Por que o Corinthans que massacrou o São Paulo não pode ser repetido? Ah…Ronaldo quer jogar…

 

AgenciaEstado3 Por que o Corinthans que massacrou o São Paulo não pode ser repetido? Ah...Ronaldo quer jogar...

Depois de tudo que o Corinthians fez hoje contra o São Paulo será triste o que acontecerá contra o Vitória.

O ágil time que fez o que quis do São Paulo não poderá ser repetido.

Porque Ronaldo quer e tem de jogar.

Será a partida de comemoração dos 100 anos do Corinthians.

Não importa se Jorge Henrique, Iarley, Elias, Bruno César conseguiram dar um ritmo empolgante à partida.

Toque de bola em velocidade, infiltrações, troca de posições.

Tanto que passaram a impressão que o São Paulo estava dormente.

A lição de casa que o improvisado Baresi deu aos seus jogadores não funcionou.

De nada adiantou dar dvds para os atletas decorarem o que deveriam fazer contra o Corinthians.

Aliás, Juvenal Juvêncio está sendo pressionado para não esperar por Paulo Autuori e buscar um outro treinador.

O momento não é para alguém como Baresi, ganhar experiência.

Mas voltemos ao Corinthians, vice líder.

O time terá de diminuir o ritmo contra o Vitória.

Tocar a bola de maneira mais lenta.

Antes de chutar para o gol, os jogadores deverão procurar um companheiro bem colocado.

Esse bom companheiro está pesado.

Lento.

Se fosse em uma pelada entre garotos, seria o conhecido 'café com leite'.

Talvez a melhor imagem seja o 'dono da bola'.

Nem Adilson Batista ou José Mourinho teria força para não escalar Ronaldo.

Ele é o homem que garante o salário de todos.

Inclusive o do treinador.

O grupo Hypermarcas só coloca os R$ 47 milhões na camisa corintiana por ele.

E ele que jogar.

Não importa que está completamente fora de forma.

O presidente Andres Sanches também quer.

Festa de 100 anos do Corinthians sem Ronaldo não é festa.

Pouco importa se o clube está brigando pela liderança contra o Fluminense.

Nem se jogou o clássico de hoje de maneira primorosa.

E aumentou o tabu de três anos e meio sem derrotas contra o rival.

Que se desmanche o esquema tático.

E Adilson arrume um lugar para Ronaldo.

Os outros jogadores que corram por ele.

Afinal de contas, o que é mais importante?

Vencer um jogo, ganhar mais três pontos?

Ou interromper o descanso de mais de 110 dias de um jogador?

Que nega as evidências, mancha sua imagem?

Finge que está mais magro do que um toureiro espanhol.

Ronaldo já prejudicou o clube na Libertadores, a do centenário.

Agora a própria festa.

Ele já fez pelo Corinthians o que poderia.

Trouxe dinheiro e prestígio internacional.

Agora está atrapalhando.

Que alguém, um dia, tenha coragem de dizer 'chega'.

Nestes 100 anos, o Corinthians não ficou à disposição de ninguém...

Veja mais:

+ Acompanhe os Jogos da Juventude em Cingapura
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

O líder Fluminense tomou uma banho tático do Vasco. Jogo sensacional no Maracanã. Pena que 13 mil pessoas não pagaram…

reuters26 O líder Fluminense tomou uma banho tático do Vasco. Jogo sensacional no Maracanã. Pena que 13 mil pessoas não pagaram...

Rio de Janeiro...

Maracanã...

Para começar o absurdo de 80 mil pessoas no clássico.

E 13 mil sem pagar.

Isso mesmo, 13 mil pessoas assistiram Fluminense e Vasco e não deram um tostão para os clubes.

Esse ralo consome dinheiro dos clubes cariocas há décadas.

É a velha festa das 'autoridades', velho costume da época da ditadura.

Toda ex-capital de país tem velhos vícios.

Mas vale a pena escrever sobre o emocionante jogo.

O rico time de Muricy Ramalho tinha tudo para disparar no Brasileiro.

E fazer uma festa para seu estreante Deco, R$ 500 mil mensais.

Mas encontrou pela frente uma equipe muito bem montada.

