a211 Há uma revolução acontecendo na Gávea. Ibson está percebendo agora o que aconteceu com Vagner Love e Liédson. Dorival sabe que Mano Menezes é o predileto. Mas se segura na multa de R$ 2 milhões. Pelaipe quer o seu time e não o de Patricia Amorim. Por isso está chegando Carlos Eduardo. Dinheiro para ele tem...
O ambiente no Flamengo está péssimo.

Embora as finanças comecem a melhorar.

E o caos administrativo deixado por Patricia Amorim esteja sendo exorcizado.

O problema é o futebol.

O empate contra o Madureira.

E a postura desafiadora de Ibson, que, raivoso, se recusou a comemorar o gol marcado.

A fritura em óleo quente que parte da diretoria está tentando despejar em Dorival Júnior.

Os laços de amizade de Paulo Pelaipe e Carlos Leite.

Esses ingredientes juntos estão abrindo espaço para um personagem.

Mano Menezes.

O descontentamento de Ibson vem com razão.

Ele saiu do Santos em plena disputa da Libertadores de 2012.

Recebia na Vila Belmiro, R$ 230 mil.

A direção do Flamengo sabia da sua irritação.

Não tinha bom relacionamento com Muricy Ramalho.

Pensou que seria titular absoluto.

E não foi o que aconteceu.

Preferiu pedir para sair.

Acertou antes um contrato com o Flamengo.

Patricia Amorim ofereceu R$ 300 mil.

Eles brigaram até o último instante.

Quando ela cedeu e acertou o contrato por R$ 350 mil.

O Flamengo deu David Braz e Galhardo como compensação ao Santos.

Só que sua terceira passagem pela Gávea não está sendo a maravilha que sonhou.

Está com cinco meses de direito de imagem atrasado.

É a maior parte do seu salário.

Bandeira de Mello não tem a mesma paixão por Ibson que Amorim.

Além do atraso, o presidente quer tentar uma redução salarial.

Situação que o empresário Eduardo Uram e o jogador não aceitam.

Tudo fica ainda pior quando o clube acabou de contratar Elias, Gabriel.

E está fechando com Carlos Eduardo do Rubin Kazan.

Ibson se mostra revoltado porque sabe que o clube tem dinheiro.

Ou não estaria contratando.

Por isso o meio de campo já avisou a Uram para procurar um novo time.

A diretoria não reage.

Pouco se importando se Dorival Júnior o considera um atleta fundamental.

O treinador não é o homem de preferência de Paulo Pelaipe.

Isso não é segredo para ninguém.

Só que R$ 2 milhões em multa que evitam uma demissão sumária.

A vontade de Pelaipe é voltar a trabalhar com as duas pessoas que confia.

A primeira já se tornou muito influente no Flamengo.

O empresário Carlos Leite.

Ele levou para a Gávea Elias, Gabriel e Wallace.

Recusa os boatos insistentes que emprestou dinheiro ao Flamengo para contratar Gabriel.

Mas a verdade é que ele tem ajudado Pelaipe a planejar o futebol.

E os conselheiros ouvem cada vez mais o nome de Mano Menezes.

Ele, Pelaipe e Carlos Leite trabalharam por anos no Grêmio.

Se tornaram amigos íntimos.

Bandeira de Mello deu carta branca a Pelaipe.

Mas quer que a situação no futebol seja resolvida.

Não deseja ver o esporte sabotando a profunda reformulação que deseja fazer na Gávea.

Logo após o fechamento de parcerias importantes como a da Adidas e da Peugeot.

Só que os problemas estão aparecendo.

O descontentamento pelo empate com o Madureira já foi acima do normal.

Lógico que o resultado foi ruim.

Mas chegou até os comandantes do Flamengo como um desastre.

Dorival Júnior sabe que perdeu o respaldo com a saída de Patricia Amorim.

E principalmente com a chegada de Pelaipe.

Ibson também se sente um órfão.

Foi assim que Vagner Love deixou a Gávea.

Profundamente magoado ao perceber que sua presença não importava.

Assim como Liédson.

É o que estão vivendo Dorival e Ibson.

O jogador tem contrato por três anos com o Flamengo.

O Grêmio já mostrou interesse no seu futebol.

Mas não há nada ainda fechado.

A direção quer um acordo para redução salarial.

Ibson deseja sair, sente que o ambiente mudou demais.

Dorival Júnior sabe o que está acontecendo.

Mas segue calado.

São R$ 2 milhões em jogo.

Se o Pelaipe quiser colocar Mano Menezes, que se acerte com ele.

Ou seja: o Flamengo está um barril de pólvora.

Mesmo assim, está pronto para festejar Carlos Eduardo.

Ganhou o leilão com o Santos e com o Fluminense.

Com que dinheiro?

Com o dinheiro que interessa à diretoria gastar.

Com o jogador que deseja.

Definitivamente não é o caso de Ibson...

http://r7.com/vX9u