- Blog do Cosme Rímoli - http://esportes.r7.com/blogs/cosme-rimoli -

“O São Paulo poderia ter Lugano. Mas o Juvenal não gosta de trazer de volta ídolos que não possa controlar. Por isso Lúcio, três anos mais velho. E o Corinthians foi campeão mundial porque o São Paulo ensinou o caminho. Nossos reservas até carimbaram o passaporte deles.” Marco Aurélio Cunha…

Postado por Cosme Rímoli em 26 de dezembro de 2012 às 13:41 em Sem categoria | 103 Comments

ae135 O São Paulo poderia ter Lugano. Mas o Juvenal não gosta de trazer de volta ídolos que não possa controlar. Por isso Lúcio, três anos mais velho. E o Corinthians foi campeão mundial porque o São Paulo ensinou o caminho. Nossos reservas até carimbaram o passaporte deles. Marco Aurélio Cunha... [1]
"O São Paulo poderia ter Lugano e não Lúcio.

Um jogador quase três anos mais novo.

Era só negociar.

Mas o Juvenal não gosta de trazer de volta ídolos.

Ainda mais aqueles que não pode controlar."

" O Corinthians está se modernizando.

Aprendeu com o São Paulo como se faz.

Nós ensinamos.

Clube grande tem de ter estádio, CT, CT para a base.

E os corintianos estão aprendendo.

Tanto que conseguiram finalmente o passaporte internacional.

Ganhou um Mundial, nós temos três.

Mas não vamos esquecer que o passaporte já chegou carimbado.

Pelos reservas do São Paulo, na derrota antes do embarque para o Japão."

O vereador e ex-gerente de futebol [2] Marco Aurélio Cunha continua o mesmo.

Com muita influência nos bastidores do Morumbi.

Rompeu politicamente com Juvenal depois da reforma nos estatutos.

O que permitiu o terceiro mandato consecutivo do presidente.

De quem foi genro, inclusive.

Ele se afastou da diretoria, mas continua ligado demais aos jogadores.

Que estão e os que saíram do clube.

Kaká, Lugano, Luís Fabiano, Rogério Ceni são seus amigos pessoais.

Conselheiro, acompanha de perto tudo o que acontece no São Paulo.

Vereador acompanha politicamente os milhões movimentados pela Copa no Brasil.

Brigou contra a isenção de R$ 420 milhões para o Itaquerão.

Adora provocar o rival em qualquer entrevista.

Nesta ele mistura seriedade ao falar de Lugano, Libertadores, Tigre.

Exercita sua ironia ao parabenizar o título mundial do Corinthians...

Marco, de forma direta, o São Paulo poderia ter Lugano?

E preferiu Lúcio?

Os dirigentes escolheram um jogador quase três anos mais velho, que vai fazer 35 anos. Sei que haveria sim a possibilidade real do Lugano voltar. Ele está afastado no Paris Saint Germain. O Juvenal tinha plena consciência disso. Só que preferiu ouvir outras pessoas e investir no Lúcio. Zagueiro, por sinal, que o próprio presidente havia dito que não contrataria no passado por ser muito religioso. E poderia influenciar os garotos do time. Há uma certa preocupação no clube com os atletas que são profundamente evangélicos. Mas com o Juvenal Juvêncio o que vale ontem, não vale hoje. Ele é imediatista demais. E fechou com o Lúcio. O clube tinha no planejamento a contratação de apenas um zagueiro caro e mais vivido. As portas ficaram fechadas para o Lugano. Uma pena, um desperdício.

O Juvenal não gosta de recontratar ídolos?

Não. Ele usa como exemplo o Cicinho, que não deu certo. Mas isso é uma desculpa. Em relação ao Lugano, se ele voltasse, não haveria como não relacioná-lo com a diretoria do [falecido] presidente Marcelo Portugal Gouvea. Situações que o Juvenal quis evitar. Além do que é o uruguaio é um jogador de muita personalidade. Não é fácil de comandar. Em relação aos ídolos, Juvenal não se esforça mesmo. O Danilo queria voltar ao Brasil e o primeiro clube que procurou foi o São Paulo. O presidente disse que era muito caro e ele fez o que fez pelo Corinthians. O Luís Fabiano agora e, muito provavelmente, o Kaká no futuro têm explicação simples. A falta de conquistas individuais dos dois no clube. Qualquer título, como essa Sul-Americana é um diferencial a favor da administração Juvenal. Agora, retornar com o Lugano, que saiu campeão do mundo, se trata de uma história diferente. O patamar de comparação é outro. Qualquer coisa menos do que outro título mundial poderia ser visto como uma derrota.

Para onde Lugano vai?

Com a desistência do São Paulo, ele está negociando. Não ficará no Paris Saint Germain. As conversas com o Grêmio foram da gestão do Paulo Odone. O América do México ofereceu um contrato em branco ao zagueiro, para que ele colocasse preço. E também há o interesse forte de um clube pequeno inglês. O Lugano ainda não decidiu. Mas, repito, haveria sim a chance de retorno ao Morumbi. Só que Juvenal preferiu nem tentar.

Você sabe tudo de bastidores do São Paulo.

O que aconteceu de verdade na briga com o Tigre?

