120 O Palmeiras passou um grande sufoco. Mas graças a Guerra e Fernando Prass voltou a vencer. 4 a 2 contra o Bahia, em Salvador. Finalmente, o time de Cuca consegue ganhar um jogo fora de casa...

O Palmeiras sofreu. Mas conseguiu voltar a vencer no Brasileiro. Outra vez o time de Cuca mostrou perigosa instabilidade, mas conseguiu derrotar o Bahia, em Salvador, por 4 a 2. Guerra mostrou a importância de um meia talentoso. Foi fundamental na movimentação do ataque palmeirense. Em compensação, o sistema defensivo voltou a falhar. Fernando Prass foi obrigado a fazer pelo menos três grandes defesas.

O placar foi injusto com o Bahia de Jorginho.

Foi a primeira vitória palmeirense fora de casa no Brasileiro.

Resultado para recuperar moral, dar alívio a Cuca.

Foi muito interessante a tese de Willian, após o jogo. Não é o milionário Palmeiras que esteja jogando mal. É a vontade dos outros times em derrotar o time bancado pela bilionária Crefisa. Este é o motivo da decepcionante campanha em 2017.

"Quem criou essa história de favoritismo foi muito mais a própria imprensa e os torcedores pela equipe que se montou. Criou-se uma expectativa de ser campeão de tudo. Mas sabemos que futebol é na prática, do outro lado tem 11 jogadores que também querem vencer, fazer o seu melhor. O Palmeiras é o atual campeão brasileiro, se fortaleceu, montou um time qualificado e competitivo e está trabalhando. Mas é muito difícil.

"Com todo respeito às outras equipes todos querem vencer o Palmeiras, é um jogo diferente. A equipe está ciente disso, que iniciou mal, mas hoje foi a arrancada para começarem as vitórias e a gente almejar G4 e G6 para jogar mais tranquilo, com mais confiança, até porque temos mais duas competições de mata-mata que também queremos chegar, que são Libertadores e Copa do Brasil", garantiu o atacante.

Ferb

Na sexta-feira, Cuca foi por um caminho diferente, mas que levava para a mesma direção.

"Os investimentos no time foram feitos para dar resultado em 2018."

O treinador foi muito esperto. Se no ano passado, ele prometeu a conquista do Campeonato Brasileiro, trouxe pressão ao Palestra Itália, mas conseguiu o título, nesta temporada mudou a estratégia. Percebeu o quanto já está pesado o clima. E os reforços não conseguiram trazer os resultados esperados. Há enorme dificuldade do técnico em formar um time confiável. Mesmo com os reforços contratados. Tanto que o treinador quer novos jogadores o mais rápido possível.

O volante Bruno Henrique foi contratado.

Mas virá um atacante, definidor.

Alexandre Mattos segue procurando.

Cuca estava visivelmente aliviado no vestiário. Sabia que o placar foi elástico, exagerado, um castigo para o Bahia. Mas ele queria celebrar a primeira vitória fora de casa do Palmeiras. Depois de quatro derrotas como visitante, sem marcar sequer um gol. Os três pontos afastam o time da incômoda zona do rebaixamento. Situação surreal para quem começou o Brasileiro como o grande favorito para ser campeão outra vez. E, depois de sete rodadas, estava em 15º lugar, com sete pontos em 21 disputados.

3sitepalmeiras O Palmeiras passou um grande sufoco. Mas graças a Guerra e Fernando Prass voltou a vencer. 4 a 2 contra o Bahia, em Salvador. Finalmente, o time de Cuca consegue ganhar um jogo fora de casa...

"O Bahia é bom time, acho que é o melhor Bahia que a gente viu nos últimos anos, o campeonato vai provar isso. Saímos aliviados, lógico, porque você trabalhar no Palmeiras e estar rondando a zona de rebaixamento é complicado, é difícil. É bom para dar uma respirada, resgatar a confiança de todos, mas pé no chão, porque quarta-feira temos que fazer outro grande jogo, contra o Atlético Goianiense, em São Paulo."

"Estamos crescendo. É sempre bom ter ambiente de vitórias. Se você jogar bem e perder, a noite é longa", ironizava o técnico palmeirense.

E o Palmeiras teve uma tarde de muito sufoco em Salvador. O jogo não foi nada fácil, como o placar pode levar quem não assistiu à partida pensar. Muito pelo contrário. Em vários momentos do jogo, o Bahia foi superior ao badalado rival paulista.

Jorginho tratou de usar o esquema que revigorou o time nordestino. Mostrou o que aprendeu com o futebol europeu. Fez o time compacto, intenso, vigoroso. Montou seu 4-5-1. Embora menos técnico, o Bahia conseguia equiparar o talento do milionário rival. Cuca foi pelo seus esquemas prediletos, o 4-2-3-1, variando para o 4-3-3. Ele queria muita correria, bolas esticadas, sem privilegiar o toque de bola, seu meio de campo. Na base das bolas esticadas, correria.

Os baianos queriam vencer a partida tendo o domínio da bola. Não foi por acaso que chegaram a espantosos 63% contra 37% do Palmeiras. Os paulistas, fiéis ao Cucabol, não tentavam pensar, articular. Queriam resolver o jogo de maneira objetiva. E foi assim que saíram na frente. Em um contragolpe em velocidade, Guerra fez excelente lançamento para Keno. Ele foi derrubado por Rodrigo Becão. Pênalti que Roger Guedes aproveitou. O time de Cuca saía na frente, aos 17 minutos. 1 a 0.

O Bahia, pressionado pela sua torcida no Fonte Nova, partiu decidido para tentar o empate. Apesar de Cuca estar tentando reviver a dupla Mina e Vitor Hugo, que foi muito bem em 2016, Mina e Juninho não estão tão bem. Longe disso. Desentrosados, atrapalhados. Têm oferecido espaço aos adversários. E foi assim que os baianos empataram, depois de Fernando Prass fazer duas excepcionais defesas, em finalizações de Zé Rafael e Edigar, a bola sobrou para Vinicius que fuzilou 1 a 1, aos 44 minutos.

Cuca trocou o inseguro Mayke por Tchê Tchê no intervalo. Jean foi para a lateral. O segundo tempo recomeçou franco, com os dois times abertos, querendo vencer. O Palmeiras teve a consciência de Guerra arrumando excelente bola para Keno. O chute, perfeito, sem chance para Jean.

Perdendo, o Bahia partiu de vez para o ataque. Pressionou, mas Fernando Prass seguiu salvando o empate. Até que o Cucabol assegurou o 3 a 1. Cobrança lateral de falta, Juninho cabeceou e Mina completou para as redes, aos 37 minutos do segundo tempo. O Bahia descontou logo em seguida, Juninho teve uma falha infantil, deixou a bola o encobrir e João Paulo descontou, 3 a 2, aos 39 minutos.

Mais pressão baiana e espaço para contragolpes paulistas. E foi em um deles, que a goleada se confirmou. Depois de Erik e Guerra se afobarem, a bola sobrou para Willian. De fora da área ele acertou um belíssimo chute cruzado. 4 a 2, aos 47 minutos.

O placar impressiona.

Mas o Palmeiras segue sendo uma equipe inconstante.

E que está longe de responder às expectativas.

Por enquanto, o dinheiro não trouxe felicidade...

2reproducao8 O Palmeiras passou um grande sufoco. Mas graças a Guerra e Fernando Prass voltou a vencer. 4 a 2 contra o Bahia, em Salvador. Finalmente, o time de Cuca consegue ganhar um jogo fora de casa...

http://r7.com/cEs7