141 1024x576 Desinteressado, o Palmeiras goleia o cabisbaixo Sport. 5 a 1. Está na Libertadores de 2018
A torcida do Palmeiras deu sua resposta por toda sua decepção em 2017. Acentuada com a conquista do hepta brasileiro pelo Corinthians. Foram apenas 18 mil torcedores na moderna arena da Água Branca. Foi o pior público em jogos oficiais, desde que a arena foi reconstruída há três anos. Em um jogo fraquíssimo tecnicamente, o Palmeiras venceu o Sport Recife, a caminho do rebaixamento, depois da destrutiva passagem de Vanderlei Luxemburgo. 5 a 1. E foi pouco.

No primeiro tempo, o time de Alberto Valentim foi muito vaiado. Principalmente Deyverson. Ele perdeu um gol absurdamente fácil. E passou a ser xingado, vaiado, tratado de forma hostil pela própria torcida. O primeiro gol do jogo, do atacante, foi marcado em claríssimo impedimento. Ele chegou a chorar de tanto nervosismo. O gol fez o Sport Recife desabar emocionalmente. O clube parece caminhar célere para a Segunda Divisão. Está em antepenúltimo lugar e jogando cada vez pior. Já são oito partidas sem uma vitória.

Que o presidente Arnaldo Barros arque pela péssima ideia de contratar o ultrapassado e problemático Luxemburgo. Implodiu seu time. O conduziu para o rebaixamento.

Deyverson acabou marcando mais um. Luan e Dudu outro. Keno, impedido, o quinto. E Diego Souza descontou de cabeça. 5 a 1.

"Fizemos um primeiro tempo ruim, sem intensidade, sem concentração, aí pode ser o time que for, vai criar dificuldades. Aí, as vaias. O clima tenso foi por causa da postura do nosso time", admitia Fernando Prass.

No primeiro tempo, o treinador interino do Sport, Daniel Paulista, surpreendeu. Fez seu time marcar alto o Palmeiras. O que deu certo por 45 minutos. Os comandados de Alberto Valentim entraram dispersos, sem vontade, sem rumo. Deixavam claro que atuavam por obrigação. Se a equipe pernambucana fosse um pouquinho melhor, teria feito dois, três gols. Não marcou nenhum. Prass fez ótimas defesas também.

A torcida palmeirense vaiou e xingou com raiva. Colocou para fora toda sua frustração no ano.

A raiva aumentou aos nove minutos do segundo tempo, quando Moisés deixou Deyverson livre, cara a cara com Magrão, mas ele teve a coragem de chutar para fora. Mais palavrões e vaias especiais ao desengonçado e limitado atacante. Dois minutos depois, ele mostrou toda a sua mágoa, não comemorando o gol impedido que deu origem à goleada, escorando cruzamento de Dudu. Os jogadores do Sport Recife estão tão arrasados psicologicamente, que nem reclamaram do lance absolutamente claro. Foi o início da goleada.

520 Desinteressado, o Palmeiras goleia o cabisbaixo Sport. 5 a 1. Está na Libertadores de 2018

A partir daí, virou pelada. O Sport escancarado, quase que obrigando o massacre palmeirense. No placar. Não na maneira tática, na vibração, na intensidade. Longe disso. Em contragolpes velozes, puxados, principalmente, por Dudu.

Apesar do futebol confuso, desinteressado, os palmeirenses conseguiram, com os três pontos, garantir sua classificação, no mínimo, entre os quatro primeiros do Brasileiro. Ou seja, estará na Libertadores de 2018, na fase de grupos. Foi tudo o que o clube conseguiu, mesmo com o aporte financeiro de R$ 115 milhões para montar seu elenco.

Não é por acaso que a torcida está decepcionada. Apesar da goleada, o clima não era de alegria. Mas de rancor pelo que os torcedores sonhavam no início da temporada. Queriam a Libertadores, mas o time caiu ainda nas oitavas de final. E chegaram a acreditar que o ano seria salvo, tirando o Brasileiro do Corinthians. Mas o time fracassou outra vez. Daí o pior público em três anos. Na verdade, o sentimento é generalizado. Time, diretoria, torcida querem que 2017 acabe o mais rápido possível...
 Desinteressado, o Palmeiras goleia o cabisbaixo Sport. 5 a 1. Está na Libertadores de 2018

http://r7.com/8muI