Posts de 4 de fevereiro de 2013

Sem água, luz, lanchonetes fechadas. Banheiros empesteados. Foi assim que Belo Horizonte tratou os torcedores de Cruzeiro e Atlético na reabertura do Mineirão, o estádio de R$ 700 milhões. Que modernidade é essa? Imagine na Copa…


A cena foi emblemática.

O senador da República, Zezé Perrella, chega ao Mineirão.

Andando, esbaforido, suando muito debaixo do sol inclemente.

Com medo de perder o início do clássico, ele abandonou o carro.

Largou seu motorista na estúpida fila de automóveis e foi a pé ao estádio.

Outro cenário, cadeirantes desesperados.

Com o caro ingresso na mão sem ter acesso aos seus lugares.

Encontraram portões trancados e sem funcionário algum com a chave.

Voltaram para casa arrasados.

Do outro lado do estádio, cruzeirenses e atleticanos juntos no desespero.

Com muita sede.

Os bebedouros não tinham água.

O cheiro dos banheiros era nojento.

A água não existia, nem luz.

Muito menos higiene.

Atendendo aos apelos da mídia, os torcedores chegaram cedo ao estádio.

Os que atenderam, passaram fome.

Das 58 lanchonetes, apenas duas abriram.

E logo seus produtos acabaram.

Os poucos ambulantes se aproveitaram.

Cobraram preços abusivos.

Um mero refrigerante quente valia R$ 7,00.

Um copo d'água fervente, R$ 4,00.

A Polícia Militar separou as duas torcidas.

Mas fez vista grossa à invasão dos setores.

Muitos pagaram pouco e sentaram em lugares privilegiados.

Não respeitaram a localização da sua entrada.

"É de quem chega primeiro", repetiam.

Policiais não enxergaram o festim diabólico dos cambistas.

A confusa venda de ingressos foi oportuna para muitos ganharem dinheiro.

Zezé Perrella teve de andar porque houve um atraso na abertura dos estacionamentos.

Um atraso de duas horas!

A administração da Minas Arena deu um show de desorganização.

Era prometido que o padrão Fifa seria respeitado na reabertura do estádio.

Afinal, foram gastos R$ 700 milhões com o Mineirão.

Mas que padrão foi esse?

O de desrespeito à vida humana.

Torcedores foram tratados sem a menor consideração.

Para agradar a políticos, a reabertura do estádio foi feita antes do tempo.

O governador Antonio Anastasia queria dar uma demonstração de pujança.

Da força que realmente Minas Gerais tem.

E do que ela representa para o Brasil.

Mas se deixou levar pela afobação dos novos administradores do estádio.

O Brasil inteiro lamenta e repudia o que aconteceu no Mineirão.

A pressa que não levou a nada.

A intenção era mostrar o quanto Minas Gerais trabalhou bem.

Mas o que se conseguiu foi provocar vergonha alheia.

Até mesmo o presidente do Cruzeiro, Gilvan Tavares, desabafou.

"A chegada ao estádio virou um transtorno.

Vi vários torcedores deixando o carro longe e chegando caminhando.

Muitos conselheiros do Cruzeiro chegaram suados."

O senador da República Zezé Perrella entre eles.

Mas Gilvan falou pouco porque viu pouco.

Logo foi para a área VIP do Mineirão.

Tavares terá de agora em diante de mostrar ser dirigente.

Deixar o conforto e, no próximo jogo, ir para o local dos torcedores.

Sentir na pele o que o cruzeirense passa no Mineirão.

Só de ouvir dizer não adianta.

Precisa passar sede, usar banheiro empesteado...

Ter a sua cadeira ocupada por um torcedor que chegou antes...

Ver a frustração de um cadeirante voltando para casa sem ver o jogo e com ingresso na mão...

Ficar seis horas sem comer, com dinheiro no bolso.

E só encontrar lanchonetes fechadas.

Só assim ele poderá dizer que é o administrador do estádio.

A reabertura às pressas do Mineirão foi absurda.

