Posts de 13 de dezembro de 2012

Tirone desespera os conselheiros do Palmeiras. Está gastando demais, comprometendo a próxima administração. Quer mostrar competência, contratar antes da eleição…

ae119 Tirone desespera os conselheiros do Palmeiras. Está gastando demais, comprometendo a próxima administração. Quer mostrar competência, contratar antes da eleição...
Muita revolta no Palestra Itália.

Conselheiros estão bufando, irritados com Arnaldo Tirone.

Para tentar disfarçar o vexame do rebaixamento, escolheu uma tática.

A de gastar o dinheiro que não pertence à sua administração.

As chances de ser reeleito são mínimas.

Mas ele não quer nem saber.

O importante é tentar recuperar sua imagem.

A sua primeira providência foi em relação a Barcos.

O atacante argentino tem contrato até 2015.

Mas já havia avisado que não poderia ficar em um time da Segunda Divisão.

Colocaria em risco a chance de disputar a Copa do Mundo de 2014.

Deu a coletivo e os conselheiros cobraram Tirone.

Barcos não poderia sair de jeito algum.

É o ídolo do medíocre Palmeiras rebaixado.

No dia seguinte, Barcos veio a público.

Seu discurso foi completamente diferente.

Avisava que ficaria 'por amor' ao Palmeiras.

Ninguém pode duvidar do seu amor.

Mas também houve outro incentivo para continuar no Palestra Itália.

Ele ganha R$ 200 mil por mês.

Tirone lhe prometeu um salário de R$ 500 mil a cada 30 dias.

E mais: pediu que disputasse a Libertadores.

Depois, se surgisse um clube disposto a pagar R$ 11 milhões, o venderia.

Ou seja: ofereceu R$ 3 milhões para o Pirata ficar até junho.

Os conselheiros estão possuídos de ódio.

O assunto não foi debatido, acordado entre os candidatos à presidência do clube.

"Quem manda sou eu até o dia 21 de janeiro.

O regime é presidencialista", repete Tirone.

Barcos ainda não assinou o novo contrato.

Mas Fernando Prass, já.

O goleiro de 34 anos assinou.

Seu salário de R$ 150 mil estava atrasado por três meses no Vasco.

Antes do atraso, buscava assinar por mais um ano em São Januário.

Como Roberto Dinamite não conseguiu pagá-lo, Prass foi à Justiça.

Estava processando o Vasco, quando o Palmeiras apareceu.

E com uma proposta inesperada.

Boa demais para ser verdade.

Tirone mandou abrir os cofres.

Depois de 18 anos, o clube contrataria um novo goleiro.

Desprezaria sua tradição de formar os arqueiros no clube.

O presidente não quis saber de Bruno, Deola, Raphael Alemão.

E tratou de oferecer um acordo que deixou o próprio Fernando Prass surpreso.

Nada menos do que R$ 300 mil mensais.

E um contrato de três anos.

Três anos, o triplo que o goleiro queria no Vasco.

E ganhando o dobro.

Nada foi feito em relação a Valdivia.

Falta coragem para pedir uma redução de salários.

Ele recebe do clube, R$ 375 mil mensais.

Também tem contrato até 2015.

E não há qualquer outra equipe interessada no meio chileno.

Os responsáveis pelos departamentos jurídicos e financeiros palmeirenses estão inconformados.

Acreditam que Tirone está gastando demais, negociando rápido.

E, lógico, usando os contratados como trunfo político.

Ele já autorizou empresários a convencer Rodrigo Souto a voltar do Japão.

Largar o Jubilo Iwata para jogar no Palestra em 2013.

"Dinheiro não é problema por lá", brinca um empresário.

O Palmeiras busca dois zagueiros, um lateral esquerdo, um meia e um atacante.

Tirone quer esses jogadores o mais rápido possível.

Se possível, antes de terminar o ano.

Quer provar sua competência.

Pouco importa se a dívida do clube passou dos R$ 100 milhões.

E passará pela vergonhosa disputa da Segunda Divisão em 2013.

Tirone age como se tudo estivesse na mais perfeita ordem.

Paulo Nobre e Décio Perin, candidatos à presidência assistem a tudo de braços cruzados.

Não podem fazer nadar.

A não ser lamentar.

