divulgação923 Com Juvenal Juvêncio torcendo contra, Andrés Sanchez pede a Lula envolvimento total. A Arena Itaquera vive seu momento decisivo...
Ter um estádio próprio parece ser uma maldição para o Corinthians.

Desmoralizou inúmeros presidentes.

É alvo de gozação de torcedores adversários há décadas.

E continua atrapalhando, só que desta vez a Libertadores.

Andrés Sanchez sabe que sua reputação está em jogo.

Ele já anunciou a construção da Arena Itaquera para abertura da Copa.

A participação do ex-presidente Lula foi notória e fundamental no acordo fechado com o governo federal e a Odebrecht.

Só que Lula deixou o governo e as obras ainda não começaram para valer.

Os três turnos que os operários se revezariam 24 horas na obra por enquanto é só fantasia.

Uma situação é ter Lula a seu favor com poder total, 87% de aprovação da opinião pública.

Outra é ter Dilma, iniciando o seu mandato tentando cortar custos, analisando a herança do ex-presidente.

Analisando se cumpre ou não os acordos deixados por seu mentor político.

Andres Sanches paparicou Lula em São Bernardo.

Suportou o ex-presidente ironizar o 0 a 0 com o Tolima no Pacaembu.

"Foi um fiasco", disse.

O presidente corintiano suportou porque precisa manter a amizade e o compromisso que ele continuará envolvido no estádio.

Lula precisa apertar os nós.

Ligar para Dilma, para os donos da Odebrecht, ajudar na busca de um patrocinador para o nome da Arena Itaquera.

O governo federal precisa continuar pressionando o governo estadual e o municipal de São Paulo.

Todas as facilidades combinadas em 2010 precisam ser cumpridas.

Ricardo Teixeira e Blatter também querem ter a certeza de que não envolveram suas reputações em vão.

Passar pelo vexame de não ter a Arena Itaquera para abertura da Copa seria desmoralizante.

Por isso Andres não teve capacidade de montar um grande time para a Libertadores.

Dizem que ele nunca esteve tão tenso.

E fumando tanto, apesar da proibição médica.

Ele quer ter a certeza do inicío da construção da Arena Itaquera.

É inegável que ainda há uma pressão política contrária.

Os gabinetes de Alkmin e de Gilberto Kassab não se empolgam com o assunto, pelo contrário.

O momento é decisivo.

Não só para o Corinthians na Libertadores.

Mas para a Arena Itaquera.

Por que será que Juvenal Juvêncio repete a seus aliados uma mesma frase desde que começou o ano?

"Vocês ainda terão uma supresa muito grande em relação à Copa de 2014."

Só falta a Fifa e a CBF terem de apelar ao Morumbi...

Já que a abertura da Copa em São Paulo é obrigatória pelos interesses políticos e logísticos...

Seria um vexame internacional...

E uma marca terrível na vida do presidente do Corinthians, Andrés Sanchez....

Por isso ele precisa tanto de Lula...

E Ibagué talvez não seja tão importante quanto deveria...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

http://r7.com/2Fv6