Exclusiva com Carla Dauden. A jovem cineasta que revelou aos estrangeiros os sacrifícios para o Brasil organizar a Copa mais cara de todos os tempos. Coerente, ela se nega a assistir o Mundial de 2014…

1facebook2 1024x682 Exclusiva com Carla Dauden. A jovem cineasta que revelou aos estrangeiros os sacrifícios para o Brasil organizar a Copa mais cara de todos os tempos. Coerente, ela se nega a assistir o Mundial de 2014...
Entre os milhares de manifestantes que pararam o Brasil, ela surgiu.

Foi um dos poucos rostos entre tantos anônimos.

E que assumiu o que queria.

Mostrou os vários motivos pelos quais não iria à Copa do Mundo.

Colocou suas ideias em um vídeo que virou febre.

Com mais de 4,5 milhões de acessos.

Foi gravado em um final de semana em Los Angeles.

Ela é brasileira, uma jovem cineasta de 23 anos que acaba de se formar.

Paulista, tem família em Santa Catarina e mora nos Estados Unidos.

Carla Dauden só queria fazer o seu pequeno protesto.

Mostrar sua indignação com o governo priorizar futebol.

Em um país com tantas outras necessidades.

Pensou que suas ideias ficariam entre amigos.

Colocou seu video no facebook.

Só que ele se transformou em um sucesso, viral.

"As ideias coincidiram.

Falei o que muita gente também pensava.

Por isso houve esse compartilhamento.

Queria mostrar que as prioridades foram deixadas de lado.

Nunca fui contra a Copa, mas sim como o governo brasileiro resolveu organizá-la.

Fiquei revoltada.

A minha revolta foi a de muita gente."

Em entrevista exclusiva, Carla mesmo depois do furacão, ela está indignada.

Fez um segundo vídeo mostrando que é possível ir à Copa.

Mas desde que o governo e a Fifa façam várias mudanças.

Que não acontecerão.

Ou seja, sua primeira mensagem prevalece.

O Brasil teria outras prioridades antes de gastar bilhões com o Mundial...

Carla, você é ligada a algum partido? Ganhou alguma coisa com o vídeo?

Isso é muito importante ficar claro. Não sou ativista política. Não represento partido algum. Não serei candidata a nada. Não sou oportunista. Sou apenas uma brasileira que ficou revoltada pela maneira que a Copa acontecerá no Brasil. Como sou cineasta, me manifestei da maneira que eu sei. Fiz um vídeo. Muitas pessoas se identificaram. Eu não ganhei nada com o vídeo. Não estou a serviço de ninguém. Não sou subversiva, ativista, nada. Sou uma brasileira triste com a falta de visão do governo, as prioridades no nosso país são tão evidentes. E os políticos fingem que não enxergam. Isso me dói muito. Eu moro nos Estados Unidos e de fora fica muito mais evidente o descaso.

Quais são as prioridades que a Copa passou à frente?

A saúde pública no Brasil é uma tristeza. Assim como a segurança, o transporte. Para mim, o primeiro passo deveria ser a Educação. No nosso país as pessoas não têm acesso à educação. Não há verba para os professores. As escolas públicas estão largadas. O povo não consegue ter informação. Com isso o Brasil não se desenvolve como deveria. O que me revolta é a postura dos políticos. Muita gente passa fome, não tem hospital e o país decide gastar 30 bilhões de dólares com a Copa. Se submete à tudo o que a Fifa exigiu.

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, foi claro.

Disse que foi o Brasil quem implorou pela Copa.

Isso me dói mais ainda. Ele está certo. Por mais que a Fifa tire o máximo proveito da Copa do Mundo por aqui, a culpa não é dela. Foram nossos políticos que imploraram. Fizeram de tudo, prometeram colocar o país à disposição da Fifa. E ela trata de fazer a Copa lucrativa para ele. Quem não pensou no Brasil foram os nossos políticos. Como é que podem aceitar tantas arenas? E feitas com o dinheiro público. Me informei e sei que não havia necessidade para 12 novos estádios. Os governantes queriam que a Copa acontecesse nos seus estados. Por isso tantas arenas. Será que ninguém parou para pensar no dinheiro gasto nesses estádios? E depois da Copa? Muitos deles vão ficar sem uso. Como aconteceu na África. E a Fifa não vai querer nem saber. Vai sobrar para o povo brasileiro sustentar esses estádios sem uso. Como não ficar revoltada com uma situação dessas?

