44reuters1 O Atlético saiu na frente na luta contra o São Paulo. Com o apoio de Marin, Alexandre Kalil conseguiu. Juízes estrangeiros nos confrontos da oitavas. O paraguaio Antonio Arias apitará no Morumbi...
Valeu a aproximação de Alexandre Kalil e Marin.

Vitória do Atlético Mineiro nos bastidores da Libertadores.

O clube terá árbitros estrangeiros nos confrontos contra o São Paulo.

Acaba de ser designado o paraguaio Antonio Arias.

Ele comandará a primeira partida das oitavas, quinta-feira, no Morumbi.

Para quem não se lembra, ele expulsou Luís Fabiano na final da Sul-Americana.

No jogo contra o Tigre em Buenos Aires, no ano passado.

Cuca e seus jogadores preferiam juízes do Exterior e não brasileiros.

E levaram o pedido para Kalil.

Se sentem mais confortáveis.

E o presidente sabe o quanto Cuca precisa estar confiante nestes dois jogos...

Kalil repassou o desejo a José Maria Marin.

Alegou que não queria favorecimento, mas que se sentiria melhor com juízes que não fossem brasileiros.

O presidente da CBF estava indo para o Paraguai.

Havia recebido o chamado do presidente da Conmebol Nicolas Leoz.

Ele iria avisá-lo de uma coisa grave: a sua renúncia.

Marin acabou convidando Kalil.

Os dois e mais o presidente da FPF, Marco Polo, rumaram a Assunção.

Kalil está cada vez mais próximo da direção da CBF.

Ele é o presidente de clube mais engajado na eleição de Marco Polo.

E tem Andrés Sanchez como rival pessoal.

No Paraguai, Marin tentou descobrir se poderia suceder Leoz.

Romper o acordo entre AFA e CBF que já tem 47 anos.

Nenhum brasileiro ou argentino pode presidir a Conmebol.

Para não desequilibrar os bastidores da entidade.

Mas se Marin fracassou, Kalil, não.

O presidente atleticano conseguiu que seu pedido fosse aceito.

Teve o respaldo de Marin, ironicamente são paulino convicto.

E amigo íntimo de Juvenal Juvêncio.

A escolha de árbitros estrangeiros é um desrespeito ao quadro nacional.

Há juízes muito vividos e acostumados com a pressão do Morumbi.

E principalmente com o clima tenso no Independência.

Sem dúvida que será favorável ao clube mineiro a mudança de critérios.

Wilson Sampaio apitou a partida entre os dois na fase de grupo.

E teve uma ótima arbitragem.

Mas Kalil recebeu um pedido de Cuca.

Árbitros de fora.

Acionou Marin e conseguiu.

Outra demonstração de como os presidentes da CBF e do Atlético estão juntos.

Aconteceu ontem.

O ministro do Esporte Aldo Rebelo defendeu a mudança no calendário brasileiro.

A adequação ao europeu.

A CBF repudiou a proposta.

Kalil defendeu com unhas e dentes a tese de Marin.

Para ele, tudo tem de seguir como está.

A sua posição foi destaque no site oficial da CBF.

Juvenal Juvêncio não está gostando nada dessa aproximação.

Mas acordou tarde.

Sua reação foi atrasada.

O paraguaio Antonio Arias estará quarta no Morumbi.

Há a promessa de outro estrangeiro na partida decisiva, no Independência.

Como tanto queria Cuca.

E como conseguiu Alexandre Kalil.

Sem dúvidas, a decisão já começou.

1 a 0 para o Atlético Mineiro...

(E Kalil confirmou sua vitória nos bastidores.

"Não fiz lobby.

Protocolei um pedido."

Entregou um dvd de lances que prejudicaram o Atlético.

Com a arbitragem brasileira.

Por isso o 'pedido' à Conmebol.

Assumiu tranquilamente à Folha.

O que foi detalhado por aqui...)
1atleticomineiro O Atlético saiu na frente na luta contra o São Paulo. Com o apoio de Marin, Alexandre Kalil conseguiu. Juízes estrangeiros nos confrontos da oitavas. O paraguaio Antonio Arias apitará no Morumbi...

http://r7.com/hd6C