Dirigentes santistas não querem saber dos palpites de Andrés Sanchez sobre Neymar. Ele que cuide do seu Corinthians…

divulgacao22 Dirigentes santistas não querem saber dos palpites de Andrés Sanchez sobre Neymar. Ele que cuide do seu Corinthians...
Andrés Sanchez é muito esperto.

Ele sabe que o Corinthians já tem um grande adversário na próxima Libertadores.

O Santos.

É o time mais pronto, mais forte.

E ainda estará comemorando o seu centenário em 2012.

A direção santista já acertou com a prefeitura que fará do Pacaembu a sua casa, tanto quanto a Vila Belmiro.

Está aqui no Japão disputando o título mundial interclubes.

Andrés acredita que chegou a hora de atrapalhar a caminhada santista.

Assim como fez com o São Paulo.

Além de tirar o Morumbi da Copa, o dirigente usou a sua verve, os veículos de comunicação, para evitar a ida de Dorival Júnior ao Morumbi.

Disse que quando ele brigou com Neymar no Santos já estava acertado com o São Paulo.

Os contatos estavam no início.

Mas Dorival não quis que o mundo do futebol desconfiasse dele.

E não aceitou trabalhar no Morumbi.

Agora resolveu tumultuar o Santos.

Dizendo que seria a hora ideal para vender Neymar.

E que o clube e o atleta ganhariam dinheiro, aumentariam seus patrimônios.

Ele diz isso na pior hora.

Pouco antes da estreia do rival no Mundial.

Dar palpite em um clube rival de Libertadores.

Recomendar a venda do melhor jogador em atividade no Brasil não é por acaso.

Dirigentes santistas aqui no Japão reconheceram rápido a postura de Andrés.

E também desconfiam de que ele e o Corinthians possam estar por trás dos R$ 5 milhões que o DIS deu pelos 10% dos direitos econômicos de Ganso.

Acham muito estranho e oportuno o dirigente corinthiano querer tumultuar o ambiente santista.

Falar de Neymar.

Tudo que eles querem é que Andrés se esqueça do Santos.

 

Ou melhor, só lembre quando começar a Libertadores de 2012...

Nelsinho Baptista, o comandante do Mazembe nipônico. Ele se prepara para estragar a festa. Evitar que Neymar encontre Messi…

reproducao Nelsinho Baptista, o comandante do Mazembe nipônico. Ele se prepara para estragar a festa. Evitar que Neymar encontre Messi...
Nagoya.

A vida deu mais uma chance para Nelsinho Baptista.

O treinador que prometia brigar com Vanderlei Luxemburgo pelo comando do futebol brasileiro ficou no caminho.

Seu sonho quando foi vice campeão paulista pelo Novorizontino era comandar a Seleção.

Chegou aos grandes clubes.

Ganhou o primeiro Campeonato Brasileiro com o Corinthians em 1990.

A Copa do Brasil.

Seis estaduais.

Uma Copa Mercosul.

A expectativa era que iria chegar mais alto.

Brigaria por títulos mais importantes.

Pela Seleção Brasileira com Luxemburgo.

Mas não conseguiu chegar lá.

Teve baques marcantes.

Com o Santos perdeu por 7 a 1 para o Corinthians.

Com o São Paulo perdeu por 7 a 2 para a Portuguesa.

E ainda no Morumbi, sofreu outro 7 a 1, desta vez para o Vasco.

O rebaixamento do Corinthians.

Resultados pesados demais que o marcaram.

Mesmo assim tem uma carreira sólida, estabelecida.

Foi aqui, na Terra do Sol Nascente, que seu estilo sério, de muito trabalho e pouca amizade com os jogadores se impôs.

Ganhou três Campeonatos Japoneses.

E uma Copa da Liga.

Assumiu o Kashiwa Reysol na Segunda Divisão em 2010.

Ganhou a competição e trouxe o time para a Primeira Divisão logo de cara.

E neste ano venceu o Campeonato Nipônico e classificou o time para o Mundial de Clubes.

O Kashiwa entrou na competição sem a menor pressão.

Foi o favorito contra os amadores do Auckland da Nova Zelândia.

Venceu por 2 a 0.

Depois deveria encerrar sua participação diante do Monterrey.

Mas surpreendeu ontem em Toyota.

Seu time jogou muito melhor.

Apenas empatou durante o jogo e a prorrogação.