"Até o dia 21 de janeiro, o presidente sou", repete Tirone.

E vai gastando, comprometendo o dinheiro da próxima administração...

O Chelsea desfilou contra o Monterrey. Mas mostrou suas deficiências. Se o Corinthians for o time da Libertadores e esquecer a covardia de ontem, pode sim ser bicampeão mundial. Depende de Tite…

efe O Chelsea desfilou contra o Monterrey. Mas mostrou suas deficiências. Se o Corinthians for o time da Libertadores e esquecer a covardia de ontem, pode sim ser bicampeão mundial. Depende de Tite...
Há esperanças para o Corinthians.

Reais.

Embora o Chelsea seja muito melhor individualmente...

Seu problema é defensivo.

Na vitória por 3 a 1 hoje contra o Monterrey ficou evidenciado.

Rafa Benitez tem um elenco desequilibrado.

Muito ofensivo, mas que deixa brechas aos contragolpes.

Suas estrelas são mesmo excelentes do meio para a frente.

Mas o time inglês deixa espaços aos contragolpes.

Principalmente pelas lateras.

Tite e seus jogadores estiveram em Yokohama.

Mas se estivessem em Itaquera, tomando garapa, reparariam.

Salta aos olhos, a fragilidade pelas laterais.

E, principalmente, na recomposição do time nos contragolpes.

Esse foi o principal problema que acabou com a demissão de Di Matteo.

A prova ficou explícita na eliminação da Champions League.

Logo na primeira fase.

O time muito bem no ataque.

Marcou 16 gols em seis partidas.

Em compensação, sofreu dez.

Cada vez mais a estatística denuncia a forma de um time atuar.

E foi assim hoje em Yokohoma.

Apesar de sua paixão por um firme sistema defensivo, Rafa Benitez teve pouco tempo para agir.

Sabia que tinha um adversário mais fraco.

E não se preocupou.

Colocou Ramires no banco, poupado para domingo.

Adiantou David Luiz como volante.

Ivanovic saiu da lateral e atuou como zagueiro.

Entrou o reserva Azpilicueta na direita.

Oscar, suplente na visão de Benitez, pôde jogar os 90 minutos.

Enquanto o tático Moses entrou no final, também reservando energia para o Corinthians.

O técnico espanhol procurou dar uma estrutura na marcação, principalmente nos contragolpes mexicanos.

E colocou seu time para desfilar seu talento do meio para a frente.

Como gosta o bilionário Roman Abramovich, dono da equipe.

Foi aí que Mikel, Hazard, Mata e Oscar puderam mostrar habilidade, movimentação.

Tabelas desconsertantes.

E Fernando Torres se aproveitar do talento alheio para concluir a gol.

Ashley Cole também mostrou ser uma arma importantíssima pela lateral esquerda.

Aos poucos, os Chelsea foi envolvendo o Monterrey.

E em ritmo de treino, sem forçar, ganhou por 3 a 1.

Com toda autoridade.

Por que Tite e seus jogadores saíram com esperança do Yokohama Stadium?

Porque o Chelsea tem graves problemas defensivos.

E que não há solução com esses jogadores que Benitez tem nas mãos.

Se o Corinthians voltar ao normal e atuar como na Libertadores, pode se animar.

Os ingleses não tem a compactação que Tite levou dois anos para conseguir.

Os setores atuam de forma mais afastadas.

Há brechas importantes pelas laterais e nas costas dos volantes.

Se Lampard, voltando de contusão, começar a partida, será melhor ainda.

Aos 34 anos, sua personalidade forte é fundamental ao time.

Mas mesmo em forma, já se mostra lento.

Retornando de um período parado, melhor ainda.

Emerson pela esquerda, se tiver o apoio de Fábio Santos, poderá deitar e rolar.

A tendência é que Ivanovic atue pela direita.

Mesmo se for Azpilicueta não há saída.

Os dois são muito lentos para o atacante corintiano.

Assim como a zaga inglesa é fraca demais nas bolas aéreas.

Cahill e David Luiz são muito criticados na Inglaterra.

E com razão.

Têm obrigado o excelente goleiro Cech a passar por muito nervosismo.

Na Champions, eles falharam demais.

Guerrero e Danilo podem aproveitar para cabecear nos escanteios e cruzamentos.

