Daniel Alves não quer jornalistas cobrindo a Seleção. Sonha com torcedores. Confunde pessimismo, com questionamento. Um país que teve cinco gerações campeãs do mundo não se contenta com derrotas…

1efe18 Daniel Alves não quer jornalistas cobrindo a Seleção. Sonha com torcedores. Confunde pessimismo, com questionamento. Um país que teve cinco gerações campeãs do mundo não se contenta com derrotas...
Rio de Janeiro...

"Acho que a Seleção sempre vai ser difícil ser candidata a alguma coisa.

O tempo passa, algumas pessoas crescem, evoluem...

Mas a imprensa do Brasil continua igual e pessimista.

Deveria ser mais otimista com a Seleção, parar de criticar tanto.

Já que se fixam na Espanha como exemplo...

Por que vocês (jornalistas) não se fixam nos jornalistas espanhóis?

É incrível o amor que eles têm pela seleção espanhola.

Tenho seis anos na Seleção e nunca vi o Brasil ser favorito.

Não pelos brasileiros."

Esse foi Daniel Alves.

Comprou briga de graça com a imprensa brasileira.

Ele cobrou patriotismo e não jornalismo dos repórteres.

E criticou as cobranças, que chamou de pessimismo.

Desde que ele fez sua estreia pela Seleção em 2006...

Diz ser a mesma coisa.

Pessimismo de jornalista negativo.

Talvez ele não tenha parado para pensar.

O Brasil não tem dado motivos para favoritismo.

Tanto que ganhou a última Copa em 2002.

Há 11 anos.

Ou seja, desde 2006, com Daniel Alves, a Seleção não consegue seus objetivos.

Nem mesmo ele.

Na última Copa do Mundo, foi mero reserva de Maicon.

Sua vida, como a de outros tantos jogadores, foi muito sofrida.

Plantava cebola e caçava aves para melhorar sua alimentação na infância.

Hoje é jogador consagrado no Barcelona.

Mostra ressentimento como se a imprensa tivesse culpa do passado difícil.

Até porque se ele continuasse a plantar cebolas em Juazeiro não seria notícia.

Daniel Alves em momento algum de sua coletiva foi atacado.

Ele resolveu demonstrar sua indignação.

Desaprendeu no Barcelona a ser questionado.

Ganhou todos os títulos com o clube.

2efe1 Daniel Alves não quer jornalistas cobrindo a Seleção. Sonha com torcedores. Confunde pessimismo, com questionamento. Um país que teve cinco gerações campeãs do mundo não se contenta com derrotas...

Na Espanha há outro estilo por parte dos jornalistas.

Os de Madrid costumam defender o Real Madrid até por sobrevivência.

Quantos mais títulos o clube conseguir, melhor para a capital do País.

Lembrando sempre a séria crise financeira ibérica.

O mesmo acontece em Barcelona.

Com o agravante que os catalães querem a separação do restante da Espanha.

A cobertura é sim engajada por boa parte dos veículos de comunicação.

É disto que Daniel Alves sente falta.

O apoio dos jornalistas.

Não as cobranças

Mas jogador de Seleção precisa ter estrutura psicológica.

Mostrar força para as cobranças.

A Espanha disputou apenas 13 das 19 Copas.

Venceu apenas uma.

O Brasil disputou todas as 19.

Venceu cinco.

Vencer é algo novo aos espanhóis.

3efe3 Daniel Alves não quer jornalistas cobrindo a Seleção. Sonha com torcedores. Confunde pessimismo, com questionamento. Um país que teve cinco gerações campeãs do mundo não se contenta com derrotas...

Por isso a proteção.

O futebol brasileiro tem o currículo brilhante.

Jogadores de suas seleções merecem e precisam ser cobrados.

Por mais que possa doer a Daniel Alves.

A postura da imprensa brasileira nunca foi a de ficar batendo palmas.

Não a séria, independente.

Sem interesses.

A imprensa nacional não tem nada de aprender com ninguém.

Talvez a ensinar.

Mostrar seu eterno questionamento.

Um país que teve a sorte de ter Pelé, Romário, Didi, Leônidas...

Ronaldo, Rivaldo, Tostão, Jairzinho, Rivellino, Sócrates.

Na posição de Daniel Alves é covardia.

Carlos Alberto Torres, Cafu, Djalma Santos.

Pelo Barcelona é um dos grandes vencedores da história.

Pelo Brasil, longe disso.

A imprensa espanhola tinha de se contentar com a 'fúria'.

Uma seleção que tinha como característica lutar, brigar em campo.

E acumular derrotas e frustrações.

É até natural o carinho de certos jornalistas com a atual.

E só alguns, não todos.

O normal nesta profissão é a cobrança.

Querer vestir a camisa da Seleção e não ser questionado é utopia.

Ainda mais quando o último título mundial aconteceu há 11 anos.

Desde então, todas as seleçoes formadas deram motivos de sobra para cobrança.

E pessimismo.

Tanto que o Brasil não conseguiu chegar nem à semifinal em 2006 e 2010.

Daniel Alves tem o direito de dizer o que quiser.

Mas não irá conseguir impor aos jornalistas a maneira de agir.

De cobrar.

Daniel Alves já tem 30 anos.

Deveria conhecer a cultura do seu país.

Jogador do país mais vencedor da história terá cobrança diferenciada.

Principalmente de quem conseguiu ganhar só depois de 19 Copas.

A evolução que Daniel Alves defende é o fim das cobranças.

Deixar o lado torcedor assumir o teclado, o microfone.

Chamar o Brasil de 'nossa seleção', 'nosso time'.

A partir que um jornalista toma essa postura, a cobertura está comprometida.

Se o Brasil vencer, excelente.

Se perder, a cobertura precisa ser igualmente honesta.