Mas a justiça veio nos pênaltis e a equipe de Nelsinho Baptista despachou os mexicanos.

Hoje foi uma romaria de jornalistas brasileiros para falar com o treinador.

Ele tem a chance de derrubar o Santos e não permitir a desejada final entre o time de Neymar e o de Messi.

Nelsnho Baptista sabe disso.

Mas não quer provocar qualquer expectativa.

Aprendeu com o tempo o quanto é frustrante e desgastante prometer e não cumprir.

"O favoritismo é do Santos do Muricy.

Nós estamos fazendo o nosso papel.

Jogando muito sério e querendo vencer.

Mas temos a noção da realidade.

Da diferença de um time e do outro.

Quem não sabe do potencial de Neymar, de Ganso, de todo time santista?

Do Muricy?

Vamos trabalhar muito e ver o que poderemos fazer.

Mas todos sabem de quem é a responsabilidade de vencer."

Nelsinho é astuto.

Ele repassa toda a pressão para os santistas.

Não quer mais saber de promessas.

Só que tem seus trunfos.

Foi um elenco mais modesto que o colocou sob os holofotes.

Em 1990, há 21 anos levou o Novorizontino até a final do Campeonato Paulista.

Quando o título estadual ainda valia, era muito respeitado.

Hoje é um torneio espremido entre a pré-temporada e o início do Brasileiro.

Nelson Baptista sabe que o destino empurrou outra vez a atenção do País para uma equipe que dirige.

Aos 61 anos, ele perdeu o arroubo do início de carreira.

O sonho de Seleção Brasileira não existe.

Mas a de comandar o selecionado japonês, não.

E para isso seria excelente acabar com a festa.

Virar o Mazembe oriental.

Ganhar do Santos e disputar o título com o Barcelona.

Esse seria o melhor dos mundos para Nelsinho.

Só que ele decidiu não sonhar.

Vai fazer o que gosta: colocar seu time para marcar muito, jogar de forma compacta, veloz nos contragolpes.

O que vier será lucro.

"Eu sei que o Kashiwa já fez bem demais o seu papel neste Mundial.

Quem tem a obrigação de ganhar esta semifinal é o Santos.

O Santos", repete para jornalistas brasileiros.

Mas seus jogadores japonenses sabem.

Seu técnico quer é entrar para a história e levar pela primeira vez uma equipe nipônica à final de um Mundial.

A sorte está sorrindo outra vez para você, Nelsinho Baptista...

A emoção de Muricy diante do Barcelona. “Só existe uma solução. Tenho de colocar 15 jogadores contra eles…”

reproducao25 A emoção de Muricy diante do Barcelona. Só existe uma solução. Tenho de colocar 15 jogadores contra eles...

Nagoya...

Aniversário não é só dia de desabafo.

Mas de ganhar presente.

E o meu melhor neste dia, além do sorriso da minha mulher e da minha mãe no skype...

Me foi dado por Jorge Kajuru.

Jornalista inteligentíssimo, sem freio na língua, mas amigo de décadas.

Ele repartiu com o blog um momento de intimidade que teve com Muricy Ramalho.

Generoso, revelou o que aprontou com o treinador do Santos.

Parceiro de Muricy há anos, teve o privilégio de assistir Barcelona e Real Madrid ao vivo com o técnico.

A entrevista, muito bem amarrada, ficou para o Esporte Interativo.

Os melhores momentos vieram como presente.

As declarações de Muricy são inacreditáveis.

Digna de quem não teme o seu provável adversário de final de Campeonato Mundial.

Ele não tem medo.

Muricy ama o Barcelona.

"Para enfrentar esse time só há uma solução.

Não sei se a Fifa vai concordar.

Colocar 15 jogadores contra eles.

O que o Barcelona faz é sacanagem.

Sacanagem.

O jogo contra o Real Madrid foi uma aula de futebol.

Uma aula!

Não tem como não ficar contente vendo o Barcelona jogar.

É incrível, incrível!

O time saiu perdendo por 1 a 0, mas tinha certeza que iria virar.

3 a 1 foi até pouco.

O Barça só tomou 1 a 0 porque o Valdez, seu goleiro quis sair jogando e errou.

Só por isso tomou o gol.

Depois, dominou o resto do jogo.

E foi tocando bola, encurralando o Real em Madrid.

Não tomou conhecimento do time do Mourinho.

O que me chama a atenção no Barcelona é que o Guardiola muda de esquema tático durante o jogo.

