1agenciacorinthians3 1024x576 Calado, humilhado, Cristóvão é demitido. Sua contratação foi um erro de Roberto de Andrade. Que comete outro pior. Não cede à pressão e não contrata Roger. Efetiva o auxiliar Fábio Carille. E já diz que, em dezembro, procurará um outro. O Corinthians está sem rumo...
De cabeça baixa, cercado por quatro seguranças, Cristóvão Borges deixou o vestiário corintiano. Envergonhado, humilhado. O baiano de 57 anos havia acabado de ser demitido do Corinthians. Em pouco mais de dez minutos, o presidente Roberto de Andrade rompeu sua palavra. Ao contratá-lo no lugar de Tite, o dirigente garantiu que ele era o 'homem certo' para o cargo. E daria todo apoio para que ficasse até fevereiro de 2018.

O que seria um contrato de 15 meses, virou apenas três meses.

Cristóvão foi mandado embora do Corinthians.

Na verdade, nunca deveria ter pisado no clube como treinador.

É uma ótima pessoa.

Mas treinador fraco demais.

Há cinco anos é técnico. Trabalhou em clubes do porte de Flamengo, Fluminense, Vasco, Bahia e Atlético Paraense. Não conseguiu ganhar sequer um título. Inseguro, sem convicção tática definida, tenso.

217 Calado, humilhado, Cristóvão é demitido. Sua contratação foi um erro de Roberto de Andrade. Que comete outro pior. Não cede à pressão e não contrata Roger. Efetiva o auxiliar Fábio Carille. E já diz que, em dezembro, procurará um outro. O Corinthians está sem rumo...

E transparece durante os jogos ser uma figura omissa.

Sem o perfil vibrante que o Corinthians exige.

Não há lugar para hipocrisia.

No Parque São Jorge além de resultados, o treinador precisa convencer como comandante. Alguém resoluto, capaz de motivar a equipe nos momentos mais difíceis.

Tudo o que Cristóvão nunca teve.

O treinador ficou apenas 18 partidas. Teve pouquíssimo tempo para trabalhar com um elenco fraco. Principalmente com um ataque sem talento, sem presença de área.

Mas 18 partidas são suficientes para que o time tenha um esqueleto básico tático. Uma forma de atuar. E o seu Corinthians era moldado sem convicção alguma. Piores eram suas substituições, especializadas em prejudicar a equipe. Muitas vezes, sua covardia tática colocou tudo a perder.

O medo de Roberto de Andrade era a sombra de Tite, treinador vitorioso que deixou o clube para assumir a Seleção. Nos últimos dias, outro gaúcho também virou assombração para Cristóvão, Roger, demitido do Grêmio, e primeiro treinador a ser procurado quando Tite foi demitido.

Mas foi outra sombra a responsável pela constrangedora demissão de hoje. A do próprio Cristóvão Borges. Ele seguiu se comportando como se não entendesse o que acontecia. Apesar de vivido, inteligente, não queria ver o óbvio. Não tinha talento como técnico para administrar um clube tão grande com um elenco tão limitado. E com tantas cobranças.

3reproducao9 Calado, humilhado, Cristóvão é demitido. Sua contratação foi um erro de Roberto de Andrade. Que comete outro pior. Não cede à pressão e não contrata Roger. Efetiva o auxiliar Fábio Carille. E já diz que, em dezembro, procurará um outro. O Corinthians está sem rumo...

O Corinthians está mergulhado em dívidas por seu estádio. Mais do que a medíocre campanha com Cristóvão e a mais dolorida derrota, perder para o Palmeiras no Itaquerão, o que tirou Roberto de Andrade do sério foram os gritos dos torcedores comuns. Mais terrível do que a depredação do estádio por parte das organizadas, tentando invadir seu camarote, Roberto de Andrade se desnorteou com o coro de corintianos comuns.

"Ladrão, ladrão, ladrão, ladrão..."

Ao ouvir a ofensa, Roberto de Andrade começou a xingar os torcedores. Perdeu toda a compostura que o cargo de presidente exige. Os palavrões e os gestos foram absurdos.

Com a confirmação da derrota, o dirigente percebeu que o Corinthians despenca no Brasileiro. E precisa da equipe na Libertadores de 2017. Precisa de arrecadações milionárias dos ingressos caríssimos da competição que mais interessa ao clube Para conseguir amortizar a dívida incrível do estádio. A Folha de São Paulo abriu a Caixa de Pandora e mostrou que o estádio sairá por R$ 1,6 bilhão para o clube. O pior negócio da história do Corinthians.

