divulgação561 Andrés Sanchez aos jogadores do Corinthians: se não vai no amor, vai na dor...

Andrés Sanchez é um dos fundadores da Pavilhão Nove.

Uma das torcidas organizadas do Corinthians.

O nome dado homenageia uma das alas do antigo presídio Carandiru.

O símbolo da torcida é um dos Irmãos Metralha, bandidos das histórias em quadrinhos da Disney.

A maior parte da diretoria corintiana atual é ligada às torcidas organizadas.

Por isso ganhou o apelido de baixo clero pela oposição.

Em compensação, essa ligação permitiu uma trégua que nenhum outro presidente corintiano teve.

O clube teve vitórias significantes com Andrés.

Como a conquista da Copa do Brasil de 2009.

A campanha vitoriosa na Série B em 2008.

Mas teve enormes decepções dentro de campo.

Como a própria queda para a Série B.

O presidente era ele.

A eliminação em casa da Libertadores do Centenário para o Flamengo.

E os torcedores organizados se controlaram.

Não quiseram invadir o gramado.

Não caçaram jogadores.

E muito menos fizeram campanha contra Andrés Sanchez.

Não abriram a boca em público.

E ontem seis membros das organizadas foram cobrar os jogadores corintianos.

Exigiram a reação do time e o título do Brasileiro.

Ciceroneando os torcedores, o próprio Andrés Sanchez.

E os jogadores tiveram de ouvir o pedido de garra, de coração.

Que a torcida não perdoaria jogar esse título no lixo.

Ser obrigatória a vitória diante do Atlético Goianiense hoje.

Os atletas não tiveram coragem de contestar, ainda mais com Andrés Sanchez ao lado dos torcedores.

Abaixaram a cabeça e ouviram.

Prometeram que iriam fazer tudo para ganhar o Brasileiro.

Além de ter o direito de cobrar os jogadores, as torcidas recebem apoio para fazer seu carnaval.

Assim é possível entender por que os dirigentes atuais do Corinthians têm tanta paz para trabalhar.

Nas vitórias e nas derrotas.

Nunca as torcidas organizadas tiveram tanto acesso ao time como tem com Andrés.

Por isso, ai de quem ousar xingá-lo, cobrá-lo de qualquer coisa, se for um torcedor organizado.

A relação é clara, sem o menor pudor de críticas.

Para se livrar da pressão, o presidente corintiano dá acesso total à torcida.

Até as contas, os investimentos, Andrés explica a esses torcedores.

Há um absurdo exagero.

Comprometimento.

O lugar de torcedores é na arquibancada.

Dirigente precisa ter coragem de cobrar os jogadores e treinador.

Os atletas respondererem apenas à dirigentes do clube e não a torcedores.

Nunca um presidente fez tudo o que a torcida quer.

Nunca um presidente corintiano esteve tão à vontade em relação aos torcedores.

Ele acha que o caminho é esse.

Jogador tem de se explicar a torcedor.

Só para recordar, Andrés deseja suceder Teixeira em 2014.

Se o Brasil perder a Copa de 2018, o que o presidente corintiano seria capaz de fazer?

Seguindo a sua lógica ele reuniria os jogadores na Praça da Sé ou no Corcovado.

E todos teriam de se explicar para a população brasileira.

Se não convencessem seriam apedrejados?

Andrés, não se esconda atrás de torcedores.

Tenha coragem de cobrar quem precisa.

Os jogadores não podem atuar sob ameaça de corintianos.

O Corinthians não pode ser refém de ninguém.

Do alto, do baixo...

De clero nenhum...

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Siga o R7 no Twitter
+ Veja os destaques do dia
+ Todos os blogs do R7

http://r7.com/p3Tz