1ap6 Brasil goleou os pobres bolivianos. Neymar se vingou de tudo que sofreu nas mãos dos europeus. Driblou, fez pose e dois gols. Que alguém o avise que o amistoso de não deve ser levado a sério. Hoje foi festa. Precisa jogar contra adversários de verdade...
Dribles, arrancadas, tabelas, gols.

Tudo o que não fez contra Inglaterra, Itália e Rússia.

Neymar descontou contra os pobres bolivianos

Marcou dois gols na goleada por 4 a 0 em Santa Cruz de la Sierra.

Foi um amistoso político, marcado de última hora.

A CBF confirmou o jogo em homenagem a Kevin Beltran Spada.

Ele foi morto por um sinalizador lançado da torcida do Corinthians em Oruro.

Marin foi à Conmebol antes do julgamento do time que deseja como aliado.

Ofereceu o jogo como um pedido de desculpas

O presidente da Conmebol adorou a ideia.

E, por coincidência, o Corinthias teve o julgamento que queria.

Sua torcida foi liberada para ir ao Pacaembu.

Marin havia prometido que a Seleção não cobraria o cachê de R$ 2 milhões.

A arrecadação seria destinada à família de Kevin.

Só que a Federação Boliviana resolveu aproveitar a ocasião.

Homenageou o time campeão da Copa América de 1963.

E resolveu destinar grande parte do arrecadado a eles.

Além de nem citar o nome do menino morto.

Não houve qualquer citação a Kevin antes e depois do jogo.

Um absurdo, típido das pessoas que comandam o futebol na América do Sul.

Lambert, pai de Kevin, ficou tão desgostoso que não foi ao estádio.

O jogo foi o que se esperava.

A Seleção Boliviana é um fiasco nas Eliminatórias.

Está em penúltimo lugar.

Mesmo jogando nos 3660 metros de altitude em La Paz.

Sem seu maior trunfo é uma dos piores selecionados do mundo civilizado.

Felipão só pôde convocar jogadores que atuavam no Brasil.

Mas ganharia a partida até se levasse só os que disputam o Campeonato do Piauí.

Até Mano Menezes ficaria com vergonha diante de um adversário tão fraco.

O treinador brasileiro montou um time ofensivo.

Jádson, Ronaldinho Gaúcho, Leadro Damião e Neymar na frente.

Apoiados por Paulinho e Jean atuando como ponta direita.

É de se esperar que Felipão tenha percebido o trabalho de Ralf.

Ele cobriu Jean e marcou por ele e por Paulinho, como faz no Corinthians.

Se trata do primeiro volante que o treinador precisa e não enxerga.

Não demorou nem quatro minutos para Leandro Damião fazer 1 a 0.

A defesa de Bolívia, além de fraquíssima, marcava em linha.

O Brasil tocou bola como quis.

Parecia um coletivo.

Jadson se aproveitou da infiltração de Jean.

O volante improvisado como lateral cruzou.

Leandro Damião empurrou para as redes.

1 a 0, Brasil.

A partir daí, Neymar percebeu todo o espaço que tinha.

Nada de duas linhas de quatro, como contra seleções decentes.

Estava mais livre do que nas suas peladas no Suarão, quando era menino.

Aí fez tudo o que sonhava diante dos europeus.

Driblou, fez pose, e marcou dois gols.

Se tivesse mais vontade, marcaria quatro.

Sua convocação foi inútil pela proposta do jogo.

Felipão avisou que a partida serviria para testes.

Neymar não precisa ser testado.

Apenas se desgastou mais um pouquinho.

Sua presença foi ótima para a Globo.

A Seleção deixou de ser campeã de audiência há muito tempo.

Fica o medo que Neymar acredite ter participado de um jogo de verdade.

Jogou para ele, como faz contra adversários fracos no Santos.

Quem merece elogios foi Ronaldinho Gáucho.

 Brasil goleou os pobres bolivianos. Neymar se vingou de tudo que sofreu nas mãos dos europeus. Driblou, fez pose e dois gols. Que alguém o avise que o amistoso de não deve ser levado a sério. Hoje foi festa. Precisa jogar contra adversários de verdade...

Enquanto teve fôlego conduziu o Brasil.

Ditou o ritmo da partida.

E ganhou muito mais pontos no duelo partcular que trava com Kaká.

Jean foi uma grata surpresa pela lateral direita.

Bom reserva para Daniel Alves.

Ele, Ralf e Oswaldo foram quem aproveitaram o amistoso.

O atacante do São Paulo entrou no segundo tempo.

Mas mostrou a Felipão que pode ser um reserva interessante.

Principalmente nos dias em que Neymar estiver travado.

Não souber o que fazer diante de marcações de verdade.

Oswaldo passa por sua melhor fase na carreira.

Mistura velocidade e visão de jogo.

Apesar do seu egoísmo, passou no teste.

Jefferson, Dedé e Réver não tiveram trabalho algum.

Apenas Marcelo Moreno se estrebuchava no ataque boliviano.

André Santos estava travado, não atacou.

Não produziu nem um décimo do que poderia pela esquerda.

Paulinho está estranhamente muito afoito.

Quer jogar mais de meia do que como volante.

Está querendo fazer gols a todo momento.

Muita badalação e ofertas da Europa lhe tiraram o foco.

Jádson foi outra vez muito tímido.

Deixou a armação do Brasil para Ronaldinho.

Quando encerrar a carreira, Jadson vai se arrepender.

Não se impõe por onde passa, no São Paulo, na Seleção.

Perdeu mais uma grande chance.

Leandro Damião fez o gol.

E isso sempre conta, na briga particular com Pato.

Eles disputam a reserva de Fred.

Estão em um nível mais abaixo.

Pato teve menos tempo, mas esteve muito afoito.

Depois de o Brasil marcar 3 a 0 no primeiro tempo, a partida perdeu o interesse.

O segundo tempo foi uma tortura, sem Neymar.

E com Ronaldinho cansado.

Os jogadores brasileiros tocavam a bola, deixando o tempo passar.

Nem se tocavam que estavam sendo testados.

Ao final, Leandro ainda recebeu presente de dividida de Pato.

E livre, marcou 4 a 0.

Ele não tem a menor chance de ir para a Copa das Confederações.

Foi convocado como uma maneira de Felipão pedir desculpas ao Palmeiras, por seu rebaixamento.

O jogo valeu para Jean, Ralf e Oswaldo.

Além da confirmação de Ronaldinho Gaúcho.

Vale rezar para que Neymar não leve a sério o jogo.

E acredite que os próximos adversários sejam tão ruins como os bolivianos.

Resta também esperar que a Federação Boliviana tenha decência.

E entregue uma boa quantia da arrecadação à família de Kevin.

A esperança é pequena.

Quem não sabe como agem os dirigentes sul-americanos?

Resta só um grande medo.

Que Neymar tenha levada a sério o amistoso.

Hoje não foi jogo, foi refresco...
 Brasil goleou os pobres bolivianos. Neymar se vingou de tudo que sofreu nas mãos dos europeus. Driblou, fez pose e dois gols. Que alguém o avise que o amistoso de não deve ser levado a sério. Hoje foi festa. Precisa jogar contra adversários de verdade...

http://r7.com/5PAQ