E várias vezes.

Coloca três zagueiros, cinco volantes.

Não deixa nenhum atacante fixo no ataque.

Se sou eu, seria atacado, criticado.

No Brasil acham que entendem de futebol, mas não enxergam o que acontece.

E também tem outra coisa.

As pessoas precisam parar e pensar no elenco que tem o Barcelona.

Sai o Sanchez entra o David Villa, artilheiro da Copa.

Tem o Pedro no banco, outro goleador da Seleção Espanhola.

Quem tem um elenco desses no mundo?

O ideal para ganhar desse time seria marcar todos individualmente.

Mas como vou colocar alguém para seguir o Messi?

O Iniesta?

O Xavi?

O Fàbregas?

O Sanchez?

O Daniel Alves?

O Adidal?

Como uma equipe pode fazer isso?

O Real Madrid do Mourinho que é um timaço começou bem.

Mas depois não conseguiu suportar o talento do Barça.

Eles ficam tocando a bola de pé em pé.

Até envolver completamente o adversário.

Como não posso me empolgar com um time desses?

Mesmo sabendo que ele poderá ser o meu adversário na final do Mundial.

Tenho de ficar feliz com o que vi.

O Barcelona não tomou conhecimento do Real Madrid dentro do Santiago Bernabeu.

Que time é esse?

Eu não tenho vergonha de falar que adoro ver essa equipe jogar.

O Santos também é um grande time.

O favoritismo é todo do Barcelona.

Só posso dizer que estamos treinando muito para surpreender.

E a minha esperança é que futebol é um esporte de todos os outros.

O Santos tem sim chances de surpreender e ganhar o título mundial do Barcelona.

Mas não é por isso que vou negar que uma das coisas mais prazeirosas do futebol...

É ver esse time do Guardiola jogar.

Não há nada mais moderno.

Cada jogo é uma lição de futebol..."

Reparto a maçã, o iogurte e água do meu acanhado frigobar. Bem-vindo ao aniversário de um repórter em Nagoya…

divulgacao32 Reparto a maçã, o iogurte e água do meu acanhado frigobar. Bem vindo ao aniversário de um repórter em Nagoya...
Nagoya...

Cinco graus...

Vento assoviando na janela.

Estou sozinho em um apertadíssimo quarto de hotel.

Banheiro sem chuveiro, só uma pequena ducha.

Banheira de um metro e 20 centímetros.

Terrível para mim, com 1m88.

Armário com exatos três cabides.

O que fazer com a roupa para 15 dias de viagem?

Deixá-la guardada na mala e ir tirando aos poucos.

No Oriente, o espaço é um privilégio.

O hotel é considerado de bom padrão aqui em Nagoya.

A maioria dos jornalistas brasileiros que cobrem o Santos está em hotel como o meu.

Estou sem celular ou placa 3G, o aluguel aqui em Nagoya é por um mês.

Como fazer se vou ficar 15 dias?

Wireless não existe em quase lugar nenhum.

Quase ninguém fala inglês por aqui.

Ninguém.

Os hotéis, sem wi-fii oferecem ultrapassados cabos que se prendem aos computadores.

Tenho de escrever sobre uma penteadeira minúscula, meus joelhos não entram debaixo dela.

A dor nas costas virou uma companheira inseparável no Japão.

País que está longe de ser o símbolo de modernidade do Terceiro Milênio que muitos medíocres acreditam.

Sem celular ou placa 3G só há uma solução.

A loucura de conseguir a informação e ter de correr para o hotel para escrever.

Quase cinco horas da manhã...

Televisão que exige um cartão que custa R$ 25 por dia para mostrar os canais a cabo.

Me recuso a pagar.

Fico preso a seis canais abertos.

Todos eles com gincana e aulas de culinária em japonês durante toda a madrugada.

Mais uma noite sem jantar.

Todos os restaurantes fecham cedo.

Rafael, o único santista a dar entrevista hoje, falou às 23h30 sobre o jogo do Kashiwa Reysol.

Depois de um plantão de 14 horas no lobby do hotel santista.

Para ter o direito de fazer uma pergunta a Rafael.

Pergunta que o goleiro responde contrariado ao ver que não sou repórter de tevê.

Após dar a sua resposta com a cara fechada ao notar que escrevo em bloco de papel...

Rafael volta a sorrir para as câmeras.

Mas há algo muito pior do que jogador que só quer aparecer na tevê...

