divulgacao546 Depois do baile de Gallego e Libertadores por um triz, o Santos começa a se mobilizar para acabar com as férias de Muricy...
3 a 2 foi pouco para o Colo Colo.

A eliminação da primeira fase da Libertadores é um fantasma real.

Luís Álvaro está entre a Cruz e a Espada.

Os jogadores continuam insistindo com Marcelo Martelotte.

Mas os conselheiros e os empresários que dão apoio financeiro à atual diretoria querem Muricy Ramalho.

De qualquer maneira.

Sem respeitar os 30 dias que ele decidiu descansar.

As pessoas que cuidam da carreira do treinador já começam a ser consultadas se há ou não a possibilidade dele aceitar a voltar a trabalhar já...

Quanto à partida em Santiago, o sacrilégio, a inversão das expectativas.

Paulo Henrique Ganso conheceu quem é o argentino Gallego, treinador do time chileno.

Abusando do toque de bola em velocidade, foi um passeio da equipe andina.

Passando pelo corredor chamado Leo, os atacantes demonstraram o que todos sabem e disfarçam na Vila Belmiro...

A enorme fragilidade da dupla Edu Dracena e Durval...

Os dois pareciam atores contratados como coadjuvantes de um programa de melhores lances.

Isso depois de o Santos dar a impressão que tudo seria diferente.

Graças a um velho conhecido.

Não, Elando.

Mas o goleiro Castilho, especialista em provocar taquicardia em botafoguenses.

O pequenino goleiro uruguaio aceitou a cobrança de falta de Elano da intermediária, cerca de 40 metros.

Não mostrou a menor firmeza ao ir na bola e tomou o gol.

O que poderia ser o começo de uma vitória importante que o Santos precisava se transformou quase em goleada.

A equipe se abriu tentando marcar mais e foi um festival de contragolpes.

Foi uma festa diante do desesperado Rafael.

A bola ficou rondanda a pequena áera de um lado para o outro.

E logo os chilenos viraram.

Com gols de Paredes e Miralles...

Leo saiu, contundido.

Logo Scotti de cabeça fazia 3 a 1.

Gallego conhecia muito bem Ganso e Neymar.

Os dois não tiveram espaço e só a muito custo pegavam na bola.

No início do segundo tempo, a dupla teve uma folga.

Ganso fez a sua melhor jogada e deu o passe para o talentoso parceiro marcar 3 a 2.

Eram cinco minutos.

A esperança santista de pelo menos um empate estava viva.

Mas acabou com o cansaço de Ganso.

Com o descontrole de Elano, que deveria ser expulso por faltas violentas.

O árbitro argentino Sergio Pezzotta foi muito amigo ao lhe dar apenas cartão amarelo.

O Santos não conseguia espaço para atacar.

A marcação na intermediária chilena conseguiu roubar inúmeras bolas.

Chances da goleada foram desperdiçadas.

As câmeras que transmitiram a partida mostraram de forma exagerada o perfil desesperado, atônito de Marcelotte.

Neymar, nervoso, porque a bola não chegava.

O Santos acabou apanhado, dominado pela estratégia simples e eficiente de Gallego.

Mesmo escapando de uma goleada, a situação do time na tabela é muito perigosa.

Está em terceiro apenas com dois pontos.

Na frente, o Colo Colo com seis.

Na segunda colocação o Cerro Porteño, com cinco.

Algo precisa ser feito.

O grande projeto santista em 2011 é a Libertadores.

Ganso e Neymar ficaram no País, no clube para conquistar o torneio.

O caminho parece óbvio para um treinador mais vivido.

Aberto para Muricy Ramalho.

Ele já jurou que não aceitaria um time antes de completar um mês da sua saída do Fluminese...

Grande parte da diretoria tem certeza de que ele não vai cumprir sua palavra...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

http://r7.com/gnzv