Em Pernambuco, médico é ‘capturado’ na torcida para que o jogo termine. De Norte a Sul, o Brasil continua brincando com a vida. Dos torcedores, dos jogadores, de todos. O descaso e o desrespeito dominam a organização do futebol no País da Copa..

a43 Em Pernambuco, médico é capturado na torcida para que o jogo termine. De Norte a Sul, o Brasil continua brincando com a vida. Dos torcedores, dos jogadores, de todos. O descaso e o desrespeito dominam a organização do futebol no País da Copa..
Patético, absurdo, irresponsável.

Qualquer adjetivo se encaixa perfeitamente.

Petrolina e Náutico só jogaram ontem por causa de um homem.

José Carlos Mauro.

Sem ele, a partida do Campeonato Pernambucano não iria até o final.

Há a obrigatoriedade de uma ambulância para um jogo ser validado.

Com médico, lógico.

A que estava no estádio Paulo Coelho teve de sair.

Foi atender uma criança no centro da cidade.

O árbitro Gilberto Castro Júnior foi avisado.

E tomou a decisão certa.

Sem ambulância a partida seria suspensa.

Chegou às pressas uma ambulância dos bombeiros.

Mas faltava médico.

Todos passaram a procurar na torcida um doutor.

Cena bizarra.

Foi aí que surgiu José Carlos Mauro.

Ele se apresentou como médico.

Depois de 14 minutos de paralisação, o jogo continuou.

A situação constrangedora pode ser motivo de piada para alguns.

Mas é muito séria.

Procurar um médico na torcida é absurdo.

Porque faltava o que deveria estar trabalhando.

Ninguém sabe a especialização, a capacidade, o treinamento do profissional 'capturado'.

José tinha ido ao estádio para torcer.

É um improviso inaceitável, vergonhoso.

A falta de competência dos dirigentes poderia ter custado vidas.

Como não há planejamento para que a ambulância possa deixar o estádio?

Com o jogo em andamento?

A Prefeitura de Petrolina precisa tirar a ambulância do jogo?

E a Federação Pernambucana não se manifesta?

A CBF se cala?

Este país não se cansa de brincar com a vida alheia?

O que é curiosidade para muitos...

Na verdade é a vitória da irresponsabilidade.

José Carlos Mauro foi assistir a uma partida de futebol.

Não trabalhar.

Ninguém sabe se estava apto.

Se havia trabalhado o dia todo.

Se tinha bebido, se estava apto para um salvamento emergencial.

Mas importava era o diploma.

Assim o jogo pôde ir até o seu final.

twitter Em Pernambuco, médico é capturado na torcida para que o jogo termine. De Norte a Sul, o Brasil continua brincando com a vida. Dos torcedores, dos jogadores, de todos. O descaso e o desrespeito dominam a organização do futebol no País da Copa..

E vamos, que vamos.

A vida segue em Pernambuco, no Brasil.

Amanhã todos vão se esquecer do caso.

Ninguém morreu nas mãos de José...

A irresponsabilidade domina o cenário.

E é democrática.

Vai de clubes ricos aos pobres.

Como foi o caso do Grêmio e sua nova Arena.

Com a diretoria expondo seus torcedores à absurda avalanche.

No Olímpico havia proteção para a manifestação dos torcedores.

Foi preciso acontecer o rompimento dos alambrados no primeiro jogo oficial.

E aí sim, a área interditada.

A avalanche proibida.

Será impossibilitada com a colocação de cadeiras.

Por pressão da quase sempre omissa Conmebol.

Até o São Paulo e seu Morumbi com pontos cegos, estratégicos, sem câmeras.

Onde ninguém nunca irá saber realmente o que aconteceu com o Tigres.

A tal briga que fez com que a final da Copa Sul-Americana acabasse no intervalo.

Nem na várzea é assim.

Até a reinauguração do Mineirão.

Sem água sequer para beber.

Banheiros empesteados.

Com lanchonetes fechadas.

Estacionamento aberto com duas horas de atraso.

Um caos no trânsito.

Quase 60 mil pessoas tratadas como gado.

R$ 1 milhão de multa e está tudo certo.

No ano passado, o pior ficou para Wendel Júnior Venâncio da Silva.

Um garoto de 14 anos morreu depois de ter tido convulsões durante treino no Vasco.

Não havia ambulância, médico, enfermeiro para atender os garotos.

Eles jogavam sob um sol senegalesco de fevereiro.

Quem deu o aval para Wendel jogar à esta temperatura?

Quem garantiu que ele tinha saúde?

Hoje faz um ano e cinco dias.

O que aconteceu?

Quem foi responsabilizado?

Ninguém.

O clube pagou o enterro em São João Nepomuceno, Minas Gerais.

A família ainda colocou uma bandeira do Vasco sobre o caixão branco do garoto.

O pai, pedreiro, Antônio Carlos da Silva, disse diante da tristeza.

"Deus sabe o que faz."

Deus sabe, mas e quem comanda o futebol no Brasil?

Será que sabe de alguma coisa?

Se preocupa?

De Norte a Sul, o mesmo desrespeito, irresponsabilidade.