PC Gusmão está invicto no Brasileiro por ótimo motivo.

Não perdeu ainda com o Ceará e com o Vasco porque aprendeu a trabalhar com o material humano que possui.

A tirar tudo do que lhe oferecem.

E tratou de travar o eixo que faz o Fluminense ter o contragolpe mais rápido do País.

O argentino Conca não conseguiu respirar.

Rafael Carioca teve ótima atuação.

Atrás, três zagueiros: Fernando, Dedé e o improvisado Nilton.

Chutões, encontrões, divididas, para tentar travar o jogo aéreo de Muricy.

Os três só falharam no primeiro gol tricolor, que saiu de um mero escanteio.

Para ter liberdade, Conca só cobrando escanteio.

E ele bateu na cabeça de Gum, Fernando Prass fez uma defesa milagrosa.

A bola sobrou para o mesmo zagueiro marcar.

Fluminense na frente logo no início da partida, sensacional para Muricy.

O Vasco iria se abrir para tentar o empate e tomaria gols nos contragolpes.

Só que o script não foi seguido.

Os vascaínos continuaram com sua marcação forte e só atacando na certeza.

Ótima descoberta foi acompanhar Carlos Alberto com vontade de jogar.

Em vez de perder tempo reclamando, xingando juiz, gandula, ele quis jogar.

E desequilibrou o meio de campo a favor do Vasco.

Conseguiu dar o gol de empate para Eder Luis.

E, depois de Diguinho tirar o pé na dividida, ele ganhou a bola na intermediária e deu outro gol para Fagner marcar.

O Vasco fazia 2 a 1 e conseguia travar o ímpeto do líder do Brasileiro.

Conseguia até que Felipe resolveu fazer uma gracinha.

Perdeu a bola infantilmente para Emerson.

Ele cruzou.

A bola caiu no pé de Zé Roberto, que perdeu para Júlio César empatar.

Na verdade, a única falha de PC Gusmão foi não ter tirado a veterana dupla antes.

Felipe estava esgotado, só tem fôlego para 45 minutos.

E Zé Roberto improdutivo.

O castigo foi duro.

E poderia ter sido pior.

Se Deco não chutasse para o alto a excepcional chance que teve aos 40 minutos do segundo tempo.

Quis fazer um gol marcante.

Se tivesse a humildade de dominar a bola, estava livre, e só depois chutar, daria a vitória ao Fluminense.

O empolgante Carlos Alberto quase também fez o terceiro, invadindo a área do Fluminense e chutando rente à trave.

O 2  a 2 foi justo, emocionante.

O clássico foi marcante.

Digno do Maracanã, do renascido futebol carioca.

Que só precisa cuidar melhor de suas catracas.

Impedir que 13 mil pessoas assistam seus melhores jogos sem pagar.

É indecente...

Veja mais:

+ Acompanhe os Jogos da Juventude em Cingapura
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Só para lembrar, o Rio fará a final da Copa e sediará as Olimpíadas. Alguém avise os bandidos para maneirar, por favor…

 Só para lembrar, o Rio fará a final da Copa e sediará as Olimpíadas. Alguém avise os bandidos para maneirar, por favor...

Rio de Janeiro...

Um final na cidade maravilhosa.

Sol brigando com as nuvens.

O inverno vai se aproximando do seu final.

Vasco e Fluminense, clássico que faço questão de assistir amanhã no Maracanã.

Mas no sábado pela manhã, quero ir para a Barra da Tijuca.

E, lógico, tenho de passar pelo hotel Intercontinental.

10h30 da manhã.

A Polícia Militar isolou a área, com a invasão dos bandidos que fugiram da Rocinha.

Dou de cara com o Caveirão, soldados com fuzis apontando para todos os lados.

Policiais com revólveres na mão, desconfiados de todos.

Me sinto como um dos figurantes de Tropa de Elite.

E do lado errado.

Mas a sorte ajuda.

Acredito não ter a fisionomia de alguém que tentaria ajudar os bandidos que fazem reféns no luxuoso hotel.

Me deixam ir embora.

Não atiram em mim, não cobram documentos.

Estou abismado com o que vi.