Roberto de Andrade percebeu que, com Cristóvão, a meta seria impossível. E não teve dúvida. Resolveu usar a estratégia do seu diretor-adjunto de futebol, Eduardo Ferreira.

"As vezes, é melhor ter uma dor de barriga forte, ou seja, uma boa diarreia, de grande volume, e logo sanar isso, do que ficar tendo essa dor de barriga por dias e dias, anos e anos", declarou o diretor que foi assessor de imprensa da Gaviões da Fiel, antes de assumir o cargo.

4reproducao5 Calado, humilhado, Cristóvão é demitido. Sua contratação foi um erro de Roberto de Andrade. Que comete outro pior. Não cede à pressão e não contrata Roger. Efetiva o auxiliar Fábio Carille. E já diz que, em dezembro, procurará um outro. O Corinthians está sem rumo...

Ferreira se referia à venda de jogadores. Mas Roberto de Andrade não quis mais ter a 'dor de barriga', chamada Cristóvão Borges. E o demitiu sumariamente no vestiário, após a derrota por 2 a 0. Foi claro. Disse que o adorava, seria seu amigo para sempre. Mas 'desta vez' o trabalho não estava dando certo. A pressão pela demissão era enorme. Estava prejudicando os jogadores.

Além de demitido, Cristóvão foi avisado que não iria nem dar sua última entrevista. Nada de despedidas. Humilhado, o treinador não pôde fazer nada, a não ser acatar. Não era mais funcionário do Corinthians.

Livre de um erro, Cristóvão, Roberto de Andrade decidiu mostrar força. Mas da maneira mais estranha possível. Não contratando o técnico que seus companheiros de diretoria, conselheiros e membros das organizadas exigiam. O mesmo indicado pelo próprio Tite, quando foi para a Seleção, Roger.

Não. Roberto de Andrade quis mostrar autoridade.

"Se a gente errou de uma forma ou de outra, o reparo do erro também é importante. Estamos vivos no Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil e, se achamos que devemos fazer correção, vamos fazer", disse o presidente.

E confirmou a efetivação do auxiliar Fábio Carille no lugar de Cristóvão. O dirigente garante que ele ficará até o final da temporada. E depois, o Corinthians buscará 'um técnico de verdade'. Ou seja, está claro que Roberto de Andrade não tem a menor confiança em Carille. Não o considera um 'técnico de verdade'. Não passa de tampão.

Outro erro absurdo. Até porque, de acordo com o dirigente, o Corinthians já começa negociações para reforçar a equipe em 2017. E quem escolherá os jogadores? O próprio Roberto de Andrade.

Ele diz que ao final do Brasileiro poderá escolher. Haverá mais ofertas no mercado. Mas até lá, o Corinthians ficará nas mãos de um auxiliar. De alguém sem a menor experiência para um momento tão tenso.

4reproducao6 Calado, humilhado, Cristóvão é demitido. Sua contratação foi um erro de Roberto de Andrade. Que comete outro pior. Não cede à pressão e não contrata Roger. Efetiva o auxiliar Fábio Carille. E já diz que, em dezembro, procurará um outro. O Corinthians está sem rumo...

Roberto de Andrade acumula erros importantíssimos.

E que estão trazendo muito mais do que frustração ao Corinthians.

Mais prejuízo, perda de tempo.

18 jogos com Cristóvão não levaram o clube a lugar algum.

Agora, Fabio Carrille quando Roger está à disposição.

Mas Roberto de Andrade quer mostrar que quem manda é ele.

E prefere uma aposta mais do que arriscada.

Só para deixar claro quem tem poder no Parque São Jorge.

Os conselheiros reclamam, mas não tomam atitude alguma.

Dizem que o regime é 'presidencialista'.

E Roberto de Andrade faz o que quiser com o Corinthians.

Triste e atrasado futebol brasileiro...
54 Calado, humilhado, Cristóvão é demitido. Sua contratação foi um erro de Roberto de Andrade. Que comete outro pior. Não cede à pressão e não contrata Roger. Efetiva o auxiliar Fábio Carille. E já diz que, em dezembro, procurará um outro. O Corinthians está sem rumo...

http://r7.com/WLYr