Daniel Alves não pensou antes de reclamar do pessimismo.

Nos últimos sete anos não houve razão para otimismo.

Alguém precisa lhe ensinar a diferença entre jornalista e torcedor.

Há muita e ela é enorme.

Ainda mais no Brasil, campeão mundial cinco vezes.

Nenhuma com a geração de Daniel Alves...
 Daniel Alves não quer jornalistas cobrindo a Seleção. Sonha com torcedores. Confunde pessimismo, com questionamento. Um país que teve cinco gerações campeãs do mundo não se contenta com derrotas...

35 Comentários

"Daniel Alves não quer jornalistas cobrindo a Seleção. Sonha com torcedores. Confunde pessimismo, com questionamento. Um país que teve cinco gerações campeãs do mundo não se contenta com derrotas…"

29 de June de 2013 às 17:08 - Postado por Cosme Rímoli

* preenchimento obrigatório



Digite o texto da imagem ao lado: *

Política de moderação de comentários:
A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Comentários
  • Alex
    - 2 de julho de 2013 - 00:05

    Uma coisa q vc n falou é q ele é destaque num time q tem messi,xavi e iniesta.....e é concerteza o melhor lateral direito do mundo e com distancia muito grande pro segundo

    Responder
  • Cris
    - 30 de junho de 2013 - 17:03

    Se o Brasil ganhar vai ter suicídio coletivo na imprensa brasileira pq o que estão torcendo para os espanhóis...

    Responder
  • Danilo Ribeiro RBP
    - 30 de junho de 2013 - 15:39

    Ele precisa de entender o que é jornalismo... É diferente de paternalismo... Ele está lá, se é competente ou não pra isso, vai ter que suportar a pressão... E se há pressão, não é um complo da mídia, é um reflexo do que vem ocorrendo nos últimos anos... Jogadores interesseiros, sem identificação com a torcida, mercenários, egoístas, precisam de acabar com essa mimação!!! Vira homem e representa a nação dele. Ele sim tem a obrigação de ser patriota, está lá pra isso

    Responder
  • peixoto-pres.prudente/sp
    - 30 de junho de 2013 - 11:23

    Carlos Alberto Torres tudo bem, Cosme..mas você citar o limitado jogador Cafú e não se lembrar do Jorginho e até mesmo do Leandro, que estão a anos luz do Cafú, é esquisito...

    Responder
  • Mauro
    - 30 de junho de 2013 - 10:50

    As palavras do Daniel refletem o pensamento dessa seleção, querem ser mimados por todos, exigindo que todos fechem os olhos para uma geração que até o momento tem jogado um futebol no minimo questionável, as vitorias nessa copa das confederações não enganam o torcedor que realmente acompanha o futebol, melhoramos mais ainda há muito o que melhorar, então não adianta se fazer de ofendido, tem que mostrar dentro de campo e com títulos senão vai ser mais uma geração derrotada.

    Responder
  • Lucknopfler
    - 30 de junho de 2013 - 09:58

    Que os bons jornalistas continuem buscando ser mais jornalistas e menos torcedores. Torcedor age com paixão, jornalista tem que agir com a verdade. Se não acaba perdendo a credibilidade, como alguns da band torcendo pelo timinho.

    Responder
  • REGINALDO - MATÃO SP
    - 30 de junho de 2013 - 08:47

    Cosme parabéns pelo texto, Daniel Alves não é ninguem em termos de Seleção Brasileira, é sim vercedor pelo Barça mas para a Seleção nunca acresentou nada, mas tb não acho a imprensa Brasileira tão brilhante assim, não são tão imparcial desta forma, a sim uma proteção absurda com a Seleção (principalmente pela Globo), Felipão de ultrapassado já esta sendo defendido como gênio, este é o Brasil.

    Responder
  • Wladimir
    - 30 de junho de 2013 - 07:46

    Ta certo o daniel alves, tenho 38 anos, acompanho futebol desde os 12 ouvindo radio e tv. Aqui no brasil quando perde somos nada, quando ganha somos o melhor do mundo.

    Responder
  • Andre - Ålesund
    - 30 de junho de 2013 - 07:35

    Como diria o chefe: Se nao quer pressao, vai trabalhar no Banco do Brasil. PS: Embora eu nao tenha respeito por jogadores que simulam um ataque epileptico toda vez que vao ao chao, vale uma autocritica ao prezado colunista que pasou meses malhando o treinador mesmo quando o Felipao falou (ao fim dos amistosos em Março) que so' com um periodo de treinamentos a selecao teria uma cara. Exageros acontecem de ambas as partes. André, a minha defesa é simples. Compare o desenho tático do Brasil como do Palmeiras. Entenderá porque Felipão não merecia confiança. Cosme Rímoli...

    Responder
  • Leandro - Marilia-SP
    - 30 de junho de 2013 - 05:57

    Copa América e Copa das Confederações o DANIEL ALVES já tem... Falta a Copa do Mundo de fato! Eu entendo a postura dele e entendo a sua, a verdade é que vc está certo ao dizer que jogador de uma seleção Brasileira tem que aguentar a pressão seja ela de onde vir, mas concordo come ele que a imprensa Brasileira na sua maioria é e sempre foi pessimista e "puxa saco" dos gringos, sempre foi assim... em 1994 a Itália era a Itália de Baresi, Pagliuca, Baggio e o Brasil tratado como o Brasil de Marcio Santos e Mauro Silva... sem contar que a imprensa Brasileira na sua maioria levam as coisas muito pro pessoal, se não vão com a cara de um ou outro que lá estão, torcem contra mesmo. Por exemplo o Neto ex jogador, é nítido que ele torce contra a Seleção, qualquer um percebe.

    Responder
1 2 3 4