Os funcionários do Hilton confundem jornalistas com torcedores.

E querem afastar os dois do luxuoso lobby.

Eles estão transtornados com tanto movimento.

A ponto de um agressivo funcionário circular com uma placa em português.

Nela está escrita que quem não estiver hospedado no Hilton tem de ir embora.

Vou para o banheiro disfarçar, esperar que o funcionário se afaste com a maldita placa.

Para continuar sentado no lobby como se nada estivesse acontecendo.

A dor de cabeça não passa.

O sono vem na hora errada.

O fuso horário de 11 horas na frente aqui no Japão é um atentado à saúde de um jornalista brasileiro.

Matérias a serem escritas sobre o Santos.

Posts para o blog.

Volto ao hotel.

No frigobar, suco de salada, sim...suco de salada, coisa de japonês...

Iogurte, suco de laranja, maçã e água.

Não há serviço 24 horas no hotel, como também é comum no Japão.

Este é o cenário do meu aniversário.

Procuro não fazer o blog algo muito pessoal.

Mas hoje me permito.

Se escrevo sobre os bastidores do futebol é bom as pessoas descobrirem a vida real do repórter.

É sim um privilégio estar acompanhando o Mundial de Clubes.

As Cinco Copas, as seis Copas Américas, as muitas Libertadores, Brasileiros, Panamericano...

Ser repórter me fez conhecer o mundo.

Mas houve perdas na vida pessoal.

No aniversário de 70 anos de minha mãe estava no estádio Olímpico.

Cheguei sem tênis, com o rosto sangrando e inchado.

Apanhei feito um condenado da torcida Alma Castelhana.

Com a conivência da Brigada Gaúcha.

Policiais de Porto Alegre queriam ganhar para trabalhar no futebol.

E não se empenhavam.

Apenas desonravam a farda que vestiam.

Meu pecado para apanhar tanto foi trabalhar em um jornal paulista.

O jogo decidiu o rebaixamento corintiano.

Tomei socos e pontapés de 'torcedores' que tentavam roubar o computador que carregava para trabalhar.

Tive de me esconder da minha angustiada mãe por uma semana até os hematomas desaparecerem.

Perdi o aniversários da minha mulher.

A missa de sétimo dia do meu pai.

Não estive em nascimento de afilhados.

Não pude enterrar parentes.

Não tenho folga há dois anos e meio.

Todos os dias escrevo no blog.

Todos os dias.

Nenhum domingo, Ano Novo, Natal, feriado.

Não ficam sem post.

Já escrevi do hospital algumas vezes.

Sacrifico viagens, almoços, jantares.

Não me dou ao direito de ficar 24 horas sem pensar em futebol.

A vida de pessoas queridas, que não têm o direito de um final de semana normal.

Me tranco aos domingos acompanhando quatro jogos ao mesmo tempo.

E ouvindo a transmissão de um diferente pelo rádio na Internet.

É uma opção.

Fazer do blog o melhor que puder.

No dia do meu aniversário quis compartilhar um pouco desta mistura de sensações.

A do dever cumprido.

De fazer o que amo.

De perder momentos que não voltarão mais.

Como mais este aniversário, trancado no minúsculo quarto de hotel do outro lado do mundo.

Sozinho, com meu banquete.

Sem conseguir dormir.

Mas com certeza que tudo que estou sentindo será repartido com milhares de cúmplices.

Os leitores do blog.

Meus companheiros de todas as horas.

Já escrevi nas 24 horas do dia.

E sempre recebi comentários em seguida.

A sensação é excelente.

Pois bem...

Este foi um pequeno pedaço da minha rotina.

Obrigado por este aniversário no Japão.

Não mando um pedaço de bolo nem champanhe.

Por que aqui só há água, maçã e iogurte.

Não cabe mais nada no frigobar...

Muito obrigado por quem lembrou.

E a quem esqueceu.

Eu também muitas vezes esqueço de mim...

No massacre contra o Real Madrid, o gigante Barcelona mostrou o caminho para o Santos. O segredo para o time sair campeão daqui do Japão tem um nome: coragem…

reproducao3 No massacre contra o Real Madrid, o gigante Barcelona mostrou o caminho para o Santos. O segredo para o time sair campeão daqui do Japão tem um nome: coragem...

Nagoya...

O Barcelona mostrou sua força.

Como se fosse preciso.