Chego na belíssima Barra da Tijuca que tanto gosto.

Coincidência, encontro Djalminha e Luizão.

Os dois ex-jogadores me reconhecem e conversamos rápido.

Pergunto a Djaminha como vai o showbol, já que ele é o principal organizador do esporte no Brasil.

"Está indo muito bem.

Íamos até jogar na Rocinha hoje.

Só que o jogo foi suspenso por causa da invasão ao hotel Intercontinental.

Foi uma loucura que aconteceu lá.

Queria tanto jogar lá", diz, constrangido, Djalminha, que é apaixonado pelo Rio.

Passo pelos modernos quiosques e a tevê de plasma mostra que os bandidos foram presos.

Uma mulher que seria da quadrilha teria morrido.

Assisto Tande dizer que estava indo também para a Barra jogar vôlei e viu o tiroteio entre os policiais e os bandidos.

Disse que esteve em um pesadelo.

Depois vem um oficial do Bope e diz que, por coincidência, a ação dos policiais foi muito bem feita por um motivo.

"Acabamos de fazer um treinamento para invasão terroristas nos hotéis.

Já nos preparamos para as Olimpíadas e a Copa do Mundo."

"É verdade", me lembro das duas maiores competições do planeta.

O Rio de Janeiro será o palco principal das duas.

E penso nos luxuosos escritórios do presidente da Fifa, Joseph Blatter e do Comitê Olímpico Internacional, Jaques Rogge.

Qual será a reação íntima dessas pessoas que brigaram tanto pelo Brasil, pelo Rio realizar a Copa, a Olimpíada.

Um bando de bandidos descem do morro e vão até o hotel cinco estrelas.

Atirando contra a polícia, invadem a cozinha e fazem funcionários e hóspedes como reféns.

Levaram só cinco.

Eram mais de 800 hóspedes no hotel Intercontinental.

O desgaste para a imagem do nosso país é imenso.

Por que passamos tanta vergonha?

Será que temos conviver com esse medo constante de levar uma bala perdida?

Por que será que quando uma criança mal vestida nos olha no farol sentimos nosso coração disparar?

Por que as ruas são tão escuras?

Por que os policiais ganham tão pouco?

Quando chegar a Copa do Mundo e a Olimpíada vamos fazer como no Panamericano?

Colocar o Exército nas ruas para disfarçar.

E na verdade comemorar o acordo feito com os chefes das quadrilhas...

Nada de confusão durante as competições.

Em compensação, ninguém invade os morros atrás de drogas, de traficantes.

E assim vamos vivendo.

Mas sempre com a cabeça baixa.

De vergonha.

E com medo de uma bala perdida.

Que o Cristo, o redentor, estique sempre seus braços...

Veja mais:

+ Acompanhe os Jogos da Juventude em Cingapura
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Porque a seleção vai treinar? Ninguém aceitou pagar US$ 2 milhões para um time de novatos…

MoneyBaby Porque a seleção vai treinar? Ninguém aceitou pagar US$ 2 milhões para um time de novatos...

Convocar a seleção brasileira para passar uma semana na Espanha apenas treinando.

As várias explicações dadas por muita gente fugiram do principal.

US$ 2 milhões por uma seleção brasileira de jovens, sem nenhuma grande estrela internacional é muito caro.

Por isso a Kentaro, não fechou nenhum amistoso para essa segunda seleção convocada por Mano.

O Brasil só voltará a receber sua conta quando enfrentar a Alemanha, a França e a Argentina.

Por quê?

Porque já há a certeza de Mano Menezes levará atletas consagrados para esses jogos.

E fazer país médio bancar US$ 2 milhões livres só quando as promessas do novo treinador virarem realidade.

Por menos, Ricardo Teixeira não aceita.

Diz que deprecia o produto.

Assim, só resta desejar bom treino para Hulk, Philipe Coutinho, Douglas Costa & Cia. Limitada...

Veja mais:

+ Acompanhe os Jogos da Juventude em Cingapura
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Prato principal no Morumbi: Dagoberto ao molho pardo…

hellskitchen Prato principal no Morumbi: Dagoberto ao molho pardo...

Sem azeite, Dagoberto vem sendo cozido em fogo brando.

