Posts de 28 de dezembro de 2012

Foram 5.300 propagandas na televisão em 2012. Em 12 campanhas diferentes. 44 horas. R$ 60 milhões no bolso. O Brasil já sofre com a superexposição de Neymar. O pior é que até a Copa a dose será muito maior. Alguém precisa cuidar do garoto…

ae137 Foram 5.300 propagandas na televisão em 2012.  Em 12 campanhas diferentes. 44 horas. R$ 60 milhões no bolso.  O Brasil já sofre com a superexposição de Neymar. O pior é que até a Copa a dose será muito maior. Alguém precisa cuidar do garoto...
Neymar de cuecas, vestido de vaca, fantasiado de Elvis Presley, falando no celular com Ronaldo, de samurai, passeando de carro, falando de sua vida, abraçando o pai, tentando animar a torcida para a Copa, de pernilongo...

Do Oiapoque ao Chuí.

É impossível que alguém não saiba quem é Neymar.

O motivo é simples.

E vai muito além do seu talento com a bola.

O assustador levantamento é da Controle da Concorrência.

Empresa que contabiliza inserções comerciais.

Só em 2012 foram 5.300 aparições em intervalos na tevê.

Mais de 159.000 segundos no ar.

São mais de 44 horas só de Neymar.

Quarenta e quatro horas...

Tiete alguma suportaria assistir todas as propagandas em seguida.

Não haveria tortura maior.

Foi o garoto-propaganda do Brasil.

Esteve em campanhas de 12 marcas diferentes.

Em todos os canais abertos.

Fora os fechados.

Até em cinema, ele atormentou os telespectadores.

A overdose de Neymar rendeu R$ 60 milhões ao bolso do jogador.

A contabilidade foi feita por membros da diretoria santista.

Tudo deverá aumentar ainda nos dois próximos anos que precedem a Copa.

Por isso seu pai, Wagner Ribeiro e Ronaldo devem controlá-lo.

Mas entram na onda e tudo o que fazem é aplaudir.

Se transformam em tietes quando deveriam estar resguardando o garoto.

A superexposição antecede a rejeição, garantem os publicitários.

E o bom senso.

Neymar precisa preservar sua imagem.

Não tem cabimento ficar participando de clipes musicais vestido de gorila.

Cantando em trios elétricos.

Programas de auditório.

Não bastasse isso há o twitter.

Ele manipula mais de cinco milhões e setecentos mil pessoas.

Se sente obrigado a todos os dias mostrar algo diferente.

A vítima predileta é o seu cabelo.

Joga litros de gel, corta, coloca fita, descolore.

Não contente, coloca óculos, deixa barba, tira barba.

Virou escravo do ego.

Ninguém controla o seu lado 'Robert'.

Ele não precisa mais aparecer.

Já pode sossegar, todos o conhecem como melhor jogador do País.

Seus 11 patrocinadores individuais vão continuar.

Provavelmente, devem chegar outros.

As propagandas na tevê, rádio, cinema, internet já serão suficientes.

Neymar já é disparado o jogador com maior visibilidade no Brasil.

Ninguém fez tantas propagandas quanto ele.

Nem seu mentor Ronaldo no auge.

Pelé ficou longe.

Elia Júnior e Simone Mello foram por anos os apresentadores do Show do Esporte.

Sempre foram muito competentes.

A Band começava a transmitir esporte pela manhã e só terminava no final da noite.

Valia tudo: futebol, boxe, vôlei, basquete, sinuca, tênis, judô, lambada.

Na década de 80 não havia ainda os canais fechados, de esporte.

E a atração foi consumida pelos brasileiros com avidez.

Só que faltou visão e os apresentadores mostravam todas as atrações.

E ainda participavam dos intervalos.

Eram horas e horas de Elia Júnior e Simone Mello no ar.

Por anos.

Acabaram desgastados.

Faltou bom senso à direção da emissora.

Os dois saturaram o público.

Depois de um tempo afastado, Elia Júnior voltou.

Trabalha na Band Sports.

E Simone Mello deixou a profissão.

Preferiu ser mãe e cuidar dos dois filhos.

Neymar vai no mesmo caminho.

As tietes já têm material até para mostrar aos bisnetos.

Tudo ficará pior, já que a presidente Dilma o quer como símbolo do Mundial.

Felipão também o usará como escudo.

Como referência para tentar fazer a Seleção voltar a ser aplaudida por aqui.

Principalmente na Copa das Confederações.

Ou seja: Neymar será o jogador mais entrevistado do time brasileiro.

Seus patrocinadores irão insuflar as campanhas a partir de janeiro de 2013.

Começa a reta final para a Copa de 2014.

Será um ano e meio de propagandas, publicidades inundando a televisão.

Por tudo isso, passou da hora do staff de Neymar agir.

A 9ine de Ronaldo, Wagner Ribeiro e o pai do jogador devem se unir.

E lembrar dos R$ 60 milhões que o atacante embolsou.

Preservar o atacante para aparições que valham dinheiro.

Fazer com que não vulgarize sua valiosa imagem.

Se não fizerem isso, vão se arrepender.

Por exemplo se a Seleção perder a Copa, o que há muita chance.

Como ficará a sua imagem?

Queimada com o jogador tendo apenas 22 anos?

A overdose de Neymar está aí, na frente de todos.

Depois não haverá lugar para arrependimento.

Quando ninguém suportar ter pela frente o garoto de cabelo espetado.

Vestido de vaca, de gorila, de pernilongo, de cuecas...