A falta de empenho na marcação do atual Chelsea virou marca registrada.

Principalmente nos contragolpes.

Paulinho pode ser o homem do jogo, se infiltrando entre os volantes e os zagueiros.

Com duas linhas fixas, de quatro e cinco homens no meio de campo, o Corinthians se impõe.

A flutuação do meio e do ataque inglês pode morrer na aplicação do time brasileiro.

Basta que o Corinthians jogue sem medo, com a confiança da Libertadores.

Se tentar apenas recuar, atuar na sua intermediária, como fez contra o Al-Ahly é suicídio.

Com o talento individual de suas estrelas, o Chelsea vence.

Vai encontrar brechas para marcar um, dois ou até três gols.

Principalmente se Mata e Hazard tiverem espaço para respirar.

Agora, se Tite esquecer o esquema covarde de ontem, a briga será boa.

E com chance de festa para o time brasileiro.

O Chelsea vive um momento de choque, tentativa de encaixe.

O ofensivo elenco se encontrou com o defensivo Rafa Benitez.

Não há o encaixa entre jogadores e treinador.

Essa é a grande vantagem corintiana.

Por isso o sorriso de Tite e de seus jogadores na saída do estádio.

Os mexicanos do Monterrey tombaram por 3 a 1.

Mas denunciaram as fragilidades do Chelsea.

Basta o Corinthians ter coragem, confiança.

E o bicampeonato mundial é sim, muito possível...

(Chega do Japão a possibilidade de mudança no Corinthians.

Romarinho, muito mais leve, ágil no lugar de Guerrero.

Em função da confusa e lenta zaga do Chelsea.

Pode ser um ótimo caminho...)

Ronaldo convida Edmundo para beber e depois ‘apertar um’. Em plena despedida de Marcos, com as câmeras mostrando o gesto para o Brasil inteiro. Péssimo exemplo, falta total de noção do Fenômeno…

A cena é bizarra.

Aconteceu na despedida de Marcos, na terça-feira.

Mas virou febre na Internet.

A SporTV registrou, mas seus narradores e comentaristas não perceberam.

Ronaldo estava falando com Edmundo.

O convidava para beber após o jogo.

E não ficou nisso.

O gesto é clássico.

E dá sim interpretação para um convite para fumar.

Não cigarros tradicionais.

Até porque cigarro tradicional não 'se aperta'.

Torcedores ficaram chocados com a cena explícita.

A filmagem foi uma coincidência.

A bola estava parada.

Ronaldo não imaginou que estava sendo focalizado.

Muito menos que seu convite fosse registrado de forma tão clara.

Durante a noite de ontem e hoje pela manhã foi procurado para explicações.

Não quis falar.

Mandou que sua assessoria de imprensa divulgasse que tudo não passou de uma brincadeira.

Pode ser.

Mas Ronaldo sabe a imagem que tem.

Além de um dos maiores jogadores de todos os tempos hoje é empresário.

E homem importante, do Comitê Organizador da Copa.

Símbolo usado por Dilma Rousseff para lutar contra a rejeição ao Mundial.

Sua história de sucesso é apontada como exemplo para a juventude.

Ao 'brincar' com Edmundo em um jogo transmitido ao Brasil inteiro, se expôs.

Foi absolutamente desnecessário.

E não se comenta aqui a sua atração por vinho, uísque.

O que já é péssimo.

Quando ele chama Edmundo para 'fumar um', tudo se complica.

Sem falso moralismo.

Ronaldo sabe que errou feio.

Como de costume, quando acerta faz coletiva, dá entrevistas.

Quando erra, se cala.

Deixa sua assessoria dar a justificativa mais politicamente correta.

A brincadeira não só o envolveu como também a Edmundo.

Manchou a despedida de Marcos.

Para valer ou não, o gesto deveria ter sido feito nos vestiários.

Não para ser politicamente correto apenas.

Mas por não ser interpretado como apologia.

Ronaldo é um homem maduro pode fazer o que quiser com sua vida.

Mas precisa ter a noção do que representa para o povo brasileiro.

A imagem corre o mundo.

Milhares de jovens estão vendo gesto natural.

A risada logo depois do convite.

Nenhum jogador usou a mídia de forma tão efetiva quanto ele.

Por isso mesmo não poderia nunca escorregar dessa maneira.

