AE21 O motivo de Sanchez não comemorar a vitória de Gobbi: os fortes boatos que Ricardo Teixeira decidiu renunciar à presidência da CBF...
A saída abrupta de Andres Sanchez do Parque São Jorge seria um indício.

Ele teria todos os motivos para dar entrevistas, beijos, risadas para as câmeras.

Colocou seu representante, pupilo, aluno Mario 'futebol é business' Gobbi na presidência.

O grupo que lidera ficará mais três anos no poder.

Tempo suficiente para inaugurar o Itaquerão.

Vender o nome do estádio para algum patrocinador aliado da Globo.

Construir e inaugurar o CT para as categorias de base.

Ganhar por três anos muito mais dinheiro da tevê do que os concorrentes.

Ou seja, só havia motivos para comemorar.

Mas em vez disso, fumando um cigarro atrás do outro, a tensão não passava do seu rosto.

Irritadiço avisou para nenhum repórter se aproximar dele.

Ninguém entendeu nada no Parque São Jorge.

Nem correligionários de Gobbi.

O motivo da tensão de Andres é outro.

E tem origem no Rio de Janeiro.

As notícias começaram a vazar para os dirigentes ainda na sexta-feira à noite.

Ricardo Teixeira estaria disposto a abandonar o cargo de presidente da CBF.

Seria um acordo.

Como o que teria feito seu sogro, João Havelange, ao renunciar a seu cargo no Comitê Olímpico Internacional.

De acordo com a imprensa inglesa, Havelange renunciou para a Fifa não divulgar documentos sobre a sua participação no escândalo ISL.

E que Ricardo Teixeira estaria tomando o mesmo caminho.

Ele também foi denunciado.

Sua relação com Blatter é péssima.

Teixeira é uma figura que a presidente Dilma Rousseff evita nas cerimônias oficias sobre a Copa de 2014.

A pressão sobre a sua presença na presidência do Comitê Organizador da Copa também é imensa.

Colocar Ronaldo como escudo foi uma atitude que teve efeito temporário.

Tudo o que Dilma não quer e já avisou a intermediários de Teixeira é um escândalo internacional.

E avisou que o governo federal não vai defender o presidente da CBF.

É apontado como o responsável pela grande rejeição ao Mundial por parte da população.

Ele pediu licença da entidade neste início do ano.

Mas já demitiu seu próprio tio Marco Antônio Teixeira da secretaria-geral.

Também decidiu que o diretor financeiro Antônio Ozório vai sair.

Ele está tirando peças chaves e de sua total confiança.

Sendo verdadeira a versão de que está perto de renunciar, resta saber o que será de Andres Sanches.

O novo diretor de Seleções mal assumiu.

Se Teixeira abandonar o cargo, o vice mais velho, José Maria Marin ficará com seu invejável emprego.

É impossível saber o que fará o homem que colocou uma medalha de premiação da Copa São Paulo no bolso.

Desde a sexta-feira, quem encontra Marco Polo del Nero fica preocupado.

O presidente da FPF e amigo íntimo de Marin está sorrindo.

O medo é que trave a sua mandíbula de tanta felicidade.

Se Marin assumir o cargo, Marco Polo pode se transformar no homem forte do futebol brasileiro.

Roubar a vaga que seria de Andres.

O clima é esse.

De extrema ansiedade.

A postura de Andres após a vitória de Gobbi denuncia.

Há algo de muito errado no reino dos Teixeira...

http://r7.com/M_vC