Ganhou como quis do Real, dentro de Madrid.

3 a 1 foi pouco.

Foi a sua impressionante despedida da Espanha antes de vir aqui para o Japão.

O mundo novamente teve de aplaudir os comandados de Messi.

Para o Santos fica uma esperança.

Enquanto o time de José Mourinho teve coragem e pressionou os catalães foi bem no jogo.

Fez 1 a 0 com Benzema e teve chance de marcar até mais gols.

Só que a partir dos 30 minutos, o time arrefeceu.

Tentou mudar a marcação.

Pressing o tempo todo é impossível.

Há a necessidade de um preparo físico acima do normal para tentar vencer os catalães.

Os merengues de Mourinho diminuíram seu ritmo.

Foi o que bastou para Messi, Xavi, Fàbregas, Daniel Alves mostrarem para o que nasceram.

Os outros 60 minutos da partida tiveram um dono.

Os três gols em pleno Bernabéu aconteceram em ritmo de treino.

Nem parecia que o Barcelona estava enfrentando um jogo tão importante, tão aguardado.

A troca de posições, os passes, dribles, deslocamentos, infiltrações...

Tudo foi impressionante.

Mostra o excelente trabalho de Pep Guardiola.

A vitória só deu mais confiança, se é possível, ao Barcelona.

Sem sombra de dúvidas é o melhor time do mundo.

E é excelente que eles cheguem aqui no Japão tão confiante.

Tão por cima.

Tão favoritos.

Porque aquele comecinho do jogo de hoje foi importantíssimo...

Aquela meia hora acalentaram o coração de Muricy.

Há chance sim do Santos derrotar o gigante.

É nessa esperança, na coragem, que o time brasileiro precisa se agarrar.

E atacar, o time de Neymar, Ganso e Borge sabe.

O poder ofensivo do time brasileiro é impressionante.

Basta comprar a briga.

Esquecer o complexo de vira-lata da imprensa brasileira.

Marcar forte, mas sem medo.

E atacar.

A chave do Mundial de Clubes de 2011 tem um nome.

Coragem...

A amizade de Andres Sanchez com Zezé Perrella valeu. Cruzeiro estendeu tapete vermelho para o Corinthians levar Montillo para a Libertadores…

reproducao23 A amizade de Andres Sanchez com Zezé Perrella valeu. Cruzeiro estendeu tapete vermelho para o Corinthians levar Montillo para a Libertadores...
A direção do Cruzeiro estendeu um tapete vermelho para o Corinthians.

Liberou que conversasse com seu melhor jogador.

E o convencesse a jogar a Libertadores no Parque São Jorge.

O argentino percebeu o clima.

Soube da declaração de Zezé Perrella que era hora de fazer dinheiro com o meia.

Seria uma saída para o Cruzeiro.

Só com o deficitário Campeonato Mineiro, assim como a Copa do Brasil, que nunca rendeu muito.

Principalmente para quem só pensa em dinheiro.

Tanto que só olhou para o RG de Montillo e não no seu potencial.

O senador fez questão de destacar que seu camisa 10 já tem 27 anos.

E é a hora de repassá-lo.

Não importa todo o seu talento e a importância que teria na equipe que será remontada.

Vagner Mancini não tem voz ativa nesta hora.

O treinador não tem títulos ou prestígio para poder exigir nada da diretoria mineira.

É lógico que ele deseja contar com Montillo.

Mas não vai comprar briga com os dirigentes.

A direção corintiana ficou muito feliz com a conversa com o argentino.

É lógico que ele deseja atuar no campeão brasileiro.

E ganhar ainda mais do que recebe no Cruzeiro.

O único aviso da direção corintiana é que não pagará 15 milhões de euros, mais de R$ 36 milhões.

O clube de Andres Sanchez banca metade disso.

E ainda coloca à disposição alguns jogadores.

Como Moraes e, se insistir, até Jorge Henrique.

A direção cruzeirense vai conversar.

Ao contrário do que esperavam os corintianos, não há muita resistência na Toca da Raposa.

A saída de Montillo só é um drama para os torcedores cruzeirenses.

A opinião de Zezé já foi dada a Gilvan.

O novo presidente também vai pelo caminho de reforçar o caixa.

Vai tentar bater o pé para conseguir mais dinheiro.

Montillo já não estava disposto a ir para times fracos da Europa.

Ou se perder no Oriente Médio.