A diretoria do São Paulo quer se livrar do jogador que só decepcionou desde foi contratado.

Só há uma proposta: a do Metalist da Ucrânia.

Só essa.

E ele e seus empresários, os Malaquias Brothers não querem liberá-lo para lá.

Apesar do fraco futebol do seu jogador, eles continuam sonhando com Real Madrid, Manchester United, Inter de Milão.

A diretoria do São Paulo, principalmente o presidente Juvenal Juvêncio, não pode nem ouvir falar no nome do jogador.

Não é por acaso que ele não ficará nem no banco no esperado clássico contra o Corinthians, no domingo.

Faz parte do processo de fritar Dagoberto.

O interino Sérgio Baresi não afastaria um jogador tão importante do jogo sem o aval dos dirigentes.

Falar o contrário é até uma ofensa à inteligência mais rasa.

A pressão que aceite ir para a Ucrânia é enorme.

Dagoberto já sentiu e se retraiu.

Não reclama, não xinga, faz o que Baresi pede nos treinos.

Depois de jogar o agasalho no chão ao perceber que não entraria contra o Cruzeiro, ele sabia que haveria represália.

Por mais interino que fosse, Baresi não poderia perder o comando publicamente.

O ato de Dagoberto ter jogado o abrigo no chão foi mais comentado até do que o empate contra os mineiros.

A queda de braço vai ser forte.

Os Malaquias Brothers mandam desde Curitiba que o jogador não se entregue.

E se lembre que não é atleta para atuar na Ucrânia.

Enquanto faz tudo para acreditar, Dagoberto terá a chance de aproveitar bem o fim de semana, sem jogar.

Talvez fosse bom assistir a alguns vídeos sobre o futebol na Ucrânia.

Pode ser até que goste.

E deixe de ser o prato principal no Morumbi...

Veja mais:

+ Acompanhe os Jogos da Juventude em Cingapura
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Vitória do coração e não da razão. Mas o Palmeiras resgatou a sua autoestima contra o Vitória…

flautistadehamelin Vitória do coração e não da razão. Mas o Palmeiras resgatou a sua autoestima contra o Vitória...

Vitória com nome e sobrenome.

Luiz Felipe Scolari.

Nenhum treinador poderia mobilizar os torcedores como ele.

No Pacaembu havia seguidores.

Do Palmeiras.

E deste técnico gaúcho.

Ele chamou, pediu e mais de vinte mil palmeirenses estavam lá para ver a primeira decisão de Felipão.

O time precisaria ganhar do Vitória por três gols de vantagem.

Em Salvador, o time havia perdido por 2 a 0.

Não havia clima nem de fazer muita festa pelos 500 jogos de Marcos.

A homenagem da torcida, formando o  número 500 foi bonita, mas rápida.

Os melhores jogadores do clube estavam nas tribunas.

Lincoln, Kléber, Valdívia.que vai estrear domingo, e até quem quer voltar, Rivaldo, o primeiro e único.

No Pacaembu, um time desfigurado, sem meia.

Com volantes improvisados pela lateral: Márcio Araújo e Fabrício.

Dois atacantes novos, tendo de jogar com a pressão que fariam até veteranos tremer.

Mas assim que a bola rolou, tudo perdeu 0 sentido.

Valeu a paixão desenfreada do torcedor.

Os gritos nasciam naturalmente.

Não eram seguidos os de guerra das organizadas.

O torcedor 'desorganizado' gritava o que lhe vinha à mente.

E apoiou de verdade o Palmeiras.

Não foi o chato, irritante que não perdoava um passe errado.

Apoiou mesmo.

Bateu palmas a todo instante.

Clamava pelos guerreiros.

O Vitória começou a partida bem, forte para aguentar a pressão palmeirense.

Pelo menos, o seu treinador, ex-jogador e gerente do Palmeiras, Toninho Cecílio esperava.

Os baianos foram aos poucos ficando intimidados diante da pressão do time desorganizado.

Os palmeirenses não perdiam uma dividida.

Felipão gritava, empurrava, urrava.

E o time ia para frente, de qualquer maneira.

No fim do primeiro tempo, o gol desejado.

