Foram quatro segundos. Bastaram para mobilizar a opinião pública mundial. A Fifa conseguiu de novo ser manchete. Desta vez não pela corrupção de seus dirigentes, como é habitual. Mas pela censura descuidada, tosca. Dispensável. Que pareceu uma... Continue lendo