Depois da conversa com dirigentes corintianos já falou abertamente ao seu empresário Sergio Irigoitia.

Quer ficar e jogar a Libertadores pelo Corinthians.

Tudo está sendo fácil demais.

Como Andres Sanchez não imaginava.

E como Zezé Perrella queria.

Aliás, os dois sempre se deram muito bem...

Para desespero da torcida cruzeirense...

Paulo Henrique Ganso incendiou o ambiente do Santos às vésperas do Mundial aqui no Japão. Confirmou que vendeu a parte que tinha do seu passe ao grupo Sondas. Sua saída da Vila Belmiro está cada vez mais próxima…

 

reproducao38 Paulo Henrique Ganso incendiou o ambiente do Santos às vésperas do Mundial aqui no Japão. Confirmou que vendeu a parte que tinha do seu passe ao grupo Sondas. Sua saída da Vila Belmiro está cada vez mais próxima...

Nagoya...

Paulo Henrique Ganso se cansou.

Não quer ficar no Santos.

Talvez o máximo que suporte seja a Libertadores de 2012.

Depois, quer a Europa.

Ou até mesmo antes, depois do Mundial de Clubes.

Ele se cansou.

Se a prioridade do clube é Neymar, que o Santos fique com Neymar.

Frio, calculista e vingativo, Paulo Henrique jogou gasolina no ambiente santista.

Se vingou por se considerar desprezado.

O que era oba-oba, passeios, poses e sashimis, virou cobertura séria, pesada.

Os jornalistas não acreditaram.

Com firmeza na voz, Paulo Henrique Ganso confirmou ter vendido a sua parte dos direitos federativos ao grupo DIS.

E o grupo do empresário Delcir Sonda passa a ter 55% do jogador.

O Santos apenas 45%.

Mas a situação não deve parar por aí.

Ganso quer mesmo sair do clube, não suporta mais ficar à sombra de Neymar.

Não perdoou a forma com que foi tratado quando estava se recuperando das operações nos joelhos.

Sentiu-se desprezado pela diretoria santista.

E demonstrou o quanto quer sair do clube.

"Eu vou deixar passar o Mundial e depois avaliar o meu futuro.

Só posso dizer que se o Santos quisesse, compraria os meus 10%.

Deixou o DIS comprar porque não tem interesse.

Então, vou pensar no que for melhor para mim no próximo ano."

Ganso foi maquiavélico na sua vingança.

Ele se sente preterido pelo presidente Luís Álvaro há muito tempo.

Foi esquecido com o sucesso de Neymar.

E percebeu que ter passado por três cirurgias no joelho despertaram a desconfiança dos dirigentes.

Para Ganso nunca houve o mesmo empenho da diretoria em fazer um plano de carreira para o jogador.

Assim como fez com Neymar.

"Eu não sei dizer por que os dirigentes não quiseram comprar os meus 10%...

Se eles queriam tanto um plano de carreira.

Se me viam como patrimônio do clube.

Não sei mesmo", disse, com sorriso irônico.

A situação é simples.

Na modernidade, os jogadores são divididos como pizza.

O Santos tinha 45% de Ganso.

O DIS 45%.

E Paulo Henrique, 10%.

Neymar ganha R$ 3 milhões por mês.

Ganso 'apenas' R$ 135 mil.

A diferença é enorme.

O meia quis mais dinheiro e principalmente mais atenção.

E pediu R$ 5 milhões pelos seus 10%.

Foi até modesto.

Por contrato, o Santos teve a prioridade de compra.

Prioridade de um mês.

Mas o clube abriu mão de gastar no jogador.

O grupo DIS não.

E se tornou dono majoritário dos direitos do meia.

Ganso foi cirúrgico na sua vingança.

O prazo de opção de compra por parte do Santos terminou no dia da reeleição de Luís Álvaro.

Mas o presidente santista não se manifestou.

E a revelação da compra por parte do DIS aconteceu ontem, às vésperas da estreia do time no Mundial.

"Eu confirmo. É verdade. Vendi a minha parte para o DIS porque o Santos não quis", disse o meia após o treino de hoje.

Neymar foi perguntado sobre se foi certo Ganso ter revelado essa situação tão perto do início da disputa do torneio.

"Ele falou agora porque achou que era o momento ideal.

O Ganso quis falar agora porque se sentiu bem para falar, feliz.

Eu quero é que dispute o Mundial muito feliz.

A felicidade dele é o que importa", disse o atacante.