Brincar diante de milhares com algo tão sério.

A família de Edmundo sofreu muito por causa das drogas.

Ele perdeu um irmão, viciado.

Tudo isso não pode ser esquecido.

Principalmente quando Ronaldo está em frente às câmeras.

Não é uma questão de policiamento.

E sim de bom senso.

Chamar Edmundo para 'apertar um' foi péssima ideia.

Ainda mais quando quem convida se chama Ronaldo...

reproducao13 Ronaldo convida Edmundo para beber e depois apertar um. Em plena despedida de Marcos, com as câmeras mostrando o gesto para o Brasil inteiro. Péssimo exemplo, falta total de noção do Fenômeno...

No jogo da vergonha, o São Paulo foi campeão da Sul-Americana. O Tigre não voltou para o segundo tempo. Há duas versões. Ambas deprimentes. E a linda despedida de Lucas…

ae118 No jogo da vergonha, o São Paulo foi campeão da Sul Americana. O Tigre não voltou para o segundo tempo. Há duas versões. Ambas deprimentes. E a linda despedida de Lucas...
Duas versões deprimentes e uma cena sensacional.

A final da Copa Sul-Americana de 2012 entrará para a história.

São Paulo e Tigre protagonizaram um patético drama.

Nem na várzea aconteceria.

O time paulista foi declarado campeão após jogar apenas 45 minutos.

Vencia o jogo por 2 a 0.

Os argentinos não voltaram para disputar a segunda etapa.

Aí surgem as duas versões.

"Eles pipocaram.

Não posavam de galo de briga?

Fugiram da rinha porque sabiam que não venceriam o jogo.

Uma vergonha.

Esses caras pipocaram."

Ney Franco desabafava com raiva.

"Eles nos deram pontapés, socos.

Quiseram arrumar confusão no intervalo.

Invadir o nosso vestiário para brigar.

Os seguranças não deixaram.

E depois não quiseram passar vergonha.

Já apanhavam por 2 a 0.

Ficaram com medo de perder por mais."

Esnobava Lucas, que se despediu ontem do São Paulo.

Fez sua última partida pelo clube.

A partir de hoje sua vida está toda amarrada com o Paris Saint Germain.

Enquanto o São Paulo ganhava as medalhas e o troféu de campeão, os argentinos estavam no vestiário.

A Fox Sports mostrou imagens chocantes.

A parede branca estava manchada de sangue.

Havia a marca de uma mão.

Impressionante.

Parecia um cenário de terror.

Segundo relatos dos jogadores do Tigre, houve selvageria no intervalo.

Eles acusam seguranças do São Paulo de partir para a briga.

Esperaram a equipe sair do campo e a agrediu.

"Seguranças armados começaram a bater nos jogadores.

Batiam com cassetetes, socos.

Mostraram as armas.

Um loucura", acusava o técnico Gorosito.

"Foram uns 30 seguranças que vieram para cima da gente.

Nos agrediram, xingaram.

Um absurdo.

Não nos deixaram treinar.

Tivemos de brigar para nos aquecer no gramado.

E depois isso no intervalo.

Além de agredidos, seguranças nos ameaçaram com armas.

Revólveres.

Incrível", desabafava Galmarini.

A PM confirma que separou uma briga generalizada no intervalo.

Entre seguranças do São Paulo e a Comissão Técnica e jogadores do Tigre.

O ônibus do time já havia sido bombardeado por torcedores.

No trajeto até o Morumbi, os jogadores sofreram.

Tiveram de se preocupar com latas de cerveja atiradas na delegação.

Uma selvageria.

Diante dessas supostas agressões no vestiário, a direção do Tigre tomou a decisão.

O time não voltou para disputar o segundo tempo.

Perdeu o jogo por abandono.

E a direção da Conmebol ameaça suspender a equipe de torneios internacionais.

Foi um desrespeito absurdo aos cerca de 70 mil torcedores no estádio.

67 mil pagaram ingressos e a renda chegou a R$ 3,9 milhões.

Nem na várzea haveria tamanho constrangimento.

Enquanto a bola rolou, o São Paulo impôs sua maior técnica.

Lucas foi mesmo o melhor do jogo de 45 minutos.

Sem Luís Fabiano, suspenso, o atacante resolveu fazer de sua despedida uma festa.

