1reuters7 A guerra fria para desmoralizar Ronaldinho Gaúcho já começou. Não há lugar para amadores nos bastidores da seleção. Tudo por falta de transparência de seu comandante, Luiz Felipe Scolari...
Os bastidores do futebol não são para amadores.

A Copa do Mundo já tem enorme rejeição no Brasil.

Gastos absurdos a tornaram a mais cara da história.

O governo federal vira as costas para a saúde, educação, segurança.

Porém gasta bilhões com arenas desnecessárias.

A safra de jogadores é precoce, tem de amadurecer durante o Mundial.

Bem trabalhada estaria pronta em 2018.

Os resultados atuais são pífios.

O Brasil ocupa a 19ª colocação no ranking da Fifa com gosto.

Independente de não disputar Eliminatórias.

É o pior lugar que ficou em todos os tempos.

Não bastasse isso, chega a convocação para a Copa das Confederações.

O melhor jogador da Libertadores...

O de melhor futebol no País não é convocado.

Luiz Felipe Scolari virou as costas para Ronaldinho Gaúcho.

O espanto foi generalizado, torcedores revoltados.

Até mesmo Marin ontem se explicava, tentando se eximir do que sabia.

"O Luiz Felipe teve toda a liberdade para escolher seus jogadores.

Não houve interferência da CBF."

Para quem conhece o seu passado malufista sabe.

Não queria responsabilidade sobre a ausência de Ronaldinho Gaúcho.

O treinador do Brasil, precisa ser o comandante, o líder.

Mas mostrou seu despreparo.

Fugiu das explicações.

Para não se complicar, ele não fala sobre jogadores não convocados.

Age como se não devesse explicações para ninguém.

Ele quer mobilizar uma população.

Fazer com que apoie seu time.

Mas age como um ditador.

Só a sua opinião interessa é verdade, já que é ele quem convoca.

Mas o País não tem o direito de saber no que ela se baseia.

Diante da reação negativa de grande parte da imprensa, começa a crueldade.

A guerra de bastidores, onde amador não pisa.

E surge um estranho vazamento informações para manchar Ronaldinho Gaúcho.

Do nada, grandes veículos mostram indisciplinas, desobediências.

Não há fontes abertas, só subterrâneas.

As manchetes não são frutos do acaso.

Há uma campanha traiçoeira.

O objetivo é desmoralizar o jogador.

Dar razão a Luiz Felipe Scolari.

De uma hora para outra, o meia do Atlético é um monstro e ninguém sabia.

Ele chegou atrasado à concentração.

E cobrou um pênalti contra a Inglaterra quando Neymar deveria bater.

Não é um jogador de grupo.

1efe5 A guerra fria para desmoralizar Ronaldinho Gaúcho já começou. Não há lugar para amadores nos bastidores da seleção. Tudo por falta de transparência de seu comandante, Luiz Felipe Scolari...

Tudo é tão traiçoeiro quanto falso.

O Brasil de Scolari fez cinco amistosos.

Jogou contra a Inglaterra, a Itália, a Rússia, Bolívia e Chile.

Se Ronaldinho desobedeceu Felipão contra os ingleses foi punido.

Não foi chamado contra a Itália e Rússia.

Kaká acabou indo no seu lugar e mostrou como está mal.

Mas se o treinador tinha a convicção que Ronaldinho não servia perdeu tempo.

As desculpas que chegaram aos grandes veículos são incoerentes, vazias.

O próprio técnico as desmoralizou.

Por que convocou Ronaldinho para jogar diante de Bolívia e Chile?

Se o jogador o desrespeitou em Wembley, seria uma insanidade o convocar duas vezes depois.

O próprio Parreira minimizou o atraso do atleta em Belo Horizonte.

Ele chegou 25 minutos após o horário marcado.

"Todos nós jantamos juntos, não houve prejuízo algum."

Ao contrário do que aconteceu com Romário em 2002, as acusações não colam.

Na época, o jogador teve um encontro amoroso com uma aeromoça.

No Uruguai, antes de partida importante das Eliminatórias.

Scolari nunca precisou falar, a informação chegou aos grandes jornais.

Não foram fadas, duendes ou gnomos que contaram.

A situação se repete em relação a Ronaldinho.

Essas desculpas foram compradas, aceitas por um motivo.

Nenhum veículo quer ficar contra o treinador da Seleção.

O comandante do Brasil na Copa do Mundo de 2014.

Ter bom relacionamento com os que o cercam traz vantagens.

Exclusivas com o treinador.

Notícias exclusivas.

É uma troca, uma relação de confiança.