Na prorrogação, Marcos Assunção aproveitou uma bobeada do Vitória.

E lançou com perfeição, o atacante Tadeu.

Ele não se atreveu a perder o gol.

1 a 0, Palmeiras.

No segundo tempo, o Vitória voltou ainda mais encolhido.

E graças à irreverência do colombiano Viáfara, que pensou ser Higuita, o Palmeiras marcou 2 a 0, de novo com o limitado, mas esforçado Tadeu.

Ainda fiel ao esquema 'vamos que vamos', o Palmeiras conseguiu a classificação.

Aos 44 minutos do segundo tempo.

Marcos Assunção cobrou falta de maneira perfeita: 3 a 0.

E comemoração alucinante no Pacaembu.

Nem parecia que era apenas a classificação para as oitavas da Copa Sul-Americana.

E não era mesmo.

Era o resgaste do amor próprio do Palmeiras.

A torcida viu que tem um time para vibrar, lutar em campo.

E os jogadores perceberam que existe uma torcida que lhes passa confiança.

E fazia tempo que não havia essa simbiose, que ambos remavam para o mesmo lado.

A culpa é de um senhor gaúcho chamado Luiz Felipe Scolari...

Veja mais:

+ Acompanhe os Jogos da Juventude em Cingapura
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Neymar ficou no Santos. Aposta de altíssimo risco…

 Neymar ficou no Santos. Aposta de altíssimo risco...

Pagar o mesmo salário que ganharia na Europa.

Pagar uma luva milionária diluída ao longo dos cinco anos.

A multa rescisória saltou de 35 milhões de euros para 45 milhões.

Campanha nacional e internacional para transformá-lo no melhor jogador do mundo.

Transformá-lo em um mito.

No ídolo que o Brasil não tem.

E faturar o máximo que for possível em publicidade.

Essa foi a surpreendente fórmula que a diretoria santista usou para segurar Neymar no Santos.

A vinda do presidente do Chelsea ao Brasil, Chuck Buck foi inútil.

Ele tinha certeza de que iria conseguir levar o garoto de 18 anos para a Inglaterra.

Mas não contava com essa atitude ousada da diretoria santista.

Vários fatores fizeram com que Neymar revertesse a expectativa e continuasse no Santos.

A começar pelos conselhos de Robinho.

Ele fracassou no futebol inglês.

E disse ao amigo, parceiro, seguidor e fã que ele correria risco de não ir tão bem por lá.

Os gramados enlameados, a enorme cobrança, a tendência de começar na reserva.

E explicou para ele como é ruim ser tratado como mais um.

Na Vila Belmiro ele é rei.

Se conseguisse ganhar perto do que receberia lá, não deveria nem pensar.

E é o que o otimista presidente santista acredita que acontecerá.

Com os bônus por convocação, gols, classificação do Santos, Neymar poderá ganhar o R$ 1 milhão que Robinho embolsava.

Luís Álvaro tem a plena certeza de que o fará ídolo mundial.

As jogadas, os dribles, os gols serão distribuídos semanalmente para emissoras de todo o mundo.

O Santos vai enviar.

Para contentar Vagner Ribeiro é fazer com que Neymar dispute o título de melhor do planeta sem sair do Brasil.

O contrato é de cinco anos.

Mas o sonho é mantê-lo até depois da Copa de 2014.

E formando dupla com Ganso, que já tem a sua multa rescisória em 50 milhões de euros.

Haverá também um plano para ele.

Saudosista, o presidente sonha com uma dupla do tipo Pelé e Coutinho.

Na verdade, essa postura derrubou a resistência de quem decidiu que o jogador ficaria: seu pai.

Ele fez  e refez as contas várias vezes e resolveu apostar.

Neymar será o jogador a ganhar mais no futebol brasileiro depois de Ronaldo.

Com amigos íntimos em agências de publicidade, Luís Álvaro já pediu para que eles o vendessem como garoto propaganda para onde for possível.

Até mesmo Vagner Ribeiro ficou entusiasmado com o plano.

Ele sabe que não vai ganhar dinheiro.

O empresário saiu da reunião com a promessa do presidente que, se algo não estiver dando certo.

