divulgacao326 Bruno Cesar. O talento, e o enorme ego, que o Corinthians acabou dispensando. Com a bênção de Ronaldo...
Todo o barulho por Adriano escondeu uma negociação há muito desejada no Corinthians.

A venda de Bruno César.

De maneira discreta, o clube esperou surgir uma boa oferta e a agarrou com unhas e dentes.

Poucas vezes na história do Parque São Jorge houve uma rejeição tão grande a um bom jogador.

Para entender como tudo aconteceu tão rápido, o importante é voltar ao passado...

À origem do jogador...

Desde a infância, ele foi considerado pela família e pelos amigos como um fenômeno...

Como um atleta que logo iria para a Seleção Brasileira, para o Exterior...

Seus dribles curtos, a velocidade e a facilidade em bater forte demais na bola impressionavam a todos...

Bruno César cresceu convicto que era um atleta predestinado, um talento inquestionável...

Esse é o seu mal...

Ele se convenceu disso e não há quem o faça mudar...

Começou no União Barbarense.

De lá foi levado para o Bahia.

Tratado como a sétima maravilha do universo, com 17 anos logo estava no time principal...

Atuava como atacante e se deliciava marcando gols e mais gols...

Quando soube que o São Paulo se interessou pelo seu futebol, o jogador não pensou duas vezes...

Foi à Justiça para se livrar do amor dos baianos....

E se apresentou no Morumbi...

Apesar do ego inflado, não agradou...

Desnorteado, percebeu que não poderia perder tempo...

E recebeu uma oferta do Palmeiras...

Se animou para uma reviravolta na carreira...

Mas era o Palmeiras B...

Foi....

Pensando em uma chance na equipe principal...

Essa oportunidade nunca chegou...

Como nunca foi de perder tempo, Bruno César logo se bandeou para o Grêmio...

Também não agradou...

Conseguiu uma chance no Ulbra...

Se questionava de o porquê de ninguém enxergar o seu talento fora do comum...

Quando resolveu voltar para São Paulo...

Atuou no Noroeste.

De lá, aportou no Santo André....

Disputou um impressionante Campeonato Paulista de 2010...

"Finalmente no Santo André eu pude jogar como eu gosto.

Com liberdade para criar, do meio para a frente...

Perto da área para tabelar ou chutar ao gol.

É assim que eu rendo.

Os treinadores que me deram liberdade não se arrependeram", disse.

Ele já atuava como meio, de frente para o gol adversário.

Adorava.

Contratado pelo grupo DIS, foi oferecido ao Corinthians para valorizar.

Andres Sanches o aceitou sem pensar duas vezes.

Bruno sentiu que finalmente havia chegado a sua oportunidade, sua hora.

Só que não contava com Ronaldo.

Seu estilo um tanto quanto egoísta de jogar chocou o atacante.

Ele não se conformava com o número de bolas que Bruno César chutava para o gol em vez de passar.

Todo o elenco comprou o lado de Ronaldo.

E o apelidaram de "Chuta Chuta".

O que era uma brincadeira, virou ofensa.

O pensamento geral é que Bruno César pensava mais nele do que no time.

Logo esse clima chegou a Tite.

Ele percebeu o desconforto de alguns jogadores importantes da equipe em atuar com Bruno César.

Teve várias conversas com ele.

Mas o meia rebatia dizendo que aquele era o seu estilo.

O treinador ainda tentou amenizar a situação o colocando mais preso na direita.

Bruno César foi à imprensa reclamar, dizer que estava jogando fora de posição.

Perdeu seu único defensor.

Tite resolveu ceder ao desejo nada encoberto de Ronaldo.

E tirou Bruno Cesar do time.

Na partida decisiva contra o Tolima, ele não participou.

Nunca reclamou, mas o clima de Bruno Cesar nunca foi bom no clube.

Não houve aceitação plena.

Muito pelo contrário.

Andres Sanches ansiava por uma proposta para negociá-lo.

E confessou isso para o grupo DIS, que não teve trabalho em repassá-lo ao Benfica.

Ele já até assinou contrato por seis anos.

Ao Corinthians caberá apenas 20% do lucro da transação, por ter servido como vitrine.

O meia ficará até o dia 1º de junho no Corinthians.

Depois partirá para Portugal.

Vale a pena destacar que não houve comoção no Parque São Jorge.

Muito pelo contrário.

Apesar do indiscutível talento, "Chuta Chuta" nunca foi unanimidade entre os atletas.

E principalmente para Tite.

Ninguém assume publicamente porque é desnecessário.

Mas o talento de Bruno Cesar não conseguiu ser maior do que seu ego...

Ego formado nas categorias de base do União Barbarense, quando era apontado como fenômeno...

Só por isso sai tão rápido do Corinthians.

Vale repetir: ele tem apenas 22 anos...

22 anos...

Veja mais:
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

http://r7.com/k3NU