divulgacao218 Depois de Roth, o Internacional quer um ídolo no comando do seu time. A ideia é fazer transformar Falcão no Renato Gaúcho do Beira Rio...
Desde a derrota para o Mazembe vinha sendo a mesma coisa.

Torcedores fanáticos do Internacional revoltados com a diretoria do clube.

Como pôde manter Celso Roth?

Qual o interesse?

O time passou o vexame mais marcante da sua história.

Tanta esperança, tanta luta para chegar até o Mundial de Clubes.

Vexatória sétima colocação no confuso Brasileiro.

Depois da conquista da Libertadores, o futebol do time despencou.

A conquista da Libertadores, reconstruindo o trabalho de Jorge Fossati.

Celso Roth aceitou largar o Vasco da Gama.

Foi ganhar R$ 400 mil mensais.

Luiz Felipe Scolari recusou R$ 1 milhão porque não quis transformar a vida de sua família em um inferno.

Não quis trair o Grêmio.

Em quatro partidas apenas, Roth ganhou a Libertadores.

Faltaram duas vitórias para conquistar o Mundo.

Caiu diante do Mazembe logo de cara, uma derrota inacreditável.

Até a família de Roth esperava a demissão, mas os dirigentes não quiseram pagar a multa rescisória.

E nem viam no mercado um treinador tão acima.

Pensaram em Dunga, mas o ex-presidente Fernando Carvalho pediu para apostarem em Roth.

Até como favor pessoal.

A princípio, a nova diretoria aceitou.

Mas os dirigentes não pararam de olhar para o lado, arrependidos.

Perderam tempo em relação a Muricy Ramalho.

Quando acordaram já era tarde.

Mas foram suportando Roth.

Só que havia nascido no Olímpico a ideia de quem deveria assumir no Beira Rio.

Renato Gaúcho e todo o seu sucesso foram a inspiração.

O papel de um ídolo do clube é excepcional escudo para dirigentes sem inspiração.

Acuados diante de decepções crescentes.

Um elenco caro jogando como time barato, fácil de ser batido.

Sem coragem de atacar, de dar a cara para bater.

Lento demais.

Roth se tornou um alvo fácil e odiado demais.

Se houvesse um ex-grande jogador do Inter, à altura de Renato Gaúcho...

Sim...

Havia um que estava louco para voltar a trabalhar como treinador.

Ele havia se cansado dos parcos salários que recebia como comentarista de tevê, cronista e radialista...

Parcos em relação ao que é pago a treinadores sem um décimo de sua estirpe...

De sua elegância como jogador...

Sem um centésimo de sua visão tática...

Ele não se conformava e reclamava a colegas de redação nos veículos de comunicação gaúchos...

Desde o ano passado estava esperando uma proposta do Internacional...

Veio a do Atlético Paranaense.

Ele disse não.

Queria o Inter.

Agora chega essa proposta.

Depois de várias reuniões durante toda a tarde, Roth foi oficialmente demitido.

Durou dez meses a sua quarta passagem como treinador do Inter.

Agora os dirigentes estão no aguardo da resposta de Falcão.

Depois de 18 anos, ele deve voltar ao Beira Rio.

Em 1993, sua passagem como treinador do clube foi pífia.

Com direito a 50% de aproveitamento.

A direção colorada age como em 2010.

Tira Roth que perdeu do Jaguares, é verdade, mas o time lidera seu grupo na Libertadores.

Na prática não está mal.

O futebol que é fraco demais.

Até pior do que no tempo de Fossati.

A imprensa gaúcha espera o sim de Falcão para qualquer momento.

Embora alguns poucos da atual administração defendam Dunga.

A maioria quer Falcão.

Será o maior ídolo do Grêmio contra o maior ídolo do Internacional.

O futebol do Rio Grande espera ansioso esse duelo...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Conheça todos os blogs do R7


http://r7.com/Wlvw