despediram.

Existem três propostas poderosas por Neymar, a maior do Chelsea.

Paulo Henrique Ganso é assediado por cinco equipes: o Milan e a Inter fazem um duelo particular.

Wesley tem o Werder Bremen e o Benfica brigando em um leilão.

Recém-contratado, Arouca interessa times do Leste Europeu e da França.

Por enquanto, só.

Evitar um desmanche é a maior preocupação de Dorival Júnior.

Nem bem acabou de comemorar a justa conquista da Copa do Brasil, no lamaçal, chamado Barradão...

E o treinador já fazia um apelo ao presidente Luís Álvaro para segurar seus jogadores.

O time havia, com justiça, acabado de conquistar a vaga para a Libertadores de 2011.

Com irreverência, talento e uma pitada de irresponsabilidade.

Mas vamos voltar à possibilidade do desmanche.

Dorival Júnior confidenciou que houve um período crítico.

Há duas semanas, quando o time avançava na Copa do Brasil, logo após a Copa do Mundo.

Os empresários estavam enlouquecendo os meninos e a diretoria santista.

Dorival Júnior e Luís Álvaro fizeram um pedido inteligente.

Combinaram com os empresários dos jogadores a não discutir transferências até o final da Copa do Brasil.

O principal argumento dos dois foi que com a conquista, os meninos estariam ainda mais valorizados.

Dinheristas, os empresários aceitaram a proposta do pacto.

Luís Álvaro já se conformou com a perda de André, muito bem vendido ao Dinamo de Kiev.

R$ 18 milhões caíram bem nos cofres santistas.

Trouxe Keirrison por empréstimo.

Robinho também não tem volta.

Os árabes donos do Manchester City o querem de volta para vender.

Ou, em último caso, utilizá-lo.

Mas chega de empréstimo.

A conquista da vaga para a Libertadores anima Luís Paulo a fazer projetos com patrocinadores.

Ele quer segurar de qualquer maneira Neymar e Ganso.

A não ser que chegue algum clube europeu bem próximo aos R$ 80 milhões por Neymar.

E R$ 130 milhões por Ganso.

Wesley e Arouca são importantes.

Dorival Júnior já antecipou a Luís Paulo que são selecionáveis.

Mas tudo é questão de dinheiro.

O presidente quer ter uma equipe fortíssima para a disputa da Libertadores.

Promete fazer o 'possível e o impossível' para tentar segurar os garotos.

"Seria horrível ter de contruir uma nova equipe para a Libertadores.

Torço demais para que o presidente consiga manter o time", diz, em tom de súplica, Dorival Júnior.

Quase tão tenso com o desmanche, o técnico deixou escapar a raiva com quem questionou seu comando.

Que ele não conseguia segurar a bagunça dos meninos santistas.

"Ganhamos o Paulista e agora a Copa do Brasil.

É a vitória do comando com liberdade."

Ele diz isso, mas no abraço frio que deu em Madson após a entrega das medalhas estava clara a sua disposição de se livrar do meia.

O treinador se cansou das confusões que o meia reserva aprontou na Vila Belmiro.

E também de Felipe.

O goleiro reserva que comparou o que gasta em ração com seu cão ao salário de um torcedor.

Quanto ao Vitória fica a lição que o destino fez questão de aplicar.

Um clube que se diz o mais moderno do Nordeste não pode ter um gramado tão ruim.

"Pior do que um pasto", na definição de um repórter que estava por lá.

Com um time técnico, não teve como tocar a bola com qualidade.

Os administradores do seu estádio devem estar envergonhados.

Os buracos e a lama atrapalharam demais os jogadores baianos.

Mas o Santos foi o campeão da Copa do Brasil com todos os méritos...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7

Sim, Alexandre Kalil, o problema do Atlético Mineiro é todo seu…

gettyimages1 Sim, Alexandre Kalil, o problema do Atlético Mineiro é todo seu...

Fábio Costa saiu satisfeito, empolgado.

Foi o melhor em campo, com grandes defesas.

E, entusiasmado,destacava o fato de não haver tomado gol.

O clima era de alegria no vestiário do milionário Atlético Mineiro.

E de profunda decepção no Grêmio Prudente.

Vanderlei Luxemburgo estava satisfeito com o rendimento do seu time.

Toninho Cecílio desabafava sua raiva com os inúmeros gols perdidos.

Foi a primeira partida entre os times pela Copa Sul-Americana, disputada há pouco.

O 0 a 0 foi uma imensa injustiça com o time interiorano.

Diego Souza, o número 1 dos mineiros foi o mais apático em campo.

Incrível a falta de empenho do meia.

Triste acompanhar Diego Tardelli enfrentando sozinho toda a defesa do Grêmio Prudente.

O Atlético Mineiro outra vez foi um arremedo de equipe.

Um apanhado de jogadores.

Sem estrutura tática.

E pensar que os reservas do Santos venceram o mesmo Grêmio Prudente no domingo.

O time de Belo Horizonte é penúltimo no Campeonato Brasileiro.

Não por acaso.

Alexandre Kalil deve saber o que está fazendo com o glorioso Atlético Mineiro.

Como está gastando o dinheiro do clube e do BMG.

Queria montar o melhor time do Brasil.

E o que conseguiu?

Comemorar como título um empate com o Grêmio Prudente?

Até quando, você fingirá que não está enxergando, Kalil?

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7