reuters1 A dor de Mano Menezes. Aquele que perdeu a seleção para Muricy Ramalho...

"Olha, a pior coisa do mundo foi eu acreditar que seria o treinador da seleção brasileira.

Todos na época garantiram.

Eu tinha vencido três vezes o Campeonato Brasileiro.

Duas vezes pelo Internacional, em 1975, 1976.

E a última pelo São Paulo, em 1977, em pleno Mineirão, ganhamos o título do Atlético Mineiro.

Eles tinham o melhor time, mas vencemos.

Tinha certeza que teria a minha chance no Mundial de 1978.

Era uma situação lógica.

Mas levaram o Cláudio Coutinho".

A declaração sincera é de Rubens Minelli.

Ele me confidenciou tomando um amargo café, no ano passado.

Lembrei da expressão de Minelli pensando em Mano Menezes.

Telefonei para pessoas próximas dele e de Andrés Sanchez.

O treinador vai assumir a mesma postura que Minelli adotou na época da Copa da Argentina.

O sorriso será amarelo e vai dizer que quem errou foi a imprensa.

Ele não esperava ser chamado.

E tentará fazer o melhor para o Corinthians.

"Não há pessoa que não fique abalada ao ter certeza de que iria trabalhar na seleção e não é chamado".

Mais uma frase de Minelli.

A missão de Mano é tentar esquecer que ontem estava no foco de todas as câmeras.

Ganhou mais espaço na mídia do que Ronaldo.

Andrés Sanchez também tinha certeza de que 'seu técnico' trabalharia na CBF.

Tanta que empresários ligaram ainda na semana passada para Adílson Batista.

Ele seria o novo treinador do Corinthians com a ida de Mano Menezes para a Barra da Tijuca.

Só que tudo deu errado.

Mano será o treinador que terá a velha missão de levar o Corinthians para a Libertadores de 2011.

De animar a equipe a ganhar o Brasileiro.

Fazer com que Ronaldo perca os seus muitos quilos a mais.

Que dê entrosamento ao time se Dentinho, Elias e Jucilei forem mesmo vendidos até agosto.

Com que ânimo?

Uma grande conquista pessoal foi embora hoje.

Todas, simplesmente todas as capas de jornais ou de edições de esportes de São Paulo o apontava como provável sucessor de Dunga.

Ele voltou a sua realidade.

Que também é importantíssima.

Mano é o técnico do Corinthians.

Que ele mostre força para superar a decepção.

Levante a cabeça.

Busque ânimo.

É difícil.

Depois que foi preterido na Copa de 1978, o brilhante Rubens Minelli não ganhou mais nenhum título nacional.

A decepção foi imensa.

Que Mano tenha um poder de reação maior...

(Para quem não lembra, a foto é de James Cameron fingindo esganar a ex-mulher.

Kathryn Bigelow venceu o Oscar de melhor diretor com Guerra ao Terror.

Ganhou ainda o prêmio de melhor filme.

Mano, desculpe, Cameron era o favoritíssimo nas duas categorias com  o inovador Avatar.

A dor que o treinador corintiano deve estar sentido deve ser parecida...

Explicar a fotografia dessa vez foi exceção.)

Veja mais:

+ Tudo sobre futebol no R7
+ Veja as principais notícias do dia
+ Todos os blogs do R7

http://r7.com/1UdA