Constrangeu o Brasil.

Não há o que se comemorar.

Nem o fato de o estádio ter duas torcidas.

As autoridades não fizeram mais do que sua obrigação.

A Polícia Militar recebe seu salário da população para fazer o quê?

Se não consegue separar dois grupos de torcedores, como Minas quer a Copa?

O governador Antonio Anastasia tem de tomar providências.

Ele caiu em uma armadilha política.

A reinauguração do Mineirão só o expôs, o desgastou.

E mostrou o quanto é mal assessorado.

Como o levaram para reinaugurar o Mineirão nessas condições?

R$ 700 milhões gastos para esse grande vexame logo na reabertura.

A administração da Arena Minas tem de se explicar.

O governador precisa exigir mais respeito pelos mineiros.

E não apenas se contentar em posar para fotos que serão usadas em campanhas eleitorais.

Sem água, luz, sem comida.

Banheiros empesteados.

Um pai chorando, desesperado, tentando comprar água para o filho.

Diante de policiais inertes.

Que modernidade é essa, Belo Horizonte?

(O governo mineiro anunciou uma multa de R$ 1 milhão.

Antonio Anastacia mudou seu discurso.

No domingo, mesmo diante do caos, só elogiava o estádio.

Mudou ontem seu discurso dizendo ver falhas graves no Mineirão.

A repercussão pelo país diante dos absurdos teve um grande peso na mudança de postura.

A concessionária Minas Arena pagará pelo que aconteceu domingo.

Porém, a punição é branda demais.

O desrespeito, a irresponsabilidade foram imensos.

A expectativa é que vários torcedores processem a a concessionária.

Quem ganharia com isso seria o Brasil, a civilidade.

O respeito à vida...)

19 minutos e um gol contra o Oeste de Itápolis. Bastaram para Alexandre Pato seduzir a todos no Parque São Jorge. Seu duelo com Paolo Guerrero por uma vaga deverá demorar menos do que ele mesmo espera. O Corinthians quer sua estrela como titular…

ae5 19 minutos e um gol contra o Oeste de Itápolis. Bastaram para Alexandre Pato seduzir a todos no Parque São Jorge. Seu duelo com Paolo Guerrero por uma vaga deverá demorar menos do que ele mesmo espera. O Corinthians quer sua estrela como titular...
Tite não fala porque é esperto.

Anunciar o duelo de forma escancarada seria ruim.

Péssimo para o ótimo ambiente que conseguiu no Corinthians.

Mas entre Alexandre Pato e Paolo Guerrero só há lugar para um.

Os dois duelarão pela vaga do jogador de finalização no Parque São Jorge.

Vivido e esperto, o peruano percebeu isso há muito tempo.

Mas para ele a disputa ficou mais evidenciada depois do jogo de ontem.

Quando o artilheiro do Mundial marcou mais dois gols.

Só que sentiu a reação da torcida, da mídia.

O gol na estreia de Pato foi muito mais celebrado.

Sentiu na pele que o concorrente tem atributos importantíssimos.

É conhecido mundialmente, veio do Milan, mostra potencial para voltar à Seleção.

E pode ocupar a lacuna de estrela de primeira grandeza que o Corinthians não tem.

Sábio, tem a plena noção do quanto são fracos esses times do Interior paulista.

Montados, na sua grande maioria, por empresários apenas para mostrar seus jogadores para tentar vendê-los.

Não é nada difícil marcar gols contra Oeste de Itápolis, Botafogo de Ribeirão Preto.

Por isso, ele viaja para se juntar com a Seleção Peruana com o pé atrás.

Sabe que fizer cinco gols contra Trinidad e Tobago não interesse.

Importa o que acontecerá em Ribeirão Preto.

Alexandre Pato será o titular corintiano.

Jogará exatamente no seu lugar.

A adaptação do candidato à ídolo está sendo perfeita.

Pato tem se mostrado humilde com todos.

Sua relação é ótima com Tite, companheiros e funcionários do clube.