Os dois se reaproximaram durante o final do período de recuperação da última contusão.

Ganso percebeu que Neymar não tem culpa se o seu relacionamento com Luís Álvaro é excelente.

E acaba sendo muito mais valorizado.

É nítida a vontade de Ganso de jogar na Europa.

Bem ao contrário de Neymar.

O grupo DIS também o quer fora da Vila Belmiro.

Vendido.

Para que possa lucrar tudo o que investiu no meia.

"Se eu tiver de sair do Santos, quero que seja uma coisa transparente.

Serei sincero com a torcida quando esse momento chegar.

Eu quero jogar no centenário do Santos.

Tenho contrato, mas é o clube que decide."

A definição da vida de Paulo Henrique acontecerá após o Mundial.

Na verdade, Ganso não está levando em conta ou se mostra empolgado com o centenário santista em 2012.

Pela sua postura aqui em Nagoya, ele quer mesmo sair.

O presidente Luís Álvaro está em Barcelona.

Só deverá chegar à concentração santista no Japão na segunda-feira.

E explicar o motivo que fez o Santos não querer ser majoritário em relação a Ganso.

Perguntei a Ganso a razão de querer vender os seus 10%.

Se não era um bom negócio mantê-los.

"Tive que vender por que surgiu algo muito bom para mim."

Ele quis muito mais do que os R$ 5 milhões.

Paulo Henrique quis colocar o seu futuro nas mãos do Delcir Sonda.

Agora não há lógica alguma para o Santos fazer um plano de carreira para um jogador que não é majoritário.

Muito pelo contrário.

Acaba de perder o controle sobre o seu destino.

Talvez por isso que Luís Álvaro já tenha acertado o retorno de Zé Roberto em 2012.

E acaba de contratar Jonas do Coritiba.

O Santos está se reforçando para o próximo ano.

Quando estará muito perto de perder Paulo Henrique Ganso.

O camisa 10 que deseja sair da Vila Belmiro.

E deixou para revelar a sua decisão na véspera da disputa do Mundial de Clubes.

Se o Santos perder a competição, não há dúvida sobre quem será acusado como culpado...

 

Eike quer brincar. Já comprou o UFC no Brasil. E agora quer o Maracanã, o futebol. Dirigentes já fazem fila e figa sonhando com seus US$ 80 bilhões. Te cuida Ronaldo…

divulgacao5 Eike quer brincar. Já comprou o UFC no Brasil. E agora quer o Maracanã, o futebol. Dirigentes já fazem fila e figa sonhando com seus US$ 80 bilhões. Te cuida Ronaldo...
O pode fazer um homem com US$ 30 bilhões?

O que quiser.

Basta querer.

Ainda mais na área esportiva.

Os investidores pequenos são bem-vindos.

Os raros multimilionários são recebidos com tapetes vermelho e flores.

Em dia só Eike Baptista é manchete no mundo todo.

Por comprar a Brasil1 Esportes & Entretenimento, a agência que administra o UFC no Brasil.

UFC.

E diversas arenas onde se realizam competições de golfe, futevôlei, esportes radicais.

No ano que vem, a sua nova empresa terá 52 eventos marcados.

Há R$ 500 milhões para ser gasto nesta nova empresa.

A vontade de Eike é dominar a organização do esporte no Brasil.

E é lógico que ele não deixaria de fora o futebol.

Quer se tornar o administrador do Maracanã.

E transformá-lo em uma arena multiuso.

O seu desejo acaba com a expectativa dos dirigentes dos clubes cariocas.

Eles pensavam que continuariam usando e abusando do estádio público.

Eike tem dinheiro e apoio político para controlar o mais tradicional estádio do Brasil e do mundo.

Só que ele deseja mais.

Já mandou seus assessores entrarem de cabeça no mundo do futebol.

Ele quer comprar direitos de jogadores.

E patrocinar clubes de futebol.

Com a atual Lei Pelé, o campo está aberto para investidores.

E eles até que surgiram.

Mas perto de Eike Batista e seu aporte financeiro descomunal, todos passam a ser vistos como juvenis.

Eike é filho do ministro de Eliezer Batista.

Ministro de Minas e Energia dos governos João Goulart e Fernando Collor de Mello.

E que também foi presidente da Vale do Rio Doce.

Eike tem a oitava maior fortuna do mundo.

Sua vontade de investir no esporte, principalmente o futebol poderá mudar todo o cenário nacional.