Se Neymar mudar de idéia haverá a possibilidade de um acerto com o dirigente e ele sair.

Mas enquanto isso não acontece, Neymar aproveitou para mostrar um pouco do que pensa sobre a situação.

Não perdeu a chance de falar o que sabia que provocaria palmas.

"Dinheiro não traz felicidade. Preferi ficar onde sou feliz", disse com boné virado.

E lógico que houve quem o aplaudisse.

Mas a atitude é corajosa, surpreendente.

Até mesmo Dorival Júnior tinha certeza de que perderia o menino.

A decisão envolve riscos milionários para o Santos, para a carreira, a vida de Neymar.

O clube deixou de receber R$ 48 milhões, livres de impostos.

Tomara que todos tenham acertado.

Que Neymar receba em dia, que não se contunda gravemente nestes cinco anos.

E que não passe por uma longa fase ruim dentro dos gramados.

Que tenha um pouco de juízo fora deles.

Esse é o desejo de quem quer o bem de Neymar...

Veja mais:

+ Acompanhe os Jogos da Juventude em Cingapura
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

Jô Soares para Ronaldo: “De gordo para gordo, procure um spa”

reuters748 Jô Soares para Ronaldo: De gordo para gordo, procure um spa

Até onde Ronaldo quer chegar?

Está mesmo disposto a destroçar a imagem que cultivou de melhor jogador do mundo por três vezes.

Mesmo sem jogar desde 9 de maio, surgem novidades.

Uma pior do que a outra.

Duas notícias foram de sentar e chorar.

A primeira é a do seu já folclórico encontro com Jô Soares.

Ele encontrou o apresentador no lançamento de uma linha de vinhos do enólogo/narrador Galvão Bueno.

Lógico que lá estavam Mano Menenezes e outros notáveis.

Ronaldo também é um grande conhecedor e apreciador de vinhos.

Quem não sabe da história de Vampeta que foi se hospedar na sua casa e atacou sua adega?

E bebeu dois vinhos que foram dados a Ronaldo pelo próprio Papa João Paulo II.

Eram dois vinhos abençoados.

Mas voltemos ao presente.

Não vale nem a pena questionar o que um jogador profissional estava fazendo em um lançamento de vinho.

O destaque fica por conta do conselho de Jô Soares a Ronaldo.

"De gordo para gordo: procure um spa."

O pior, o mais dolorido, é que não foi uma piada.

O apresentador falou sério.

Gerou constrangimento, mas a culpa é do próprio Ronaldo.

A outra notícia é que ele afirmou que não está mais valendo a data da sua aposentaria.

Como o blog já havia garantido, ele não conseguirá jogar até dezembro de 2011.

Vai parar muito antes disso.

E disse que será de repente, sem aviso prévio a ninguém.

O patrocínio da Hypermarcas com o Corinthians, o maior da América Latina, terminará no final de 2010.

Com este anúncio da aposentadoria precoce, a direção do clube perdeu seu maior trunfo para 2011.

Que patrocinador vai aceitar pagar tão alto ao clube se Ronaldo vai parar?

Muita gente ligada à direção do Corinthians garante que o final será mesmo neste ano.

Ronaldo não aguenta e não está mais entusiasmado com a ideia de manter um regime espartano.

Quer curtir a vida sem a pressão de ser o jogador mais importante do Brasil.

Aí, sim, ele pode seguir o conselho de Jô Soares e ir para um maravilhoso e milionário spa.

"De gordo para gordo..."

(Para quem tem dúvidas se o Jô disse procure ou não procure um spa..

Recomendo a coluna da Monica Bergamo da Folha hoje, a qual não havia lido.

Tive a confirmação do conselho de um amigo que esteve na festa do Galvão)

Veja mais:

+ Acompanhe os Jogos da Juventude em Cingapura
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

O Palmeiras não seria Palmeiras sem Marcos…

marcos2 hg 20091112 O Palmeiras não seria Palmeiras sem Marcos...

500 jogos pelo Palmeiras.

Goleiro do clube com a torcida mais exigente, sem paciência, irritada de São Paulo.

Aquela que, saudosa dos grandes times e títulos, não dá vida fácil aos seus ídolos.