Ao pegar a bola partia sem dó para cima do sistema defensivo argentino.

Atuando no Morumbi, o Tigre montou um esquema defensivo fortíssimo.

E mostrava a aptidão dos seus jogadores ao MMA.

Várias bordoadas, pontapés, cotovelas nos jogadores do São Paulo.

O árbitro chileno Henrique Osses foi de uma omissão total.

Ele perdeu o controle do jogo.

Não conseguiu conter a violência argentina.

O que estimulou mais pontapés e socos.

Mas acontece que o talento do São Paulo era muito maior.

Ney Franco colocou seu time para sufocar o adversário.

E Lucas mostrou o quanto é diferenciado.

Aos 23 minutos, ele recebeu passe Willian José deu para Jadson.

A zaga cortou, mas a bola sobrou para o atacante do PSG.

Lucas a conduziu com talento e chutou de perna esquerda.

Gol do São Paulo.

Gol de despedida.

Não satisfeito, Lucas deu ótimo passe para Oswaldo.

A conclusão foi inteligente, apenas encobrindo Albil.

2 a 0 aos 27 minutos.

Estava sabotado o plano dos argentinos em ir para os vestiários empatando em 0 a 0.

Eles ficaram nervosos, irritadiços.

Acabaram por acertar Lucas, que ficou com o nariz sangrado, resultado de uma cotovelada.

O primeiro tempo terminou sem os argentinos incomodarem Rogério Ceni.

Na ida para os vestiários, Lucas mostrou um cotonete sujo de sangue do seu nariz.

E começou a confusão, com jogadores se empurrando, se xingando.

Paulo Miranda foi imitar Sheik e pediu para um argentino lhe dar um soco, um tapa no rosto.

E batia na própria cara.

Conseguiu foi é levar um pontapé de Diaz.

Ambos foram expulsos e não voltariam para o segundo tempo.

Isso se o Tigre aceitasse voltar, o que não ocorreu.

Henrique Osses esperou por cerca de 30 minutos.

E com toda autorização da Conmebol deu o jogo por encerrado.

São Paulo campeão da Sul-Americana.

Festa, comemoração e aí veio a cena sensacional.

Na hora da entrega do troféu, Rogério Ceni chamou Lucas.

O goleiro tirou a sua braçadeira de capitão.

A colocou em Lucas.

E ele teve o privilégio de levantar a taça.

Comemorar com a torcida.

Foi uma linda homenagem ao ídolo que está indo embora.

E a taça da Sul-Americana foi erguida por Lucas.

O São Paulo quebrou o seu jejum de quatro anos.

Enquanto isso, a direção do Tigre prometia.

Iria recorrer à própria Conmebol relatando o que havia acontecido.

Tentaria a anulação da partida.

Os torcedores comemoraram.

Mas foi lamentável o abandono do jogo pelos argentinos.

Será motivo de piadas em todo o mundo.

Até na várzea.

Os argentinos garantem ter motivo de sobra.

A direção do São Paulo não quer nem saber.

E comemora feliz a conquista da Sul-Americana.

Lucas teve a sorte de marcar gol e ainda ser campeão no seu adeus.

Tudo seria perfeito se a final tivesse 90 minutos.

E não apenas 45 minutos.

Uma vergonha para a América do Sul.

Para o Brasil.

Não é por acaso que o site oficial do jornal argentino Olé já estampe.

"O São Paulo, o campeão do constrangimento."

Certo, errado?

Depende do ângulo, de quem conta a história.

Aqui estão as duas versões.

Mas a taça já está na sala de troféus do Morumbi.

O São Paulo é campeão da Sul-Americana.

Não tem volta...

(A Polícia Militar confirma.

Houve o confronto.

Entre jogadores, Comissão Técnica do Tigre.

E os seguranças do São Paulo.

Com feridos dos dois lados...

"Nós fomos chamados para separar uma briga generalizada.

Entre comissão técnica e jogadores do Tigre.

O policiamento chegou lá e a briga já estava generalizada entre seguranças do SP e jogadores e comissão técnica.

A polícia chegou apenas para apartar a briga.

E não foi constatada nenhuma arma de fogo", garantiu o Major Gonzaga.

Ele foi o comandante da Polícia Militar no Morumbi...)