Pessoas ligadas ao Botafogo, seu clube de coração, já disseram que o clube está aberto para investimentos.

Outros presidentes já olham ávidos por um pequeno quinhão da fortuna de Eike.

Clubes endividados é o que não falta no mapa do Brasil.

A maneira amadora com que são geridos é uma tentação para Eike se divertir.

O empresário adora a mídia.

E já percebeu a badalação que vai passar a receber depois que tomou a decisão de investir no esporte.

"Com essa empresa eu vou me divertir", ironiza.

E o mundo do esporte no Brasil já estica o chapéu em direção ao risonho Eike.

Te cuida, Ronaldo...

Neymar, não aceite o conselho de Robinho. Pense só o que ele fez com a própria carreira…

Reuters Neymar, não aceite o conselho de Robinho. Pense só o que ele fez com a própria carreira...
Sem dúvida nenhuma (ele deve ir)...

Porque o seu estilo de jogo é mais parecido com o do Barcelona.

Não há vaidade entre os jogadores do Barça.

Em Madrid, é difícil receber passes perto da baliza e isso já não acontece no Barcelona."

Com essa singela resposta ao jornal Sport, Robinho escancara uma verdade.

A que foi boicotado no Real Madrid.

Finalmente, sem rodeios, o jogador deixou escapar sua aversão ao time da capital da Espanha.

Robinho saiu do Brasil dizendo que se tornaria o melhor jogador do mundo.

Ele e seu empresário Wagner Ribeiro enfrentaram a diretoria santista.

Não quiseram saber de contrato assinado.

O jogador quis ir para o Real Madrid e ponto final.

O clube santista teve de se dobrar à vontade do atleta.

E à pressão do time espanhol de entrar com um processo na Fifa e poder levar o jogador de graça.

Só que Robinho errou na dose.

Forçou tanto a situação que se colocou em péssimos lençóis em Madrid.

Nas entrevistas falou tanto em ser o melhor do mundo que jogou o time contra ele.

O brasileiro não destacou seus companheiros como deveria.

Eles não aceitaram ser mero trampolim, escada para o atacante.

E ele sofreu um claro boicote desde que colocou o pé em Madri.

O time teve total má vonte com ele.

Robinho não escondeu seu descontentamento.

Os dirigentes espanhóis mandaram que ficasse quieto e se dedicasse apenas aos treinos.

Mas o jogador não escondia a sua revolta.

Acabou perdendo até a posição de titular.

Aí foi a vez de forçar a sua saída.

Assim como fez com o Santos.

Tinha o apoio de Luiz Felipe Scolari, que trabalhava no Chelsea.

A vingança da direção do Real Madrid foi realmente maligna.

Aceitava vender Robinho.

Para a Inglaterra.

Mas não para o Chelsea.

Para o Manchester City, se quisesse.

Robinho não queria, mas Wagner Ribeiro o pressionou de qualquer maneira para ir ao City.

O atacante foi, mas rompeu suas relações com Ribeiro.

Depois forçou sua saída do City.

E está no Milan, onde às vezes joga e outras fica no banco.

Neymar tem de prestar atenção em Robinho.

Não no seu conselho.

Mas no que não fazer com sua carreira.

Segurar o ego, porque ele pode ser o seu maior inimigo.

O boicote que recebeu no Real Madrid começou ainda quando ele era jogador do Santos.

Robinho nunca sequer concorreu a melhor jogador do planeta.

E tudo indica que não irá...

Zezé Perrella parece não sossegar enquanto Montillo e Fábio não saírem do Cruzeiro. Por quê?

divulgacao31 Zezé Perrella parece não sossegar enquanto Montillo e Fábio não saírem do Cruzeiro. Por quê?
O Cruzeiro acumulou R$ 30 milhões em vendas em 2011.

E está préstes a vender Montillo e Fábio.

Um empresário mostrou autorização ao novo presidente Gilvan para vender o meia por 15 milhões de euros.

E surge um clube russo disposto a pagar a multa rescisória do goleiro.

A diretoria está negociando sem o jogador saber.

Assim como o argentino não tinha a menor idéia que o Cruzeiro só tem 60% de seus direitos.

A herança de Zezé Perrella ainda não chegou ao seu final.

Parece que só terminará quando os dois principais jogadores do clube forem embora.

E só sobrar a terra arrasada para Gilvan.

Inacreditável situação...