1reproducao3 A família de Caio Júnior processa a Chapecoense. Exige R$ 30 milhões de indenização. Viúvas de jogadores e jornalistas mortos prometem ações coletivas. A conta pode chegar a mais de um bilhão. O que colocaria em risco a sobrevivência do clube...
No dia em que acontece o encontro entre dois clubes unidos para sempre pela tragédia, o confronto pela Recopa Sul-Americana, entre Chapecoense e Atlético Nacional, surge a confirmação. A família de Caio Júnior, treinador morto no acidente aéreo do dia 29 de novembro de 2016, protocolará essa semana uma ação contra o clube catarinense.

Sem meias palavras.

Para os familiares de Caio Júnior houve negligência da Chapecoense. Por economia, expôs a vida da delegação e de Caio ao escolher a Lamia para transportar o time até a Colômbia. Já até o valor estabelecido pela lei.

R$ 30 milhões.

O cálculo é feito em cima do salário total de Caio Júnior, o registrado na carteira mais o direito de imagem. Chegava a R$ 120 mil mensais. Ele tinha 51 anos. E a expectativa de vida era de 71 anos. São 20 anos.

Este o cálculo os R$ 30 milhões.

O advogado da família, Luiz Fernando Pereira, deixou claro à Folha que não haverá perdão. Por mais que todos saibam que o clube não queria a morte da delegação, houve negligência ao escolher na escolha da companhia aérea, que se mostrou precária, com apenas quatro aviões, três estavam sendo consertados, sem poder voar. A aeronave caiu em Medellin porque o piloto, e um dos sócios da Lamia, quis economizar R$ 10 mil, não reabastecendo. Sem combustível, houve a pane seca e o avião despencou matando 71 pessoas.

"Já tem um bom tempo do acidente. As famílias devem abrir mão de buscarem seus direitos em nome da prosperidade do clube? A Chapecoense foi negligente em não examinar as questões que eram básicas para a contratação do voo", diz Pereira.

A Chapecoense está firme. A diretoria acredita precisa ser firme para não ter de pagar indenizações que podem passar de R$ 1 bilhão. As viúvas de jogadores estão unidas e decididas a procurar a justiça. Aliás, a viúva do volante Gil foi a primeira. A audiência inicial já está marcada para o dia 22 de maio, em Chapecó.

As viúvas estão orientadas por advogados a seguir o mesmo caminho da família de Caio Júnior. Exigir suas indenizações baseadas na expectativa de vida dos maridos. E também não levando em conta apenas o que recebiam em carteira, mas também o direito de imagem.

2reproducaochapecoense A família de Caio Júnior processa a Chapecoense. Exige R$ 30 milhões de indenização. Viúvas de jogadores e jornalistas mortos prometem ações coletivas. A conta pode chegar a mais de um bilhão. O que colocaria em risco a sobrevivência do clube...

A Chapecoense e CBF já pagaram o que consideravam correto para as viúvas.

Nada mais do que 40 salários.

O clube bancou 28 e a CBF, 12.

Só o que estava registrado em carteira e não o direito de imagem.

A diretoria do clube catarinense processa a Lamia.

E acredita que conseguirá R$ 527 mil a cada família daqueles que estavam no avião. A questão é complicada. E deverá ser definida em Londres, sede da seguradora da Lamia. Só que a empresa boliviana, que está impedida de voar desde o acidente, já declarou não ter dinheiro.

Para deixar ainda mais preocupada a direção da Chapecoense, os familiares dos jornalistas mortos no acidente também já procuraram a justiça. E vão processar o clube usando o mesmo princípio de salário vezes estimativa de vida. Fora a possibilidade de transações para outras equipes. Eles tiveram uma grande valorização na temporada de 2016.

4reproducao A família de Caio Júnior processa a Chapecoense. Exige R$ 30 milhões de indenização. Viúvas de jogadores e jornalistas mortos prometem ações coletivas. A conta pode chegar a mais de um bilhão. O que colocaria em risco a sobrevivência do clube...

E mais.

Advogados apontam que há como processar também por danos morais.

A somatória destes dois tipos de ações pode passar do R$ 1 bilhão.

No mínimo, envolverá centenas de milhões do clube.

A CBF já avisou que fez sua obrigação.

Agora, a questão é toda da Chapecoense.

O clube terá de arcar por sua opção pela Lamia.

Para evitar ceder à pressão dos dirigentes, as viúvas dos jogadores combinaram que suas ações serão conjuntas, na maioria. Como acontece com os familiares dos jornalistas.

A perspectiva é péssima para o clube catarinense.

Dirigentes da Chapecoense estão preocupadíssimos.

Acreditam que não terão como pagar.

Não há condição de sobreviver a uma dívida bilionária.

E sabem que as chances são enormes de perder as ações.

É dinheiro demais para a estrutura do clube.

51 A família de Caio Júnior processa a Chapecoense. Exige R$ 30 milhões de indenização. Viúvas de jogadores e jornalistas mortos prometem ações coletivas. A conta pode chegar a mais de um bilhão. O que colocaria em risco a sobrevivência do clube...

Por trás de toda a emoção do jogo de hoje, há muita tensão.

Não pelo título da Recopa Sul-Americana.

Mas pela sobrevivência da Chapecoense.

Porém como virar as costas às famílias dos mortos?

À escolha pela Lamia para transportar a delegação?

A justiça decidirá essa questão delicadíssima.

As lágrimas e a saudade ficarão de lado...
61 A família de Caio Júnior processa a Chapecoense. Exige R$ 30 milhões de indenização. Viúvas de jogadores e jornalistas mortos prometem ações coletivas. A conta pode chegar a mais de um bilhão. O que colocaria em risco a sobrevivência do clube...

http://r7.com/azTy