O que mudou depois dos manifestos?

A visão dos estrangeiros do povo brasileiro. Eles perceberam que não somos só um povo de samba, carnaval, festas. Um povo submisso, que não questiona nada. Tomaram um susto com o que viram. Grupos de jovens manifestantes revoltados com a falta de compromisso dos políticos com seu povo. O futebol com a Copa das Confederações, com a Copa do Mundo, acabou sendo um instrumento para mostrar essa indignação. Houve excesso, vandalismo. Mas os protestos servem para deixar orgulhosa a população. O recado foi dado aos políticos. Antes da Copa do Mundo, da Olimpíada há as necessidades básicas do povo. As competições são importantes para o Brasil. Mas antes temos de colocar o dinheiro público na Educação, Saúde, Segurança. O país é muito carente. E mesmo assim organiza a Copa mais cara de todos os tempos. São 30 bilhões de dólares. (Na verdade, são 30 bilhões de reais.) É muito dinheiro.

Você acredita que haverá manifestos durante a Copa?

Sinceramente, não sei. Talvez até por ser um movimento espontâneo, ele diminuiu muito depois da Copa das Confederações. O governo prometeu mudanças. A sensação que tenho é todos estão esperando. Se essas mudanças não vierem, tudo pode se complicar. O recado foi evidente, o povo cansou de ficar de braços cruzados. Há muita coisa que precisa ser mudada. O pedido de mudança já foi feito nas ruas.

Você acredita que muito estrangeiro deixará de vir à Copa?

Com seu vídeo você contribuiu?

Acredito que muita gente deve ter desistido, sim. Repito, o brasileiro é visto como um povo cordato, alegre, festeiro. Não se imaginava que existiam tantas pessoas revoltadas. Além dos protestos há grande preocupação em relação à greves. A minha intenção não era boicotar a Copa. Mas mostrar o absurdo dela acontecer com o Brasil tendo outras prioridades. De uma coisa eu tenho certeza, o clima festivo para a Copa não é mais o mesmo.

Você deu entrevistas para grandes veículos do mundo.

BBC, Al Jazeera, para o Canadá, Alemanha.

Qual sua principal mensagem?

Mostrar as dificuldades do povo brasileiro. Não sou uma panfletária contra a Copa. Foi uma coincidência acontecer um grande e tão caro evento esportivo. Justo agora quando as pessoas começam a acordar para os absurdos. Fiz questão de diferenciar as coisas. Muita gente se assustou. Não sabiam que o nosso povo sofre tanto. E que os políticos fazem de conta que não enxergam.

Você é paulista e foi morar em Santa Catarina.

E só depois foi para os Estados Unidos.

Fala que sua família saiu de São Paulo por causa da violência.

O que aconteceu?

Foi algo marcante para nós. Eu tinha 12 anos. Faz onze anos. Meu pai foi assaltado. Ladrões colocaram revólveres na cabeça dela. Quando o assalto acabou ele decidiu que não moraria mais em São Paulo. Tivemos de mudar por causa da falta de segurança na nossa cidade. Fomos para Santa Catarina por isso. É uma situação revoltante. Não ter segurança em São Paulo.

Você vai continuar com vídeos sobre a Copa?

Não. O que tinha de dizer já disse em dois vídeos. E muita gente já tentou tirar proveito político desses vídeos. Eu quero é seguir a minha carreira de cineasta. Como cidadã, falei o que sentia. Não quero ser musa de protesto, como tentaram me rotular. Quero seguir trabalhando e torcendo que as coisas melhorem para a população. A notoriedade que ganhei só valeu para uma coisa: surgiram bandas me convidando para dirigir seus clips. Não vou sair candidata, vou seguir a minha vida.

Você virá dos Estados Unidos para a Copa?

Eu seria linchada. (risos...) Linchada por essa gente que assistiu e se inspirou no meu vídeo. Por mais que eu possa ter vontade, afinal é uma Copa no meu país, não vou. Não posso ir pelas condições que a Fifa exigiu dos nossos governantes. E eles aceitaram. Não posso acreditar em tanta falta de cuidado com o povo. Os políticos só estão usando o futebol para tirarem proveito. Desviar o foco das dificuldades brasileiras. É isso que tentei evitar. A minha contribuição como cidadã, já dei. Não irei à Copa do Mundo de 2014. Cada um que faça o que sua consciência mandar...