Diego Souza, Vagner Love, Keirrison que o digam.

Mas Marcos, não.

Ele é um goleiro diferenciado, uma pessoa especial.

A primeira lembrança que tenho dele foi em 1993.

O recém-contratado Vanderlei Luxemburgo levou o Palmeiras para Atibaia.

A imprensa foi acompanhar a formação do novo time.

De repente, em uma manhã os poucos jornalistas que estavam no treino começaram a ouvir palavrões.

O treino não havia nem começado.

"P..q..p...P..q..p...P...q...p..."

"Eu não falei? Eu não falei? Eu não falei?"

Cabelos cumpridos, alto e pulando em um pé só...

Era o terceiro goleiro, jogador que ninguém havia prestado atenção.

Sérgio era o titular e Velloso o promissor reserva.

Poucos sabiam o nome dele.

Era Marcos.

Perguntei a ele o que havia acontecido.

"Eu tinha dito aos médicos que ainda não estava bem para voltar aos treinos.

Disse que sentia dores, mas não acreditaram.

Então fui treinar e agora o meu pé está inchado.

E agora?"

Foi de uma transparência absurda.

Marcos começava a sua longa trajetória de contusões.

E de declarações sinceras, que tanto atormentaram os treinadores que passaram pelo clube.

Quando as suas queixas foram parar no jornal, Marcos foi repreendido.

Mas o clube nem pensou em largar o promissor goleiro.

E o tempo passou.

Sérgio se foi.

'Gato' Fernandes também.

Velloso se machucou

E Marcos começou a mostrar quem era.

Goleiro talentoso, de personalidade forte e grande estrela.

Defendeu pênaltis fundamentais para a história do clube.

Que não saem do coração do torcedor.

Como os que tiraram duas vezes o Corinthians da Libertadores.

Fez o Palmeiras campeão da competição sul-americana pela primeira vez.

Foi o grande goleiro do pentacampeonato do Brasil, na Coréia e no Japão.

Sua identificação com o Palmeiras é algo profundo, intenso.

O que ajudou muito foi ter surgido para o futebol antes da época dos assessores de imprensa.

Manipuladores e maquiadores de opinião, não deixariam Marcos ser tão sincero como foi.

Felipão proibiu todos os jogadores falarem antes, no intervalo e depois dos jogos, pensando nele.

Foi mais esperto do que Luxemburgo do que resolveu proibir só ele.

Marcos foge dos microfones quando pode.

Porque sabe que, se começar a falar, não consegue ser falso como a grande maioria dos jogadores atuais.

Não é um santo e nunca foi bobo.

Sabe muito bem o que diz.

Quando criticou jogadores que só iam farrear no clube e não treinavam...

Ou, várias vezes, quando apontou a fraqueza do time...

Mandou recado à diretoria.

E se comportou como um jogador que deseja ganhar.

Teve inúmeras contusões.

Inclusive uma, na mão direita, que o tirou do Arsenal.

A memória do apaixonado torcedor é curta, em janeiro de 2003, ele não passou no teste físico no clube inglês.

Marcos não queria ir, a diretoria da época que desejou fazer dinheiro com ele.

Só que o destino e Marcos não quiseram.

O goleiro sabia que tinha condições de prosseguir com a carreira, mas não insistiu.

Azar do Arsenal.

Ele já fez de tudo pelo Palmeiras.

Já tomou até café durante um jogo da Libertadores.

E falhou, como todo goleiro.

Mesmo sendo um dos maiores que o Brasil já viu jogar.

A principal falha aconteceu na decisão do Mundial, contra o Manchester United.

Felipão nunca costuma dar muitos conselhos aos goleiros.

Mas naquela partida ele mudou.

Resolveu falar com Marcos.

Disse que os cruzamentos de Giggs costumavam ser baixos em velocidade.

Por isso, a estranha falha em um cruzamento banal que o encobriu no gol de Kaine.

"Deus dá a cruz do tamanho que a pessoa possa carregar.

Vão passar 30 anos e vão falar que o Palmeiras perdeu o Mundial porque o Marcos falhou.

E ninguém vai lembrar dos gols que os atacantes perderam", disse Marcos no Japão.

