jorgg Jorginho no Goiás. Bom para o Palmeiras. Ótimo para Muricy Ramalho...

Muricy Ramalho perdeu sua maior sombra.

O treinador cujo nome era dito em voz baixa às suas costas para substituí-lo no comando do Palmeiras.

Ele não ganhou nenhum título.

Não era badalado.

Não era manager.

Nem vestia terno e gravata.

Respondia pelo singelo apelido de Cantinflas, olhem só...

Jorginho, ex-jogador inteligente e maior do que o cargo de auxiliar que o Palmeiras lhe dava.

Aos 44 anos ele não tinha a experiência necessária para assumir o tradicional clube.

A preferência de Belluzzo sempre foi por Muricy ensinando e Jorginho aprendendo.

Só que quem tinha a ensinar sobre cada detalhe do Palestra Itália era o agora técnico do Goiás.

Ele circulou pelo clube comandando desde as categorias de base até os profissionais, depois da demissão de Luxemburgo.

Os jogadores fizeram tudo o que  puderam para que Jorginho continuasse no cargo.

Nada contra Muricy Ramalho.

Tudo a favor de Jorginho.

Inteligente, prestativo e ousado taticamente.

O auxiliar foi bem demais.

A ponto de criar problemas para os dirigentes que quiseram apontar Muricy Ramalho como um troféu.

A equipe palmeirense rendia, atuando no ataque, como os atletas e os torcedores queriam.

Conselheiros ligados a Belluzzo preferiam espalhar que Jorginho colhia o que Luxemburgo plantou.

Bobagem, porque o time com o manager foi uma grande decepção.

Jorginho deu sentido de marcação à equipe e força no ataque.

Não é possível dizer que é um grande estrategista, um revolucionário.

Mas Jorginho sabia que havia chegado a hora de comandar uma equipe.

Após o Brasileiro ele estava fechado com o Avaí.

Mas refugou à última hora depois de ouvir dirigentes importantes do Palmeiras lhe garantirem: assumiria a equipe assim que Muricy saísse.

Foi o que fez Jorginho não assinar o contrato.

Mas depois se arrependeu.

Muricy Ramalho passou por uma má fase.

E se o treinador que tem talento, sim, começasse a ganhar?

Renovasse contrato.

Jorginho prometeu a ele mesmo que não desperdiçaria nova chance.

E ela veio mais rápido do que ele esperava.

Herdar o Goiás de Hélio dos Anjos não o instiga tanto.

O que fez Jorginho pular de alegria foi a infraestrutura goiana, de primeiro mundo.

Muito melhor do que a do Corinthians e a do Flamengo, por exemplo.

No Planalto Central, Jorginho dará seus primeiros passos.

Há dirigentes palmeirenses que acreditam ter sido a melhor coisa para o clube a saída de Jorginho.

Muricy trabalhará mais sossegado.

E Jorginho se aprimorará para um dia sentar no banco que tanto deseja: o da Sociedade Esportiva Palmeiras.

Que Jorginho não frustre tanta gente que confia nele.

Que saiba lidar com algo tão inebriante como o poder...

http://r7.com/1AYc