A morte de Serginho do São Caetano foi em vão?

Médicos garantiram que se houvesse um simples desfibrilador à mão, ele não teria morrido.

Se alguém tivesse um AVC em Petrolina durante o jogo?

Como Ricardo Gomes teve no Engenhão?

Qual seria a qualidade do atendimento?

José Carlos Mauro não foi um herói em Petrolina.

Um médico que teve toda a boa vontade.

Desceu das arquibancadas para cobrir uma lacuna.

Improvisado.

Sem perceber, acabou usado como uma marionete.

Apenas serviu aos incompetentes.

Aos irresponsáveis.

Eles queriam é o jogo válido.

Evitar adiamento, problemas na tabela do campeonato.

Não proteger a vida de ninguém.

Essa é a organização do futebol no país da Copa do Mundo...

ae17 Em Pernambuco, médico é capturado na torcida para que o jogo termine. De Norte a Sul, o Brasil continua brincando com a vida. Dos torcedores, dos jogadores, de todos. O descaso e o desrespeito dominam a organização do futebol no País da Copa..

24 Comentários

"Em Pernambuco, médico é ‘capturado’ na torcida para que o jogo termine. De Norte a Sul, o Brasil continua brincando com a vida. Dos torcedores, dos jogadores, de todos. O descaso e o desrespeito dominam a organização do futebol no País da Copa.."

14 de February de 2013 às 12:26 - Postado por Cosme Rímoli

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • juliano
    - 14 de fevereiro de 2013 - 12:34

    Realmente chocante, notícia absurda... definitivamente não somos um país sério...

  • tiago alves
    - 14 de fevereiro de 2013 - 12:38

    Absurdo!

  • Guilherme Fernandes
    - 14 de fevereiro de 2013 - 12:46

    Se fossemos comparar os problemas do Mineirão com os do Independência, o estádio do Horto perderia de goleada. Isso porque os problemas do Gigante da Pampulha são administrativos e aos poucos serão resolvidos. Já os do Independência, que são problemas de visibilidade, dificilmente serão solucionados. Além da capacidade de torcedores que é bem menor que o do Mineirão!

  • Henrique
    - 14 de fevereiro de 2013 - 13:11

    As fotos casaram perfeitamente com o texto. É ridículo o que acontece nesse país, uma vergonha. É incrível como os responsáveis pelo futebol no Brasil só tomam atitudes que beneficiam seus próprios interesses. Ninguém se importa com o esporte, com a modernização, com as condições dos jogadores, torcedores, meninos aspirantes a profissionais. A única coisa que interesse é o dinheiro no bolso, só isso!

  • ed
    - 14 de fevereiro de 2013 - 13:17

    Lamentável!!!!!!!!!!!

  • Raphael Diego
    - 14 de fevereiro de 2013 - 13:26

    O Brasil deixou de ser o país do futebol e passou a ser o país da incompetencia, do desagradavel, do famosos jeitinho. A questão é que esse mero jeitinho, custa vidas, custa lágrimas. Nos omitimos quando a morte acontece, e dizemos que Deus sabe o que faz, isso é óbvio, mas e os dirigentes, sabem o que estão fazendo? provavelmente a resposta seja mais um lamento e ela é; Não. Ficamos a merce de pessoas incapacitadas, dotadas de poder, mas sem o mínimo de escrupulo, com forças apenas para saber o valor de suas arrecadações, nunca para soluionar suas inúmeras dívidas. Com esse jeitinho criam-se reis, como Neymar, mas não tratam como gente, pessoas comuns, como eu.

  • Cleverson
    - 14 de fevereiro de 2013 - 13:35

    Calma Cosme, depois da copa tudo vai mudar, vai melhorar toda a estrutura futebolística do país, vai deixar um legado em que haverá médicos em todas as divisões de todos os clubes, desde a base até os profissionais. Os estádios oferecerão conforto e segurança a todos os torcedores. Ou você acha que os bilhões gastos serão por nada? Eu acredito que tudo vai melhorar, o Coiote vai pegar o Papa Léguas, eu vou receber uma carta para estudar em Hogwarts, logo depois de ganhar na Mega Sena acumulada e o Brasil vai sediar os jogos olímpicos de inverno. Não vejo a hora!!!

  • MarcosLP
    - 14 de fevereiro de 2013 - 13:38

    Como você é azedo... Parabéns para o pessoal que cedeu a ambulância para socorrer a criança no centro da cidade... Marcos, eu sou azedo mesmo. Ou você quer me dizer que Petrolina só tem uma ambulância? Cosme Rímoli...

  • Raphael Diego
    - 14 de fevereiro de 2013 - 13:48

    Você enxerga e escreve o que nós vemos. Parabéns. logo vão culpar a criança que passou mal...absurdo

  • Marcão Jaú
    - 14 de fevereiro de 2013 - 13:49

    "Parabéns" para todos aqueles que apoiaram a Copa no Brasil, inclusive, com apoio de alguns jornalistas que até defenderam a liberação de bebidas alcoólicas nos estádios. É essa mania de "grandeza" da nossa população que põe esse nosso país a perder. Abs Cosme

1 2 3
6234