E foram muitos...

Marcos chocou o mundo do futebol, quando fez questão de jogar a Série B.

Foi o goleiro do Palmeiras rebaixado no Brasileiro, no time sem sangue que Mustafá Contursi montou.

E enfrentou gramados piores do que campo de várzea pelo país...

Marcos talvez tenha sido o jogador nos últimos anos que mais jogou com dores no Brasil.

Qualquer conversa com os médicos do Palmeiras para valorizar ainda mais este personagem.

Já chorou de dor no aquecimento e foi campeão pelo clube que tanto ama.

As dores o fazem pensar na aposentadoria há mais de três anos.

O preparador Carlos Pracidelli o proibiu de falar em aposentadoria atualmente.

Pouca gente sabe que recusou uma proposta milionária para atuar no Corinthians.

Ele jantou com Kia Joorabchian, presidente da MSI, ouviu a proposta.

Mesmo brigado com a direção do Palmeiras, resolveu ficar.

Para ganhar muito menos.

"Não teria como me olhar no espelho e vestir a camisa do rival."

Colocou a minúscula cidade de Oriente no mapa.

Consagrou o gesto de se ajoelhar no gramado e apontar aos céus, agradecendo a Deus.

Daí o apelido de São Marcos.

O gesto não nasceu dele, começou com Taffarel e ele não esconde.

Só que virou sua marca registrada.

Marcos não gosta de falar, mas ajuda várias instituições de caridade.

Oberdan Cattani, Valdir de Moraes, Leão...

Todos sensacionais goleiros que o Palmeiras teve.

Mas nunca houve ninguém como Marcos.

Parabéns pelos 500 jogos.

Que venham mais 500...

Depois, virar uma estátua será pouco...

Aqui, uma singela e original homenagem.

Para que você, Marcos, não se sinta tão culpado em relação a um certo jogo de 1999...


Veja mais:

+ Acompanhe os Jogos da Juventude em Cingapura
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

A dura volta do Santos à realidade. E tudo pode ficar ainda pior sem Neymar…

reuters092 A dura volta do Santos à realidade. E tudo pode ficar ainda pior sem Neymar...

Robinho e André já foram.

Wesley se recusou a jogar porque quer ir para o Werder Bremem.

Neymar atuou tenso, travado.

Sabe que seu pai tem tudo para anunciar a sua ida para o Chelsea amanhã.

O resultado foi previsível.

E o Santos que maravilhou o Brasil teve a sua primeira queda, ontem na Ressada.

Ganhou, mas foi eliminado da Sul-Americana.

O time não teve forças para se recuperar da derrota por 3 a 1 para o Avaí.

O velho ditado de que é fácil se acostumar com as coisas boas da vida valeu para Dorival Júnior.

Ele fez o que pôde.

Gritou, trocou jogadores, mandou o time marcar por pressão a saída de bola.

Mas ficou nítido o óbvio.

Dois jogadores excelentes como Ganso e Neymar não é impossível marcar.

O problema é quando havia Robinho, Wesley fazendo a bola chegar redonda da defesa até Ganso.

Até mesmo do desprezado André, com sua velocidade, oportunismo deu saudade.

O Santos perdeu os superpoderes.

Ainda é um dos melhores do Brasil.

Não há mais o grande disparate técnico.

Pelo contrário.

A eliminação doeu.

Dorival não reclamou em público.

Mas vai cobrar da diretoria.

Qual é o futuro deste time?

Ainda mais com a classificação já garantida para a Libertadores.

Vai ser desmontado.

Os euros vão completar o desmanche.

E as peças de reposição?

Virão ainda durante o Brasileiro ou Dorival terá de se virar?

Apostar na base e torcer?

Por que a situação deve piorar de vez se Neymar for mesmo para a Inglaterra.

E agora?

A vez de agir é de Luís Álvaro.

Não lutou tanto para ser presidente do Santos, pois então...

Que continue a cumprir a palavra, de fazer o clube diferenciado, honrando as tradições de bicampeão mundial.

Com esse time, não vai dar...

Veja mais:

+ Acompanhe os Jogos da Juventude em Cingapura
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7