1reproducao4 Adriano sabia que um dia responderia por sua ligação com os amigos traficantes. Mas nunca imaginou que seria agora. Quando estava para tentar salvar a carreira na França. Mas a lei é para todos. Ou não?
Sete anos depois, o Ministério Público do Rio de Janeiro denuncia Adriano. Seu crime: ter comprado duas motos de R$ 35 mil em 2007. E registrado uma delas em nome de Marlene Pereira de Souza. Ela é mãe de seu amigo Paulo Rogério de Souza Paz, conhecido como Mica. Ele é apontado pela polícia como chefe do tráfico na Chatuba, no Complexo do Alemão, favela enorme carioca. E um dos principais representantes do Comando Vermelho.

De acordo com relatos de policiais, Mica era muito importante na Chatuba. "Pessoa que autorizava ou não a entrada e saída de pessoas e a realização de eventos na região” e precisaria de “veículos velozes, em especial motocicletas, pela agilidade no tráfego, que fossem legalizados e não levantassem suspeitas quando transitassem fora das comunidades." Marlene, na época, tinha 64 anos. E nunca teve carteira de habilitação para pilotar motos.

Adriano foi acusado de tráfico e associação com o tráfico. Pelo primeiro crime ele pode ter uma pena de até 15 anos e pelo segundo, dez anos.

Nada do que está acontecendo é surpresa para ninguém. Adriano nunca escondeu que o lugar que ele se sente mais feliz é no Complexo do Alemão. Foi no conjunto de favelas que ele cresceu. Ao lado de muita gente trabalhadora e também de alguns traficantes. Em 2009, ele deu uma entrevista reveladora ao blog. E tocou no tema.

"Olha, eu vou ser direto com você. Eu tenho amigos na comunidade que são traficantes, trabalhadores, policiais. Para mim, dá no mesmo. Se são meus amigos, eu vou dar a mão, conversar, brincar. Não vou virar as costas porque seguiram pelo lado que acho errado na vida. Mas não é por isso que vou ficar cheirando cocaína, como muita gente acha. Sou um jogador profissional, não uso e não quero saber de drogas."

E não virava mesmo. Nas inúmeras festas que fez ou foi convidado no Complexo do Alemão, se encontrou com vários amigos que entraram para o crime. Não fazia distinção. Conversava, farreava de igual para igual. A direção do Flamengo sempre soube disso e não colocava qualquer obstáculo.

2reproducao Adriano sabia que um dia responderia por sua ligação com os amigos traficantes. Mas nunca imaginou que seria agora. Quando estava para tentar salvar a carreira na França. Mas a lei é para todos. Ou não?

A ficha criminal de Mica, preso em 2012, é impressionante. Como publicou o R7 no dia 20 de fevereiro de 2012. "De acordo com a polícia, o criminoso ganhou fama após organizar um "tribunal do tráfico”, onde condenou quatro comparsas, que, em novembro de 2005, atearam fogo em um ônibus na zona norte, matando cinco pessoas. A ideia do ataque ao coletivo surgiu a partir de um protesto de moradores contra a morte de um traficante do Morro da Fé. Mica executou o quarteto que participou do crime e jogou os corpos no bairro do Grajaú, zona norte.

As informações são do Disque-Denúncia.

Além de comandar o tráfico, Mica ficou conhecido por matar os comparsas que descumprissem suas ordens. Em 2007, ele foi suspeito pela morte de Elaine da Silva Benedito, uma de suas amantes, porque ela teria revelado que iria contar tudo para sua mulher.

Mica também teria participado do sequestro de turistas chineses e do ataque e invasão ao Morro dos Macacos, em Vila Isabel, em outubro de 2009."

Ou seja, era mesmo um criminoso muito perigoso. Um dos chefes da facção criminosa Comando Vermelho. Policiais cariocas acreditavam ser um absurdo Adriano frequentar o mesmo ambiente que traficantes. Mas o jogador até se divertia com essas queixas. E chegou até a posar para fotos deprimentes. Duas ficaram famosas. A primeira ele com um fuzil ao lado de uma amigo. Outra com ele mostrando claramente as letras C e V, sigla do Comando Vermelho.

1agenciaodia Adriano sabia que um dia responderia por sua ligação com os amigos traficantes. Mas nunca imaginou que seria agora. Quando estava para tentar salvar a carreira na França. Mas a lei é para todos. Ou não?

A sensação é que Adriano estava tranquilo. Tinha a certeza de sua impunidade. Até porque os anos foram se passando. Mesmo com os fracassos no Corinthians, no retorno ao Flamengo e na passagem relâmpago pelo Atlético Paranaense, Adriano parecia longe dos traficantes.

O jogador estava na França neste final de semana. Praticamente havia acertado o seu retorno ao futebol. Estava para assinar contrato como o Le Havre. Mostrou toda a sua empolgação em entrevista a um canal de tevê francês, La Bien Sports.

"Esta semana, quando o presidente assumir o cargo, ele vai dar a última palavra. Este é um bom começo. Creio que já está em 99%. Tive várias propostas, mas eu gostei do projeto que foi apresentado pelo Le Havre. Já se passaram três meses e meio desde que eu parei. É importante voltar para a Europa para me concentrar no trabalho. O Le Havre me deu esta oportunidade e eu concordei. Quero me tornar o jogador que eu era para voltar à Seleção. Tenho o desejo de retornar à Seleção."

Adriano estava nas nuvens na segunda-feira. Sendo tratado como um grande ídolo. Precisava desse carinho. Mas voltou para a realidade ontem. O Ministério Público não quer sua prisão imediata. Mas sim reter seu passaporte. A alegação é que ele tem condições financeiras de fugir para o exterior e não pagar pelo suposto crime.

A dúvida agora é se a direção do clube francês não vai desistir de Adriano por seus problemas legais. A sensação é de muita tristeza. Justo agora quando o jogador de 32 anos está para ter mais uma chance na vida, vem a denúncia. Só que o vale para todo o resto da população brasileira tem de valer para o ex-atacante da Seleção.

O caso será avaliado pela 29ª Vara Criminal do Rio, que vai decidir se acata ou não a denúncia dos promotores do Ministério Público. Há pressão dos dois lados. Para que o jogador tenha de responder na Justiça as acusações. Assim como para que tudo seja esquecido. E Adriano possa atuar na França. Isso se o Le Havre ainda o quiser. O staff do jogador está tenso, muito tenso.

Essa é a carreira de Adriano. Uma das conturbadas entre os jogadores que passaram atualmente pela Seleção Brasileira. Triste exemplo de talento misturado com irresponsabilidade, bebida e amigos procurados pela Polícia...
3reproducao Adriano sabia que um dia responderia por sua ligação com os amigos traficantes. Mas nunca imaginou que seria agora. Quando estava para tentar salvar a carreira na França. Mas a lei é para todos. Ou não?

http://r7.com/baZO