reuters03 O inesquecível presente do Santos nos 70 anos de Pelé. Derrota para o lanterna na Vila Belmiro...
36 minutos do segundo tempo.

O camisa 70 ajeita discretamente o colarinho.

O deixa esticado, estilo James Dean.

Sabe que todas as câmeras estão voltadas para ele.

Pênalti para o Santos.

Ele está usando a camisa em homenagem aos 70 anos de Pelé.

Tão certo do gol antecipado, ele dá um beijo na bola.

A Vila Belmiro está em pé.

Espera o gol que empataria o jogo contra o lanterna do Brasileiro, o Grêmio Prudente.

A cobrança é forte.

A bola bateu no travessão e foi para fora...

Neymar não pôde comemorar o gol como havia treinado, dando um soco no ar, como Pelé.

E o Santos perdeu a excelente oportunidade de encostar de vez nos líderes.

Ganhava por 2 a 0 contra o já rebaixado Grêmio Prudente.

As firulas e os toques de calcanhar já aconteciam.

O papel do time interiorano era apenas servir como figurante na festa preparada para Pelé.

Os jogadores santistas lembravam bem que no Campeonato Paulista venceram o adversário por 5 a 0.

Hoje deveria ser a mesma coisa.

E o time teve a partida sob controle.

Só que não conseguiu superar um rival muito maior do que o pobre Grêmio Prudente.

Ele atende pelo nome de soberba.

O time perdeu pelo menos mais seis gols por menosprezo.

Tentar fazer o mais difícil: a bola colocada, em vez do chute forte, do bico para as redes.

E as falhas da defesa santista foram aproveitadas com a frieza de um cirurgião.

Cada bobeada, um gol do Grêmio Prudente.

Quando Marcelo Martellote e os seus jogadores acordaram, perdiam por 3 a 2.

Foi quando surgiu o pênalti para Neymar cobrar para fora.

Essa homenagem Pelé não merecia.

Uma derrota do prepotente Santos na Vila Belmiro para o lanterna do Brasileiro.

Por essa e por outras que Abel Braga assume a equipe no final de novembro...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

http://r7.com/DFQd