Se alguém influente garante que Ronaldinho não foi chamado por indisciplina...

Não se pensa, nem se questiona...

Se publica, se divulga.

Só se omite a fonte.

E muitos passam vexame.

Como quem afirmou que Cuca havia dito a Felipão que não recomendava Ronaldinho.

O treinador do Atlético convocou uma coletiva ontem.

E desmentiu com todas as letras ter falado mal do jogador.

Nem sequer conversou com Scolari sobre o meia.

Mas não interessa o desmentido.

Vale a acusação vazia, infundada.

O jogo é assim há anos e anos.

Graças à falta de transparência de Parreira, Dunga, Mano, Felipão.

Quem assume a seleção brasileira se esconde.

Não tem coragem de debater, mostrar os motivos porque não chama atletas importantes.

Age como se não tivesse de dar explicações à população.

Seguem esse caminho covarde apontado por assessores.

O Brasil é um País que saiu da ditadura militar há muito pouco tempo.

Há vários representantes dos anos de chumbo vivos, saudáveis.

Ela trouxe vários vícios, muito atraentes para quem tem cargos de comando.

Seja em que área for.

Treinador da seleção tem a visibilidade de um presidente da República.

Com inúmeras regalias.

E sem o dever de se explicar.

Escolhe o assunto que deseja falar.

Principalmente aquele sobre o qual não quer dizer uma palavra.

Isso é digno de ditadores de terceiro mundo.

Como tantos que passaram pela América Latina.

Pinochet, por exemplo, fazia a mesma coisa.

Ao Brasil foram negadas ontem as explicações sobre o jogador em melhor fase.

Estrela internacional, serviria de escudo para o pressionado Neymar.

As pessoas que cercam Felipão não enxergam um metro à sua frente.

Principalmente em relação à própria Copa das Confederações.

Se o Brasil conseguir ser o primeiro no grupo A, se classifica para a semifinal.

E onde será disputada a semifinal da Copa das Confederações para o líder do A?

Em Belo Horizonte.

Bernard e Réver foram convocados, mas são meros reservas.

Que receptividade a torcida do Atlético Mineiro dará à seleção?

O Brasil já foi vaiado no Mineirão ao empatar com o Chile em abril.

E estava com Ronaldinho Gaúcho.

Que tolerância os atleticanos, os mineiros terão com o Brasil?

Os ingênuos ou compromissados que comprem a versão de indisciplina.

O problema claro é falta de competência da Comissão Técnica brasileira.

Ela não sabe como usar todo o talento de Ronaldinho.

Já foi assim com Parreira em 2006.

O meia realmente tem pouquíssimas boas partidas com a camisa amarela.

O time não pode jogar por ele, como o Atlético faz.

Mas é possível buscar um esquema em que seja peça importante.

Flutuando na intermediária adversária.

Atraindo a marcação, trocando de posição com Oscar, Neymar.

Se Felipão pensa até no tosco Hulk como titular e abandona o talento.

Esse é o verdadeiro motivo da ausência de Ronaldinho.

Nosso treinador não sabe como utilizá-lo.

Seria mais honesto falar que o jogador não se encaixa no que quer taticamente.

Reconhecer seu talento.

A vida seguiria de maneira mais clara, limpa.

Sem calúnias que surgem 'do nada' para manchar a carreira de Ronaldinho.

Ele, por sinal, já aprontou mais do que as populações de Sodoma e Gomorra juntas.

Mas está dedicado a disputar a sua última Copa.

O que faz em campo pelo Atlético Mineiro é impressionante.

O maestro do time de futebol mais exuberante do continente.

Vive a sua vida de solteiro quando pode.

Na hora de trabalhar, redescobriu a seriedade.

Tem sido apenas o melhor jogador em atividade no Brasil.

O melhor da Libertadores.

Mas o treinador da seleção não sabe como usar esse talento todo.

Não tem coragem de assumir para a população.

Calado deixa que a imagem de Ronaldinho seja desgastada.

Abaladas por 'notícias em off'.

É sua maneira de lidar com a situação.

O futebol conheceu a ditadura militar.

E adora carregar alguns vícios.

O maior: as autoridades não podem ser questionadas.

Acreditam não ter explicações para dar.

Querem o apoio, mas viram as costas à população.

Esse é um dos motivos do atraso.

E da rejeição a esta seleção brasileira...

2reuters1 A guerra fria para desmoralizar Ronaldinho Gaúcho já começou. Não há lugar para amadores nos bastidores da seleção. Tudo por falta de transparência de seu comandante, Luiz Felipe Scolari...

http://r7.com/mu47