518 As policias do Paraná e de São Paulo já se articulam. Sabem que o jogo entre Corinthians e Coritiba, em Itaquera, será de alto risco. Torcedores corintianos prometem vingar a barbárie das organizadas do Coritiba...

"Três ônibus, varremos os caras.

"Varremos, filho...

"Quebramos 'tudo' os ônibus dos 'cara'.

"Eram uns caras 'grandão', 'fortão'.

"Tomaram porrada.

"Eles vazaram, filho."

"Tem problema, não, Tio.

"O que é deles está guardado.

"Palavra de Gavião.

"Esta perda eu vou cobrar, Tio."

A Gazeta do Povo, jornal paranaense, mostra hoje alguns áudios que membros das organizadas colocaram da Internet. Por whatsapp, a comemoração de um torcedor da Império Alviverde, torcida que depredou três ônibus e uma van de corintianos, que foram ontem para Curitiba. Usaram pedras e tijolos para estourar os vidros dos veículos.

Eles pertenciam à Gaviões da Fiel. Seis deles precisaram ser hospitalizados. Entre eles, Jonatan José Gomes Souza da Silva. De acordo com relatos de outros torcedores, uma pedra estourou a sua janela em um dos ônibus. Apavorado, desceu e acabou sendo espancado por membros da Império Alviverde. Tomou chutes, socos. E, caído, teve a cabeça pisoteada por vários rivais.

Jonatan chegou a ser dado como morto.

Mas foi uma precipitação da polícia do Paraná.

Ele veio para São Paulo ontem mesmo.

E já postou foto nas redes sociais mostrando que está bem.

Só que o segundo áudio divulgado pelo Correio do Povo, escancara o que inúmeros membros de organizadas corintianas divulgavam pelas redes sociais. A promessa de vingança contra a torcida do Coritiba.

Na 27ª rodada do Brasileiro, o Corinthians enfrentará o Coritiba.

318 As policias do Paraná e de São Paulo já se articulam. Sabem que o jogo entre Corinthians e Coritiba, em Itaquera, será de alto risco. Torcedores corintianos prometem vingar a barbárie das organizadas do Coritiba...

O jogo está marcado para o dia primeiro de outubro, em Itaquera.

As autoridades já foram alertadas desse desejo de vingança.

Os dois clubes repudiaram a briga, a agressão.

Mas a partida é vista como 'de alto risco'.

Há duas versões para o conflito.

A primeira, dos membros da Gaviões.

Os três ônibus e a van se perderam.

Desgarraram do comboio que foi para o Couto Pereira.

Erraram o caminho e acabaram entrando na rua da sede da Império.

Alguns corintianos teriam resolvidos provocar os torcedores do Coritiba.

E passaram a serem agredidos.

5reproducao3 As policias do Paraná e de São Paulo já se articulam. Sabem que o jogo entre Corinthians e Coritiba, em Itaquera, será de alto risco. Torcedores corintianos prometem vingar a barbárie das organizadas do Coritiba...

A segunda versão, da polícia de Curitiba.

Os corintianos se desgarraram de propósito.

Teriam chegado até mais cedo do que o previsto.

E sabiam muito bem para onde estavam indo.

Queriam depredar a sede da Império Alviverde.

Só que foram surpreendidos pelo número de torcedores rivais.

De qualquer forma, policiais do Paraná e de São Paulo já sabem.

As organizadas corintianas querem vingança.

E já há um movimento para evitar essa anunciada revanche.

Os torcedores do Coritiba serão obrigados a seguir em comboio.

Protegidos pelos policiais em todo o trajeto.

Na ida e na volta.

A polícia paranaense cuida no Paraná.

Ao entrar no território paulista, a responsabilidade é dos policiais daqui.

A cúpula da Gaviões mostra entrosamento com o Ministério Público paulista.

Tanto que está exigindo o credenciamento de seus sócios.

Por outro lado, os chefes da torcida avisam.

Não tem como controlar as nove subsedes espalhadas pelo país.

São milhares de torcedores.

Os dirigentes da organizada garantem que não querem vingança.

Mas não podem controlar todos os membros da torcida.

Enquanto isso, a polícia do Paraná, mantém detido João Carlos de Paula, de 24 anos. Ele foi capturado enquanto assistia ao jogo no Estádio Couto Pereira e responderá pelo crime de tentativa de homicídio, podendo pegar de oito a 20 anos de prisão. Ele é membro da torcida organizada Império Alviverde.

Primeiro, ele confessou ter pisoteado em Jonatan.

Seu advogado Renato Freitas foi direto.

João Carlos está sendo bode expiatório da polícia.

"Ele não foi ouvido pelo escrivão. O processo legal não está sendo respeitado. Ele é apenas uma pessoa acusada. A Constituição garante a presunção de inocência. Esse procedimento é vexatório. Ele foi trazido à força para que a imagem dele fosse exposta", reclamava, ao ver seu cliente exposto a fotos e filmagem por parte da imprensa.

João Carlos foi detido desde ontem na Delegacia Móvel de Atendimento a Futebol e Eventos. E será transferido para um presídio estadual. A Polícia Civil do Paraná segue buscando identificar outros agressores de Jonatan.

Mas a preocupação dos policiais já é com o dia primeiro de outubro.

E com as ameaças de retaliação de membros das organizadas corintianas...

(reprodução imagens Massa News Internet)

http://r7.com/8X04