1reproducao8 O advogado que travou o dinheiro da Caixa ao Corinthians age novamente. E busca impedir que os milhões da estatal cheguem ao Flamengo. Nada mais justo. Chega de privilégios neste país...
As duas torcidas estavam eufóricas.

Discutiam nas ruas, nos bares, na Internet.

Corintianos e flamenguistas duelavam para qual uniforme vale mais.

Vantagem dos paulistas por R$ 1 milhão.

A quantia seria para despertar inveja.

Nada menos do que R$ 74 milhões por ano.

Contra R$ 73,1 milhões do carioca.

Mas R$ 56 milhões nesta conta são para envergonhar.

R$ 31 milhões ao Corinthians e R$ 25 milhões ao Flamengo.

Milhões de uma estatal.

A Caixa Econômica Federal.

Todo o dinheiro que possui é público.

É o maior banco da América Latina.

O decreto-lei que a define é claro.

É de 12 de agosto de 1969.

A sua missão não deixa dúvidas.

"Atuar na promoção da cidadania.

E do desenvolvimento sustentável do país.

Como instituição financeira, agente de políticas públicas.

E parceira estratégica do Estado brasileiro."

Seu patrimônio líquido é de R$ 21,9 bilhões.

É controlado pelo Ministério da Fazenda.

Guido Mantega é o ministro, escolhido por Dilma Rousseff.

O caminho é simplista.

E cruel.

O governo, o Partido dos Trabalhadores, decidiu.

Abriu os cofres da Caixa para os dois clubes mais populares do País.

O que deveria ser um escândalo, virou banalidade.

Oportunidade.

Palmeiras, Santos, São Paulo e ASA de Arapiraca estão na fila.

Querem seu quinhão do dinheiro público.

Assim como já recebem Avaí, Figueirense e Atlético Paranaense.

Um absurdo em relação aos outros clubes.

Ou o PT abre seus cofres para todos as equipes ou para nenhuma.

É um privilégio maior do que possa parecer.

Desequilibra o futebol no país.

Uma intervenção com todo interesse por trás.

No ano que vem acontecerão eleições gerais no País.

É evidente o que os clubes populares vão desejar.

A manutenção do status quo.

Ou seja que o mesmo governo seja reeleito.

Para garantir as regalias que conseguiram.

Quem sabem até mais.

Só que houve a reação.

O advogado Antonio Beiriz acaba de entrar na Justiça.

Ele já conseguiu barrar o patrocínio dado pela Caixa ao Corinthians.

2reproducao2 O advogado que travou o dinheiro da Caixa ao Corinthians age novamente. E busca impedir que os milhões da estatal cheguem ao Flamengo. Nada mais justo. Chega de privilégios neste país...

Entrou com uma ação para travar o dinheiro dado da estatal ao Flamengo.

O caminho foi rigorosamente o mesmo.

A justiça do Rio Grande do Sul vai se manifestar.

E a tendência é que faça o mesmo em relação ao clube paulista.

Se travou os R$ 31 milhões do Corinthians...

Vai travar os R$ 25 milhões do Flamengo.

A alegação do advogado é clara.

"A propaganda é ilegal.

A Caixa Econômica não pode patrocinar times particulares, que visam lucro.

Isso infringe a Constituição Federal.

Como a Caixa é empresa pública.

O dinheiro totalmente da União, de impostos, fundo de garantia.

Ela só pode fazer propaganda institucional, informativa...

E não é um nome estampado na camiseta que remete a isso."

A justificativa foi aceita.

E desde março o Corinthians não recebe.

O advogado gaúcho entrou hoje com a ação para impedir o Flamengo de receber.

A situação é a mesma.

Outra vez a festa pode virar velório.

A pressão do governo federal deverá ser imensa.

Ninguém rasga dinheiro sem o conhecimento na Caixa.

Não sem o conhecimento de Guido Mantega.

Há o interesse federal do dinheiro chegando aos clubes.

Para que o clima em 2014 seja o melhor possível.

A direção corintiana já tem um amplo relacionamento com a Caixa.

A empresa está ajudando na lideração do empréstimo do BNDES.

Serão R$ 400 milhões para a construção do Itaquerão.

E mais, a estatal negocia pagar R$ 400 milhões para batizar o estádio.

Muita gente vê a participação do ex-presidente Lula nessa aproximação.

"O Lula é um despachante de luxo.

É um intermediário.

Não só nesse caso da Caixa e Corinthians.

Mas de empréstimos como para Eike Batista, Odebrecht...

Ele vai com a faixa presidencial cravada no peito ainda."

As acusações são do advogado Antônio Beiriz.

O homem que está enfrentando a estatal.

Impedindo que seu dinheiro banque o Corinthians.

E que também fará tudo para que não chegue ao Flamengo.

O princípio é justo.

Ou o dinheiro chega para todos os clubes ou para nenhum.

Privilégio com dinheiro público é inadmissível.

E mais importante.

Nada acontece por acaso neste País...
3r O advogado que travou o dinheiro da Caixa ao Corinthians age novamente. E busca impedir que os milhões da estatal cheguem ao Flamengo. Nada mais justo. Chega de privilégios neste país...

http://r7.com/YYe_