divulgacao938 Corinthians nas mãos dos vendidos Bruno César e Dentinho. O Santos nas de Neymar, o pai assustado. Dá lhe terapia nesta final...
O Corinthians depende de dois jogadores vendidos.

O Santos de um garoto milionário de 19 anos sob a emoção de uma indesejada paternidade.

Esses são os principais ingredientes fora de campo da decisão do Campeonato Paulista.

Tite conversou com Dentinho e Bruno César dizendo aos dois que deixem a porta aberta...

O meia já é do Benfica.

O atacante pertence ao Shakhtar Donetsk.

Farão sua despedida do Corinthians na final do estadual.

Os dois estão saindo magoados com o clube.

O meia percebeu que foi expurgado porque os companheiros não suportam seu egoísmo.

A pressão para a saída começou com Ronaldo.

Já disse a várias pessoas influentes no clube que poucas vezes jogou com alguém tão 'fominha'.

Gordo, com dificuldade para correr, Ronaldo se irritou muito com Bruno César.

Várias e várias vezes se colocava para receber a bola e ele chutava para o gol.

Além disso, ele já estava muito afetado, vaidoso demais.

A impressão que todos têm dele é que a fama o afetou.

E os dirigentes não tiveram dó em vendê-lo à primeira boa proposta que surgiu.

Mas Bruno César queria ficar mais tempo no Parque São Jorge.

Sonhava em chegar à Seleção Brasileira.

Mas não teve essa opção.

Com o fim da carreira de Ronaldo, Dentinho perdeu seu maior defensor no grupo.

O que coincidiu com uma profunda mudança de personalidade.

O garoto humilde não existe mais.

Ele agora só quer saber de carro importado, mulheres extravagantes.

E muita pressa nos treinamentos.

Quer ir embora o mais rápido possível.

Tite percebeu uma irritabilidade absurda, a queda na força, na velocidade do jogador.

Características típicas de quem não está descansando como deveria.

O técnico levou a situação à direção e Andrés Sanchez não quis esperar por uma proposta da Espanha ou da Itália.

E o despachou para a Ucrânia.

Dentinho também está se sentindo injustiçado.

Queria ficar mais tempo no Brasil.

Mas recebeu conselho até de Ronaldo que a hora é de ir fazer a vida na Europa.

Os dois querem deixar saudade.

Bruno César vai jogar.

Dentinho é uma grande dúvida de Tite.

O treinador está mais propenso a colocar William.

Se isso acontecer, Dentinho será a sua primeira opção de ataque.

Também terá sua importância.

Agora, Bruno não.

O treinador conta com seus chutes de média distância para surpreender Rafael.

Está mais do que escalado.

Só resta saber como jogará sua última partida pelo Corinthians.

Ele está muito emocionado, tenso com a situação.

Assim como Neymar.

Não pelo jogo, pelo cansaço.

Pelos pontapés em rodízio que vai tomar de novo.

Mas pela gravidez de sua namoradinha de 17 anos.

Ele assumiu o filho, a reação da mídia e da opinião pública foi ótima.

Mas na concentração, no último treino, o garoto já não está tão sorridente.

Tão leve.

Ele começa a sentir a responsabilidade, a gravidade da situação.

Até porque ele não tem a menor intenção de se casar.

A possibilidade de ir para o mais longe de tudo o atrai.

A Europa nunca foi vista com tão bons olhos.

Muricy sabe que tem um outro Neymar nas mãos nesta decisão.

Um jogador tenso com a vida pessoal e não com a final do Paulista.

E teve de fazer um trabalho de pai, de conselheiro.

Antes de incentivar, acalmar Neymar.

O situar diante do que aconteceu.

O ideal seria ter tempo para se acostumar com essa inesperada pressão.

Mas não há.

A saída foi tentar convencê-lo a mergulhar ainda mais no futebol.

Repetir o que fez na Colômbia contra o Once Caldas.

Jogar por ele e por Ganso, contundido.

Nada de usar a frase jogar por ele e por seu filho.

Tudo o que Muricy espera hoje é que Neymar mantenha o foco na partida.

O filho fica para depois.

Os jogadores o procuraram com uma dancinha da chupeta se sair um gol dele.

Neymar sorriu amarelo, não se animou.

Pode até dançar até por uma questão de marketing...

Mas ele se mostra mais assustado do que alegre...

Os treinadores de Corinthians e Santos vivem o mesmo dilema.

Jogadores fundamentais passam por experiências inesperadas.

Nem Bruno César e muito menos Dentinho esperavam ser vendidos.

Neymar nem sonhava em ser pai.

Mas aconteceu.

A final do Paulista mostrará quem é o melhor psicólogo: Tite ou Muricy.

Nunca uma sessão de terapia foi tão importante na final de um Campeonato Paulista...

http://r7.com/WCnQ