58 Comentários

"Exclusiva com Carla Dauden. A jovem cineasta que revelou aos estrangeiros os sacrifícios para o Brasil organizar a Copa mais cara de todos os tempos. Coerente, ela se nega a assistir o Mundial de 2014…"

9 de August de 2013 às 02:44 - Postado por Cosme Rímoli

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • ITAMAR SANGIORGIO
    - 13 de dezembro de 2013 - 01:16

    Se ela soubesse como os americanos entendem por ser verdadeiro patriota: eu tenho vergonha por ela! Ela e' apenas uma recalcada que nao tera o privilegio de viajar pra o Brasil devido o auto custo de vida aqui no Estados Unidos, e ou por documentação(imigração). Minha recomendação pra ela e' que ela aprendas a ser cidadã de verdade, isso ja basta!

    Responder
  • Ricardo
    - 12 de agosto de 2013 - 12:12

    Dar voz a uma desinformada dessas é pura perda de tempo. Os índices de IDH terem melhorado mostra que esse tipo de revoltadinha não sabe nada da história do Brasil.

    Responder
  • Ray Domingos Motta
    - 11 de agosto de 2013 - 01:48

    Fera demais a ideia e a execução do vídeo. O finalzinho do vídeo com o discurso da Presidenta e imagens ilustrando as falas tem tudo a ver. Perfeito. Parabéns pela matéria.

    Responder
  • Alsan Matos
    - 10 de agosto de 2013 - 22:54

    Não vai ter Copa do Mundo nenhuma no país dela. Pois o país dela são The United States of America. De brasileira essa paty tem muito pouco, sequer o sobrenome dela é brasileiro (aliás, o sobrenome do jornalista entrevistador TAMBÉM não é brasileiro). Essa paty tinha que explicar mesmo são as denúncias de que o humilde videozinho megaprofissional que ela fez no estúdio de hollywood que ela tem no quinta de casa foi financiado pela CIA!!! Disso ela não fala, né?

    Responder
  • Lucas
    - 10 de agosto de 2013 - 12:57

    Acho bacana patricinha vir se indignar com saúde e educação pública no Brasil, estando nos Estados Unidos!! Será que um dia ela já entrou numa UBS? Sabe o que é o SUS? Já visitou uma escola pública?

    Responder
  • Junior
    - 10 de agosto de 2013 - 07:58

    Natan Pardinho - 09/08/2013 - 11h34 O Brasil deixou de ser vira-latas? Aumentaram o salário de trabalhadores? diminuiram os impostos? temos escolas e hospitais top para todas as classes?? Ah não, deixamos de ser vira-latas porque vamos ter uma Copa no Brasil. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  • Junior
    - 10 de agosto de 2013 - 07:47

    "Marina - 09/08/2013 - 03h58 Uma patricinha que nunca passou dificuldades posando de justiceira.Aaaaahhh me poupe Cosme!" Que comentário RIDÍCULO, então tem que ser pobre pra se indignar com essas ... que acontecem no Brasil???!!!

    Responder
  • Cosme Ribeiro Gato
    - 9 de agosto de 2013 - 23:48

    Ela é mais uma que está se promovendo referente a Copa do Mundo, por causa de sua profissão de cineasta. Na minha opinião, ela ficou feliz quando soube que o Brasil iria sediar a Copa do Mundo.

    Responder
  • Cosme Ribeiro Gato
    - 9 de agosto de 2013 - 23:46

    Ela é mais uma que está se promovendo referente a Copa do Mundo, por causa da sua profissão de cineasta. Na minha opinião, ela ficou feliz quando soube que o Brasil iria sediar a Copa do Mundo.

    Responder
  • Antenor M Gigante
    - 9 de agosto de 2013 - 17:32

    A ira, a impotência de luta deixa as pessoas sem lógica. Não vir não significa não gostar. O não vir entendo que ela corrobora com a luta dos q foram as ruas reivindicar. Âmbito dinheiro aplicado p ter mais dinheiro e a sociedade só servira p pagar a conta. Venha sim. Vc só não corrigira os erros.

    Responder
1 2 3 4 5