Me faltam alguns detalhes, lógico. Mas só vou dizer que o São Paulo estava 80% certo. Errou em incentivar o clima bélico com uma equipe sem tradição alguma no futebol internacional. Bobagem como reconhecimento de campo, se aquecer no gramado. Bobagens que acabaram só criando um clima insustentável de conflito. O São Paulo entrou no clima de guerra porque ficou algum tempo longe da Libertadores. Não conseguiu classificação e se esqueceu de detalhes importantes. Entrou em provocações; brigas quando deveria apenas ter goleado o Tigre e fazer a festa como campeão. Mas teve gente que se inflamou e que quis se impor. Ficou uma situação lamentável. E que não combina com a história do São Paulo. Nosso clube foi e sempre será campeão jogando futebol.

Muito se fala que o Corinthians era protegido por Ricardo Teixeira.

E tinha até a influência do Lula em tudo que acontecia.

Até na construção do Itaquerão.

Agora chegou a vez do São Paulo se aproveitar?

Com o Marin na CBF?

Olha, o Corinthians soube usar sua força política no futebol até pouco tempo. Mérito dos seus dirigentes. Do Itaquerão não quero nem falar. Já briguei muito. Mas o São Paulo não vai se aproveitar tanto do Marin na CBF. Pelo simples motivo que ele é político profissional. Quer agradar todo mundo e não ficar mal com ninguém. O Ricardo Teixeira não era assim. Embora a ligação do Marin com o São Paulo é grande, não haverá privilégio. Ele não vai se indispor com os outros. Ele é muito inteligente para isso. A grande diferença é que antes, com o Ricardo Teixeira, o São Paulo era excluído. Hoje o clube está incluído nas decisões mais importantes do futebol brasileiro. É ouvido. Isso é um mérito. Mas não terá o que outras equipes tiveram na administração passada da CBF.

Como você analisa a queda do Palmeiras?

O segundo rebaixamento em dez anos?

Mostra o que acontece quando um clube é conturbado internamente. Com as divisões não deixando ninguém trabalhar. É muito ruim para a história do Palmeiras, de tantas conquistas. Ele foi capaz de cair depois de ganhar a Copa do Brasil. E com o treinador da Seleção Brasileira na Copa de 2014. Precisa se reestruturar. Acredito na força do Palmeiras. Vai subir de novo em 2013. Mesmo se a diretoria continuar dividida, a torcida empurra. O Palmeiras terá quatro chances. Quatro vão subir da B. Não é possível que os dirigentes não consigam uma vaga. Não é possível.

O que você tem para falar da conquista do Mundial do Corinthians?

O Corinthians está se modernizando. Aprendeu com o São Paulo como se faz. Nós ensinamos. Clube grande tem de ter estádio, CT, CT para a base. E os corintianos estão aprendendo. Tanto que conseguiram finalmente o passaporte internacional. Ganhou um Mundial, nós temos três. Mas não vamos esquecer que o passaporte já chegou carimbado. Pelos reservas do São Paulo, na derrota antes do embarque para o Japão. Fiquei contente que não houve pênaltis, ganharam sem lances contestados. Foi ótimo. Assim como o São Paulo costuma fazer quando é campeão. Estão no caminho. O São Paulo mostrou como se faz.

O que você acha do patrocínio da Caixa ao Corinthians?

É uma situação justa?

Mérito das ligações políticas que o clube tem. Mas um absurdo para os outros clubes. A Caixa Econômica Federal é um banco de parte do seu capital estatal. Ou ajuda todos ou não ajuda ninguém. Mas no nosso país, as ligações das pessoas são muito importantes e prevalecem em situações que não deveriam. Como no caso da Petrobrás que ajudou o Flamengo, a Eletrobrás o Vasco. E agora, a Caixa Econômica com o Corinthians. Não posso concordar nunca com esse patrocínio. Só reconheço o mérito das alianças corintianas. Assim tudo fica mais fácil.

Ao que você atribui esse progresso corintiano?

Não tenho a menor dúvida. Tudo se deve à passagem do Ronaldo no Parque São Jorge. Ele abriu os olhos dos dirigentes sobre tudo o que um clube grande deveria ser feito. Para a rede de relacionamentos. Teve espaço como ídolo de futebol. Como o Pelé já fez por um período no Santos. Como o Neymar tem tudo para fazer. O São Paulo precisa estar aberto aos ídolos internacionais, não pode ficar nas mãos apenas de dirigentes. A minha esperança é que o Rogério Ceni, quando parar, revolucione, modernize muita coisa no Morumbi que está estagnada. Voltando ao Corinthians, o clube soube usar bem demais Ronaldo. E está colhendo os frutos até hoje. Como o Mundial, estádio, modernização. Se ele não tivesse jogado lá, tudo estaria da maneira atrasada com que era conduzido o clube. Os dirigentes brasileiros precisam de um choque de modernidade. O Corinthians teve o dele. Agora acaba virando exemplo para os outros, que seguem com presidentes por anos e anos. E não saem do lugar.


Artigo impresso de Blog do Cosme Rímoli: http://esportes.r7.com/blogs/cosme-rimoli

Endereço do artigo: http://esportes.r7.com/blogs/cosme-rimoli/o-sao-paulo-poderia-ter-lugano-mas-o-juvenal-nao-gosta-de-trazer-de-volta-idolos-que-nao-possa-controlar-por-isso-lucio-tres-anos-mais-velho-e-o-corinthians-foi-campeao-mundial-porque-o-sao-paul-26122012/

Endereços neste artigo:

[1] Imagem: http://esportes.r7.com/blogs/cosme-rimoli/files/2012/12/ae135.jpg

[2] futebol: http://esportes.r7.com/blogs/cosme-rimoli http://esportes.r7.com/futebol/

© 2011 Nicolau Marmo. Todos direitos reservados.