E sem abrir mão de sua sofisticação.

Mora no luxuoso hotel Fasano, tem jantado nos melhores restaurantes paulistanos.

Foi visto em um deles, em Higienópolis, com direito a blazer de veludo.

São Paulo com seu clima ameno e com a aparência cinzenta lembra Milão.

Ele tem todas as esperanças de disputar a Copa do Mundo.

Na convocação de Felipão para o jogo contra a Inglaterra dois nomes ocuparam o que seria sua vaga.

Luís Fabiano e Fred.

Dois jogadores veteranos e com problemas musculares recorrentes.

Dos seus, Alexandre Pato está livre.

Pelo menos é o que garantem os médicos e fisiologistas corintianos.

Se o jogador se firmar, com o apoio da torcida poderá chamar a atenção de Felipão.

O gol de Pato marcado ontem depois do seu terceiro toque na bola foi a confirmação.

Tem uma estrela absurda nas suas estreias.

Foi assim no profissional do Internacional, no Milan e na Seleção Brasileira.

Soube aproveitar bem demais sua estreia no Corinthians.

Logo no primeiro lance em que esteve envolvido, o gol.

O Pacaembu se rendeu a ele.

Principalmente pelo teatral gesto de agarrar o escudo corintiano.

E o mostrar com orgulho para torcida.

Os torcedores ficaram embevecidos, orgulhosos.

Além do gol, ele correu muito, ajudou até na marcação.

Se doou em campo.

Como os corintianos tanto gostam.

E esperto, soube valorizar cada palavra aos jornalistas.

"Tentei fazer o meu melhor e dedico a vitória ao torcedor corintiano.

Foi um dia especial porque eu consegui jogar depois de 70 dias e fechar com um resultado de 5 a 0.

Eu ainda vou render muito mais e jogar melhor."

Sobre a sua disputa particular com Guerrero, foi político.

Preferiu falar que suporta jogar os 90 minutos contra o Botafogo.

"Estou pronto para atuar os minutos que o Tite quiser.

O jogo inteiro, 25 minutos, o que ele quiser. Ele vai decidir."

Tite está adorando o comportamento solidário de Pato.

Tem ouvido e acatado cada pedido do treinador.

E o fato de não ter pose de estrela cativa todo o elenco.

O técnico corintiano sabe o óbvio.

Estando bem fisicamente e entrosado, Pato tem muito mais recursos do que Guerrero.

Tite só não pode virar agora as costas de vez para o peruano.

Ele foi fundamental no título mundial.

Emerson Sheik é intocável para o técnico.

Ou seja: a disputa para o lugar de titular é entre os dois.

Isso está claro.

Só que o técnico quer a disputa seja tranquila.

E não será essa viagem de Guerrero que vai decidir tudo.

Não, o treinador gosta de ser leal aos seus atletas.

Quando o peruano voltar, a vaga é sua.

Pelo menos por mais um período.

Que poderá ser longo ou curtíssimo.

Dependerá do desempenho de Alexandre Pato.

Para ele, essa partida contra o Botafogo em Ribeirão Preto terá um peso maior do que para os companheiros.

Será hora de ganhar mais crédito com Tite, com a torcida e a mídia.

E fundamental marcar outros gols.

Assim como o Oeste de Itápolis, o Botafogo está neste Paulista para isso.

Para alegria dos times grandes.

Por isso que Paolo Guerrero está preocupado.

O caminho está aberto para Pato.

A torcida no Parque São Jorge por ele é imensa.

Não só para se divertir na quarta-feira.

Como para ganhar esse duelo.

E virar o titular corintiano de R$ 40 milhões.

Só é uma questão de tempo...

ae41 19 minutos e um gol contra o Oeste de Itápolis. Bastaram para Alexandre Pato seduzir a todos no Parque São Jorge. Seu duelo com Paolo Guerrero por uma vaga deverá demorar menos do que ele mesmo espera. O Corinthians quer sua estrela como titular...