gettyimages28 Com Luiz Felipe Scolari é sempre assim, no sufoco. E o que acontece com Valdivia? Não se brinca com R$ 14 milhões...
Com Luiz Felipe Scolari é assim mesmo.

A única competição na sua carreira que ganhou sem sofrimento foi a Copa do Mundo.

Gremistas e palmeirenses lembram bem das Libertadores que venceram com ele.

Suspense e tensão a cada jogo.

Foi o que acabou de acontecer no Pacaembu.

Os reservas do Atlético Mineiro provocaram um sufoco no Palmeiras.

Mas perderam por 2 a 0 e foram eliminados da Copa Sul-Americana.

Será o time de Scolari que seguirá na competição, está na semifinal.

Apenas a quatro partidas da Libertadores de 2011.

Dorival Júnior fez questão de levar para São Paulo 22 jogadores.

Estava disposto a colocar seus titulares.

Só que percebeu que os atletas estão no seu limite físico.

Perto da saturação, de contusões.

Resolveu tentar a sorte com os reservas.

E poupar a equipe para o Campeonato Brasileiro, onde a herança de Luxemburgo é maldita.

O time está à beira do rebaixamento.

Aliás, vai encontrar o responsável pelo projeto mais frustrante do país no fim de semana.

O Atlético Mineiro estava muito mais preocupado com a partida contra o Flamengo.

O Palmeiras, não.

A Sul-Americana é a saída para salvar o ano.

Luiz Felipe colocou o que tinha de melhor.

E até quem não deveria por.

Sim, ele mesmo: Valdivia.

Novamente, o chileno sentiu a misteriosa contusão na coxa esquerda.

E logo aos nove minutos do primeiro tempo.

Depois de dar um passe excelente para Tinga desperdiçar o gol, colocou a mão na coxa apontando que a contusão não estava curada.

Transtorno no banco de reservas.

Valdivia ainda ficou se arrastando por sete minutos, esperando por um milagre.

Ele não veio.

O reflexo da bobagem de ter jogado 90 minutos contra o Universitário de Sucre.

Foram 34 minutos diante do Corinthians.

Depois, 16 minutos contra o Atlético Mineiro.

E a briga de Felipão com os "palhaços" jornalistas.

Pois bem, Valdivia sentiu de novo ontem e foi substituído.

Inacreditável o que estão fazendo com um jogador cuja transação custou R$ 14 milhões.

Entrou Lincoln.

O Palmeiras marcou forte a saída de bola do adversário.

Sem talento, mas com garra, força e competitividade.

E foi assim que achou o primeiro gol.

Marcos Assunção bateu escanteio, a bola desviou em Alê, do Atlético Mineiro, e a bola entrou.

Era o Palmeiras saindo em vantagem.

Na primeira partida, em Minas Gerais, havia ocorrido o empate de 1 a 1.

Mesmo contra reservas, a defesa do Palmeiras teve sorte em não sofrer o gol do empate.

Deola fez ótimas defesas, e os atacantes atleticanos perderam chances claras.

No segundo tempo, Dorival Júnior colocou Serginho e Tardelli.

E o pior: o Atlético Mineiro marcando o Palmeiras no seu campo.

Os mais de 35 mil torcedores passaram a respirar com medo.

Os palmeirenses viam assustados a pressão que o time sofria.

A equipe estava perto de sofrer o gol, quando houve um contragolpe.

E a bola caiu no pé do até então improdutivo Luan.

Ele teve tempo de ajeitar a bola, o corpo e bater cruzado: 2 a 0.

Festa verde no Pacaembu.

Outra vitória chorada na vida de Felipão.

Ele poupará seus jogadores no Brasileiro.

Contra o Atlético Goianiense, seus reservas voltarão a campo.

O que importa é preparar seus titulares para os dois jogos da semifinal da Sul-Americana, contra Avaí ou Goiás.

E resolver de vez o estranho problema chamado Valdivia.

É só citar o seu nome para manchar o sorriso aberto do palmeirense.

Alguém está sendo por demais incompetente.

E vai pagar por isso...

Luiz Felipe Scolari sabe o quanto precisa desse chileno...

Veja mais:

+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

http://r7.com/nJsl